Publicidade

Publicidade
23/06/2010 - 11:25

FIA 1×0 F1

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

A FIA definiu novas regras para a temporada 2011 da F1. Uma delas, para mim a mais marcante, é o retorno da regra dos 107% para a classificação. Falo logo aqui: sou contra. Acho antidesportiva, panaca, coisa de equipe criada por vó.

No texto do documento do Conselho Mundial, entretanto, há uma graciosa exceção. Vamos lá: “Em circunstâncias excepcionais, o que pode incluir uma volta adequada nos treinos livres, os comissários podem permitir que o carro comece a corrida. Caso haja mais de um piloto nesta situação, o grid será definido pelos comissários”.

Fernando Alonso bate na classificação. Não faz tempo. Tá fora da corrida. Opa! Mas tem a regrinha marota da FIA! E, de repente, os comissários anunciam que, no caso do espanhol — ou de Massa ou de Hamilton ou de Button ou de Schumi —, será admitido o tempo do treino livre. Não é legal e justo? A Hispania se mata para conseguir ficar a menos de 107% do tempo do líder, mas se uma Ferrari não conseguir, simplesmente vira-se o lado da regra.

Nessas horas, eu sinto saudade do Max Mosley do fim do mandato, que peitava o chororô de Montezemolo, que dava força às equipes pequenas, que ajudou a impedir que a F1 tivesse um ridículo grid de 18 carros. Acho que esta decisão do Conselho Mundial dá um pouco do tom que terá a gestão Jean Todt, protegendo as grandes e seus valores simbólicos avalizados por auditorias — mais interessadas em quanto vale a marca do que na sua real representação no esporte.

Vale ressaltar que, neste ano, se a regra dos 107% estivesse em prática, chegaríamos ao cúmulo de ter 21 carros no grid no GP da Malásia, em que Bruno Senna, Karun Chandhok e Lucas Di Grassi não se classificariam. A Hispania não correria o GP do Bahrein, Senna não disputaria o GP da Espanha e Chandhok não estaria no grid de Montreal.

Isso é bom para o esporte? Usando um exemplo do excelente Keith Collantine, do F1Fanatic, se nas 24 Horas de Le Mans o último carro a se classificar chega a ser 29% mais lento do que o líder — e La Sarthe é mais estreito do que a maioria dos circuitos da F1, além de que se corre à noite —, não há razão para que os pilotos da F1 chiem tanto ao encontrar pela frente um carro só 7% ou 8% mais lento.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , , , ,

Ver todas as notas

29 comentários para “FIA 1×0 F1”

  1. Prado disse:

    HOJE foi a maior prova que a regra dos 107% por cento tem que existir! simplesmente o meu maior medo durante a corrida não era o adversário ultrapassar por quem torcia e sim quem eu torcia espatifar o carro em uma novata por ela não andar em um ritimo adequado, ou então novatas retardatárias entrarem na frente de quem eu torcia, Webber quem o diga e por que não Alonso ao não poder aproveitar a travada de freio da STR enquanto uma Virgin após lambuzar a já péssima corrida de Senna, tava dançando na pista com o pneu já furado, sem contar outras situações, no começo achava que essa regra era idiota e que grandes lendas do passado corriam junto com carros “feitos de madeira”, mas não da pra negar é um perigo enorme pra quem anda forte, grandes pilotos podem perder campeonatos por causa de carros de GP2, isso é ridículo!

    • Felipe Paranhos disse:

      Discordo de você. Nas duas situações. Não se esqueça que carros lentos sempre houve. E a Lotus não seria pega pela regra dos 107%.

  2. FMassa disse:

    Discordo. Acho que com os 107% vc vai forçar as equipes pequenas a investir mais e se desenvolver mais rápido. Patetico é ver Senna, Di Grassi, Kova, Trulli se arrastando na pista…

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo