Publicidade

Publicidade
10/09/2009 - 21:36

De que lado, F1?

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Flavio e Victor falaram muito do que se poderia dizer sobre Nelsinho/Cingapura. Responsabilidades, (falta de) motivos, tudo isso deixo com eles. E muita gente anda justificando o injustificável, comparando o caso com o Áustria/2002 do Rubens Barrichello — igualmente lamentável, mas diferente.

O esporte está cheio de fraudes como a de Nelsinho — que compactuou com a armação na hora e por mais oito meses antes de ser demitido e se vingar. Menores ou maiores, há muitas outras semelhantes na desonestidade. Norberto Fontana deixar Michael Schumacher passar e bloquear Jacques Villeneuve a pedido de Jean Todt (futuro presidente da FIA [!!!]) é uma delas; Prost/Senna e Senna/Prost também; Schumacher/Hill em Adelaide e Schumacher/Villeneuve em Jerez; os inúmeros casos de doping que frustram todos os crentes no surgimento de super-homens; os apostadores criminosos que compram jogadores e os jogadores criminosos que se deixam comprar… O exagero no número de exemplos é proposital. Se parasse pra pensar mais cinco minutos, enumeraria outros 50 casos de pequenas e grandes falcatruas no esporte. E isso de maneira nenhuma justifica a atitude de Nelsinho, diga-se.

Agora chego ao que quero dizer: independente da maneira com que este escândalo emergiu, ao menos ele parece não ser ignorado pela FIA. Digo parece porque posso morder a língua no dia 21, em que a Renault será ouvida no Conselho Mundial, mas a punição dos envolvidos — Piquet inclusive, e severamente — resolve o problema. Como já disse, fraudes são inevitáveis: em qualquer lugar há gente com personalidade frágil, poucos princípios ou falha de caráter.

Se quem tem o dever de analisar, julgar e punir o fizer com justiça, continuemos com nossas paixões. Do contrário, é hora de rever tudo.

Para firmar opinião, prefiro o esporte que investiga fraudes ao que tenta iludir o público. A F1 tem mais uma oportunidade de mostrar em que lado está.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , ,

Ver todas as notas

17 comentários para “De que lado, F1?”

  1. Cacthos disse:

    Enquete muito mal planejada no GP sobre o caso Cingapura. Meu voto é SIM, mas não porque as equipes terão receio de contratar um piloto que pode ser dedo-duro no futuro. Meu voto é SIM porque ele terá que enfrentar três paredes:
    1 – Bernie (quem falou que podem fazer coisas na F-1 sem consentimento dele?)
    2 – Equipes que queiram contratá-lo (não por ser dedo-duro, mas por ser fraco mentalmente)
    3 – Pilotos (não duvidaria de um boicote)

  2. Tiago S. disse:

    Também acho que não tem nada haver comparar com o caso do Rubinho (que também foi ridículo, mas em escala diferente), mas o próprio Rubinho ir na coletiva pra apontar o dedo pro Nelsinho, é uma piada. Piada das mais irritantes. “Não merece estar no esporte”, pff, esqueceu do que já fez acho. E ele não era tão moleque, quanto o Piquet é hoje. Não justifica, claro, mas o Rubinho de todos os pilotos ai era o único que devia ficar quieto.

    Bom só fiquei puto com isso mesmo, ter que ouvir do Rubinho esses comentários. Acho que ele pensa que tem uma carreira tão transparente que está acima de alguns ali. Podia guardar essa opinião pro livro que ele nunca vai escrever.

    A FIA tem que mostrar resultado agora, se for fraca, vai ter motivos para a F-1 ser vista como uma administração fraca e, assim a Fota ganha uma moralzinha extra, pra quando quiser formar sua própria categoria. Briatore vai e vai tarde, Nelsinho uma pena, vai também, mas gostaria que ele tivesse tido mais tempo na F-1.

    • Bruno Ribeiro disse:

      O Rubinho ainda assim não fez nada ilegal, nada que fosse contra as leis. A Ferrari foi quem não respeitou o limite da ética, tanto que a própria FIA teve que proibir o jogo de equipe depois da Austria2002, ou seja, até ali não era proibido. E outra coisa, ele poderia ter entregue a posição de outra forma, mas escolheu fazer isso na frente de todos para que soubessem o que estava havendo. Ah, mais um detalhe, ele estava guiando um carro de F1 a 200km/h e teve apenas 7 voltas para decidir o que faria. Se ele não deixa passar, nunca saberiamos disso e o jogo de equipe continuaria acontecendo, só que de forma disfarçada. E talvez até hoje não tivéssemos a regra de proibição do jogo de equipe. Foi bonito? Não, mas culpa do Rubens, também não foi.

      Resposta do Felipe Paranhos

      Aí eu já não concordo tanto. A culpa no caso Áustria/2002 é repartida entre todos, inclusive o Rubens.

  3. Fábio disse:

    Concordo felipe, principalmente, pq em todos esportes há disputa, todos querem ganhar, seja na pelada do fim de semana, no campeonato amador, na escola, etc… e aí já aparecem alguns com idéias mirabolantes pra dar o “pulo do gato”…

    E assim caminham os esportes, cabendo as entidades fiscalizar ou proteger.

  4. Dirk disse:

    Interessante o comentário final “prefiro o esporte que investiga fraudes ao que tenta iludir o público”.
    Muito inteligente o comentário. Para quem não entendeu, foi claramente direcionado para a fraude chamada Stock Car.

    Resposta do Felipe Paranhos

    Foi não. =)

  5. Augusto Lage disse:

    Felipe Paranhos, não acredito no que li! É diferente jogar o adversário fora da pista com risco de morte(s), deixar o companheiro passar para ganhar e bater para o companheiro ganhar? Amigo não existe meia ética, assim como não existe meio assassino, meio culpado, meio mentiroso. Ou é ou não é. O Nelsinho errou, assim como erraram Schummy, Ayrton, Prost, Hamilton…Alonso! Não bastasse o McLarengate, ainda querem fazer a gente acreditar que ele~, como o Lula, não sabia de nada! Ora na época em que as estratégias são mais importantes que as máquinas e principalmente que os pilotos, dizer que ele não sabia que ia parar na volta12 e que o Nelsinho iria bater para ele ficar na frente… é um atentado contra a inteligencia das pessoas. Ou se pune (retroativamente??!!) todos ou não se pune ninguém. A FIA tradicionalmente não pune ninguém, então parem de fazer campanha contra o Nelsinho, CRUXIFICAREM ele não vai fazer a F-1 melhorar. Tem que colocar no regulamento punições explícitas para cada caso.
    Que punição moral o Rubinho merece, por ter cometido ato semelhante e agora se arvorar de algoz do Nelsinho dizendo que ele não merece estar na F-1. Se é assim, Nem você, caro Rubinho!, Nem Você!

    Resposta do Felipe Paranhos

    O que digo é que os casos não são comparáveis, embora estejam iguais na antidesportividade. Agora, você dizer que punir o Nelsinho não vai fazer a F1 melhorar é se contradizer.

  6. Luiz Batista disse:

    Parabéns pelo texto. Concordo com tudo.

    Resposta do Felipe Paranhos

    Valeu, Luiz. Brigado.

  7. Gabriel Souza disse:

    Felipe, concordo totalmente com você, a F1 tem a grande chance de mostrar em que lado está.

    Mas não sei viu, acho que tudo será decidido de forma que não haja grandes prejuízos financeiros a quem realmente importa.

    Como é dito nos versos de “Money”, do Pink Floyd:

    “Money, so they say
    Is the root of all evil today.”

    Acho que isso diz tudo.

    Abraço!!

    Resposta do Felipe Paranhos

    Verdade, Gabriel, tem toda a razão.

  8. Mauro disse:

    O vice campeão disputar eliminatorias e a copa ter 2 paises sede. Onde esta a lisura disto? E a manipulação dos resultados para Coreia ir a final. Só falando algo recente que ficou entalado. Concordo com o que dissestes apesar de tudo a FIA tem tentado fazer justiça e investiga os fatos. O COI também tem tomado algumas atitudes coerentes ultimamente já FIFA continua sendo sinônimo de maracutaia.

  9. Bruno Ribeiro disse:

    Para os palhaços que comparam a situação com a de Rubinho um alerta. Naquela época não era proibido o jogo de equipe, então, em tese, não foi ilegal. Mas perceberam que aquilo não era ético para o esporte, e então mudaram as regras. Não tem jeito, tudo que não é proibido é permitido. O caso atual seria considerado ilegal em todos os esportes semelhantes.

    Resposta do Felipe Paranhos

    De fato.

  10. MAURO MONDIN disse:

    Repito o comentário que fiz para o Milanesas 2 e Milanesas 3. Fiz uma análise das corridas de Fernando Alonso no ano passado, levando em consideração a posição de largada (PL), a volta em que foi feito o primeiro pit-stop (1PS) em relação ao número total de voltas (TV), a fim de calcular qual o percentual de voltas dadas até o primeiro pit-stop (%). Organizei a tabela de acordo com a posição de largada, das melhores para as piores. Não levei em consideração os GPS de Mônaco (Alonso bateu antes do primeiro pit-stop), da Europa (Alonso abandonou na primeira volta), do Brasil (os pit-stops foram motivados pela necessidade de trocar pneus), e da Itália, por falta de dados do inforace. A TABELA FICOU DA SEGUINTE MANEIRA:
    GP PL 1PS/TV %
    Esp 2 16/66 24,24
    Fran 3 15/70 21,42
    Jap 4 18/67 26,86
    Chi 4 14/56 25
    Ale 5 19/67 28,35
    Can 5 19/70 27,14
    Gr.B. 6 20/60 33,33
    Bélg 6 13/40 32,5
    Mal 7 22/56 39,28
    Tur 7 15/58 25,86
    Hun 7 22/70 31,42
    Bah 10 20/57 35,08
    Aust 11 29/58 50
    Cing 15 12/61 19,67

    A tabela nos permite as seguintes conclusões: Somente nos GPs em que largou até o 3º lugar, o primeiro pit-stop foi feito antes de 25% da corrida; nos GPs em que largou a partir da 6ª posição, o primeiro pit-stop foi feito depois de decorridos mais de 30% da corrida (com exceção do GP da Turquia, 25,86%), sendo que, no GP da Austrália, em que obteve a pior classificação (sem contar Cingapura), o primeiro pit-stop foi feito na metade da prova. No GP de Cingapura a situação foi completamente diferente. Foi sua pior colocação no grid (o que deveria implicar numa maior quantidade de combustível e um percentual maior de voltas antes do primeiro pit-stop), mas, contrariando tudo o que aconteceu nas demais corridas, fez o primeiro pit-stop antes mesmo de completados 20% da corrida, coisa que não aconteceu nem mesmo quando largou entre os 4 primeiros e, naturalmente, deveria estar mais leve. Essa análise me força concluir que a Renault efetivamente planejou a batida de Nelsinho e elaborou a estratégia de Alonso contando com a batida premeditada.

  11. Eduardo disse:

    Perfeito Capelli. Chegou a hora da F1 dar uma demonstração de integridade. Se falcatruas acontecem a melhor forma de combatê-las é investigando, dando direito de defesa, julgando e punindo exemplarmente.

    Resposta do Felipe Paranhos

    Obrigado. Mas eu não sou o Capelli, hahaha.

  12. Ricardo Silva disse:

    Sugestão de manchete para diminuir a vitória do Barrichello.

    Barrichello ganha, mas reduz 2 pontos apenas.

    Vai ficar de acordo com a linha editorial de vocês.

    Resposta do Felipe Paranhos

    Nossa, que espirituoso. De onde você tira que a gente tem “linha editorial” contra o Barrichello? Acha que a gente fica pensando em formas de diminuir feitos e engrandecer falhas? Pelamordedeus.

  13. Claudio disse:

    Se um dia toda a cambada da formula 1 se reunir para lavarem toda a roupa suja de todos ao mesmo tempo, metade vai sair da sala tremendo, chorando…

  14. Mauricio Pinheiro disse:

    Não querendo ser desmancha prazer, mas a FIA está investigando isso por que Briattore é desafeto de Mosley. Esse último percebeu que o italiano estava com a…. na janela e apertou o passo. O resultado disso tudo já é até previsivel. Para não ser afastada a Renault vai demitir o chefe da equipe, vai afastar Briattore. A escuderia pagara uma multa leve (talvez) e a carreira de Nelsinho foi para o brejo.
    A caravana passa, os cachorros ladram e tudo fica como está.
    Só lamento que o Piqet (pai) tenha se metido nessa embrulhada toda. Uma nota triste em sua carreira. Não se justifica nem como sendo um ato de proteção ao filho, pois que acabou com a carreira dele.

  15. Alberto Durand disse:

    Bom dia: E se tivesse valendo o título! Eu acho que toda a equipe Renault devia ser expulsa da F-1. E tem mais. Deveria apurar todas as irregularidades e, caso fossem muitas, deveria acabar com a F-1 e dar entrada a outra categoria. Já chega de enrolações e trapaças. CHEGA!!!

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo