Publicidade

Publicidade
15/12/2010 - 15:14

Kers emagrecer? Pergunte-me como

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Um piloto é um atleta. Atletas não podem se dar ao luxo de engordar. Mas um atleta precisar emagrecer para ajudar a equipe é uma palhaçada, convenhamos. Fernando Alonso, 1,70 m e 68 kg, pretende perder 3 kg. Rubens Barrichello também vai perder peso, a pedido da Williams.

Tudo isso por causa do KERS. A solução que a F1 encontrou para parecer “verde” causou polêmica em 2009 e, convenhamos, não fez a menor falta neste ano. O sistema, que deu mais uma variável negativa para algumas equipes, vai voltar em 2011.

A distribuição do peso em um carro é primordial em seu desempenho, pois altera a estabilidade. Assim, os três pilotos bem mais baixos (e, portanto, mais leves) que seus companheiros levaram vantagem em 2009, como nos casos de Heidfeld-Kubica na BMW (19 pontos a 17), Vettel-Webber na Red Bull (84 a 69,5) e Fisichella-Sutil (8 a 5). As diferenças de altura nestes casos eram de 22 cm, 10 cm e 11 cm, respectivamente.

Talvez seja coincidência. Mas será que ser alto ou baixo vai entrar no critério de escolha de pilotos pelas equipes? Não duvido… Em breve, pra entrar na F1 vai ter que ser rico, carismático, bonito… e micro.

Atualização: Pessoal nos comentários mostrou que eu sou um tanga desinformado e que FI e Red Bull não tinham KERS em 2009. Portanto, os exemplos que citei não fazem o menor sentido. Desculpem os transtornos. Em obras.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , ,

Ver todas as notas

34 comentários para “Kers emagrecer? Pergunte-me como”

  1. marcio disse:

    Não acho exigente. F1 custa milhões e fica quem é o melhor…
    A altura para quem pilota e gosta não é empecilho para emagrecer pois se sujeita.
    Injeção eletrônica, câmbio semi-automático entre outras coisas vieram das corridas. Já se usa a tecnologia do Kers em carros de rua e o planeta agradece por isso…
    abraços.

  2. Oto Tito disse:

    Por essa e outras, estou perdendo o encanto com a F1. Nem me incomodo mais de não assistir um GP. No sec XX, levava a TV para o serviço se tivesse de trabalhar no horário da corrida. Talves seja a idade, estou chegando aos 70. Atualmente o “piloto” é a equipe tecnológica. Anos antes o piloto era o homem e seu talento, sozinho no cokpit.

  3. Daniel Dias disse:

    Em 2012 vão se tocar e aumentar o peso mínimo dos carros uns 10 kg, e pronto.

    Eu li a reportagem e nem me toquei tbm… só Ferrari, McLaren, Renault e BMW usaram o Kers. Outro q levou vantagem foi o Massa.

    A Nanica Patrick virou uma boa opção com o Kers hein… Brincadeira, brincadeira…

  4. Galvao disse:

    Felipe, na verdade sua observação não foi em todo equivocada. Mesmo sem KERS, as equipes que o utilizavam tinham carros mais pesados, já que o limite de peso não havia sido aumentado (diferente de agora, que, se não me engano, passará de 600kg para 650kg, ou algo assim). Logo, em equipes sem KERS, o fato do piloto “menor” apresentar melhor desempenho não é mero acaso não.

  5. eduardo disse:

    se não me engano o kubica não usou o kers por causa do seu tamanho

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo