Publicidade

Publicidade
27/12/2009 - 22:56

O fim do silêncio

Compartilhe: Twitter

machineshop2-lg

Felipe Paranhos

A semana entre o Natal e o Ano-Novo, normalmente vazia, trouxe pelo menos uma boa notícia: a USF1 existe. Ok, ok, eu sei que eles já haviam mostrado imagens das instalações da equipe em Charlotte, mas foi com o lançamento do site oficial e a apresentação em vídeo da construção do carro de 2010 que a desconfiança diminuiu.

USF1_FACEBOOK_LogoMas, se o silêncio acabou, o mesmo não se pode dizer do mistério. Ainda não há pilotos, embora um deles deva ser José María López, e os outros rumores apontam para os mesmos nomes de três meses atrás.  Como disse o Douglas Arruda nos comentários de um outro post, não me espantaria se visse o Sébastien Bourdais, quatro vezes campeão da finada Champ Car e bastante conhecido nos EUA, no outro carro. Poderia ser “o experiente” do time.

Por outro lado, o francês nunca teve nos patrocínios seu forte. E, com ou sem vídeo, a USF1 ainda não apresentou patrocinadores — atribuição de Chad Hurley, diretor-executivo do YouTube, e não está claro se a empresa vai estampar sua marca nos carros da equipe. Chad cuida dos negócios e da engenharia financeira, Peter Windsor e Ken Anderson tratam das soluções inerentes às pistas. Foi uma boa ideia.

Campos, Lotus e Virgin: acho que todas emplacam seus carros do Bahrein a Abu Dhabi. Da USF1, já não tenho tanta certeza, embora ache que também vai vingar, pelo menos no início da temporada.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , ,

Ver todas as notas

16 comentários para “O fim do silêncio”

  1. Adriano Muha disse:

    Mais ou menos isso que comentei no meu blog. Os vídeos e imagens provam que ela existe, mas não provam se o carro já está bem desenvolvido e outros detalhes. Provavelmente vão apresentar o carro no fds do GP do Bahrein. Americano não curte muito F1, então vão encontrar dificuldades com patrocinadores também. Para mim a equipe não vinga.

  2. cacersa disse:

    Penso que um dos pilotos será NAP, que também estava calado, mas no seu twitter no dia 24 colocou… ano que vem tamo junto de novo, correndo de novo… Será?

    • Felipe Paranhos disse:

      É, né? Melhor não duvidar de nada, mesmo.

    • Fábio disse:

      Se pararmos para pensar que o NAP tem “visitado” os EUA várias vezes nos ultimos meses para testes em outras categorias……pode ser que tenha dado uma passada na USF1 para negociar……

  3. Daniel Gomes disse:

    Todas essas maquinas ai eu ja vi naqueles programas de TV a Cabo tipo American Chopper. Tambem acho que esse video ai nao prova a capacidade deles de produzir um monoposto. Qual background? Quais carros a USF1 ja contruiu? Dalara ja faz monopostos a muito tempo e a Manor investe em categorias como A F3 a dezenas de anos… Acho que ai tem coisa….

    • Felipe Paranhos disse:

      hahahaha! American Chopper é foda. É, tem um monocoque sendo feito, não parece fake. Mas não dá pra duvidar de nada.

  4. Diogo Maia disse:

    Eu estou torcendo muito que esse projeto dê certo. O automobilismo dos EUA é bastante movimentado e só a f1 é que não consegue vingar. Talvez com o sucesso de uma equipe da casa eles comecem a dar crédito a formula de curvas.

    • Bruno Batista disse:

      Pode até ser, mas se o sucesso dos EUA na F1 depender dessa equipe…. não sei não!

  5. Olegário disse:

    Eu não sei se vinga, mas espero mesmo que vingue (nem que seja pra fazer como a Super Aguri e largar no meio), a USF1 lança vídeo de propaganda no Youtube… Eles trazem novos ares á F1, tem uma visão de trabalho diferente da visão “européia” que toda a F1 tem… acho que isso é legal pro esporte.
    Patrocínio? hum, bom o Lopez tá levando alguns, não está? Não me surpreenderia em ver o Bourdais, o Villeneuve ou mesmo o Petrov, a 2ª vaga da USF1 e da Sauber é que nem algumas cocotas pelo mundo: quem tiver mais grana, leva (notem o tom amargurado desta minha frase…)

    • Felipe Paranhos disse:

      Sim, também acho. Acho que ter uma equipe dos EUA e outra da Malásia é muito bom. Me enche um pouco ver aquela coisa patriota de parte da imprensa inglesa, o destaque que dão pra McLaren, tal… Por isso, que a USF1 vingue. Nem que seja com um pagante zilionário, o que deve acontecer.

  6. Alvaro Junior disse:

    Equipamentos eles tem, e dos melhores do mundo, “Haas”, pau a pau com os melhores equipamentos Suiços e/ou Alemães, já trabalhei com modelamento e programação para máquinas “Haas”, são phudidíssimos, cada Centro de Usinagem de 5 eixos desses que estão aí, equipados, não saem por menos de 300K de doletas lá, aqui mais de 1 Milha de contos de réis.
    Possuem autoclave para o composite de fibra de carbono, portanto, estão fabricando quase tudo em casa.
    Só para lembrar, a McLaren possui um centro de alta tecnologia nos arredores de Charlotte, ou seja, tecnologia e M.O. especializada eles tem à disposição, então, realmente, não dá para duvidar de nada.

    • Roberto disse:

      Alvaro, me desculpe mas, em termos de precisão e durabilidade, desde quando a Haas tem máquinas num nível de Deckel-Maho, Mikron, Hermle, etc.? Sem falar em Makino, Mori-Seiki ou Mazak. Você falou em usinagem em 5 eixos: você realmente acha que os centros Trunnion ou Profiling estão na mesma classe de qualquer uma das máquinas que eu citei? Eu acho que não. Motivo? São máquinas low-end.
      Preços: uma Trunnion sai por entre 99 e 190 mil dólares (FOB), dependendo do tamanho e da configuração. Uma Hermle custa pelo menos o dobro.
      Quanto a McLaren: eles só usam Deckel-Maho.

    • Felipe Paranhos disse:

      Isso é que é discussão de alto nível. Me vejam um tutorial depois :)

    • Alvaro Junior disse:

      Caro Roberto, não estou duvidando da precisão e nem da durabilidade de uma Deckel (que quebrou no início dos anos 90 e foi absorvida pela Maho, sua concorrente mais direta), muito menos de uma Mikron, Hermle, Schaublin, Dixi, etc… o que eu me refiro, é que o equipamento Haas, custa muito barato “para os americanos”, sua durabilidade e precisão é equivalente à de um equipamento Yamazaki Mazak, Mori Seiki, Okuma, etc… e ganha no custo de manutenção, sem sombra de dúvida. E quando falei em 300K doletas “equipado”, não quis dizer somente os opcionais, mas também, completamente ferramentado, com por exemplo : Schunk, Diebold, Rego-Fix, Urma, Nikken, Kennametal, Mitsubishi (sim, para quem não sabe fabrica muito boas ferramentas e pastilhas), Guhring, Komet, Walter Iscar, Seco, etc… todos muito atuantes no mercado americano, e dependendo do fornecedor do ferramental, o custo do equipamento deve ficar em torno de 2 x FOB, talvez.
      Se for alta precisão ? Dixi, sem dúvida – (desde 2007 os ativos pertencem à Mori Seiki). – aqui no Brasil conheço uma empresa que tem 2 – uma pequena e uma grande, da década de 70, com uma precisão brutal até hoje – até o óleo do sistema hidráulico é especial, coisa de suiço, não existe no Brasil.
      Um abração

  7. DuContra disse:

    Eu acredito que eles alinhem no grid, mas como a maioria disse, não é garantia de chegar ao final da temporada, mas queiram ou não, nem Manor e nem Campos tem esta garantia, na minha opinião as 3 equipes estão na mesma. SÓ VENDO MESMO PRA SABER O Q VAI ACONTECER.

  8. sandra taylini disse:

    eu nao discordo deles pq sao bons bjusssssssssssss

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo