Publicidade

Publicidade
18/02/2010 - 08:19

Barriquismo, antibarriquismo e afins

Compartilhe: Twitter

59634557
Barrichello e o S do Senna no bico da Williams praticamente monopolizam as perguntas do Ao Vivo

Felipe Paranhos

Como muitos de vocês sabem, eu sou o responsável pela maioria das transmissões ao vivo do Grande Prêmio. E nesta jornada de testes coletivos em Jerez de la Frontera, na companhia de Marcelo Ferronato, que digita direto do circuito andaluz, tenho recebido ótimas perguntas e palpites de leitores. Mas o coletivo tem me espantado mais do que o individual. Vejo bastante interesse sobre a Virgin de Lucas Di Grassi, algumas questões sobre o possível rendimento de Felipe Massa ante Fernando Alonso, mas nada, nada supera a preocupação dos internautas em relação a Rubens Barrichello.

Chegam entre 70 e 80 emails por dia. Pelo menos 30 falam de Barrichello. Rendimento do motor Cosworth e suas consequências nas pretensões de título do brasileiro, a qualidade ou não do FW32, a possibilidade de Nico Hülkenberg dar trabalho… As mais diversas.

Isso me atenta para algo que notei em maio do ano passado, quando escrevi este texto para o finado Zeroforce. O deboche com que muitos tratam o piloto da Williams nada mais é do que rancor nutrido em relação àquele em quem foi depositada toda a expectativa da torcida de um país que só valoriza o campeão. Parece que não, mas muita gente caiu na conversa de “novo Senna”, em meados dos anos 1990. Por outro lado, há os que ainda torcem pelo sucesso de Rubens, piloto acima da média do grid atual, como para esfregar na cara de quem não acreditava no veterano.

Nenhum dos dois caminhos — extremos — é o ideal. Ainda me incomoda ver que no Brasil não apenas se torce doentemente pelos brasileiros — como se fosse errado não torcer para ninguém ou por um estrangeiro ou equipe em particular —, mas também se rotula o torcedor como Sennista, Piquetista, Barriquista, Massista, essas babaquices. Esse tipo de raciocínio serve tão apenas para elevar o tom das discussões e aproximar o automobilismo de uma mesa-redonda de futebol das antigas, uma Grande Resenha Facit enfiada garganta abaixo em blogs do tema.

Visto assim, como um campo de deboches e disputas entre torcedores apaixonados e reclamões, o automobilismo continua sendo assunto apenas para piadas no Casseta & Planeta e no Pânico na TV, além de objeto na mão da TV que transmite a F1 e chama as equipes por nomes aleatórios. Sem espectadores e fãs mais exigentes, que esperem mais do que a ladainha Brasil-sil-sil e os gritos contra os Dick Vigaristas do universo que não deixam os brasileiros ganharem, nada vai mudar.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , ,

Ver todas as notas

139 comentários para “Barriquismo, antibarriquismo e afins”

  1. Marco Antonio Duarte disse:

    Quanto ao Galvão Bueno, citado indiretamente por você, este foi o maior responsável pela chacota nacional que o Rubinho virou por muitas vezes. O Rubens é um grande cara, mas a expectativa criada pelo Galvão diante dos telespectadores só serve para criar desilusões para os Sennistas, Piquetistas, etc. As viúvas de Senna e Piquet não são os reais torcedores de corridas de automóveis. Eles não analisam as corridas libertos de paixão. Assim o Rubens virou um caso de paixão não correspondida. Essas coisas nunca afetaram a mim pois eu vejo as corridas e não ouço o Galvão. Fui torcedor do Lauda, Senna, Schumacher e agora do Massa. Torço para quem merece minha torcida e apenas fico feliz pelo resultado que os demais conquistam por competência.

  2. EduardoRS disse:

    Acho meio perigosos esses comentários patrióticos que pipocam por aí. Mas se eu começar a falar sobre patriotismo e globalismo, ficaria uma semana digitando, então não vou nem começar.
    Apenas concordo totalmente com o Paranhos, a Globo nos diz que temos que torcer por pilotos brasileiros, mas ninguém é obrigado a fazer isso, e ninguém é obrigado a esfregar na cara um do outro se torce pra X ou Y. Me incomoda a postura dos meios de comunicação em massa sobre o tema, que claramente se espalhou pela grande maioria da população.
    Sendo mais específico sobre o Barrichello, ele nõu soube lidar com a pressão da mídia sobre ele, e fala coisas que não deveria – por isso é motivo de chacota. Se ficasse quieto, na dele, provavelmente seria mais valorizado e não apareceria com tanta frequencia no Casseta e Planeta.

  3. Moncho disse:

    Perfeito! Só um reparo: o Rubens wefetivamente é um piloto de SUCESSO, ou não estaria na F1 há tanto tempo. Não acho extremista torcer para que ele continue tendo esse sucesso e sendo respeitado como é no seu meio. Com exceção dos bobalhões “torcedores”, que exigem que o piloto seja campeão ou senão será um “vendido”, ou “pé de chinelo”, quem tem senso crítico e ama o esporte motor, sabe muito bem o quanto Barrichello é especial. Engraçado essa gente não perceber que o povo italiano venera pilotos como Fisichella e outros, que poucas vitórias tiveram ou mesmo nenhuma. Ocorre que o esporte é melhor entendido por lá. sabem que só de estar na F1 – e se manter lá, como Rubens – já é extremamente interessante.

    • Felipe Paranhos disse:

      Tem toda a razão: Barrichello é um exemplo de sucesso na F1.

  4. Guerwin disse:

    Peço desculpas pela minha cegueira, mas não consegui identificar o referido “S”. Poderias colocar uma seta para identificá-lo? Obrigado

    • Guerwin disse:

      Já localizei o tal “S”. Crei que o Rubinho não ligue para isso. O Senna é um ídolo do automobilismo.

  5. Raphael disse:

    O que acontece com o Rubinho é o retrato do Brasil. Os brasileiros tem uma lavagem cerebral bem cedo.
    Quando nascem alguém já escolhe seu time de futebol, depois alguém escolhe uma religião para a coitada da criança. Aí colocam a criança para assistir as maravilhosas novelas, o Big Brother Brasil, ensinam tudo o que não presta a pobre criança, quando vira adolescente já sabe de cor a lei de Gérson e já aprendeu com o Galvão Bueno a dar comentários fantásticos. Aí liga a TV e vê o Senna campeão e comentam esse é o melhor piloto de todos, o Senna morre e aí não vê mais corrida e fala esse Rubinho não presta. Depois ve o Guga ganhar alguns torneios, depois o Guga sai de quadra e nunca mais ve uma partida de tenis.
    A realidade é que o brasileiro é uma Anta não entende de merda nenhuma e quer dar o seu palpite, custe o que custar, ele não gosta de esporte nenhum apenas assiste se um brasileiro estiver ganhando.
    Se o Cristian Fittipaldi tivesse ficado no lugar do Rubinho também estaria ouvindo um monte de besteira.
    Enquanto isso o Rubinho vai sendo elogiado pelo mundo inteiro e com certeza chegar a fantástica marca de 20 anos na categoria principal do automobilismo.

  6. Joao disse:

    Sua colocação é horrível !! Muita gente que assiste F1 pela Globo gosta e entende de F1. Não é só porque assiste pela Globo que não entende de corridas !!
    Mas todos nós sabemos tambem que o Barriquello colocou as vitórias em segundo plano e priorizou os resultados financeiros. Não que ele esteja errado não, mas o erro foi não assumir essa posição e colocar a publico o fato !!! Abraço

  7. Thiago disse:

    Para mim o Rubens vai melhor quando virar comentarista. Lá sim é lugar para largar as suas pérolas.

  8. ba disse:

    Bom, agora que isso aqui, aparentemente, esfriou, vou te falar, hein, Felipe: que pano pra manga, não? hahahaha

    Só acho engraçado que, tenho certeza, muitos fãs que ainda descem a lenha no piloto são os primeiros a ver a corrida e perguntar “e o Rubinho?”
    Eterna relação de paixão (não é nem amor) e ódio… um tanto quanto pitoresco. Moacyr Scliar podia escrever sobre isso.

    Abração e parabéns!

  9. Paulo Paim disse:

    Caros,

    O Rubens é um piloto muito bom, com alguns altos e baixos, mas muito bom. O que levou ele a conquistar estes extremos, foram as atitudes que ele assume publicamente. Exemplo, seria melhor ele admitir ser segundo piloto na Ferrari, do que insistir em conspirações. Afinal, era evidente para todos, talvez não para ele, que qualquer piloto na Ferrari seria segundo piloto ao lado do Schumacher. Inclusive, foi um desserviço o que ele fez para a Ferrari permitindo o Schumacher ultrapassar ele somente na linha de chegada, afinal, a Ferrari estava cumprindo com o que havia prometido a ele.
    Portanto, se compreendemos esta característica do Rubens, não há porque não torcer por ele, o que continuo fazendo até hoje.

  10. Alan disse:

    Bom, eu iria dizer que torço pro Barrichelo sempre que ele se mostra empolgado num GP, pois sempre que está empolgado ele começa fazendo bonito, mas em 50% destas situações ele executa um erro crasso, seja no volante ou na manutenção do carro durante a corrida. Quanto aos rótulos, eles não são coisa de brasileiro, pois só existe de forma significante no sul e sudeste, onde existe este costume de mentes sem horizontes…ou seja, fique tranquilo sr Paranhos!

  11. Heverton disse:

    Amigo com toda certeza a razão esta ao seu lado. Mas me diga por que esses motores Cosworth são tão ruins assim. Tipo parece que quem utiliza esses motores estão em outra categoria.

    • Felipe Paranhos disse:

      Acho que não é culpa dos motores, Heverton. Fora a Williams, as equipes que correm com eles são mais fracas mesmo. Com a ascensão para este ano de McLaren (Force India junto) e Ferrari, complicou mesmo para a Williams, que se beneficiou do enfraquecimento das grandes no ano passado.

  12. Odilon Barbosa disse:

    Paranhos, dessa vez vc escreveu bonito sem ser muito tendencioso, mas Rubens não é um piloto mediano, é apenas a prova viva de que se a equipe não dispensar tratamento especial e der o melhor equipamento ( isso mesmo , o mesmíssimo equipamento ) ele nunca será campeão. vamos parar com essa besteira de que na Ferrari ele tinha o mesmo equipamento e tratamento de Shumi , ou na Brawn , onde o mesmo só foi ter o mesmo equipamento do Button em Silverstone. como disse o chefe dele na willians, como este cara nunca foi campeão ? eu assisto e acompanho F-1 desde 1972 e me pergunto isso até hoje;

  13. Psuzuki disse:

    Ola, sou um fa da F1 , gostaria de saber sua opiniao sobre uma duvida que me veio , ao ler sobre as declaracoes de Schumacher , sobre pensar em abandonar a F1 ano que vem, por estar desmotivado e a declaracao tb de Ross Brawm , sobre que ele foi contratado para desenvolver a equipe por ser um piloto experiente nao precisar de toda tecnologia ao acertar os bolidos , portanto so no talento,mas se ele quizer parar nao irao fazer nada . Pergunta?? nao seria o caso de Barrichello ter uma chance?? tem todas as caracteristicas que o Ross quer , ja Trabalhou com ele , esta motivado , e eu acho um cara Competente , o que Vcs Acham ????

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo