Publicidade

Publicidade
18/08/2010 - 11:40

O original e a imitação

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Aqueles que me seguem no Twitter talvez já saibam que eu acho o CQC um nojo do ponto de vista jornalístico. Trata-se de um programa que se diz jornalístico para conseguir autorização para entrar no Congresso Nacional, mas se vale abundantemente de um artifício que é o antijornalismo por si só: a propaganda.

Perdoem o nariz-de-cera, mas ele tem razão de ser. Porque tudo o que vira moda ganha imitações, grandes ou pequenas. Após a vitória na etapa de Salvador da Stock Car, Cacá Bueno foi vítima de um subCQC baiano do qual nunca ouvi falar.

Cacá gentilmente parou para conversar com o tal repórter. Eu passei do lado, não dei muita importância. Tentando falar com a Luana Marino aqui do GP pelo telefone, ouvi a primeira pergunta: “Você é Cacá e seu irmão é Popó. Seu pai é Gagá?”

O piloto da Red Bull se saiu bem na resposta, dizendo que o pai ainda tem lenha para queimar, algo assim. Eu já estava dentro da sala de imprensa quando veio outra pergunta, com uma associação ainda mais babaca e infantil, algo do tipo “Como foi ficar com o Duda encostado na sua traseira na corrida?” Educadamente, Cacá disse que já era suficiente e deixou o rapaz falando sozinho. Com toda a razão.

Ainda que, neste caso, tenha sido só babaquice e não ofensa grave, de perto se vê quão constrangedor é ser abordado por um destes supostos repórteres. Se o original chama atrizes pornô de putas ao vivo às 22h, imaginem o que podem fazer as imitações.

Autor: - Categoria(s): Stock Car Tags: , , , ,

Ver todas as notas

93 comentários para “O original e a imitação”

  1. Lima disse:

    Paranhos,

    Acho que essa é uma questão de quais conhecimentos você tem. Em primeiro lugar, nem sabia que as pessoas achavam q o CQC é jornalístico. E, não tem nada a ver com diploma, é uma questão de eles são entretenimento e ponto.
    O que tem de jornalístico o Rafa Cortez beijar mulheres na África do Sul?
    Enfim, quem é jornalista, e aqui não tem nada a ver com o diploma (discussão que ñ quero fazer p/ ñ desviar do foco); tem que se sentir ofendido mesmo com o programa.
    É fato que o Proteste Já tem sido muito útil, entretanto ñ deixa de ser parte do entretenimento do programa.
    Eu sou Cientista Político por formação universitária, e portanto posso dizer que muitas vezes a cobertura da política em muitos programas é hipócrita, incluindo alguns telejornais destacados que adoram atribuir competência à uma autoridade que não as têm.
    Assim, como o estatístico sente-se ofendido quando conceituam ‘amostra’ como se fosse negativo.

    Por fim, CQC é humor e ponto. Se não o fosse, não selecionaria seus repórteres nos palcos de Stand Up.

    PS: Era p/;ser um tópico sobre o CQC? hahaha

    • Felipe Paranhos disse:

      Entendo e concordo com você, Lima.

      Sobre ser ou não jornalismo, olha o que o Tas disse em 2008, na época da confusão com o Congresso: “Nós somos jornalistas. Eu trabalho com jornalismo há 25 anos. Já trabalhei na Folha e na ‘Isto É’. O ‘CQC’ faz um jornalismo com humor e com irreverência”.

      Tá aqui, ó: http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u418053.shtml

  2. Rodrigo disse:

    Os caras são os únicos que fazem humor na TV brasileira, e mesmo escorregando as vezes com piadas fracas e de mau gosto, no geral o programa é bem engraçado e ainda tem pitadas de questionamento.

    Não acho que ninguém ligue a TV pra assistir os caras achando que tá assistindo um telejornal. Então essa birra de antijornalismo não faz o menor sentido.

    É o máximo que podemos ter de humor hoje na TV, no Brasil.

    • Maycon V. T. Côrte disse:

      Ninguém liga a TV para assistir ao CQC como um Jornal, porém, eles também não precisam sair dizendo que são jornalistas!

  3. Luiz Razia disse:

    Fala Felipe,

    Aqui vai minha opinião, sabendo que a opinião é definida como idéia confusa da realidade e da verdade.
    Eles afirmam que são Jornalistas, como podemos classificar “Jornalismo de Opinião” que na verdade eles usam o humor muitas vezes pesado e sem ética para produzir opiniões aos telespectadores que muitas vezes, eles fogem do total contexto de Jornalismo. O erro em tudo isso é classificar o programa como Jornalístico e não humorístico, ou ate humor inteligente diria alguns.
    De resto acho que o humor é sempre bem vindo em todas as áreas tanto no esporte quanto na política, depende da “opinião” de cada um.

    Abraço bro.

    • Felipe Paranhos disse:

      Falou e disse, garoto. Agora, larga o rFactor e vai correr, vai. hahaha

  4. Arthur Cavalcante disse:

    Também não curto o CQC, mas não há como não enxergar o recalque desse texto. Ficar difamando e falando mal dos caras que nem sequer estavam presentes é tão lamentável quanto a atitude deles… na boa? Foi infeliz nessa…

    • Felipe Paranhos disse:

      Ué, só pode falar se a pessoa estivesse ao vivo? Eu relatei um fato causado por alguém que entrou na onda deles, que, por sinal, não gosto. Vou ter recalque por quê, mesmo?

  5. Justo Holler disse:

    nao entendo sua indignacao, voce, o FG e o VM so descem a lenha na Stock e nos pilotos. O que te incomoda? O fato do CQC ser bem sucedido e ter dado certo ou a pergunta que ele fez ao Caca?
    A minha sensacao é a de que vc tem é inveja deles….

    Será que o meu post vai ao ar?….

    • Felipe Paranhos disse:

      Tem tanta gente inteligente, mas tem tanta gente que não é inteligente…

      Quem desceu o pau na Stock aqui? Eu falei que o Cacá se saiu bem. O que tem a Stock a ver com isso?

      Inveja do CQC? Não, obrigado. Por que alguns acham que todo mundo quer fazer televisão?

      Por último, cogitar a possibilidade de seu post não ir ao ar é sinal de que você não aparece muito por aqui. Senão, saberia que só não aprovo comentário com ofensa.

  6. Fernando disse:

    Mas atriz pornô não é puta? Pensei que o nome fosse adequado para mulheres que vendem o corpo em troca de dinheiro. Não é exatamente o que elas fazem? O que eu acho mais injusto é chamá-las de atrizes (a não ser no que diz respeito a fingir orgasmo). É um tremendo desrespeito com quem realmente se dedica com rigor ao desenvolvimento de qualquer uma das 7 artes. Mas enfim, o termo pegou e não vai mudar. Tb nem precisa.

    Agora, se o problema é usar palavrões às 22h da noite, eu não sei. É proibido?

    De qualquer forma eu tb recrimino a segunda pergunta que o subCQC fez. Pq foi extremamente sem graça e infantil. Certíssimo o Cacá em deixá-los no vácuo.

    • Felipe Paranhos disse:

      Como disse, o que se julga não é a palavra pela palavra, mas o sentido que se deu a ela, pejorativo, ofensivo, para piada gratuita.

  7. Diogo disse:

    Felipe, entendo o CQC como uma fonte de entretenimento. Aliás, uma das poucas coisas boas na TV aberta ultimamente. Quanto ao fato de eles se classificarem como “jornalístico”, entra no mesmo enquadramento do Fantástico, que alterna reportagens com quadros de humor. Quanto ao marketing inserido no programa, até prefiro desta forma do que a hipocrisia adotada pela Globo, por exemplo.

  8. Alex disse:

    Como já cantava Humberto Gessinger a uma decada :
    “Ninguem sabe como serão ,os filhos deste casamento,
    indústria da informação com industria do entretenimento,
    promessas de fusão a frio e desvio de comportamento,

    CQC ,entretenimento ;RUIM ,BEM ,RUIM,mas entretenimento,Nunca Jornalismo.
    PS. Mas já que se consideram jornalistas ,que tal uma pauta sobre os guard-rails da INDY que cinco meses depois a BAND ou PMSP ainda não retirou dos arredores do Anhembi.

    PS 2 . Parabens pela clareza de raciocinio ,Felipe !!!

  9. Alex disse:

    Errata :
    Leia-se BAND ou PMSP ainda não retiraram dos arredores do Anhembi

  10. Emilio disse:

    Eu sempre gostei de humor, que considero uma pessoa bemhumorada, mas nunca suportei as pessoas que querem fazer graça com a cara dos outros. Se quer ser palhaço, então pinte a sua cara e vá fazer as pessoas rirem. Tentar fazer os outros de bobo não é humor é humilhação.

  11. Ganga disse:

    Caro Felipe ,
    Definitivamente este post foi infeliz, pois todos nos que acessamos o grandepremio procuramos por informações e comentarios sobre velocidade e não reclamações sobre um programa que é do gosto de muitos dos seus leitores.

    • Felipe Paranhos disse:

      O que talvez você não tenha entendido é que este não foi um post sobre o CQC. O programa entrou no texto porque era pertinente. E, se você procura SOMENTE informações e comentários sobre velocidade, sinto muito, mas eu nunca vou conseguir escrever só sobre automobilismo. Tenho outras áreas de interesse e gosto de discutir sobre outras coisas também. Você será bem-vindo em todas as discussões. Abraço.

  12. Claudio Drummond disse:

    Felipe, bom dia. Primeiro concordo em genero, número e grau contigo, no que se refere a esses “jornalisticos”…podem ser comédia (babaca, mas comédia). Segundo, acho que muitos acima não entenderam o que voce escreveu, pois as críticas foram, em muitos casos, totalmente equivocadas. Por último, acho que fazem um cerco ao Cacá injustificado, pois, como piloto (como homem público que ele é, e não filho de fulano ou sicrano) ele é dos melhores.
    Um abraço

    • Felipe Paranhos disse:

      Um amigo disse: Elogiar Cacá + Falar mal do CQC = Vai dar merda.

      Fazer o quê? :)

  13. Deco SEP disse:

    Paranhos concordo em parte com o que disse, o CQC é um programa com um estilo particular de jornalismo onde se mistura jornalismo com humor, mas temos jornalismo no programa sim!!! Inclusive vejo coisas no CQC que gostaria de ver em outros programas jornalísticos que, provavelmente por medo, simplesmente não “apertam” e não mostram a falta de qualidade/capacidade dos nossos políticos no congresso por exemplo … gosto é gosto e existem maneiras diferentes de se passar a mesma notícia, quem é de SP deve se lembrar do Jornal Noticias Populares do grupo folha onde você trabalha, apesar do seu péssimo gosto (na minha opinião) não posso dizer que o NP não praticava jornalismo !!!
    Quanto a propaganda se é contra a propaganda é só excluir ela do seu blog e dar o bom exemplo, também acharia melhor um jornal sem propaganda mas infelizmente isso não é possível!!!
    Abraço Deco SEP

    • Felipe Paranhos disse:

      Vamos devagar:

      Concordo que o “apertar” de alguns repórteres do CQC é algo elogiável e interessante, que está no cerne do jornalismo mas que muitos jornalistas não fazem, por receio ou preguiça.

      Eu não trabalhei no Grupo Folha. Eu trabalho no GP e em um jornal soteropolitano.

      Eu não disse que sou contra a propaganda. Sou leigo em publicidade, mas me interesso bastante pelo assunto. O que sou contra, e é algo inadmissível, é o jornalista fazer propaganda, ser o agente dela. Seria como se, ao invés de eu fazer um post comentando um assunto, eu fizesse um mostrando para vocês como o produto X é bom, barato e superior aos concorrentes. Entendeu?

      Abraço!

  14. Edson Collo disse:

    Olá Paranhos.

    É impossível ficar indiferente ao seu comentário.
    Está bem, o sujeito que questionou o Cacá não foi nada original e nem um pouco inteligente, mas daí atribuir isso ao CQC me soa como apelação. Outros programas humorísticos se valem de piadinhas semelhantes, o Casseta e Planeta é um deles. O que me diz do jornalista Zé Simão e seus comentários hilários?
    Não enxergo o CQC como “um nojo”, muito pelo contrário, são ótimos, muito criativos e trouxeram para o Brasil um formato diferente de programa de TV.
    Deixar políticos constrangidos é errado? Deus do céu, o que é certo então?
    Outra coisa, sem hipocrisia, pra mim, mulher que vende o corpo é prostituta, mesmo que se intitule atriz e não vi nada de mais no que o Marcelo disse (fora a falta de delicadeza com as donzelinhas).

    Me desculpe, mas a meu ver você usou mal o espaço de seu blog…

    Não se zangue, não estou aqui para defender nem atacar ninguém, você mostrou sua perspectiva e eu a minha.

    Grande abraço.

    • Felipe Paranhos disse:

      Não me zango não, Edson, eu gosto de quem expõe seus pensamentos de maneira clara e respeitosa, ainda que não concorde comigo.

      O Casseta e Planeta faz piadas de duplo sentido com populares, pessoas que se dispõem a ficar na frente da câmera e participar da brincadeira. Eu acho diferente. Assim como acho diferente o que faz o Zé Simão, que, apesar de ser ferino e irônico, o faz de uma maneira muito menos constrangedora do que aquela quando você joga alguém na frente da câmera.

      TV tem áudio, imagem e edição; é complexo lidar bem com isso.

      Mas o texto não é sobre o CQC. Estranho que minha opinião sobre eles, que é algo secundário no texto, tenha chamado tanto a atenção de tanta gente. Abraço!

  15. Francisco disse:

    O que o CQC faz? Humor? Jornalsimo? Seja o que for, é ruim nessas duas opções…

  16. Rafael Santana disse:

    Qual é o nome dessa cópia ? nem sabia que existai algo do género, mesmo que de mal gosto aqui na Bahia

    • Felipe Paranhos disse:

      Não faço a menor ideia. Só ouvi a pergunta, vi a cara do rapaz. Nem reparei se tinha câmera ou era de rádio ou imprensa escrita. Abraço.

  17. fabiano disse:

    Repito a pergunta de outros… Mas atriz pornô não é puta?
    Sem falso moralismo, mas quem vende o corpo por dinheiro é puta e ponto final!!!!

  18. Eric disse:

    Bons tempos em que só o Casseta e Planeta fazia piada ruim. Era só ignorar aquele horário noturno de terça, depois da novela, que tava tudo bem. Agora tem programa de (mau) humor em tudo quanto é canal, e com reprise. Concordo que esses programas (Pânico, CQC, e suas crias), tem algumas boas tiradas, mas esse esquema de entrar em Câmaras de Deputados, em festas de lançamento de filmes, de novelas, em jogos de futebol,. corridas, etc. e ficar parando os famosos pra fazer perguntas “engraçadinhas” é o fim.
    E pra piorar, atualmente ainda tem horário político pra aumentar a bobagem na TV. Tem uns candidadtos a deputado por aí que só dando risada…

  19. Claudio disse:

    Quem nao gosta do CQC, que não assista ao CQC.
    Quem nao gosta de novela, que não assista novela.
    Quem não gosta de programa evangélico, que não assista programa evangélico.
    Quem não gosta do programa do Ronnie Von, que não assista o programa do Ronnie Von.
    E assim por diante.
    Simples assim.

  20. Olegário disse:

    O que o CQC faz é humilhação… Muita gente gosta quando um político é humilhado em rede nacional por alguma falcatrua (inclusive eles fizeram ALGUNS quadros de qualidade no decorrer do programa, como aquele da Televisão com Alarme). De certa forma, talvez essa seja a parte mais “jornalismo” que eles produzem.
    Agora, assim como eles tem essa porcentagem “positiva” na grade deles, também tem outras diversas piadas que são engraçadas pra quem gosta de ver os outros passando vergonha. Subcelebridades, Populares ou Funcionários… Eles “simulam” algo sério para por os entrevistados ou filmados no Ridículo.
    O que, na minha opinião, é um moralismo desnecessário. Se o CQC acha que é o “único humor inteligente” na TV, ok, pode até ser que talvez sejam mesmo. Mas cobrar isso com entrevistas querendo mostrar outros como ignorantes de formas constrangedoras é querer fingir e obrigar todos a crerem que o mundo é dividido entre “inteligentes de senso crítico” e “imbecis sem caráter”… sendo que todos nós temos manifestações de ambas as categorias em nossas próprias ações.

    Pra fechar: Atriz Pornô é Atriz Pornô. Puta é Puta. Algumas delas serem as duas pode até acontecer, mas não é regra.

    • “Pra fechar: Atriz Pornô é Atriz Pornô. Puta é Puta. Algumas delas serem as duas pode até acontecer, mas não é regra.”

      kkkk, boa!

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo