Publicidade

Publicidade
02/02/2010 - 09:34

Menos, garoto…

Compartilhe: Twitter

58798081

Felipe Paranhos

Jaime Alguersuari não se emenda. Depois de dizer que “o melhor Schumacher já passou”, agora afirmou que “ele é como qualquer outro”. É um garoto de 19 anos, recém-chegado da World Series, falando isso de um cara de 41, heptacampeão do mundo, o maior piloto da história da F1 para tantos.

Gosto de quem dá declarações fora do óbvio, não aguento mais as mesmas ladainhas da F1, mas falar esse tipo de coisa pode ser muito prejudicial à carreira do espanhol — simplesmente porque ele não ganha nada com isso. Corre na Toro Rosso, que certamente não vai disputar posição com a Mercedes, e ninguém vai lembrar de Jaime se Michael não voltar bem. Mas, se o alemão tiver sucesso em seu retorno, vai poder dizer “Alguersuari quem?”

“Admiro tudo o que ele fez, seu passado com a Ferrari e seus sete títulos. Mas na pista, neste ano, ele é só mais um”, disse o espanhol, que não tem muito o que ser admirado, não tem muito passado nem títulos. E que é só mais um, ao menos por enquanto.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , ,

Ver todas as notas

43 comentários para “Menos, garoto…”

  1. Eu acho que, no mínimo o garoto foi infleiz. Não sou fã do Schumacher, mas dizer que o maior campeão de todos os tempos, “é só mais um”, aí também Não né. Escrevi sobre isso no meu blog, dêem uma olhada também. http://iokam.th8.us

  2. adriano disse:

    se essse garoto corresse como fala

  3. Will Freitas disse:

    O garoto poderia ter sido mais comedido nas palavras. Porém acho melhor que seja assim, haja vista que tempos atrás muitos pilotos facilitavam a vida do alemão em função do potiticamente correto,ou seja, é a ferrari! é o alemão! Ficavam com medo de bater roda com o schumacher, com algumas exceções tipo Montoya, depois Alonso, que o bateu sem medo da ferrari, fia, fom. No mais o alemão saiu frustrado por sair perdendo, então ele quer
    vingar, mais vai perder de novo pois a turma de hoje é bem melhor em relação àquela pós morte do Ayrton Sena.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo