Publicidade

Publicidade
29/06/2009 - 18:48

Um ponto. Grande vitória.

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Acho que vocês se lembram da minha primeira experiência com o automobilismo virtual. A Grande Prêmio Racing havia se inscrito para o Mundial de 2010 e Victor Martins mandou eu adquirir experiência para o caso de sermos escolhidos.

A equipe até já havia sido formada pelo desagradável editor-chefe: ele e Gomes cuidariam da estratégia, Evelyn ficaria como grid-girl, Lellis seria o assessor e Chico Luz seria entregue à captação de recursos financeiros. Mas, como vocês sabem, Mosley refutou nosso interesse. E a GPR me abandonou. Martins não atendia mais minhas ligações e soube por meu agente que Gomes transferiu os esforços e as finanças do natimorto time para o Meianov.

Sem patrocínio e sem equipe, tive de dar um passo atrás na carreira. Daniele Ferraz, chefe de equipe, piloto, projetista e copeira da Playboy Racing, me convidou para uma das quatro vagas da equipe na T-Light — categoria de Turismo para iniciantes do F1BC. A decisão foi difícil, mas decidi aceitar.

Assumi o carro #50. Era de outro cara, que desistiu. O nome dele segue na carenagem. Ó vida, ó azar. Além de tudo, ainda corro com um tal de Vinicios da Matta impresso no vidro. Mas tudo bem. Graças à briga FIA x Fota, perdi a etapa de Hockenheim, o que me deixou bastante feliz com Mosley e Montezemolo, dois fofos desse jogo midiático ridículo.

Na quinta (25), chegamos ao circuito de rua de Birmingham para a prova. Na classificação de cinco voltas em até dez minutos, consegui o 26º tempo entre 32 carros — não tão mal para quem corre de teclado contra os volantes que só faltam guiar sozinhos.

(Brincadeira. Quanto melhor o volante, mais trabalho dá. Ô inveja. Mas de teclado é ruim mesmo.)

Alertado por Daniele, João Victor e Fernando Passos, meus companheiros de equipe, pus na cabeça que fugiria de eventuais disputas por posições na primeira curva. O estreito circuito inglês era palco para carambolas históricas. E assim foi. Acabei encontrando um carro rodado à minha frente, um ou outro toque, mas saí ileso da confusão, no honroso 20º lugar. Com um ritmo 3s mais lento por volta que os líderes, só me restava tentar não atrapalhar ninguém.

Tomando cuidado para não rodar, me aproveitei dos erros dos outros para ganhar posições. Mas, como disse, eu era bem mais lento que os rivais. Se na classificação havia feito 1min41s, já bem acima dos ponteiros, fazia 1min42s alto durante a prova. E veio o estalo: não trocar pneu nas paradas nos boxes. Assim, ganharia tempo. Como não fazia uma condução arrojada, não estava desgastando muito o jogo com que comecei a prova.

(Outra gozação. Sou uma piada como piloto. Achava que só era preciso sinalizar a quantidade de gasolina a colocar nos pits. Por isso, os “mecânicos” do jogo nem olhavam para os pneus. Acabou sendo bom.)

Deu certo. Consegui me manter entre o 18º e o 22º lugares, mesmo facilitando as ultrapassagens de quem vinha mais rápido do que eu. No terceiro trecho da prova, após a segunda parada, o presente veio. Alguns carros à frente abandonaram, outros bateram, e eu alcancei o 15º posto, o último dos que pontuavam.

Um ponto apenas. Mas só tenho a agradecer àqueles bonequinhos virtuais vibrantes, com amor à camisa, que não trocaram meus pneus e me levaram ao top-15.

Este é o compacto da corrida, com narração de Rodrigo Wizard. Atenção à perícia do piloto em 5:50, ao conseguir evitar um acidente com um infeliz que vinha atravessado na pista.

Autor: - Categoria(s): Virtual Tags: , ,

Ver todas as notas

28 comentários para “Um ponto. Grande vitória.”

  1. EduardoRS disse:

    Que legal, já corri muito em campeonatos online nos tempos do Grand Prix Legends, infelizmente hoje em dia minha conexão de internet não permite mais que eu participe de campeonatos (muito lenta e instável, viva a infraestrutura de comunicações brasileira). Mas fico feliz que o automobilismo virtual seja divulgado, boa sorte nas próximas provas!

    Resposta do Felipe Paranhos

    Nem me fale, Eduardo. Já passei por isso. Agora tá dando pra correr, mas é melhor não falar muito alto senão a conexão cai… hehehe

  2. Bruno: fui punida porque entrei rápida demais na curva e bati no carro à frente, sabe como é… rs. Mas o meu acidente não chegou nem perto das barbeiragens que já aprontaram comigo, neste mesmo campeonato. Dá uma olhada nos vídeos das corridas no site do F1BC que você verá o que é pilotar perigosamente ;)

    E ah, o Felipe não precisa de boost de confiança não, ele já é convencido por conta própria. Tanto que ousou me chamar de “copeira do time”!!! Ele que não abra os olhos que tiro a vaga dele e passo pro Di Grassi, hunft!

  3. Marilia Compagnoni Martins disse:

    discordo Daniele, eu num “volante” virtual sou pior q o Katagrama

    hahaha

  4. Eduardo Mendes #507 disse:

    Volante já!!! pra brincadeira ficar mais legal!!!
    parabéns…
    e bem vindo ao automobilismo virtual!!!!

    Resposta do Felipe Paranhos

    Valeu! A partir do dia 23, já terei o meu volante. :P

  5. Ele tá crente que vai ganhar o cRone, coitado!
    Minha fase de praticar caridade já acabou, Lipinho querido. Voltei ao normal já :P

  6. Larga mão desse cRone, toma vergonha na cara e se precisar endividar até, parcelar até, arruma um MOMO ou G25! hahaha.

    Resposta do Felipe Paranhos

    Joguei com um MOMO uma vez, mas o FFB era tão forte que minha mesa, coitada, quase não aguentou. hehehe

  7. Que pobreza.
    Pro nível do Paranhos, um cRone tá ótimo Bruno ;)

    Ah, Clone com R mesmo. Beeeeem pobre!

  8. Rodrigo Ratis disse:

    por favor me mandem o link de onde baixar o jogo e as modificações por favor.
    pro email

    Resposta do Felipe Paranhos

    Ratis, vai lá no http://www.f1bc.com e manda uma mensagem no “Quero ser piloto”. Eles te ajudam.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo