Publicidade

Publicidade
29/07/2009 - 09:22

E Mosley tinha razão

Compartilhe: Twitter

Muita gente tem, desde a mais TENRA idade, aquele sentimento rebelde de sempre ser “contra tudo e contra todos”. Obviamente, eu também passei por essa fase, e resquícios dela ainda continuam a permear esta avantajada cabeçorra com relação a alguns assuntos. Um deles trata de dirigentes políticos: para mim, eles estão invariavelmente errados — a não ser que seus adversários de momento consigam a proeza de errar ainda mais.

Pois Max Mosley, para mim, era um exemplo claro do dirigente que sempre erra. Desde as mudanças de 1997, que tornaram a F1 um esporte quase sacal de assistir — e eu me lembro de ler críticas às alterações desde essa época —, sempre vi no inglês o típico cara que faz de tudo para chamar mais atenção para si do que para o esporte que comanda.

Mas reconhecer que está errado, dizem, é uma benção (como não sou muito chegado a ESOTERIMOS, acho apenas uma merda saber que errei). E este é o caso: Mosley, no fim das contas, tinha razão de tudo que fez na F1, principalmente nos últimos dois anos. A decisão da BMW de deixar a F1, anunciada nesta quarta-feira, é das coisas mais patéticas e lamentáveis que eu já vi.

Como que um fabricante que trabalha focado no desempenho — e, caramba, trabalha tão bem — consegue tomar uma decisão estapafúrdia dessas? Uma empresa que lida com a imagem conseguir incinerar a sua tão facilmente é algo que me deixa meio bobo (e isso que eu já sou quase um bobo completo).

Sempre fui fã dos carros da BMW. Nunca tive um, obviamente, porque eles valem umas quatro vidas das boas, como diria O Homem sem Nome n’O Terceiro Tira, mas são carros que eu admiro desde pequeno. Mais do que Ferrari, Mercedes, Audi, pau a pau com Porsche. E aí os caras fazem isso… incompreensível.

Mas, é como o chefe não cansa de dizer: o balancete reina sozinho, e foda-se a história e o envolvimento com o esporte. O nosso trabalho — e aqui falo do trabalho que fazemos no GP — é sobre algo supérfluo para o mundo, o que nos torna também supérfluos. É dose constatar isso quando se começa a trabalhar às 5h da matina.

Para aliviar a raiva, um pouco de ROXETTE para todos:

Abraços,
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , ,

Ver todas as notas

23 comentários para “E Mosley tinha razão”

  1. Alberto disse:

    Disseram que passarão a investir em “coisas” sustentaveis. Vão deixar de fabricar carros de luxo e produzir apenas bicicletas, patinetes e skates. Multinacionais não tem qualquer identidade visam apenas o lucro imediato dos acionistas. Realmente lamentável, uma palhaçada e falta de respeito com funcionarios, pilotos, e fãs, fazer o que? Viva o Max, dificil para todos nos reconhecer mas ele estava certo.

  2. Leonard disse:

    Não concordo que automobilismo e qualquer esporte seja superfluo, é um conceito tão absurdo quanto pensar que balancetes e lucros são essenciais.

    O sistema no qual estamos inseridos está cada vez mais matemático e cada vez menos lúdico.

    Por conceitos como esse estamos nos tornando robôs, antigamente gostavamos de ver carros na pista derrapagens, ultrapassagens, barulheira total, hoje em dia preferimos os salão do automóvel como evento, aqueles carros inatingiveis ali parados e brilhantes só visando e atraindo lucros.

    No fundo o filme matrix não é tão fictício, pois acredito que de fato estamos sob um controle que é invisível e que não podemos sair, o controle do mercado, que ao que parece adquiriu “vida própria”.

  3. Ryan Cooper disse:

    Hoje, mais do que antes, tenho certeza que a BMW errou feio ao desistir do campeonato de 2008 para visar o de 2009. Kubica tinhas boas chances de brigar pelo titulo. Na penultima corrida de 2008 ele ainda tinha chances matematicas mas a BMW já havia desistido da briga bem antes. Hoje tá ai na mer…
    Tomara que alguem serio (quem sabe o David Richards) assuma o espolio e leve essa equipe a frente.

  4. João Pereira disse:

    Ora, ora… e a Lotus, Lola, Tyrrell, Brabham, March… todos garagistas e todos pularam fora, quando puderam…

    Umas vão outras vêm, e o Mosley não passa a ter razão só por isso.
    Até parece!

  5. Cranio disse:

    Achei essa desculpinha da BMW bem esfarrapada para sair da F1. Cuidar de coisas sustentáveis e do meio-ambiente, se é que eles sabem o que isso significa. Fabricar carros, significa emitir CO2 antes, durante e após a manufatura. Só se eles fizerem o que o Alberto mencionou acima…

    Uma equipe que teve um crescimento absurdo com 3 anos de vida, jogar tudo fora por causa de um ano ruim… Alguém explicou para eles que só uma equipe pode ganhar o campeonato em cada ano?? Se todos pensarem assim, todas sairiam do campeonato…

  6. Thiago Dias disse:

    Imagina então pra quem só ta começando na profissão cara, e ainda tenho um traço do sonho de cobrir Fórmula 1. Dificil admitir que o velhinho nazista tava certo.

  7. Leandro disse:

    Sujeito diz que não é esotérico, coisa e tal… Vem com texto todo “durão”, em riste, e no final tasca um Roxete! Psicólogo já!

    Resposta do Francisco Luz:

    Respeite os reis da balada, rapaz.

  8. Erick disse:

    É a velha mania de julgar as aparências. Todo mundo erra, até eu você e o Max.

  9. Moraes disse:

    Nao se trata de errar, acredito que neste momento e os acontecimentos fazem agir “merda mundial” todos devemos restringir nossos gastos.
    Eles podem sair e voltar a qualquer momento, e ainda faltam muitas provas até o final do campeonato, tudo podera mudar

  10. felipe disse:

    cmo o proprio francisco, eu tb sou fanatico pelos carros da bmw, mas a indignação pelo ocorrido nesta manha…
    E o tiozinho fanfarrao tava certo, ainda critiquei a willans por ter c inscrito no campeonato sem a situação estar resolvida, mas isso sim e q é uma equipe q tem amor ao esporte… independente doq aconteça ela so quer ver seus carros na pista… vamo faze um bolão pra ver quem eh a proxima!!! toyota? renault?… deem seus lances

  11. Felipe Leite disse:

    Não sei se foi proposital ou não, mas achei sensacional este post estilo Impedimento!

    Resposta do Francisco Luz:

    Temos que aprender com quem manja.

  12. Renato disse:

    Tanto na F1,como nss demais categorias equipes surgirão e desaparecerão,afinal tanto os ¨garagistas¨quanto as montadoras visam lucro.

  13. Mauro disse:

    Listen to Your Heart? No caso da BMW é Listen to Your Profits.

  14. neanderthal disse:

    Patética é a importância que ainda se dá à Fórmula 1.

    A BMW vai continuar com seu envolvimento com os outros eventos de que participa, focando em objetivos que passam longe da F1: novas tecnologias com ênfase na sustentabilidade.

    Resposta do Francisco Luz:

    Bom, mas é por causa da F1 que eu tomo umas Heinekens bem geladas no início de cada mês. Por isso a importância, brou.

  15. JULIO DIAZ disse:

    nos os torcedores deveriamos ter mais atitude, e lotarmos os sac da bmw de mensagens duras e grosseiras, isso é desrespeito nós somos consumidores do esporte,se não compramos bmw, adiquirimos tv assinada, banda larga e afins para acompanhar o esporte que amamos,os patrocvinadores da equipe deveriam ser boicotados,seu fornecedores(eletronica,pneus,mangueiras), tambem ,estou me sentindo um idiota por ter torcido por esses babacas em algumas provas.QUE ELES NÃO VOLTEM !!!

  16. Bruno Ribeiro disse:

    O Max Mosley sempre teve razão quando falou que as montadoras estão na F1 apenas enquanto é vantajoso. A única que ainda tem um pouco mais de paixão é a Ferrari, que, tirando a regra de redução de custos, nunca cogitou sair da categoria por causa da crise. Honda e BMW já cairam fora, Toyota e Renault já pensaram muito nisso e a McLaren, aliás, Mercedes fica enquanto for positivo. Se a grana apertar de verdade, joga tudo pra cima e vão embora. As equipes garagistas precisam voltar a F1, claro que com desenvolvimento. Bons os tempos em que as montadoras forneciam apenas motores, sempre foi muito melhor. O Max sempre esteve certo. Se errou com o KERS, foi apenas nisso. Os carros 2009, apesar de mais feios, são melhores para as corridas. O difusor duplo foi um buraco do regulamento, mas enfim, tudo que não é proibido é permitido. Caso fosse literalmente proibido, a F1 ainda seria melhor. Pois é, o cara pode ser polêmico, mas nessa ele acertou em cheio (e faz tempo que ele fala disso).

  17. Paulo Gomes sobre BMW e Francisco Luz disse:

    Exelente sua opinião sobre a atitude covarde da BMW em simplesmente abandonar a F-1.
    Problemas de ordem financeira não creio,mesmo porque com a redução de custos e os fortes patrocinadores que a equipe BMW tem,acho que não foi o motivo,e as outras prioridades que disseram, tambem poderiam perfeitamente serem realisadas sem o cruel abandono de nosso esporte.Em minha opinião fujiram da raia, foram covardes, que vergonha senhora BMW!

  18. João Ferreira disse:

    Eu achei que foi bom, a saída da BMW, pois a Formula 1 sem as montadoras, voltaria a competir melhor, com custos mais razoáveis e com desempenho mais equilibrado enre todos, não adianta invstir milhões de uma montadora numa equipe, porque as outras teriam que fazer o mesmo, então a saída delas, faria todas esuipes repensarem melhor de como gastar o seu rico dinheirinho, chega de asas chifres de qualquer coisa, KERS, controle hidaúlico-automático-elétrico, eletrônico, magnético-etc-e-tal, entre outras bobagens que só existem em carros de luxo daqui a 10 anos….

    Então, falta as outras montadoras saírem, no máximo fornecer os motores e chega, só assim para a Formula 1 sobreviver e voltar a competir de verdade, 15 equipes, um campeonato, 20 provas, pra mim é o ideal…

  19. Davi Ribeiro disse:

    Ô! Não eram estas mesmas montadoras que mostraram os dentes para o velho Mosley dizendo que iriam sair da F1 para montar um campeonato paralelo? Para que? Para desistierm uma a uma? Lastimável!
    É necessário um compromentimento maior entre as equipes e o futuro da categoria. Afinal estas equipes investem alto, mas têm um retorno financeiro igualmente super ultra mega porradão…

  20. Douglas disse:

    A BMW não queimou nada da sua imagem. Deve-se cair no mundo normal. O mundo da maioia. O mundo daqueles que não são apaixonados por automobilismo. É neste mundo que reside o público da BMW. Ricos. Somente isto ricos. Assim devemos observar textos e avaliar o cenário geral. Cada um tem o seu mundo.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo