Publicidade

Publicidade
05/10/2010 - 11:45

Seriedade

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

“Somos sérios”, declarou pela milésima vez Tony Fernandes, depois de anunciar o acordo para receber o sistema hidráulico e a caixa de câmbio da Red Bull.

Há um ano Tony diz isso.

Mas não é porque é uma mala. É porque sabe o ambiente hostil que as novatas sofrem na F1.

Busca na cabeça aí: depois da saída do Max Mosley, quem manifestou algum tipo de apoio a Lotus, Virgin ou Hispania? É só porrada.

Me parece  óbvio que a Lotus é esportivamente séria. Tony Fernandes não entra em nada pra perder, já disse isso por aqui. Mas as perspectivas para quem pretende entrar na F1 hoje em dia não são nada animadoras — como se pôde ver no processo seletivo da FIA para a 13ª vaga do Mundial de 2011.

E mesmo se a equipe não tivesse grana, não teria o direito de tentar fazer história na F1 — mesmo que no fundo do grid?

Quanto mais elitizada a F1 for, mais babaca ela vai ser.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , ,

Ver todas as notas

11 comentários para “Seriedade”

  1. Verde disse:

    É que na cabeça dos imbecis, a Fórmula 1 ainda deve ser aquele esporte bilhardário cheio de sheiks inúteis, lavadores de dinheiro, prostituas e futilidade aos quatro cantos. E, obviamente, é infinitamente melhor ter apenas dez naves no grid do que trinta carros, ainda que vinte não sejam tão bons.

    Mas fazer o quê, Paranhos? O povo pensa assim mesmo. Por isso que sou da turma de Bernie Ecclestone e João Figueiredo: não dar espaço ao que o povo pensa é o melhor, heh.

  2. sanguanel disse:

    concordo totalmente com voce.lembro que quando apareceram as primeiras noticias sobre a lotus o flavio gomes errou feio duvidando da seriedade da equipe e hoje ela esta ai como a melhor das novatas dentro e fora da pista.as grandes montadoras sao contra a reduçao de custos inviabilizando que novas equipes consigam alguma coisa na formula 1 para depois correrem na primeira dificuldade que enfrentam.o que seria da formula 1 sem as novatas?um grid com 8 equipes se peter sauber nao tivesse a coragem que a bmw nao teve.

    • Felipe Paranhos disse:

      Exato. Aí os caras pedem uma grana monstro das postulantes à 13ª vaga. Ninguém tem, e ficaram com 12 equipes mesmo.

  3. Francisco Luz disse:

    Boa análise, Paranhos. Fórmula 1 virou uma merda nos bastidores, e eu sempre comemoro um pouquinho quando eu vejo essas discussões sem sentido, por poder acompanhar à distância. Mas a força do hábito me faz tratar isso com muita importância, mesmo que o assunto seja sacal.

    No mais, baita foto. E porra, voltem com as músicas! Não é porque eu não escrevo mais que vocês têm que deixar a sonzeira de lado.

    • Felipe Paranhos disse:

      Você que manda, meu caro. Assumirei sua função de musicar esta joça.

  4. Claudio disse:

    E espero que a Lotus progrida ainda mais.

  5. Maximus disse:

    Vi uma imagem não lembro onde, se foi aqui ou de outro colunista, creio que do inicio dos anos 80, com um piloto, acredito que Gilles Villeneuve, almoçando com a equipe, em meio as peças e utilizando a roda de um F1 como mesa. Até o inicio dos anos 90, era algo mais primitivo, mais perigoso, mas bem mais interessante e com calor humano.

    Preferia doze equipes do nivel da Sauber, Virgin e da Lotus, do que essa porcaria que está agora, essa procissão de carros de F1. Aí sim os melhores pilotos se destacariam, que o diga Kobayashi.

  6. Nelson disse:

    me anima ver as cores da Lotus no Grid, embora não as tenha visto originalmente. Um pouco de saudosismo, imaginar a competição de idéias e talento dentro e fora do cockpit. Torço muito pela Lotus, pouco me importa se é malaia ou inglesa… Bom seria se tivessemos algum empresário brasileiro como o Tony fernandes, afim de criar uma nova copersucar, colar o Divilla, ou arrancar o Mike Gascoyne deles… Boto fé nessa escuderia, e se o nome Lotus não puder ser, pinta os carros de azul e compra o nome Tyrrell, ou ligier… E mais a Mclaren poderia assumir o laranja (sua cor) não acha?

    • Felipe Paranhos disse:

      Tomara que a Lotus inicie um interesse de empresários em reviver grandes nomes do automobilismo.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo