Publicidade

Publicidade
14/12/2010 - 15:27

Senna e a imprensa

Compartilhe: Twitter

FERNANDO SILVA

A partir desta terça-feira (14), chega às livrarias a obra ‘Ayrton Senna e a Mídia Esportiva’, da Editora AutoMotor, escrita pelo jornalista Rodrigo França, que buscou relatar um pouco da relação nem sempre pacífica entre o tricampeão mundial de F1 e a imprensa.

De acordo com o autor, “é a cobertura jornalística da carreira de Ayrton Senna que representa o melhor exemplo da estreita relação entre a mídia esportiva e sua necessidade de ídolos”. França reporta nas 220 páginas do livro depoimentos de profissionais do jornalismo, além de fazer uma análise de mídia nas décadas de 80 e 90 e também na atualidade.

O valor do livro, com prefácio assinado por Reginaldo Leme,que também é dono da AutoMotor, é de R$ 29,90. Barato demais! O lançamento oficial de ‘Ayrton Senna e a Mídia Esportiva’ será no dia 20 em São Paulo. As fotos de Senna, muitas delas inéditas, são de Miguel Costa Junior, que cobre a F1 há mais de três décadas.

Reproduzo aqui o comentário do Bruno, da AutoMotor, para os que querem saber quando será o lançamento:

Olá, amigos. Obrigado pelo interesse: nós, da AutoMotor Editora, faremos o lançamento na próxima segunda-feira, dia 20.12, no Garage Burger, em SP (av. Prof. Luiz Ignacio Anhaia Mello, 1.501, Vila Prudente).

Além da venda no lançamento, o interessado pode adquirir a obra nas principais livrarias (a distribuição foi iniciada ontem) ou diretamente com a editora. Neste caso, pode entrar em contato comigo mesmo, no email bruno arroba rleme ponto com br”

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags: , , , , , ,

Ver todas as notas

5 comentários para “Senna e a imprensa”

  1. Allan Alves disse:

    Onde será o lançamento?

  2. Jose Medeiros disse:

    E onde comprar?

  3. Verde disse:

    ESSE me parece ser um material importante, interessante e, caham… imparcial sobre o Senna.

  4. MBC disse:

    Senna era um baita cara “mascarado”, na frente das câmeras(da Globo) se fazia de bom moço, mas por trás, tem um histórico de confusões nunca visto com outro piloto, Senna deu soco na cara de um jornalista, em um golpe muito BAIXO Senna tentou prejudicar o emprego do R.Leme na Globo. Certa vez Senna também foi mal educado com uma tradutora e em outra ocasião ignorou outra jornalista, mas o que deixou a mesma indignada foi que “segundos” depois Senna abria enorme sorriso na frente das câmeras da Globo! Senna agrediu fisicamente fiscais de pista, agrediu também vários pilotos deste os tempos de Kart até a F1, no circo agrediu: De Angelis, Mansell, Irvine, também arrumou confusão com Piquet, Prost, Schumacher e até com Hakkinen, e o mais bizarro, certa vez Senna pegou um mêcanico da Mclaren pelo colarinho!!! Que vexame!!! Até com a FIA Senna arrumou confusão, e o que dizer da piada de mal gosto que Senna fez ao dizer em canal aberto:”mulher no volante perigo constante”, pegou mal aqui no Brasil, quando chegou ao aeroporto, várias brasileiras foram tirar satisfação! Senna também arrumou confusão com uma locadora de automóveis, ao fazer junto com Galvão uma brincadeira de carrinho bate-bate, portanto não respeitou as regras de trânsito fora do Brasil! Dentro das pista, também jogava sujo, fazia trapaças na pista: MON/85(jogou sujo para garantir a pole),AUS/87(freios irregulares),BRA/88(pegou carro reserva quando não era permitido),IMO/89(quebrou acordo com Prost, ou seja, jogou sujo),JPN/89(cortou a chicane), JPN/90(jogou o carro no Prost), e se procurar acha mais. Esse lado NEGRO ninguém lembra do “herói nacional, lembrando que Galvão certa vez, desceu a ripa no Raikkonen porque o mesmo empurrou um fiscal de pista: “Isso é muito feio Raikkonen, esportista não pode fazer isso”. E ainda o Galvão diz que Senna era exemplo de boa condulta…

    E ainda tenho que ouvir o narrador mala questionar a ética e o caráter de pilotos como Schumacher, Alonso, Hamilton! Eles podem até ter “aprontado”, mas no geral igual ao Senna, não chegam nem perto, principalmente fora da pista! Schumacher mesmo, nunca precisou agredir ninguém, muito pelo contrário, fazia questão de dividir as vitórias no pódio apontando com o dedo para toda a equipe dividindo o sucesso, os mecânicos sempre foram tratado com respeito. Com os jornalistas o alemão pelo que vi até hoje, nunca criou confusão, alguns o criticaram pela postura “fria”no início, mas ele estava apenas sendo profissional, Schumacher não queria saber de papo furado, se tinha feito grandes amigos ou se a vida era colorida na F1. Schumacher sempre foi ponderado ao abrir a boca, muito diferente de Rubinho que geralmente fala besteiras, sempre criando confusão.

    Por favor não me venham com a “conversinha” que Senna era humano por isso errava, ou que as emoções falavam mais alto, o que Senna fez foi vergonhoso, errou VÁRIAS vezes…humano é o Piquet que deu uns sopapos no Salazar, caso isolado na carreira! E o que dizer da atitude de Piquet fazendo reciclagem para recuperar a carteira de motorista, belo exemplo que muitos brasileiros ignoram preferindo ir pelo jeitinho brasileiro, sempre tentando fugir da responsabilidade!

  5. Bruno Vendramini disse:

    Olá, amigos. Obrigado pelo interesse: nós, da AutoMotor Editora, faremos o lançamento na próxima segunda-feira, dia 20.12, no Garage Burger, em SP (av. Prof. Luiz Ignacio Anhaia Mello, 1.501, Vila Prudente).

    Além da venda no lançamento, o interessado pode adquirir a obra nas principais livrarias (a distribuição foi iniciada ontem) ou diretamente com a editora. Neste caso, pode entrar em contato comigo mesmo, no email bruno@rleme.com.br

    abraços

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo