Publicidade

Publicidade
19/10/2009 - 11:04

A esquizofrenia da F1 em 2009

Compartilhe: Twitter

A temporada 2009 da F1 foi esquizofrênica. Escrevo isso porque ela representou o equilíbrio e o desequilíbrio ao mesmo tempo. Fazia tempo que um campeonato não era dominado por um único piloto – e olha que nem foi tão dominado assim. Em contrapartida, esse ano trouxe o quarto campeão diferente desde 2006.

Jenson Button foi campeão de 2009 de ponta a ponta. O britânico assumiu a liderança ao ganhar o GP da Austrália, abertura do Mundial, e não a largou mais. Foram seis vitórias nas sete primeiras corridas.

Lógico que é preciso ressaltar que, a partir daí, Button não foi o mesmo, com apenas um pódio nas nove provas seguintes. Mas, mesmo assim, o inglês nunca perdeu a ponta na classificação geral.

Um domínio como esse, sendo o líder da tabela de pontos após todas as etapas, tinha sido visto pela última vez com – oh, que surpresa! – Michael Schumacher, no sétimo título mundial do alemão, em 2004.

Depois de campeonatos muito equilibrados, com muitas variantes e alternância dos pilotos na liderança, a temporada de 2009 poderia ser vista como o ano de um homem só. Mas os altos e baixos da Brawn – com a reação de Rubens Barrichello –, a performance sólida da Red Bull e o crescimento da Ferrari e da McLaren deram graça ao Mundial.

Além disso, o título de Button também é uma prova que a F1 atual é democrática e dá chance a todos. Depois do bi de Fernando Alonso em 2006, ninguém mais ganhou dois títulos consecutivos. Em 2007, deu Kimi Raikkonen. Lewis Hamilton faturou o campeonato em 2008. E agora foi a vez de Jenson. Detalhe: o finlandês e os dois ingleses foram campeões inéditos.

Com a volta de Felipe Massa e a impressão de que a Red Bull veio para ficar na lista das principais equipes da categoria, a democracia pode continuar e premiar mais um piloto com seu primeiro título. “Pode”, não “deve” ou “vai”, porque não dá para cravar nada em uma F1 que não sabe muito bem o que é.

Marcus Lellis – @marcuslellis

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , , ,

Ver todas as notas

4 comentários para “A esquizofrenia da F1 em 2009”

  1. JULIO DIAZ disse:

    Ano que vem mais um piloto Campeão inédito:
    Barrichello na willians
    e 2011:
    Massa de ferrari…..

  2. Jean Francisco disse:

    Meu oke tenho a dizer é que a F1 já era. Com estas mudanças de regulamento ninguen se aproxima de ninguen e sim um se distancia mais do outro. O BUttom só foi campeão pq ninguen consegui pegar a mão de se fazer um carro bom e outra congelamento de motor que merd… é essa? Onde está a competição? O ano ten que ser trabalhado inteiro e não dois meses.

  3. Diogo Maia disse:

    Retirando as 7 primeiras provas, a F1 teve cara de compteição de verdade e provou mais uma vez que quem ganha o título nem sempre é o piloto mas o carro também ganha. Lembrando bem o título de Mansel em 92, Mansel assim como Button nunca foram e nunca seriam campeões do mundo se não tivessem um carro que fosse superior aos demais. Prova disso é que quando o carro da BRAWN não era mais superior, button se mostrou ser um piloto mediano que não sabe lidar com as dificuldades.

    • Stirling disse:

      Vários pilotos medianos foram campeões pois estavam no lugar certo na hora certa,fora os que voce já citou, seguem exemplos: Damon Hill, Villeneuve, Alan Jones, Schekter, Hulme, etc.
      Só os genios foram campeões com carro inferior, os 3 brasileiros são um ótimo exemplo disso: Emerson de Mclaren sobre as Ferraris em 74, Piquet de Brabham em 83 sobre as Renault, Senna sobre as Williams em 91.
      Isto é a F1, o SE nunca deve ser aplicado

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo