Publicidade

Publicidade
15/06/2009 - 13:55

Lição de insegurança

Compartilhe: Twitter

Carlos Pardo morreu. Confesso que sequer havia ouvido falar nele até sua morte. Ontem, liguei a TV, passei pelo Speed e a corrida da Nascar México, em Puebla, estava passando. Não quis ver. Fui esperar a final da NBA, acho.

Hoje, soube do acidente e da morte do piloto. Vi o video, que está no Grande Prêmio. Fui me informar melhor sobre o que aconteceu para fazer a notinha. Jorge Goeters abriu a última volta em primeiro. Pardo o ultrapassou. No ímpeto para retomar o primeiro lugar, Goeters tocou o rival, que foi a 220 m/h em direção à ponta de um muro.

Sim, algo como uma ponta. Um muro interno que não é uniforme, que se inicia em meio à reta. O carro 21 de Carlos foi em direção à quina desta dita proteção. E ele morreu.

Não vou dissertar sobre a segurança dos bólidos da Nascar México por não conhecer a estrutura tubular dos carros, muito menos entender de resistência de materiais. Mas o absurdo é evidente. Como absurdos são tantos dos nossos autódromos — guard-rails datados dos anos 1970, barrancos no lugar das áreas de escape — e tantas coisas no automobilismo brasileiro — ausência de antidoping, capôs voadores. 

Vocês sabem do que eu estou falando.

E pensar que Ruben Pardo, irmão mais novo e companheiro de equipe de Carlos, viu tudo de perto. Não sei olhar para este tipo de coisa com frieza. Espero continuar assim.

[Felipe Paranhos]

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags: , , ,

Ver todas as notas

17 comentários para “Lição de insegurança”

  1. Fábio C. disse:

    Realmente felipe não se precisa citar os nomes dos locais, é visível até pela TV a qualidade ( ou falta de) do piso, ontem pasmando em frene a TV acabei assistindo F-Truck, e dava para ver que o equipamento mais solicitado não era o piloto, mas a suspensão dos veículos.

    Ou um barranco com alambrado e atrás disso chamam de arquibancada, lá no sul, onde ano passado voou uma roda e por Deus não acertou ninguém, Claro que esses esportes a motor são divertidos, mas é necessário o mínimo de prudência.

    Também fiquei sabendo da notícia do acidente pelo GP, com trab. com engenharia civil, achei muito estranho uma quina no autódromo, mas em vários canais a informação é essa, realmente existia uma quina no autódromo, um absurdo

  2. Igor Munarim disse:

    Vai no site abaixo e conheça um pouco da Nascar México Corona Séries.
    http://www.nascarmexico.com.mx/

    Resposta do Felipe Paranhos

    Sim, sim, obrigado, Igor. Mas já conhecia.

  3. Luiz disse:

    Apesar de gostar delas,reconheço que corridas são uma merda.O mundo seria um lugar melhor se não houvesse o maldito espírito competitivo.Veja quantos se matam nas arenas, circuitos,escaladas,boxe,etc. Lembremo-nos que quem busca adrenalina, pode encontrar morfina!

  4. Andrews disse:

    Tive oportunidade de ver três ou quatro corridas da Nascar Mexico, e na minha opinião os autódromos mexicanos são aberrações. Inacabados, mal projetados e sem áreas de escape.
    Podem esperar, mais mortes virão!

  5. Tiago S. disse:

    Um absurdo, e não só as condições da pista de lá, como aqui também temos essas pistas destruidas com carros da stock correndo.
    Mas a atitude dos pilotos nesse tipo de categoria também contribui.

  6. Edson disse:

    Lembra um pouco a pancada fatal do Greg Moore em Fontana-USA. A barreira formava um angulo semelhante em relação à pista.

    Resposta do Felipe Paranhos

    Acho esse do Greg, inclusive, o mais terrível que vi.

  7. Marcio Marques disse:

    Nao podemos falar muito, os nossos autodromos sao precarios..
    por aqui ainda damos sorte..

  8. Marilia Compagnoni Martins disse:

    será que alguém realmente acredita que o Brasil está livre de uma dessas nas categorias tromba-tromba?

    eu fico p* da vida qdo ouço uns amigos falando “ah Marilia, deixa de frescura o legal de corrida é ver porrada”

    continuo não achando graça em porrada de carros, pessoas morrem assim, as vezes só o piloto, as vezes os destroços levam outros junto :(

  9. João Ferreira disse:

    Pistas do México, Colombia, Argentina ou Brasil, todos tem seus defeitos, até mesmo nos Estados Unidos tem seus circuitos com suas pontas, Indianapolis ou mesmo o último corrido pela Nascar Mãe, onde o carro 12 da Penske bate no muro de entrada dos boxes, ou mesmo um mecânico quase entra na pista atrás de um pneu…enfim, tragédia acontece em todo lugar, o importante que devemos aprender com todos eles e ficar mais preparados para quando acontecerem ou evitá-los, melhorando a segurança destes autodromos.
    E como forma de registro, a curva em Interlagos onde houve o acidente do primo do Sperafico foi alterada, foi mexida, tem algo novo, melhorado???

    Enfim, um abraço!!

    Resposta do Felipe Paranhos

    Recuaram um pouco o muro, João. Mas nada que seja garantia total de segurança.

  10. Fábio Bonato disse:

    Juro pra vocês que, quando o narrador comentou que naquela corrida que eles começavam a transmitir havia falecido um piloto, após o primeiro giro pelo circuito eu, mesmo sem saber enxerguei que aquele muro de entrada dos boxes certamente era o causador desse fato. É ridiculo o que eles fizeram colocando um muro na parte interna da curva, não havia a minima necessidade. Isso criou aquela “ponta” que infelizmente vitimou esse piloto. Esse tipo de coisa não pode existir em nenhum autódromo, é simplismente ridiculo!

  11. Fernando disse:

    Bom dia a todos, os circuitos ovais tem um problema, a área interna. Projetar um circuito com área interna distante da área de rolamento implica em aumentar o tamanho do autódromo em quase o dobro, porque na área interna ficam os caminhões das equipes, áreas de transmissão, etc.
    Colocar um muro na volta interna é transformar o circuito em uma lata de sardinha, como diria o Dr. Sid sobre Mônaco, contudo existe a necessidade da entrada e saída de box, o que é um problema.
    Nos ovais curtos como o de Puebla, o problema se agrava, mas siceramente uma ponta de muro sem proteção adequada para carros que atigem mais de 200km é um risco desproporcional, contudo todos pilotos aceitam o risco em entram em seus carros para disputar.
    Na stock, a estrutura do carro é frágil principalmente para colisões laterais e ninguém deixa de correr ou exige mudanças.
    Mas o aprendizado é custoso, há mais de 15 anos vimos Airton perder a vida em circuito aprovado pela FIA, área de escape adequada naquele ponto poderia atenuar as consequências do acidente.
    Estrutura do carro e desenho de pista são essenciais para a segurança deste esporte excitante e violento.

  12. Rodrigo disse:

    Na verdade Felipe, se você olhar o vídeo algumas vezes, verá que o Carlos fecha a porta, depois que o Jorge já estava jogando para esquerda… O piloto de trás não dá uma guinada para direita para tocar na traseira do Carlos….Para não haver o choque, Jorge tinha que ter tirado o pé ou pisado no freio, o que eu acho muito difícil de se pensar com alguns metros para o final e vendo que você está mais rápido que o primeiro colocado…
    Neste caso, também vale aquela lei de quem tá atrás é culpado? Numa corrida de carros, acho isso no mínimo discutível…
    Abraço,

    Resposta do Felipe Paranhos

    Engraçado, Rodrigo. Agora que vi novamente o video, tô achando que o Jorge tava reto, o Carlos achou que já havia o ultrapassado e fechou a porta. Por não medir a distância corretamente, tocou sua traseira na dianteira do Jorge. Acho que você tem razão, não foi o Goeters quem tocou no Pardo, e sim o contrário — o que, evidentemente, não significa nada próximo de culpa. Um toque normal de corrida virou acidente fatal pela falha grave de estrutura do autódromo.

  13. Rodrigo disse:

    Em tempo: Quina de muro próximo à curva de alta velocidade?? è pedir para ter uma tragédia…

  14. Arthur Chrispin disse:

    Paranhos, se eu não me engano a corrida que passou no Speed foi a anterior, Queretaro. Até porque é uma reapresentação. Puebla ainda deve passar. Desculpe se estiver dando informação errada, mas creio ser isso mesmo.

    Resposta do Felipe Paranhos

    Não, Arthur, foi Puebla, mesmo. Só que o Speed não transmitiu o acidente. “Em respeito a familia do piloto”, segundo Roberto Figueroa, comentarista do canal.

  15. boris disse:

    E aquela QUINA na entrada dos boxes de interlagos,toda vez que assisto uma corrida lá,eu fico preocupado,eagora?Depois do Mexico vamos mexer naquela entrada ou precisará alguem morrer para tomarem providencia?

  16. Nilton disse:

    Finalmente alguém percebeu o tamanho desse absurdo…
    Pena que mesmo assim, não vai dar em nada…

  17. Bianchini disse:

    Esse meio muro para fechar a entrada do misto que é usado no WTCC foi ridículo, a família do piloto pode processar o autódromo por negligência tranquilamente.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo