Publicidade

Publicidade
29/09/2010 - 11:15

O retrato de um país

Compartilhe: Twitter

SÃO PAULO | Pode-se dizer que Gabriel Dias é um retrato do automobilismo no Brasil. Teve uma forte passagem pelo kart, dentro e fora do país, diga-se. Foi campeão em quase tudo que disputou. Porém, o passo seguinte não se deu em terras tupiniquins. Dias optou por tentar a vida no exterior. O que, também temos de ressaltar, parece o caminho mais realista para a maioria dos jovens pilotos.

Em entrevista ao Grande Prêmio, o curitibano de 20 anos, que fez sua temporada de estreia na divisão principal da F3 Inglesa em 2010, admitiu as dificuldades de se começar a correr no país. E, inclusive, recomendou aos mais jovens optarem cedo pela Europa.

“Não quero colocar os campeonatos daqui em uma posição ruim, mas é difícil.  È complicado para quem corre aqui ter ideia da realidade do que é competir no exterior. Você corre aqui e, por mais alto que seja o nível dos pilotos, não se tem tanta referência. Acho que a opção que tomei foi boa. Fiz uma carreira de kart aqui, porque o nível é ótimo. Também corri o Mundial. Depois, já comecei de fórmula na Europa”, disse o piloto.

“Dei a cara para bater lá, mas, ao mesmo tempo, foi bom, porque aprendi bastante. E não só como piloto, mas como pessoa também. Acho que, para os pilotos que estão procurando começar a carreira em carros de fórmula, ter uma experiência na Europa é muito válido. Eu recomendo”, completou.

Parece uma ladainha mesmo. Mas é a realidade. O Brasil não forma mais pilotos. Os meninos, os poucos que conseguem e têm o apoio financeiro, estão saindo cada vez mais cedo para tentar vaga lá fora.

E o que se vê por aqui? A F-Future ainda engatinha, com poucos carros no grid. A F3 Sul-americana é de dar pena. Realizou etapas na Argentina, mas um grid magro, magro. Em breve, a consequência virá, quando o país deixar de ter representantes nas principais categorias.

Portanto, fica a reflexão. Que tipo de pessoa gere o automobilismo no país e não percebe esse movimento? E qual seria a solução mais imediata para tirar o esporte dessa situação?

Evelyn Guimarães

Autor: - Categoria(s): F1, F3, GP2 Tags: , , ,

Ver todas as notas

3 comentários para “O retrato de um país”

  1. Winston disse:

    A solução é aparecer do nada contra tudo e contra todos um talento genial. Isso pode faser a diferença, perdemos o bonde com a morte do senna e perdeu-se muito tempo com Rubens que não era esse cara.

  2. Mauro Rodrigues Junior disse:

    Quer um solução?
    Deve começar mostrando o automobilismo nacional para o PÚBLICO nacional.

    As provas estão com preços absurdos e está afastando de forma assustadora as platéias em qualquer estado.

    Com um público fidelizado, chama a atenção das empresas em mostrar suas marcas. É um efeito dominó.

    Os organizadores devem pensar em idéias simples e não apostar em planos imediatistas como fazer provas pomposas feitas apenas para a TV acompanhar de forma esporádica e com pouco público. Assim não dá!

    Precisamos de provas organizadas visando o espetáculo para quem está no autódromo e não para o telespectador que está tomando cafezinho da manhã com chinelinho na sala. O torcedor nas arquibancadas merecem respeito, não apenas no FUTEBOL, mas também no AUTOMOBILISMO!

  3. Jacaré e Capivara do Tietê disse:

    VENDE OS AUTÓDROMO PARA EMPRESAS. AFINAL O BRASIL É CAMPEÃO MUNDIAL DE PILOTO OPERÁRIO-PADRÃO! COM MEDALAHA DE MÉRITO!

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo