Publicidade

Publicidade
21/03/2011 - 13:53

Senna, 51

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Hoje, 21 de março, Ayrton Senna faria 51 anos. A despeito da mitificação em cima do tricampeão, que acho exagerada, é inegável a importância dele para as gerações seguintes do automobilismo. Uma prova disso? Coletei algumas declarações recentes, aleatórias, de atletas da atualidade sobre aquele que para muitos é o maior da história.

“Ele é a fonte de motivação não só para mim, mas para muitos outros pilotos”
(Natalia Kowalska, da F2, à Revista Warm Up 12)

“François Cevert, do Gilles Villeneuve e do Ayrton Senna. Senna é talvez o início do profissionalismo real e do esforço intenso em cada aspecto
(Jérôme D’Ambrosio, da Marussia Virgin na F1, quando perguntado sobre quem seriam seus “heróis” no automobilismo)

“Um ídolo nacional, de todo mundo. Mudou a geração, mas acho que o nome Senna ainda continua sendo muito forte, presente”
(César Cielo, em reportagem do Grande Prêmio)

“Ele era um ídolo de todos. Ele me inspirou muito, na forma como defendia o país, como levava a bandeira. O que fazia e o que ele deixou de legado para que o país crescesse. Então, posso dizer que ele foi uma inspiração como esportista e como pessoa”
(Giba, do vôlei, na mesma reportagem)

“É inspirador como ele levava a sua carreira de muito exemplo para todos os jovens brasileiros, inclusive eu”
(Luiz Razia, da Air Asia na GP2, ao Grande Prêmio)

“Uma especie de Pelé do automobilismo”
(Lucas Di Grassi, ex-piloto de F1, na mesma reportagem)

“Acho que o Senna sempre será considerado um mito pelas suas conquistas, talento e estilo de conduzir. Mesmo depois de tanto tempo, todo mundo no meio do automobilismo ainda lembra dele como o melhor ou um dos melhores de todos os tempos”
(Enrique Bernoldi, piloto do FIA GT1, ao Grande Prêmio)

“Durante o crescimento no automobilismo, ter um cara como ele para olhar é algo que não tenho palavras para descrever. Já para seguir, não é muito fácil se espelhar naqueles passos, mas ter alguém para se espelhar e tirar algo de bom, aprender… Foi ótimo, não tem nem o que falar”
(Cristiano da Matta, na mesma reportagem)

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , , , , , , , , ,

Ver todas as notas

60 comentários para “Senna, 51”

  1. Fábio disse:

    Assim como muitos aqui, também ví os feitos do Senna, mas percebo que fanatismo emburrece…

  2. Felipe Elias disse:

    E aí xará!
    Ayrton Senna é e sempre será para mim o maior e único ídolo. Talvez por ter acompanhado boa parte de sua carreira (já que nasci em 84), ou por tratar o automobilismo (esporte esse que mais amo) com tanta paixão e dedicação ou simplesmente por ser brasileiro. Li livros, vi vídeos e muito mais sobre ele e outros grandes da F1. Não consigo ver Schumacher, por exemplo, num patamar acima do de Senna. Para mim ele é sim intocável. Nunca foi perfeito. Eu não o tenho como deus, mas com certeza é uma ótima referência profissional e humana. Já li muitos textos falando de Senna, e o seu nem chega perto dos absurdos que já li. Pode ficar tranquilo. Abraço!

  3. Bruno disse:

    Oi Felipe,
    Existe uma mitificação exagerada do Senna SIM, existe, da parte da imprensa, (Rede Globo) uma preocupação em ocultar as falhas de caráter dele SIM. Mas mesmo assim ele era um herói. Aliás neste país, onde não existem heróis históricos, ele talvez seja o motivo de maior orgulho deste país.
    Pelo menos, nem o próprio Lula tem tanto orgulho de ser brasileiro….

  4. eu disse:

    EXAGERADA??? vc tá loco???

  5. André Albernaz disse:

    Senna foi o maior que eu vi, em uma F1 diferente de agora. Foi o ponto de transição de uma F1 romantica para o profissionalismo/business que é hj. Tenho 40 anos e senti muito quando morreu. E foi um mito como piloto (até mesmo pela forma que morreu) mas um ser humano com qualidades e defeitos, embora especial. Por fim, concordo com vc Paranhos.

  6. Ricardo Silva disse:

    Bela a foto da Lotus com o Senna.
    Uma vez eu estava em Jacarepagua e havia uma foto da Williams 94 com o Senna pilotando. Comentei com um mecânico de corridas e ele respondeu, aquele cara era foda. A forma como ele morreu foi muito marcante. É assim que o Senna é visto por muitos no automobilismo e no esporte, um mito.

    Mas o Senna não pode ser mitificado, os que podem se tornar mitos são aqueles importados: Michael Jordan, Gilles Villeneuve, Elvis Presley etc…

    Ainda bem que o pelé foi declarada no exterior como o atleta do século, porque senão ao invés de mito poderia ser apenas tratado como um negão craque de bola.

    É eu acho que esta certo desconstruir um mito brasileiro, afinal quem foi o Senna? Ele deve ser um mito apenas para esportistas brasileiros, não é mesmo? IIIIII rapaz, eu tinha esquecido que o Vettel se inspirou com uma das vitórias do Senna. Acabei de lembrar que o Schumacher (dito maior de todos os tempos) já chorou durante entrevista coletiva por causa do Senna. Será que o Senna é um mito fora do Brasil? Não, o mito Senna é um fruto do endeusamento promovido pelas organizações Globo. Esqueci que por aqui só pode usar RGT.

    • Felipe Paranhos disse:

      Ricardo, Senna foi um dos maiores de todos os tempos, e aqui não me cabe dizer se foi O melhor ou não, porque houve gente absurdamente genial também durante os 62 anos de F1, se é que ignorar gênios de outras categorias. O mito Senna não é fruto exclusivamente da Globo, mas parte do fanatismo (todo fanatismo é prejudicial, qualquer um) gerado em cima de Ayrton foi consequência do endeusamento dele. E Senna não foi deus. Senna foi um humano excelente piloto de corridas.

    • Ricardo Silva disse:

      Obrigado pela sua resposta Felipe.

      Quando a pessoa é mitificada, ela parece ser melhor do que ela realmente é. O exagero faz parte da mitificação.

      O Flávio Gomes no blog dele colocou um link para uma entrevista da Lilian e disse que o conteúdo da entrevista mostrava um lado do Senna pouco conhecido do público. Para mim, ele era um obcecado com a idéia de ser alguém na Fórmula 1 e conseguiu se tornar um mito.

  7. Paulo de Tarso Ramos disse:

    Felipe Paranhos, muito bom o seu texto. Entretanto, era dispensável o início da sua segunda frase: “A despeito da mitificação em cima do tricampeão, que acho exagerada”. Até concordo com você, se falarmos do ser humano Ayrton, que possuía defeitos como todos nós. Mas quando se fala do piloto, aí realmente virou um mito por ter sido o melhor de todos os tempos, basta analisar suas corridas com carros ruins, como a fraquíssima Toleman (vide GP de Mônaco de 1984) e a mediana Lotus, e depois bater um bicampeão do mundo em seu primeiro ano na McLaren. O problema é que as pessoas precisam de um mito (como pessoa), mais ou menos como uma mulher que vive à procura do “príncipe encantado” que não existe. Esse comportamento sempre foi reforçado pela mídia, em especial pela Globo, para vender mais. E muitas pessoas, infelizmente, “embarcam” em tudo que a Globo fala. Se entendermos mito como perfeito, ninguém nunca o será. Se mito é algo mortal, ou como diz o dicionário Aurélio, “pessoa que representa a narrativa de tempos fabulosos ou heroicos”, Senna realmente virou um mito do automobilismo, como Pelé no futebol. Infelizmente, para nossa tristeza, não temos novos Pelés e Sennas e, provavelmente, nunca mais teremos.

    • Felipe Paranhos disse:

      A gente concorda, Paulo, você só discorda da estrutura da minha frase. Mas a ideia que temos é a mesma. E acho que você entendeu que, quando falo de mitificação exagerada, eu falo desse endeusamento que foi aplicado a Ayrton. Senna foi genial.

  8. Thiers disse:

    Senna era sim um Deus nas pistas, na sua forma de conduzir sua carreira de forma profissional e pelo seu perfeccionismo, porém foda da F1, fora de sua carreira, era um ser humano como qualquer um, esse é o detalhe, DENTRO da F1, era sim um Deus, FORA dela, era sim um ser humano, inspirador, mas um ser humano…

  9. Pedro Lazzarini disse:

    Muito bom o texto. O fato é que o fanatismo que envolve Senna é tão forte, que quando alguém se coloca ao contrário é linchado pela maioria, nesse ponto com certeza se torna prejudicial, pois o ser humano precisa ser flexível com relação ao ponto de vista alheio. Ayrton Senna com certeza foi um espelho para muitos, inclusive para mim, ele foi sem duvida nenhuma o maior e melhor esportista que o Brasil já teve, um motivo de orgulho inimaginável em nossos dias. Ayrton sempre lutou para ser o melhor, o primeiro, errou muitas vezes (ser humano), mas atingiu seus objetivos, deixou sua marca e será para sempre o melhor em que fez. O fato dele ser reconhecido como o melhor é motivo de orgulho para nós brasileiros, iluminando o lado obscuro de um país sem memória.

  10. Sidney disse:

    Meu ponto de vista é de que Senna era um piloto genial, ponto. O problema é que o endeusamento dele partiu para todos os lados, ele era perfeito em tudo. Senna era um humano como todos nós, portanto era um ser falho.

  11. Henrique disse:

    Pois é Felipe, não posso julgar com absuluta perfeição e convicção de ser o dono absoluto da verdade, mas mesmo não vendo Clark, nem Fangio, acredito ter ele sido o melhor que já vi e não por ser brasileiro e nem por ser fanático.Em velocidade pura e arrojo creio que Gilles era o o mais proximo ou se equiparava a ele.Ele não era tão cerebral como Prost(mas estava bem próximo), não tinha a malandragem de acerto de carros de um Piquet(mas tinha uma dedcação assombrosa inclusive em treinamentos que se não supria essa deficiência, chegava próximo).Não conseguiu chegar a ter a equipe a seus pés (como shummy fez e mandava praticamente na Ferrari, mas este feito do alemão foi possível imagino eu muito mais pelas situações externas de competição do que por mérito de piloto, pois é fato que as concorrências de equipes e qualidade de pilotos entre ambos eram distintas) pois tinha um Prost (que não é tão reverenciado mas para mim ele está entre os top 5) que dificultava tal hegemonia.
    Não vi e não vimos de 1970 pra cá (não posso dizer anteriormente pois não era vivo) nada das absurdas façanhas de Senna seja qual for a situação , regras de campeonatos ou pilotos tri tetras ou 10 vezes campeão.Europa em 93, largada do Canadá 93,Brasil 91,canadá88,tomada de tempos de Monaco 88,bélgica85,e tantos outros , são feitos tão marcantes que fazem dele ser o piloto lembrado senão como o melhor um dos melhores.O ufanismo,e o fanatismo é um exagero criado talvez pela ausencia daquilo que o mundo todo gostaria de estar vendo e não vê mais.Pode existir sim momentos memoráveis de alguns pilotos , mas por não ser muitos momentos e ele não ter morrido , não há tanto fanatismo
    Não poderemos nos esquecer de Mansell na Peraltada em cima de Berger em 91, de Massa na Hungria em 2008 na Largada, de alesi , nos Estados Unidos em 91, mas percebemos que são feitos memoráveis mas não foram constantes nem tiveram consistência.Gilles e Arnoux o duelo do século é bem lembrado, mas e daí quem foi Arnoux?
    Por isso e existencia do mito, mas o fanatismo existe pela vontade de ressicitação de Senna, pela vontade de nós Sennistas assumidos de poder como em um passe de mágica fazer ele duelar com Shummy e mostrar que ele no conjunto é pouco melhor, mas melhor e que números nem sempre condizem com a realidade, senão poderemos dizer que Alan Jones foi melhor que Gilles, ou que Button é tão bom como foi Mansell..
    Sei lá discussões movem o tema…

  12. Vanessa disse:

    É a primeira vez que comento um texto seu. Muito bom, Felipe, pena que nem todos tenham compreendido suas colocações no texto. Lamentável a postura de alguns fãs do Ayrton, mas não ligue. Siga com seus textos e quem não gostar que simplesmente não leia… Tudo de bom!

    • Felipe Paranhos disse:

      Obrigado, Vanessa. Todos têm todo o direito de discordar, sendo respeitosos. Só me incomoda que exista gente que julgue tão arrogantemente alguém por conta de um comentário ou de algo que se pensa que ele pensa. Enfim, mas tô acostumado, é do jogo. Obrigado, comente mais vezes!

  13. Anônimo disse:

    […] […]

  14. Emerson disse:

    Ola Felipe, tudo bem?

    Na minha opiniao e normal esta mitificacao sobre o nome Senna. Amamos e idolatramos o piloto…. O lado pessoa fica para a familia e para os amigos mais proximos….
    Alguns anos atras estive em Buenos Aires e vi em Algumas Bancas de Jornais e Revistas, jornais da decada de 50, dizendo sobre os feitos de Fangio….Ou seja o argentino reconhece o idolo Juan Manuel Fangio…Entao porque nao reconhecer o idolo Ayrton Senna??? Por que nao criar um museu de Automobilismo para homenagear nao so Senna, mas como o Emerson e o Piquet???? Claro que ele tinha defeitos assim como todos nos….

    Aproveitando, vou deixar um breve relato sobre a ultima corrida do Ayrton: ha indicios e informacoes que em Iimola-94, que ele sabia do remendo e que ele utilizou uma regulagem diferente (o carro estava mais baixo, pois o como Imola era um circuito de alta Velocidade, o Ayrton deu preferencia em ter um carro mais rapido em retas e deixando o carro instavel em curvas…..), para tentar fugir da Benetton do Schumacher. Havia suspeita e mais tarde confirmada que a Benetton utilizava controle de tracao e sistema de larga automatica…. Inlusive o Ayrton deu uma volta atras da Benetton de Schumacher em Interlagos e depois deu uma volta atras do Benetton de J.J. Letho e constatou que havia “algo” no carro de Schumacher que nao havia no carro de J.J. Letho…Na verdade, tenho a sensacao que ficou e que o Ayrton nasceu para pilotar somente a McLaren…..Agora nos resta guarda-lo na lembranca….Espero que gostem do texto!

    Obrigado e abs a todos!
    Emerson

    • Felipe Paranhos disse:

      Sim, o Brasil precisa de um museu do automobilismo. Precisa urgentemente. Tipo museu do futebol.

  15. Hygino disse:

    Caro Felipe. Se você acha exagerada a mitificação em cima do tricampeão Ayrton Senna, é porque não deve tê-lo visto pilotando um F1 com 1200 cv e sem eletrônica “anjo-da-guarda” nos treinos de classificação. Tenho 48 anos, acompanho corridas desde sempre, seja de F1 a carrinhos de rolimã, já pilotei karts e carros desde os 16, e nunca, jamais, em qualquer oportunidade, vi alguém dominar um carro de competição como ele fazia. O domínio que ele tinha sobre a máquina era algo de sobrenatural. Pelo menos desde que filmam corridas, seja ao vivo ou em documentários, nunca vi qualquer piloto, seja Fangio, Prost, Schumacher, Piquet, Lauda, Moss, Farina, Landi, Clark ou quem quer que seja pilotar como ele conseguia. Pergunte para algum piloto que você conheça…

  16. Mário Sérgio disse:

    Felipe, eu estou contigo. Mas é dar murro em ponta de faca (perdoe-me o lugar comum) o Ayrton Senna pro brasileiro, nunca, em hipótese alguma pode coexistir com qualquer outro grande piloto.
    Os feitos do Ayrton são referência no mundo todo [indiscutivélmente] , mas aqui no Brasil esses feitos viram super-poderes e ele que até então era um piloto, virou um super herói. E isso interfere no julgamento das qualidades de outros pilotos brasileiros, pois todos são impiedosamente comparados com Senna.
    Outros pilotos como o Massa, o Barrichelo, etc, não são nem a sombra do Ayrton (óbvio), porém não significa que são desprezíveis pra o país. E esse mesmo raciocínio é transportado pra todos outros esportes também.
    Aqui, o povo só respeita a vitória. Não respeita o esforço.

  17. Luciano disse:

    Estagiário do Flávio Gomes… Você precisa melhorar muito para se achar com razão de replicar comentários. Esse seu Blog, assim com o site inteiro é um deserviço a informação.

    • Felipe Paranhos disse:

      Não sou estagiário, sou editor do Grande Prêmio e da Revista Warm Up. O blog é meu também. Com razão ou sem, eu vou replicar comentários. O objetivo aqui é debater. Quem não sabe debater, vai comentar em blog que o dono nem lê o que se comenta, só sai aprovando.

  18. André disse:

    A declaração do D’Ambrosio foi a mais decente. Retratou o grande profissional Senna. Sem muita ondinha de mito.

  19. Ricardo Silva disse:

    As pessoas tem direito a viver como querem, sou contra a idolatria ou fanatismo.
    Você já viram aquelas pessoas que fazem cover de mito como Elvis Presley, Michael Jackson, etc… Toda hora tem alguém que aparece na televisão por conta disto. E os fãs de Star Trek que fazem convenções, com roupas, projetos da nave espacial, etc…
    Tem que se ter tolerância, é do jogo ter que conviver com os fanáticos pelo Ayrton Senna. PARECE que os fanáticos por ídolos estrangeiros são mais tolerados.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo