Publicidade

Publicidade
25/09/2009 - 08:12

No le dijo nada

Compartilhe: Twitter

“Não é nosso papel falar sobre isso. Nosso foco está nas corridas.”

“Não foi com o nosso time…”

Foram desse JAEZ as respostas dos pilotos indagados em Cingapura sobre tudo que aconteceu no ano passado na mesma praça, no mesmo banco, com Nelsinho Piquet, Flavio Briatore e Pat Symonds. Os repórteres, a torcida e sei lá mais quem interessados em saber o que passa na cabeça de quem convive com gente que pode, daqui a pouco, pedir para um piloto sofrer um acidente de propósito, e as respostas não vão muito além disso — claro, com as orquestradas “isso não é bom para o esporte, mas no mundo todo esse tipo de coisa acontece etc.”

É duro.

Muita gente fala que esportistas em geral são alienados do mundo, e vemos muitos exemplos disso com o futebol. Raros são os jogadores que conhecem a história do clube que atuam ou da seleção nacional, fatos que são conhecidos por muitos torcedores. Todo mundo desce o pau nos pobres matungos por causa disso.

Aí chegam pilotos, geralmente com bom nível de educação, vindos de famílias sólidas e com boas condições — afinal, automobilismo é um negócio caro no mundo inteiro —, e ficam nessa mumunha ao falar sobre um assunto que só tem uma resposta possível. É complicado aceitar esse tipo de coisa.

A praga do politicamente correto pode ser lamentada por muita gente que tem opinião. Mas, pelo jeito, a F1 comemora isso: ninguém se compromete a falar nada muito pesado de outra pessoa, mesmo que a ética, a MORAL e os BONS COSTUMES tenham passado longe.

Não sei por que, mas só consegui pensar em uma coisa ao ler a transcrição da entrevista coletiva:

ACARICIANDO DESPACITO o teclado,
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , ,

Ver todas as notas

5 comentários para “No le dijo nada”

  1. Verde disse:

    Pensei em apenas duas palavras: Nico e Rosberg.

    O típico indivíduo que dá entrevistas absolutamente óbvias, burocráticas e desprovidas de qualquer opinião ou emoção. Não precisa ser um Barrichello que fala tudo para todo mundo. Mas será que os outros são tão herméticos assim?

    De que adianta o cara falar 5 línguas fluentemente se não as aproveita para dizer algo diferente?

    • francisco disse:

      Pois é, isso que me quebra. Os caras não podem viver num mundo tão à parte que acham que, por não envolver os seus times, não lhes diz respeito. É vergonhoso.

  2. Rodrigo disse:

    Desculpa aí, mas não comentarei sobre isso.

    Brincadeiras à parte, eu acho que eles têm esse direito, uma vez que o assunto é de tão óbvia resposta que nem é preciso perguntar.

    No fundo no fundo, não respondem também porque na F-1 as coisas mudam com uma velocidade maior que seus carros. Kubica claramente se calou por estar buscando uma vaga na Renault, por exemplo. Errado não está.

    Quem tem que se colocar mais à frente dos microfones neste caso, na minha opinião, são os pilotos mais experientes: Barrichello, Trulli e Fisichella. Mas daí o que eles teriam a crescentar, se também já serviram de escudo para companheiros de equipe?

    • francisco disse:

      Mas é por ser tão óbvia a resposta que eu me espanto de ver que eles falam “isso não é conosco”. De verdade, acho chocante.

      No caso do Kubica, acho que ele poderia tranquilamente dizer “foi uma patifaria, mas quem fez isso já foi punido, então acho que estamos em um bom caminho”, algo do gênero.

      Quanto aos mais velhos, acho que existe uma distorção entre servir de escudo e criar uma situação potencialmente perigosa para todos. Eles até poderiam comparar isso, se fosse o caso.

  3. Simão disse:

    Eles realmente só fizeram um “não sei” básico… mas eu acho que ironicamente, eles estão sendo mais sinceros do que se dessem a “resposta correta”…
    Sei lá, eles VIVEM no mundo da F1; eles sabem que, dependendo de quanta grana rola, até picaretas como Briatore e Piquet Jr. voltam pra F1… e sabem que qualquer um estaria sucetível a isso… pois eles sabem que são objetos de seus patrocinadores e equipes…
    Essas respostas evasivas pra mim parece uma forma de dizer “É galera, isso é a F1, dinheiro é prioridade”… acho que se eles respondessem o que todos falam, aí sim eles estariam mentindo e fingindo.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo