iG

Publicidade

Publicidade

Arquivo de outubro, 2010

31/10/2010 - 19:35

Um primeiro ano de sucesso

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Forward, G22, Gresini, Holiday Gym Racing, Interwetten Moriwaki Moto2, Iodaracing Project, Italtrans, Jack & Jones by A. Banderas, JIR Moto2, Mapfre Aspar, Marc VDS, Monlau Competicion, MZ Motor, QMMF, Quereseno, Stop and Go, Tech 3, Technomag CIP, Tenerife 40 Pons, Tuenti Speed Up, Viessman Kiefer Racing, WTR/Speed Master Team.

A FIM anunciou hoje: serão 22 equipes e 40 motos na Moto2 em 2011, com pré-classificação, como neste ano. A categoria é, como dizem os mudernos, um case de sucesso. Apesar de ter uma morte no currículo — Shoya Tomizawa, em San Marino —, o campeonato foi acirrado entre seus verdadeiros disputantes, já que Toni Elías estava um degrau acima de todos os outros, por sua experiência anterior na MotoGP. A última etapa de 2010, em Valência, será o fechamento de um ciclo muitíssimo bem-sucedido.

Além disso, por ser bem mais acessível, deixa a MotoGP sustentada apenas por seus nomes. Convenhamos, a temporada da principal categoria do Mundial de Motovelocidade foi muito sem graça, tanto que Jorge Lorenzo se tornou campeão tão cedo por pura e simples retirada de combate por parte de seus rivais Rossi e Pedrosa.

Vem aí a Moto3 no lugar das 125cc. A ideia é replicar o número de motos, o interesse do público e de patrocinadores. Acho que vai dar certo. A MotoGP, por sua vez, deve continuar a mesma pindaíba deste ano.

Autor: - Categoria(s): MotoGP Tags: , , , , ,
29/10/2010 - 14:16

Que mal há?

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Vejo num monte de lugares a repercussão da matéria da Autosport sobre o GP da Coreia do Sul. De acordo com o repórter Mark Hughes, Felipe Massa segurou o ritmo — e os adversários — para aumentar a possibilidade de Fernando Alonso, que teve problemas em seu pit-stop, voltar à frente de Lewis Hamilton e manter a segunda posição — que depois virou primeira, com o abandono de Vettel.

(Aqui vai um parêntese: numa pesquisa rápida, vimos aqui no GP que Alonso voltaria à frente de Massa de qualquer jeito, pelos tempos do espanhol)

Aí eu vejo em alguns lugares, até mesmo veículos jornalísticos, textos com viés negativo para a postura da equipe. “Revista acusa Ferrari de ter mandado Massa ajudar Alonso no GP da Coreia”, titulou o GloboEsporte.com, site que mandou muitíssimo bem ontem com a informação de que Bruno Senna negocia com a Lotus para 2011.

Mas aí é que tá: que mal há se a Ferrari tiver mesmo pedido para Massa segurar os adversários para que Alonso tivesse mais chances de pontuar bem? Só há um piloto do time com chance de ser campeão, e é o espanhol.

Massa não parece incomodado de ter de ajudar Alonso. Poderia ser o contrário, não foi. O brasileiro não teve uma boa temporada, mas 2011 está aí, é uma nova oportunidade de virar o jogo. E se não conseguir virar em 2011, não vai deixar de ser o quarto (ou o quinto, rivaliza com Barrichello nos números) maior piloto brasileiro na história da F1.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , , , , ,
28/10/2010 - 13:14

Gran Turismo 5: falta pouco

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Gran Turismo 5, mais nova edição de uma das mais famosas franquias de jogos de corrida, deve ser lançado ainda no fim deste ano, depois de vários adiamentos. Para aplacar a ansiedade dos que aguardam sua apresentação, a Sony e a Polyphony Digital estão divulgando alguns teasers do jogo.

GT5 está em fase de finalização. Antes disso, porém, Sebastian Vettel testou o jogo. E a ele foi dada a oportunidade de andar no X1, um protótipo virtual que tem como objetivo ser o carro mais rápido do mundo, desprezando qualquer regra de categorias esportivas.

Para isso, a Polyphony fechou uma parceria com a Red Bull. Adrian Newey e Vettel foram os consultores técnicos do projeto. Ao fim da produção, o alemão andou no carro, como vocês podem ver no vídeo abaixo, colocado no ar hoje.

Gran Turismo 5  precisa consertar o problema da falta de realismo nos acidentes, característica dos jogos passados. Mas, do ponto de vista da pilotagem, será com certeza fantástico. Preciso comprar um Playstation 3.

Autor: - Categoria(s): F1, Virtual Tags: , , , , ,
25/10/2010 - 14:33

Salve!

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Um brasileiro encerrou neste domingo cinco anos de um incômodo jejum, daqueles que inspiram preocupação para o futuro. Desde 2005, nenhum piloto do país ganhava uma Fórmula 3 fora do continente sul-americano. O último havia sido João Paulo de Oliveira, na F3 Japonesa. César Ramos acabou com a seca na Italiana.

O garoto de Novo Hamburgo — terra de Francisco Luz, conhecido escrevinhador deste espaço — ganhou um teste com um carro da Ferrari na F1, junto com o monegasco Stéphane Richelmi e o italiano Andrea Caldarelli.

Além de ser o primeiro piloto do estado a pilotar um carro de F1, César pode sonhar com uma vaga no programa de jovens da Ferrari, que tem Daniel Zampieri, campeão da F3 Italiana ano passado, e, como seu mais recente integrante, o mexicano Sergio Pérez.

Talento ele tem. Toda sorte a César Ramos.

Autor: - Categoria(s): F3 Tags: , , , , ,
22/10/2010 - 17:56

Vale a pena

Compartilhe: Twitter

FELIPE GIACOMELLI

A partir deste sábado (23), dois carros de F1 pertencentes ao acervo de Emerson Fittipaldi – ambos da Copersucar, a equipe do piloto brasileiro no final dos anos 1970 – estarão em exibição em um empreendimento da Italy & France Montblanc, no bairro do Tatuapé, em São Paulo.

Além dos dois modelos de F1, também estará exposto um exemplar único do Pontiac TransAM, que foi o pace-car nas 500 Milhas de Indianápolis de 1989, vencida pelo piloto brasileiro.

Os carros ficarão expostos até o dia 7 de novembro, dia do GP do Brasil de F1, sempre das 9h até as 19h. Na Rua Emílio Mallet, 367, no bairro do Tatuapé Nobre.  Vale a pena.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , ,
20/10/2010 - 05:23

O horror

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Ashley Sara Phalen, 24, morreu na última sexta-feira (15), em Fontana, quando participava do Mario Andretti Racing Experience, programa que, a preços entre R$ 217 e R$ 721, permite a pessoas comuns a chance de dar voltas em um carro de corrida baseado no da Indy.

Pessoas comuns, que participam de um briefing, ouvem sobre segurança, e depois saem acelerando. Estes são trechos do texto de apresentação do negócio, no site: “Não há nenhum carro  à frente para seguir nem nenhum professor correndo com você”; “É permitido ultrapassar”, o que, ao lado de uma foto com vários carros do programa, me permite imaginar que, sim, pessoas comuns correm AO MESMO TEMPO contra outras pessoas comuns. Ah, e quando você termina a experiência e sai do carro, recebe um “certificado colorido com a sua velocidade máxima impressa”, o que obviamente é um estímulo para que gente como eu e você saiam acelerando doentiamente.

Embora as autoridades não tenham divulgado a velocidade do carro pilotado por Ashley na hora da batida, estima-se que os carros do que chamam de “escola” passem de 250 km/h. Uma amadora no comando de um carro a mais de 200 km/h bate no muro interno do circuito, é levada para um hospital e morre. A escola perde uma aluna. Mas o show tem de continuar e no dia seguinte, lá estão as “aulas” novamente.

Segundo a agência de notícias AP publicou no sábado, as ligações pedindo um pronunciamento por parte da empresa de Mario Andretti não foram respondidas.

Ah, mas está lá no site oficial, redundantemente: “segurança é a prioridade número 1”.

Autor: - Categoria(s): F-Indy, F1 Tags: , , , , ,
18/10/2010 - 15:31

Coincidência curiosa

Compartilhe: Twitter

FERNANDO SILVA

Mika Hakkinen veio a público nesta segunda-feira para dizer que o campeonato de F1 desse ano é o mais emocionante dos últimos tempos. De fato. A diferença que separa os postulantes ao título é ínfima, considerando apenas os três primeiros, uma vez que os pilotos da McLaren, embora tenham notória competência, têm sucumbido nas últimas corridas graças à supremacia da Red Bull e a constância de Fernando Alonso.

Ao ver três pilotos diretamente na luta pelo título faltando três provas para o encerramento do Mundial desse ano, me recordo de 1986, quando comecei a acompanhar com mais afinco a F1. Isso aos seis anos de idade. Faltando três corridas para a definição do título (Portugal, México e Austrália), Nigel Mansell liderava o campeonato com 61 pontos, seguido por Nelson Piquet com 56, e Alain Prost, com 53.

Embora tenha vencido três corridas na temporada, o ‘Professor’ correu por fora na luta pelo bicampeonato, sem contar com qualquer auxílio de seu companheiro de McLaren, Keke Rosberg, este, em fim de carreira. O FW11 de Mansell e Piquet, movido pelos motores Honda, era superior ao MP4-6C pilotado por Prost, que conseguia diminuir a diferença para a Williams no braço. É um cenário bastante parecido com o atual, no qual a Red Bull desponta como a força a ser batida, com Alonso assumindo o papel de azarão, ainda que esteja na vice-liderança do Mundial.

Mansell venceu no Estoril, tendo Prost em segundo e Piquet em terceiro. O resultado permitiu ao ‘Leão’ abrir dez pontos para o brasileiro e 11 para o piloto da McLaren. Com uma combinação de resultados, o britânico poderia até sair do Hermanos Rodriguez como campeão do mundo. Mas o costumeiro azar do ‘Cinco Vermelho’ — que ficou parado no grid de largada —, aliado à constância de Prost, segundo, atrás de Gerhard Berger, que venceu pela primeira vez na carreira, levou a decisão para a Adelaide.

O britânico da Williams ainda era o líder, só que dessa vez, com vantagem bem menor para Prost. Mansell ostentava 70 pontos, seis a mais que o gaulês e sete à frente de Piquet. O cenário estava desenhado para aquela que seria uma das mais incríveis decisões de título da F1.

Mansell largou o GP da Austrália na pole, seguido por Piquet. Tinha tudo para ser a coroação do ‘Leão’, já que a Williams já havia faturado com muita antecedência o título dos Construtores. O que se viu desde o início da prova foi um azar retumbante do inglês, que perdeu três posições na primeira volta e viu o rival Piquet disparar e tomar a ponta de Ayrton Senna, que largou bem.

A partir da volta 23, começou o calvário da Williams, quando Piquet rodou e perdeu a liderança para Rosberg. O que se viu em Adelaide foi uma sucessão de tragédias da equipe inglesa, tanto de Nigel, que abandonou a prova com um pneu furado, quanto da equipe, que trouxe Piquet aos boxes por medo que pudesse acontecer o mesmo com ele, e entregou o título de bandeja para Prost, que só teve o trabalho de levar sua McLaren à vitória.

Como disse Bernie Ecclestone em entrevista veiculada pelo site da F1 nesta manhã, sorte é estar no lugar certo e na hora certa. Como estava Prost em 1986. E como parece estar com Alonso neste ano. É incrível a sorte do espanhol nas corridas desta temporada, desde a primeira no Bahrein, quando a vitória — que era para ser de Vettel, com problemas — caiu em seu colo. Mesmo com um carro teoricamente inferior aos RB6 de Webber e Vettel, o asturiano surge como aposta para o título desse ano. Como foi com o ‘Professor’ há 24 anos, quando ninguém mais acreditava nele.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
18/10/2010 - 14:25

Música rápida

Compartilhe: Twitter

JOÃO PAULO BORGONOVE

Formula One – the class of kings on highest level. Formula One – come to see me win.” (F1, a categoria dos reis do mais alto nível. F1, venha me ver vencer.)

Esse é o refrão de uma das músicas que conheço que juntam duas das coisas que, de uma forma ou outra, mudaram a minha vida. Heavy Metal e automobilismo. Primal Fear é a banda, e Formula One é a música. E já que o Chico Luz, ex-GP e bro do site, pediu um post musical, aí vai ele.


Ralf Scheefers (alemão, ex-Gamma Ray) sempre foi um apaixonado pelas corridas e, vez ou outra, o vejo no paddock da F1. Ele compôs essa música, que já é antiga, de 1997, no álbum homônimo da banda, o primeiro do grupo.

Como colaborador do HeadBenzi – blog feito por quem gosta de Metal para tirar sarro das bizarrices do Metal e afins – lembro de um vídeo com a participação de Heikki Kovalainen tocando bateria em uma música do Nightwish, banda finlandesa de metal sinfônico (etc.)

E aí? Você conhece alguma música – de qualquer gênero – que está ligada ao automobilismo?

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , ,
16/10/2010 - 18:43

Perdendo terreno

Compartilhe: Twitter

FELIPE GIACOMELLI

Esta semana, entre os dias 11 e 15 de outubro, marcou o primeiro passo da F-Renault Europeia, da World Series e da GP3 rumo à temporada 2011. As categorias realizaram os testes coletivos, quando as equipes têm a possibilidade de testar uma série de pilotos visando à formação do plantel para o próximo ano.

Somando as três divisões, apenas três brasileiros estiveram presentes: André Negrão – que testou pela Draco na World Series – e Adriano Buzaid e Pedro Nunes na GP3, competindo pelos times Addax e ART, respectivamente. O número é baixo se lembrarmos que na última temporada só na GP3 eram quatro os pilotos nascidos em terra verde e amarela.

O Brasil perdeu espaço no automobilismo internacional para países menos tradicionais, como a Suíça, que teve cinco pilotos espalhados pelas categorias, ou como a Nova Zelândia e a Rússia, que também tiveram três. Países que nunca chegaram próximos de um título na F1, como a Colômbia e Filipinas tiveram dois representantes nas sessões. Fora as participações de garotos vindos da Hungria, da Indonésia, de Cingapura, da Romênia e da Malásia.

Para efeito de comparação, cerca de uma dezena de franceses e ingleses participaram das atividades, enquanto Holanda, Espanha e Itália tiveram quatro ou cinco garotos testando. Só que aqui é importante lembrar que a temporada 2010 nesses dois últimos países ainda não acabou.

Com cada vez menos pilotos brasileiros tomando parte dos testes e, por consequência, estando na mira das grandes equipes, não é de se espantar que o Brasil termine o ano com apenas um representante correndo na GP2.

Autor: - Categoria(s): GP2, GP3 Tags: , ,
12/10/2010 - 14:07

Ih, rapaz…

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Nico Hulkenberg, Vitaly Petrov, Karun Chandhok, Nick Heidfeld, Bruno Senna, Lucas Di Grassi, Luiz Razia, Giedo van der Garde, Jerôme D’Ambrosio, Pastor Maldonado, Mikhail Aleshin, Johnny Cecotto Jr. É grande a lista dos pilotos que procuram uma vaga na F1 em 2011. Para alguns, só vale ser titular; para outros, a prioridade é ser piloto de testes.

Mas essa é a lista somente dos que declaradamente buscam uma vaga no ano que vem. Uns tem resultados, outros patrocinadores, poucos têm os dois.

Tá fácil arranjar carro pra correr ano que vem?

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , ,
Voltar ao topo