iG

Publicidade

Publicidade

Arquivo de agosto, 2009

27/08/2009 - 11:53

E chegou a hora de Spa

Compartilhe: Twitter

(retirando as teias de aranha da sala)

Faz tempo, não? Pois é… a volta da F1, com o fim da F-Indy e o fato de termos duas corridas consecutivas meio que tirou nosso tempo de postar aqui. Mas vamos lá, porque o melhor circuito da história está chegando.

Mas não vou falar da prova que está por vir e, sim, de uma das grandes corridas que eu vi na minha vida – na real, a melhor que eu vi até hoje, concorrendo com o GP do Brasil do ano passado e o GP da Europa de 2007.

Lembro até hoje de detalhes daquela corrida, e da justiça tardia que fez com Damon Hill, que foi alijado (uia) da vitória no GP da Hungria do ano anterior. Era uma época em que eu realmente torcia na F1, e gostava por demais da Jordan. Acordei todo mundo aqui em casa quando vi o Eddie correndo pra cima e pra baixo, todo faceiro. Foi genial.

Mas é melhor ver do que me ler. Aproveitem:

Abraços,
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , ,
21/08/2009 - 13:14

Tudo o que uma imagem pode dizer

Compartilhe: Twitter

Sacaram? O clique é de Daniel Ochoa de Olza, da AP.

Felipe Paranhos

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , ,
19/08/2009 - 12:55

O grid de 2010 pela GPWeek

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

A revista online GPWeek desta semana consultou Mãe Dinah (impressionante como essa véia virou sinônimo de vidente no Brasil) e publicou uma lista potencial de pilotos para 2010. É legal como futurologia, leva em conta muitos rumores fortes, mas, por outro lado, alguns palpites não parecem fazer muito sentido. A começar por Chandhok, desafeto de Mallya, na Force India. A relação inclui também um possível terceiro carro para Schumacher na Ferrari (ê, factóide) e o incerto “BMW ou outra equipe” para uma dupla Barrichello/Heidfeld.

Puro chute deles, mas daria um grid legal, não acha?

Brawn
| Jenson Button e Rubens Barrichello/Bruno Senna
Red Bull | Sebastian Vettel e Mark Webber
Ferrari | Fernando Alonso, Felipe Massa e Michael Schumacher?
Toyota | Jarno Trulli e Timo Glock
McLaren | Lewis Hamilton e Nico Rosberg
Williams | Heikki Kovalainen e Nico Hülkenberg
Renault | Robert Kubica e Romain Grosjean
Toro Rosso | Sébastien Buemi e Jaime Alguersuari
Force India | Vitantonio Liuzzi e Karun Chandhok
Campos | Pedro de la Rosa e Giorgio Pantano/Bruno Senna
Manor | Adam Carroll/Paul Di Resta ou Lucas Di Grassi
USF1 | Alex Wurz/Anthony Davidson e Jonathan Summerton
BMW ou nova equipe | Rubens Barrichello/Nick Heidfeld

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , ,
19/08/2009 - 11:43

Não em branco

Compartilhe: Twitter

Só para não passar batido, a homenagem da F2 a Henry Surtees, no último final de semana, em Donington.

Em frente ao carro — inteiro — que foi do garoto, todos os pilotos fizeram um minuto de silêncio antes da primeira corrida.  Em seu twitter, o brasileiro Carlos Iaconelli elogiou a cerimônia. “Realmente boa a homenagem para o Henry! Mas foi muito estranho ver o carro dele inteiro lá, parecia que ele estava lá ainda, olhando para nós.”

Felipe Paranhos

Autor: - Categoria(s): F2 Tags: , , ,
14/08/2009 - 12:40

É proibido criticar

Compartilhe: Twitter

“O triste é o jornalista que já entra numa cobertura pré pautado por si próprio (ou por outros), furungando o que há de ruim, procurando defeitos”

“não é de hoje que que o GP vai à Stock para meter o pau, só critica e só vê o lado ruim. Fica garimpando os podres para jogar no ventilador”

“Ela não pode ser tão ruim assim, como as seguidas matérias no Grande Prêmio fazem crer. Tem problemas, sim. E acho que a campanha promovida pelo Grande Prêmio não é justa. Não é campanha? Vocês não param de falar nisso. A pauta sobre o fim de semana em Salvador foi: o evento foi horrível”

“vc soh procura os podres da stock sempre fala mau.”

Estes são alguns dos comentários feitos pelos leitores no post do Felipe, “Caos, corrida e carnaval”.

Algumas vezes, é duro confiar que você será compreendido ao escrever algo dando a sua opinião. O Felipe deixou isso bem claro: as críticas que ele fez a alguns fatos da prova na Bahia geraram uma revolta e um volume de reclamações que simplesmente não faz nenhum sentido: desde acusarem o Grande Prêmio de, oh, mover uma campanha contra a Stock até reclamarem de pauta encomedada para detonar a categoria.

E, sério mesmo, é desanimador ler esse tipo de coisa. É foda (não há palavra melhor) o cara se dedicar, perguntar sobre o assunto, pesquisar e tudo mais e, por simplesmente noticiar os fatos – uma corrida ruim em uma pista vergonhosa -, acabar sendo torpedeado, como se o Felipe, ou o GP, só vá a Stock para detonar e falar mal.

Eu, Francisco Luz, tive a oportunidade de acompanhar in loco duas provas da Stock, as duas que aconteceram no RS no ano passado. Os dois eventos aconteceram de maneira normal, com uma corrida média (SCS) e uma muito boa (Tarumã). Naquele momento, falamos bem do entretenimento e da competitividade que a Stock Car forneceu. Na Bahia, não houve nada disso. Criticamos.

Quem se preocupa em acompanhar o nosso trabalho já deve ter visto ao menos uma vez a narração ao vivo que fazemos – na maioria das vezes, eu mesmo faço – das corridas de F1. E não são poucas as vezes que reclamo das provas: circuitos insossos, disputas inexistentes, palhaçada de regulamento. Mesmo com o nosso blog, relativamente novo, já detonamos as falcatruas que a F1 tem um milhão de vezes. E, engraçado, nunca houve nenhuma reação destemperada, do tipo “o GP faz campanha contra a F1, meu deus”. Estranho.

Portanto, pessoal, podem criticar o nosso trabalho. Estamos aqui para isso. Mas injustiça é um troço feio; não cometam esse erro.

Complementando às 13h05: É duro ter que escrever correndo… Faltou dizer que sim, há coisas que vamos (vou, no caso) criticar sempre – e sem precisar de nenhuma orientação especial para isso: o fato de a categoria precisar aceitar tudo que a televisão faz para poder aparecer; a falta de explicação até hoje no caso envolvendo o doping no ano passado; os circuitos com pouca infraestrutura (algo que não é culpa diretamente da Stock); o uso dos anéis externos em Curitiba e Brasília; o uso de um motor antiquado (que meu chapa Bruno Vicaria noticiou na concorrência que vai ser mudado no ano que vem); as decisões pouco claras dos comissários de pista quando há punição ou não.

Assim como na F1 também há várias coisas que eu criticarei sempre, ou até que mudem: a saída de palcos tradicionais, as pistas sem sal utilizadas atualmente, as decisões estapafúrdias de comissários, a briga de egos entre os dirigentes… Enfim, nada que não mereça realmente ser vilipendiado. Se alguém quisere defender qualquer um destes ítens, sinta-se à vontade.

E, para serenar os ânimos, segue a melhor balada da banda mais balaqueira do mundo:

Abraços,
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): Stock Car Tags: ,
14/08/2009 - 12:11

Ooops

Compartilhe: Twitter

O Ramon, nosso leitor, enviou um comentário sobre o GP, pedindo que não fosse publicado. Mas o texto dele apareceu aqui por alguns minutos. Descobri que, no nosso sistema, havia um dispositivo que aprovava automaticamente comentários quem havia tido outra opinião aprovada nos últimos dias.

Logo que notei, anulei tal opção do blog. Portanto, aqui vão minhas desculpas ao Ramon. Inclusive, se ele quiser, pode enviar para felipe@warmup seu e-mail verdadeiro. Falaremos sobre o assunto.

Felipe Paranhos

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
12/08/2009 - 11:59

Caos, corrida e carnaval

Compartilhe: Twitter

Não queria escrever sobre a Stock em Salvador. Depois de tanto tempo falando sobre o assunto, vivendo tudo ‘in loco’ — sou soteropolitano, para quem não sabe —, enchi um pouco o saco. Mas ouvi e li tanta barbaridade sobre a (argh) “etapa do axé” que decidi comentar.

É proibido fazer festa em evento automobilístico? Não. Sobretudo quando se sabe que, em uma cidade provinciana como a capital baiana, qualquer grande novidade ganha contornos carnavalescos. Achei até estranho não terem colocado alguma tosqueira abominável como, sei lá, Todo Enfiado, para tocar na pista e mostrar “a cara da Bahia”.

Para a categoria, foi ótimo: 47 mil pessoas no CAB, quase todas pagando ingressos caros, na quase ausência de cambistas. Embora seja difícil precisar, o baiano gostou do evento, para o qual foram gastos, segundo estimativas feitas em abril, R$ 8 milhões. A maioria nem percebeu que a corrida foi um lixo — em parte porque muita gente que lá estava não costuma ver provas nem pela TV.

Vi coisas inacreditáveis e bastante interessantes, como o Pedro Boesel, da Stock Jr., dando autógrafos e tirando fotos com centenas e centenas de pessoas em um shopping daqui. Alguém dali sabia quem era o simpático gordinho? Quase ninguém. Da mesma forma, presenciei gritinhos de fãs à Beatles quando Dino Altmann entrava no Medical Car. Fui perguntar qual o caso às meninas que se descabelavam . “É piloto, né?”, ouvi.

Justamente por isso, contudo, ainda é cedo para dizer que todo o envolvimento da cidade com a corrida é um sinal de que o soteropolitano abraçou a Stock. Até porque, como efêmera, a paixão pode se esgotar até o ano seguinte.

Feita a análise sobre a festa, falo da corrida. Vi muita gente — jornalistas, inclusive — no deslumbre da imensa promoção que a etapa teve na Bahia. A divulgação foi excelente: mil carros em postos de gasolina, shoppings, contagem regressiva em outdoors… Como disse semana passada, a cidade respirou Stock Car — o que é legal, repito.

Alguns dos que aqui chegaram até defenderam que, diante de acalorada recepção, fosse esquecido o caos do final de semana na pista. Reclamaram, inclusive, de críticas feitas por quem não estava na cidade e ignoraram que quem aqui estava disse a mesma coisa — só que muitos não publicamente. Jornalista não é promoter, como brilhantemente falou o colega Ivan Capelli em seu twitter (@ivancapelli).

No sábado, ouvi nos bastidores a mais sensata das análises: “Primeira vez que a Stock vem a Salvador, primeira vez em corrida de rua, primeira vez que o treino de sexta-feira não termina, primeira vez que um treino tem oitenta bandeiras vermelhas…”

O fato de a etapa ter sido ridícula em pista não tem nada a ver com o parco número de ultrapassagens. Até porque, quem o fez, conseguiu isso com trabalho de boxe, como em tantas outras categorias — a TV exibiu apenas uma troca de posição em pista: Paulo Salustiano em Felipe Maluhy, pelo 13º posto.

Lamentável é ver pilotos serem excluídos de treinos por tocarem em barreiras de pneus improvisadas e mal colocadas numa chicane ordinária [foto]. É ignorar o “toda corrida é uma palhaçada” de Antonio Pizzonia, um cara que já correu nas principais categorias do mundo. Sinceramente, já tem muita gente para só falar bem e fingir que não há defeitos no automobilismo brasileiro…

Felipe Paranhos

Autor: - Categoria(s): Stock Car Tags: , , ,
05/08/2009 - 11:44

As férias, as brigas e Schumacher

Compartilhe: Twitter

Depois de uma semana de intensa loucura — com tudo que cercou o acidente de Massa, a saída da BMW, a volta de Schumacher e a demissão de Nelsinho Piquet —, finalmente temos um pouco de calma e tranquilidade na vida. Estava na hora, e agora é a hora de aproveitar a oportunidade para ser mais frequente aqui no blog (algo que estou devendo, eu sei, mas o maldito twitter é a nova maconha webal).

Mas, antes de preparar algo mais elaborado, queria saber se mais alguém achou interessante (digamos assim…) a notinha toootalmente transtornada da Ferrari contra a Williams? Pois eu gostei. Esporte precisa de rivalidade, e a F1 andava asséptica demais há muito tempo. Finalmente, agora, sei que existe gente ali que tem um pouco de sangue correndo, e nos dois times.

E, sobre Schumi, só posso dizer que estou bastante ansioso para ver como ele vai se sair. Acredito que o cara tem todas as chances de brigar por vitória – afinal, a Ferrari vinha crescendo nas últimas provas. E fico só imaginando a vergonha dos atuais pilotos se um velho aposentado chega lá e consegue um pódio ou uma vitória. Eu, ao menos, me esconderia num cantinho qualquer.

Abraços,
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , ,
Voltar ao topo