Publicidade

Publicidade
31/08/2010 - 16:35

Corinthians e o automobilismo brasileiro, uma relação vitoriosa

Compartilhe: Twitter

FERNANDO SILVA

Um dos clubes mais populares do Brasil comemorará nesta quarta-feira (1), 100 anos de história, conquistas, sofrimento e glórias. Mas você haverá de perguntar. O que o Corinthians tem a ver com automobilismo, nosso tema principal aqui? Muito, meu caro.

Para ficar apenas no campo da F1, dá para elencar pilotos do passado e do presente identificados com o time. Há relatos que Emerson Fittipaldi disputou várias provas nos anos 70 com a camisa do Corinthians por baixo do macacão, justamente na época do jejum de títulos alvinegro, época que teve fim em 1977. Foi o primeiro piloto brasileiro de grande destaque internacional a assumir a paixão pelo clube e inaugurar uma relação vitoriosa.

Ayrton Senna também se declarou torcedor do Timão, mas não roxo, como o próprio piloto confirmou em entrevista ao “Roda Viva” da TV Cultura, em 1986. Entretanto, o sucesso daquele que anos mais tarde seria tricampeão de F1 fez a torcida alvinegra adotá-lo como um dos símbolos do corintiano que deu certo. Até hoje, Senna é retratado em bandeiras e camisetas que também remetem ao Corinthians.

Quem também assumiu a paixão pelo clube alvinegro de Parque S. Jorge foi Rubens Barrichello. O paulistano é visto frequentemente circulando pelo paddock dos autódromos pelo mundo com a camisa do clube. Recentemente, o piloto da Williams, que também comemorou uma marca centenária nesta semana — 300 GPs —, esteve presente à sede do Timão e foi recepcionado por Ronaldo e Roberto Carlos. Ainda sobre os pilotos da atual temporada, Bruno Senna também herdou a preferência futebolística do tio.

Mas a presença do Corinthians não se resume apenas à torcida dos pilotos. Muito pelo contrário até. Embora seja considerada mais uma ação agressiva de marketing do que uma intenção de se firmar no automobilismo, o fato é que 2010 marcou a ascensão do alvinegro nos autódromos do Brasil. Desde a elitistas Stock Car e GT Brasil, até a popular F-Truck, o time se faz presente, com relativo destaque. A presença do clube paulista nas pistas não se resume somente ao Brasil, já que também compõe o grid da F-Superliga [a exemplo do Flamengo] há dois anos.

Se não dá para dizer que a história do Corinthians se confunde com o automobilismo brasileiro em si, é possível concluir que ambos têm uma história semelhante: superação, lutas, suor, lágrimas, derrotas, vitórias, fracassos e muitos títulos. Que venham muitos outros centenários.

Autor: - Categoria(s): Barrichello, F-Superliga, F-Truck, F1, GT Brasil, Sem categoria, Stock Car Tags: , , , , , ,

Ver todas as notas

8 comentários para “Corinthians e o automobilismo brasileiro, uma relação vitoriosa”

  1. Junior disse:

    100 anos de história, conquistas, sofrimento e glórias… se dividir deve dar uns 5 ou 6 anos de conquistas, mais uns 4 anos de glórias. O resto é tudo de sofrimento e humilhação.

    E ainda por cima idolatram o cara que jogou eles na segunda divisão, no caso o Mano, que derrotou e rebaixou o Corinthians quando ele treinava o Grêmio.

  2. quickbr disse:

    Sou parcial, mas que belo post. Para os torcedores o Corinthians representa exatamente isso superação, garra, decepções, derrotas, vitórias, tudo que o esporte proporcionar, mas sempre com paz no coração e aprender e aproveitar essa roda viva de sentimentos que nos inunda a cada jogo, a cada corrida.

  3. Carlos Henrique disse:

    A entrevista concedida pelo Senna ao programa “Roda Viva” foi em 1986.

  4. Diogo disse:

    Ainda prefiro o Paulo Nobre levantando a bandeira do Glorioso Palmeiras no Rali Dakar!!!! hehehe

    Parabéns pelo centenário do Corinthians!

    PS.: E o Bahia, Felipe? Sobe esse ano?

  5. Temos que destacar o otimo post de Paranhos, sou Corinthiano estou feliz pelo centenario, mas a minha preferencia esportista sempre foi a velocidade, futebol vem depois.

  6. Luis Vieira disse:

    Otimo artigo!

    Parabéns Corinthians por seus 100 anos de gloria e paixão

  7. Danilo A. disse:

    Mitologia.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo