Publicidade

Publicidade
20/09/2010 - 13:06

Montanha-russa lusitana

Compartilhe: Twitter

Evelyn Guimarães

Mexilhoeira Grande, Portugal | Foi ainda no Brasil que recebi o convite na Nissan para dar uma volta rápida no circuito do Algarve, neste final semana, por conta realização da sétima etapa do Mundial de GT1. A primeira reação foi de empolgação, claro. Já participei de outros eventos assim em Curitiba, de Stock Car e também de BMW, com Augusto Farfus ao volante. É legal para caramba, mas eu conheço o traçado curitibano, então as reações dentro do carro foram menos desastrosas…

Mas voltando à pista lusitana. Como já disse, o circuito impressiona. E não somente pela estrutura, como as modernas arquibancadas permanentes, que dão uma visão ótima da pista ou as instalações dos boxes e do paddock. Na verdade, o impressiona mesmo é o traçado. A pista fica um terreno acidentado, entre colinas, o que deu ao projetista da pista liberdade para criar aquelas curvas que todo o piloto gosta. A pista é larga, tem uma grande reta principal, que acaba em uma curvinha fechada para direita. Foi nesse ponto que a minha volta rápida começou.

O modelo GT-R foi o escolhido pela empresa, já que o carro faz parte do Mundial de GT1. Ainda nos boxes me lembrei das corridas de Gran Turismo que costumava (tentava, mas que costumava) disputar com o pai no Playstation. Não sei por que nunca escolhi o Nissan?

Mas, enfim, lá estava eu esperando por Jamie Campbell-Walter. Jamie tem 37 anos e pode-se dizer que é um especialista em categorias de turismo. O inglês já correu na Le Mans Series, 24 Horas de Le Mans e foi campeão no GT.

O carro, na verdade, era um modelo de passeio, o que me deu certo alivio, mas precipitado. Na saída dos boxes, já tinha me arrependido. Jamie, com uma tranqüilidade absurda, foi ‘cantando’ todas as curvas e explicando o contorno de cada uma pelos 4.684 m da pista. Infelizmente, só prestei atenção na primeira.

Depois da primeira curva, vem um trecho em S e mais duas curvas ainda para direita e em descida. Depois, a grande curva aberta, onde já tinha me segurando mais de uma vez na porta, o que fez Jamie rir bastante e dizer: “Mas é só o começo”.

E era mesmo. Percorremos em seguida um grande trecho em subida (onde nem vi mais o ponteiro da velocidade), para chegar a uma curva muito fechada para a esquerda e subida novamente. Depois, uma grande descida (onde quase saímos do chão) e novamente subimos.  Bem parecido com uma montanha-russa. Essa é a toada do circuito. Subidas e decidas, misturadas às curvas fechadas e de alta velocidade. E Jamie não economizou no acelerador.

Cada curva era uma surpresa diferente. Às vezes boa, às vezes ruim.  Mais de uma vez, achei que íamos sair da pista ou rodar. Quase aconteceu na penúltima curva. Ainda bem que foi quase, porque não tinha almoçado ainda àquela altura e queria chegar logo aos boxes.

Mais cedo, quando entrevistei o projetista da pista, o arquiteto Paulo Pinheiro, ele me disse que a idéia era construir uma pista técnica e desafiadora. Que separasse os meninos dos homens. Ele tinha razão.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags: , , , ,

Ver todas as notas

14 comentários para “Montanha-russa lusitana”

  1. Francisco Luz disse:

    Sensacional, Evelina!

  2. Anderson Puff disse:

    GT1 é show de bola, uma das categorias mais bonitas do automobilismo, supercarros, superpistas, e competitividade, acho que o site deveria dar mais destaque como vez neste final de semana para essa categoria

    • Felipe Paranhos disse:

      Obrigado pela sugestão, Anderson. Faremos isso sempre que possível, e esperamos poder cobrir ‘in loco’ outras etapas do GT1. Interlagos vem aí! :)

  3. Rodrigo Meira disse:

    Que chamem esse arquiteto Paulo Pinheiro para elaborar o traçado do Fictício Autódromo de Deodoro no Rio de Janeiro. Chega de Herman Tilke!

  4. Daniel disse:

    corri de gt1 nessa pista no rfactor. muito loka =P

  5. João disse:

    É uma pista absolutamente fantástica… na minha opinião, não fica a perder para nenhuma do actual mundial de F1, muito pelo contrário. Apenas SPA é equivalente!

  6. Faltou um videozinho hem… Seria legal assistir à todas essas suas “trapalhadas”.

  7. Marcião disse:

    Acompanho o mundial de Superbike e as corridas nesse circuito são du ca….. Quando é a categoria Superspot então (600cc) o tal do Kenan Sofuoglu faz a gente chorar ao chegar nessas baita curvas com a CBR dele literalmente escorregando de lado. É coisa pra louco mesmo!!!!!

  8. Lúcio disse:

    Sem querer ser chato (talvez já sendo), o texto só precisava de uma revisada no Português…de resto, tudo ótimo. Ab.

  9. Rafinha Dias disse:

    Texto bom pacas, deu vontade de enfrentar ela em alguma réplica virtual.
    Adoro circuitos em terrenos acidentados, mas odeio montanha-russa.

  10. Tiago Viegas disse:

    Pra quem se aventura nos jogos ou simuladores, essa o Algarve é mesmo um primor de circuito.

    Sem exageros, é tão desafiadores e deliciosa de se guiar como Spa-Francorchamps.

    Bernie, REALIZA!!!

    • Felipe Paranhos disse:

      Exato. Aquela descidinha que conduz pra primeira curva é maravilha, Albertô.

  11. Davi Ribeiro disse:

    A pista realmente é desafiadora. De extrema qualidade técnica, com trechos bem interessantes. Creio que precisaria de uma chicane antes da última curva pois, como todo mundo sabe, um F1 não consegue fazer uma curva de alta colado no carro da frente devido à falta de vento para gerar downforce.
    Acho um exagero dizer que lembra Spa. SPa é única! Mas é do mesmo naipe de Istambul, com suas subidas e descidas, crio que um pouco melhor.
    Essa pista tem que receber a F1! É muuuito boa!

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo