Publicidade

Publicidade
26/06/2009 - 01:00

Impossível crer

Compartilhe: Twitter

Michael Jackson - Getty Images

Acho que todo mundo deve ter feito, ou ao menos pensado, em uma lista de pessoas que acham que nunca vão morrer. Algumas são clássicas, como Silvio Santos, por exemplo, e a Dercy, que causou um capote em todo mundo no ano passado.

Pois a minha lista era muito ruim, pelo jeito. Tinha o Brizola, o Roberto Marinho e o Michael Jackson. Como não acreditei direito na morte dos dois primeiros, não consigo crer também que é verdade que o rei do pop já era também.

Poucas pessoas tiveram uma história de vida tão controversa. Genial desde pequeno, exigido como um popstar que era, apanhou do pai, cresceu, virou ainda mais gênio, passou de negro a branco, explodiu em suspeitas de pedofilia e, por fim, virou uma bizarria sem tamanho nos últimos doze anos. Uma passagem marcante, sem dúvidas.

Muita gente agora vai lembrar de todos os escândalos. Como não sou juiz e era fã desde pequeno do grande Jackson, segue o clipe da melhor música que ele já fez na breve e intensa vida. Não sei se ele morreu realizado, satisfeito ou deprimido, mas sei que marcou. E, no fim, é isso mesmo que acaba valendo.

Descanse em paz, Michael.

Um abraço,
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): Música, Off-topic Tags: ,

Ver todas as notas

8 comentários para “Impossível crer”

  1. Murilo Mori disse:

    Francisco, ontem estava comentando isso com minha esposa, sobre essas pessoas que não conseguimos imaginar mortas. Adicionando à sua lista: Pelé e Roberto Carlos, o cantor.
    Abraço e parabéns para toda turma do grande prêmio

  2. Mauro disse:

    Ainda não acredito que o Senna morreu…

  3. Ike Nodari disse:

    Já foi tarde. Ultimamente só fez porcaria e conseguiu se livrar dos processos porque a justiça americana aceita qualquer tipo de acordo. Safa que gostava de criancinhas. Algumas músicas boas e só. Pena a impensa dar tanta importância para esse tipo de ídolo. Abraços

    Resposta do Francisco Luz:

    A ideia não era falar da pessoa, que era altamente perturbada e problemática, mas do seu legado musical. E esse não era de apenas algumas músicas, só… pô, o cara é só dono do disco mais vendido da história!

  4. Joel_RS disse:

    Affe, até no jornaleco daqui deu capa e página central.
    Sinceramente, ele morreu nos anos 80.

  5. Bruna disse:

    Básico na vida de qualquer um que tenha uma pontinha de gosto pelos anos 80, no mínimo. Se ele tinha defeitos, ao menos foi o gênio que a atual geração da música NÃO tem condições de recriar. Tenho a certeza de que isso merece algum respeito, mas claro, é tudo uma questão de ponto de vista.

    Seu último parágrafo foi bem interessante Victor, sensatez escassa hoje em dia.

  6. Bruna disse:

    *Francisco

    Resposta do Francisco Luz:

    Ainda bem que tu corrigiu. Senão, me ofenderia, hahahaaaha

  7. Ike Nodari disse:

    Olá Francisco. Gostaria de me desculpar por ter ofendido toda uma geração (anos 80), mas você há de convir comigo que o cara era um grande produto dá mídia. Considero você um cara inteligente e, por isso mesmo, sabe muito bem que nem sempre quantidade significa qualidade. Há quanto tempo as rádios não tocavam alguma coisa do astro pop? Abraços

    Resposta do Francisco Luz:

    Ike, não ofendeu, em absoluto. E concordo contigo que quantidade não é qualidade; foi apenas um desabafo, pois nem eu mesmo lembrava o quanto eu já gostei de MJ — conversando com amigos e primos no final de semana, lembramos de várias coisas de quando éramos menores e talicoisa.

    E obrigado pelos elogios =D

  8. Thais disse:

    Adorei seu comentário….sou fã d+ de Michael e ainda estou muito triste ….a mesma coisa senti com Ayrton Senna…sendo que Michael é do mundo e parece que a falta que ele vai me fazer vai ser maior.
    Mas ficam as lembranças boas …o brilhantismo e as grandes obras dele. Como homem e como artista!!!
    Michael pra sempre!!
    bjs

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo