Publicidade

Publicidade
24/01/2011 - 14:31

Números fixos na F1

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Luiz Razia lançou no Twitter outro dia, resolvi trazer a discussão pra cá: e se os pilotos da F1 tivessem seus números nos carros? Explico: e se fosse como na MotoGP, em que o Valentino é o 46, o Lorenzo é o 99, Hayden o 69…

Do ponto de vista da identificação piloto-torcedor, não seria melhor se o Schumacher fosse sempre 7, o Alonso sempre 23, o Vettel sempre 78, o Barrichello sempre 11, como foi na Jordan, na Honda e será em 2011 na Williams? Além de gerar uma ligação mais interessante com o fã do esporte, é algo facilmente transformável em dinheiro: imagina a quantidade de produtos vendidos com o número do piloto.

Lembram da homenagem que o Lorenzo fez ao Rossi no GP da Itália, depois da fratura exposta do Rossi? Uma camisa amarela, escrito VR 46 na frente, com o grafismo do sol nas mangas.

A torcida perde chance de ficar mais “próxima” de seu piloto preferido e o velho Bernie perde uma boa oportunidade de fazer dinheiro.

Autor: - Categoria(s): F1, MotoGP Tags: , , ,

Ver todas as notas

63 comentários para “Números fixos na F1”

  1. Gabriel Souza disse:

    Seria muito interessante mesmo. Na minha opinião, mesmo sendo campeão, o piloto poderia optar por manter o seu número, como fez o Valentino Rossi.

    Abraço!

  2. Braulio Gerhardt disse:

    Concordo totalmente e é algo que a F1 já teve, ainda que de forma involuntária. Sinto falta do tempo em que tínhamos os números bem visíveis nos carros e as equipes tinham números fixos, que só mudavam quando mudava a equipe que tinha o campeão do ano anterior. Lembro de Jacques Laffite correndo sempre com o 26 da Ligier (mais de 130 GPs com o mesmo número, um recorde até hoje na F1), Alboreto e Berger, respectivamente com o 27 e 28 da Ferrari, Mansell com seu “Red Five” na Williams e Patrese com o n. 6, o eterno 23 da Minardi de Pierluigi Martini, o 12 que o Senna usou por quatro anos consecutivos, etc.

    Enfim, concordo totalmente com a idéia. Ou que pelo menos voltasse a ser como era antes, com numeração fixa por equipe e que os números fossem mais visíveis.

  3. Andre disse:

    O Justin Biber ficaria com o numero 24
    O Lula, 51
    A Monica Matos, 69
    O Hellboy, 666

  4. MTP disse:

    Acho que vou contra a maioria… prefiro que continue do jeito que está, com o número fixado pela colocação da equipe na temporada anterior. Acho esse tipo de coisa meio forçada e americanizada…

  5. Weber disse:

    Desde quando dá pra ver o número nos carros da F1???

  6. MARCO ANTONIO disse:

    Quem não se lembra do famoso “RED FIVE”? Nigel Mansell eternizou este número na F-1. Mesmo quando falamos de Senna a imagem que vem à cabeça é a do número 12 dourado pintado na Lotus preta e na McLaren vermelha e branca. Seria realmente interessante…

  7. Estevão disse:

    Seria o mesmo que acontece na NASCAR. 88 é sinônimo de Dale Jr; 48 de JJ; 18 do Bushinho; 24 do Jeff Gordon e por aí vai.
    Seria muito, mas muito melhor!
    Abraços.

  8. Daniel Mendes disse:

    Eu concordo plenamente… ainda mais numa época em que os números dos não existem mais… são cada vez menores e mais escondidos… tendo que diferenciar carros da mesma equipe pela cor das cameras T…
    Cada piloto tendo seu número próprio poderia trabalhar para trazer os fãs para esse número… assim como acontece no futebol (Ronaldo 9 e Ronoldinho Gaúcho 10) por exemplo!!

  9. paulo vitor disse:

    Pô, MARAVILHOSO SERIA, EU SEMPRE PENSEI NISSO, E SE ACONTECESSE O NUMERO 1 DEVERIA AUTOMATICAMENTE SER IMORTALIZADO COMO PERTENCENTE A UM TAL DE SENNA DA SILVA AÍ Q CORREU UM POUQUINHO!!!!!….HÁ, E O 24 EM ??????????

  10. Rafa disse:

    Cara, não seria má idéia essa dos números fixos!

    Claro, desde que desse pra ver a p* dos números! haha

  11. Rodrigo Garcia disse:

    Li algumas pessoas comentando sobre numeros fixos na F1.
    Não era bem assim…
    Na verdade o sistema de distribuição da numerações era diferente. O campão trocava de número com a equipe que utilizava este número.
    Exemplo… Senna foi campão com o número 12 e “Trocou” os numeros com o campeão anterior… Nelson Piquet.
    Então a McLaren passou a usar os numeros 1 e 2 e Nelson Piquet ficou com 11 e seu companheiro o 12.
    Desta forma as equipes que não se envolviam em disputa pelo título acabavam por permanecer por varios anos com a mesma numeração. Mas nao eram FIXOS.

  12. R.CASAGRANDE disse:

    Não daria certo. A F1 é totalmente padronizada, e isso causaria muita confusão. Melhor manter as coisas assim, em ordem. Mas o número 13 teria de ser usado, a F1 não pode ter espaço para superstições como essa. É só um número, nada mais.

  13. Diogo disse:

    Não se esqueçam do Ken Block com o 43.

  14. Fernando disse:

    complementando a resposta do Andre ….
    171 – Galvão Bueno
    13 eterno pro Barrichello

  15. Puntataco disse:

    Ja da para ver esta forma de pensar na NASCAR…Montoya tem o 42 e os fas todos conhecem os pilotos pelos numeros, que sao BEM visiveis…
    Eu pessoalmente acredito que daria certo.

  16. Leonardo Felix disse:

    A F1 usava um sistema de numeração fixa, mas por equipe, não por piloto… foi o que possibilitou ao Mansell ser conhecido como “Red 5”, já que usou por vários anos o 5 vermelho na Williams, que deteve os números 5 e 6 por um longo tempo.

    Sei lá, essa numeração fixa por equipes saiu e ninguém praticamente deu falta. Não acho que uma numeração fixa por piloto daria taaanta mudança assim…

    Mas é uma experiência válida

    • Allan disse:

      Gostava dessa numeração: Ferrari ou era 27/28 ou 1/2. McLaren era 7/8, Williams 5/6, Tyrrell (BAR, Honda, Brawn, Mercedes) 3/4, Ligier 25/26, Lotus 11/12… Mas de fato causaria alguma confusão (Quando a Ferrari pegou o 1 do Prost, a McLaren teve que usar o 27/28, pq o 7/8 já estavam em uso).

      Mas o ideal mesmo é o numero corresponder à posição do campeonato anterior. Vettel 1, Alonso 2, etc. E aqui é muito mais lógico que, por exemplo, nos Estados Unidos, em que o que classifica em Indianápolis é o carro, não o piloto. Na F1 é sempre o piloto a ser considerado.

      Por fim, discussão ficou apenas para o papel, já que na imagem não vemos os números mesmo… Saudades do 27 do Gilles inclinado na carroceria, do 6 do Rosberg no bico do carro, do 5 vermelho do Leão, do 15 vermelho do Prost e 16 azul do Arnoux sobre a lateral do carro…

  17. Henrique Almeida disse:

    Desculpem a minha ignorância, faz apenas uns três anos que venho acompanhando a F1 e não entendi sobre os números fixos. Quer dizer, sei como os carros são numerados hoje, mas como seriam fixados esses números aos pilotos? Por que Alonso seria 23, Vettel 78 e Schumacher 7? Vlw

    • Felipe Paranhos disse:

      Foi um exemplo qualquer, Henrique :) Quis dizer que seriam números escolhidos por eles e tal.

  18. Sleepwalker disse:

    O Lorenzo vai correr com o #1 nesse ano!

  19. André Silva disse:

    Um outro exemplo de que a numeração na F1 não era fixa foi quando o Mansell foi campeão em 92.

    O certo para 1993 seria a McLaren ter trocado os numeros com a Williams e ficado com o 5/6, mas a Brabham tinha falido em 92, o 7/8 estava vago e como a McLaren tinha uma tradição com essa numeração no inicio dos anos 80, optaram pelo 7/8.

    A Benetton então, vendo que o 5/6 ficaria vago, decidiu pegar essa numeração mais baixa e abandonou a 19/20 que vinha desde quando ainda era Toleman

  20. Sandro disse:

    Os numeros diminuiram de tamanho so para ter mais espaço para propaganda! Fala serio! O publico agradece pois num ve o numero!
    E antes do GP da Espanha de 1973 os numeros dos carros num eram fixos! Mudavam de corrida para corrida! E eram enormes para facilitar para os fiscais, os cronometristas e o… publico!
    Bernie & Max mataram esta tradição! :(
    Era facil saber que a Tyrrel tinha o #3 e o #4, a Renault com #15 e #16, a Ligier #25 e #26, a Ferrari #27 e #28, … Mclaren e Brabham usaram o #7 e #8 conforme a temporada!
    Mansell e o red five marcou epoca! Senna com o #12 e Villeneuve com o #27. Damon Hill com o #0!
    Outros tempos…

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo