Publicidade

Publicidade
17/05/2010 - 08:44

Peito de peru e fim da jornada com a F3 em Brasília

Compartilhe: Twitter

(Diário de viagem, dia 3. Os outros dois você pode ver aqui e aqui.)

FELIPE PARANHOS [@felipeparanhos]
de Brasília

Jornalistas e pilotos às vezes têm bastante em comum. Normalmente, o ego inflado. É o que me incomoda nas duas profissões, aliás. O jornalista se alimenta desse poder falseta que ostenta; o piloto de toda a mística que envolve o esportista. Evidentemente e ainda bem, há exceções: e é destas que falo aqui.

Já falei aqui da minha satisfação em poder trabalhar em um final de semana no qual as histórias estão ali, prontas para ser contadas, só bastando pescá-las — diferente do que acontece nas grandes e glamourosas competições automobilísticas.

Além disso, a entrevista coletiva, aberração que se tornou comum no jornalismo, inexiste na F3 Sul-americana, como na maioria das categorias de acesso. Quer falar com quem? Alguns passos e pronto. Torcedor? Quer falar com o piloto? Espera acabar a sessão, pega um autógrafo, tira uma foto.

E não sou só eu quem exalta este clima caloroso: Lucas Foresti, feliz pelas duas vitórias no último domingo, conversou comigo sobre o que pode se tornar a F3 Sudam. Segundo o brasiliense, cara extremamente tranquilo, uma das coisas mais interessantes dos finais de semana da F3 Inglesa, na qual corre pela Carlin, é o calor e a proximidade do público.

Lucas contou que, na Inglaterra, é comum ver torcedores acampados no autódromo — como ainda acontece, aliás, no automobilismo americano. Como exemplo deste carinho e paixão dos fãs de automobilismo, citou os autógrafos que são vendidos no eBay, conhecido site de leilões. “£ 20”, estimou como preço de uma assinatura o piloto, que completou 18 anos durante a última semana.

Na hora de ir embora da capital do país, me dei um presente. Várias camisas de seleções em promoção no aeroporto. Quase fui na da Venezuela, quando vi a da Dinamarca — equipe para a qual eu e o imitão Victor Martins torcemos. Já tinha a branca, era hora de comprar a número 1. Feito.

Este só não seria o ponto alto do meu dia se a aeromoça tivesse me ouvido. Ah, se ela tivesse me ouvido. Mas deixa eu explicar, antes que vocês pensem besteira: ela não sabia dizer “peito de peru” em inglês e perguntou à colega como falava “peru”. Parem de pensar besteira, já disse. Eu falei, meio tímido, “turkey”. Ela não ouviu — ou não confiou — e foi perguntar a outra pessoa lá perto da cabine.

Ainda bem que ela não ouviu. Eu ia traduzir “turkey chest”. É “turkey breast”. Ou não. Foi assim que disseram a ela, pelo menos.

Autor: - Categoria(s): F3 Tags: , , , ,

Ver todas as notas

15 comentários para “Peito de peru e fim da jornada com a F3 em Brasília”

  1. Mauricio disse:

    É duro, mas vou relevar…
    E não tô pensando besteira.

    • Mauricio disse:

      Para os que boiaram:

      Chest = Torax, peito
      Breast= Aqueles adoraveis volumes que as mulheres tem sobre o torax….
      RSRSrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs

  2. Felipe disse:

    Não sei se é bom ou ruim a F3 ser desvalorizada no Brasil. Aliás, por um lado é bom pois dispensa tdo oq há de pior na imprensa nacinal, por outro fica faltando patrocinadores interessados e dispostos a ajudar uma categoria boa como essa!

  3. Júlio Santos disse:

    Felipe acho engraçado você comentar sobre o “ego inchado” dos jornalistas….
    Você foi até Brasília para cobrir a F3 e pouco falou sobre a mesma. Parece mais preocupado em demonstrar suas preferências e “chamar a atenção” do que falar de automobilismo.
    Os valores estão trocados. Creio que os pilotos é que merecem destaque, não o “turkey” ou a camisa da Dinamarca que você comprou. Os leitores que acessam este site tem interesse no esporte, na vida dos pilotos…
    Você não deveria usar o interesse e acessos dos milhares de internautas para contar sua vida, suas aventuras. Faça um blog só para isso.
    Queremos mais ação, mais destaque a quem na verdade se desdobra, treina, gasta o dinheiro que não tem para alinhar um carro no grid, e nos proporciona momentos incríveis como na corrida de domingo!!

    Desculpe a sinceridade.

    Um abraço

    • Felipe Paranhos disse:

      Aceito sua sinceridade, mas desculpe: seus argumentos estão errados. Simplesmente porque você não leu o que eu produzi. Em um texto por dia, fiz um diário, como disse no início deste texto. Aqui está meu trabalho no fim de semana, se você não viu. http://esporte.ig.com.br/grandepremio/outrascategorias/f3/veja_mais/noticias.html?ini=0

      Além de matérias sobre as corridas, entrevistei pilotos, contei algumas histórias que julguei legal e entrevistei o organizador da categoria. Um diário de viagem é um diário de viagem, no qual se conta o que se fez. É o caso deste texto.

      Você se preocupa em me atacar dizendo que eu pouco falo sobre a F3. Agora, se você não leu as coisas que o GP produziu sobre os treinos, as corridas e o ambiente da categoria, acho que é você quem não se interessa tanto pela “ação”…

  4. Ricardo B. disse:

    Sob esse ponto de vista, a Fórmula 1 se tornou uma viadagem.

  5. Lima disse:

    Paranhos,
    Perguntinha básica… No aeroporto tá a qnto as camisas?
    Já tô preparando o bolso p/comprar as camisas européias qndo chegarem os modelos novos e as antigas irem p/promoção… Ano passado fiz cada compra…. No momento tô de olho na do Ajax…
    Por sinal já quase levei uma da Dinamáquinha tb… Só faltou coragem na hora…

  6. José Agart disse:

    Faz parte das suas memórias o tempo em que íamos a Interlagos “ver corridas” ? a gente podia fazer churrasco, ficar lagartixando sossegadamente alí nas arquibancadas depois do Café, hj não se pode mais acessar com o automóvel, não tem Mil Milhas, boxe nem pensar……ficaram só nas memórias…

  7. Torcedor Atento disse:

    Parabéns pela atenção a F3 Sulamericana que deu um verdadeiro show que há muito não se via……….
    Foram 1.6 pontos de audiência contra 1.9 da Truck.
    Parabéns a todos que lutam duramente para manter um mínimo de escola para os nossos pilotos tão talentosos.
    Tenho fé que agora as coisas vão fluir como deve, e muitos “PEITO DE PERU” vão ter que engolir a F3.

    PARABÉNS MAIS UMA VEZ……

  8. Raul Costa disse:

    A tradução correta seria Turkey Ham. Pq esse peito de peru aí é um presunto do peru nao é? Aquele rosinha q vende em super mercado ne?

    Sobre a matéria, acho que mesmo as matérias no GP ficaram um pouco pessoais além do comum. Destoaram um pouco do estilo do resto do site. Mas não ficaram ruins, não. Só diferentes. Gostei das conversas com os estrangeiros…

    • Felipe Paranhos disse:

      Maravilha, valeu pelo retorno. Mas gente, foram TRÊS matérias diferentes, em primeira pessoa. O resto foi normal, em terceira, relato, história, como sempre foi. ;)

  9. FELIPE disse:

    Alguém tem o link do capotamento do bruno andrade na curva 1, por favor?

    Obrigado.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo