Publicidade

Publicidade
10/05/2011 - 12:13

Vai dar problema

Compartilhe: Twitter

FELIPE PARANHOS [@felipeparanhos]
de Salvador

Sem querer ser apocalíptico, mas já sendo, esse negócio de a FIA liberar a asa móvel no GP de Mônaco não vai dar certo. Os caras da entidade piraram na história de transformar a F1 em uma categoria repleta de ultrapassagens e autorizaram o uso do sistema de redução de arrasto na região do túnel de Monte Carlo.

E o que vai acontecer? Primeiro: isso vai incentivar os pilotos, sobretudo os menos experientes, a tentar frear no limite, buscar ao máximo a ultrapassagem na freada para a chicane. Mônaco é apertado, a freada é forte, não tem área de escape direito… Como diria Madre Teresa de Calcutá, vai dar merda.

Segundo: os carros demoram a se distanciar uns dos outros em Mônaco. O risco de fazer besteira e os pneus novos fazem os caras serem mais cautelosos no início. E é na terceira volta que o DRS é ativado. Imagina o que vai acontecer se, sei lá, o 15º colocado medir errado a hora de frear, com o pelotão intermediário todo juntinho.

Nesta terça, Rubens Barrichello criticou a decisão e disse que a FIA precisa ouvir a voz da experiência. Ele tem razão. Os pilotos é que têm de dizer se é possível ou não usar a asa traseira móvel com segurança. E me parece óbvio que a utilização do DRS ali é muito perigosa. Como não há outro ponto possível de usar o sistema, melhor deixar pra lá.

Mas não vão deixar. E pode acontecer um acidente muito forte ali. Os carros chegam a quase 290 km/h na saída do túnel. Com o DRS ativado, a velocidade vai se aproximar dos 300 km/h. Um toque ou um erro podem ser fatais. Sério.

Nunca é demais lembrar de Wendlinger, com uma área de escape um pouco diferente.

E, principalmente, de Grosjean, num acidente que não foi na chicane, mas que dá o sinal do que pode ser um acidente em Mônaco.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , , ,

Ver todas as notas

31 comentários para “Vai dar problema”

  1. André_Pacheco disse:

    Concordo com todo o conteúdo…. Mas tem um porém, não existe a GPDA? Então os pilotos que façam uma reunião combinando não usar o DRS e sejam honestos o suficiente para não apertar o botão na corrida!

    • Márcio Vilarinho Amaral disse:

      O problema é justamente esse, André. Tem piloto ali que venderia a mãe pra ser campeão. Acho difícil todos, em comum acordo, não usarem; alguém com menos caráter (não estou dizendo nomes, mas tem dois ali com grande potencial para fazer isso) pode acabar usando e ficar tudo por isso mesmo. E só pra completar, acho que se houver um acidente grave, seja em treinos ou em corrida, dificilmente veremos atitudes como Hailwood/Regazzoni (73), Purley/Williamson (73), Merzario, Edwards e Lunger/Lauda (76), Hunt/Peterson (78), Mansell/Warwick (88), Senna/Comas (92) e Irvine/Burti (01). Infelizmente.

    • EDSON GOMES disse:

      Concordo em genero, numero e grau com o Felipe e perfeito seu comentário André….Pra que existe então a GPDA? Não tenham duvidas, se liberarem o DRS vai ter acidente e dos sérios.

    • lucas disse:

      Concordo. Se eles são o que dizem ser, uma organização de pilotos disposta a auxiliar os eventos, então que tomem a dianteira e decidam entre eles não usar o dispositivo. Ótima oportunidade para mostrar união e força perante os Conselhos da Formula 1.

  2. Ricardo de Bittencourt disse:

    Boliche. Que ninguém se machuque. Se tivermos uma bandeira vermelha, essa conta é do tio Charlie e do tio Bernie.

  3. Rodrigo Monassa disse:

    Concordo com o colega acima. aqui no Grandepremio já li comentários do Barrichello e do Trulli sobre isso, pq eles nao se reunem e fazem um boicote ou qualquer outro tipo de manifestação?

  4. Rômulo Passos disse:

    Caro Felipe Paranhos,

    Você está correto na questão da segurança, mas um tanto equivocado nos argumentos.

    O acidente de Karl Wedlinger é simplesmente impossível de acontecer hoje, porque a área da chicane hoje é *aberta* (pode verificar no próprio vídeo do Grosjean).

    Quanto ao acidente do Grosjean, esse foi eventual e passível de acontecer em qualquer tipo de circuito, independente de asa móvel ou não. Obviamente qualquer acidente é potencializado com a proximidade dos muros, guard-rails e etc, mas isso é um risco intrínseco a um circuito de rua.

    Ao contrário do que você menciona, a preocupação de Rubens vai muito além de “ir além no freio”, coisa que não se espera de um piloto de F1 (topo do nível mundial) e que pode ocorrer independente de DRS ativado ou não – seria uma falha humana, eventual, sobretudo.

    A grande preocupação de Rubens, justa, é que a abertura no trecho citado, que vai da entrada do túnel até a chicane, é perigosa porque se dá justamente dentro do túnel. Ali dentro, os carros fazem uma “reta curva” veloz e não muito distante do limite da aderência.

    Sabe-se que em Mônaco os carros usam pressão aerodinâmica muito alta, excessiva, os aerofólios dianteiro e traseiro em ângulo de ataque máximo — justamente pra pregar o carro numa pista travadíssima, de asfalto não tão aderente assim (rua) e de pseudo-retas curtas.

    Abrir a asa traseira numa “reta curva”, como são as de Mônaco, com a dianteira em ângulo de ataque máximo, pode ser o suficiente para o carro abanar a traseira com muita força. Isso, acima de 250km/h, que são as velocidades atingidas ali no meio do túnel, ainda mais se houver alguma disputa, são chance grande de acidente Imagine colocar do lado pra ultrapassar, asa traseira aberta, no limite do escorregamento, e pegar a parte de fora da “reta curva”, suja?

    Algumas vezes a sujeira sozinha é suficiente para o carro derrapar normalmente, que dirá com pressão aerodinâmica mínima na traseira e máxima na dianteira….

    A coisa potencializa absurdamente se estamos falando em 250+km/h, em um túnel fechado, sem qualquer área de escape e propício a acidentes fatais em qualquer escapada de pista. Entendo perfeitamente o posicionamento de Rubens, louvável.

    POR OUTRO LADO….
    1) Ninguém é obrigado a usar a asa móvel! O sujeito só usa se apertar um botão! BINGO! Então, só usa a asa quem quiser assumir os riscos, ou quem se sentir seguro e com carro confiável para tal!!
    2) Não é obrigatório que a asa móvel se abra completamente! A FIA só estabelece um limite *máximo* para abertura. Logo, se o problema for falta de confiabilidade e perda de estabilidade traseira, isso é falácia, uma vez que a abertura pode ser ajustada pela equipe nos treinos livres, período propício para os acertos.

    Logo, diante desses dois argumentos, a FIA não está errada de manter o DRS na prova. Errado está quem não souber usar (no momento ou circunstância correta), ou quem não souber acertar — e isso vale para *qualquer* item do carro, mecânico ou aerodinâmico, para qualquer equipe, não restrito ao DRS.

    Então, continua sendo o velho DESAFIO de pilotos sabendo extrair do equipamento, levando-o no limiar da velocidade e da aderência em tempo mínimo com segurança até o final, e de construtores e equipes construindo o carro mais veloz, estável, equilibrado, confiável e digno de vencer a prova.

    Sem mais.
    Rômulo Augusto Passos
    de Salvador/BA

    • Felipe Paranhos disse:

      Sobre o acidente do Wendlinger, eu sei que mudou. Tanto que falei que a área de escape está um pouco diferente. Mas ali continua sendo um lugar perigoso. Você está certo sobre a questão do túnel. Até porque, se alguém bater e rodar ali, a chance de alguém vir atrás e bater é grande.

      Mas não acho que se deve colocar nas mãos dos pilotos a responsabilidade de usar ou não. Automobilismo não é um esporte individual. O piloto tá sujeito a outros interesses, não é simplesmente questão de não saber usar. E tem outra: e se eu souber usar, mas o cara da minha frente não souber, fizer merda e eu bater nele?

  5. marcão disse:

    SAbe o que eu acho???
    Já que banalizaram as passadas os pneus e os pilotos…
    Tirem Monaco do calendário!!!
    Afinal não é mais corrida de F-1, é só um show, um passeio das grandes marcas que um dia viveram a época da F-1 e hoje vivem de suas glórias…

  6. carlos costa disse:

    em tese poderia se resolver essa imprudencia dessa forma elegante e civilizada; mas infelizmente a realidade, num ambiente que envolve muita grana e portanto grandes interesses, nao permite acreditar que um acordo desses seja respeitado.

  7. Claudio disse:

    Jogar xadrez é mais seguro. Experimentem.

  8. MAX disse:

    corre o risco de todos abrirem a asa , menos Vettel,já que quando existe um carro que não acompanha o ritimo da frente acaba segurando todo mundo.dai forma aquela fila indiana.vai dar merda mesmo.

  9. André_Pacheco disse:

    Márcio Vilarinho Amaral no caso desses dois anjos é só cortar o acionamento do dispositivo no volante deles rsrs… Não creio que os outros interesses estão além da segurança (pelo menos não deveriam), mas num acordo da GPDA repassando para as equipes seria a solução… não esqueçam que na época da briga de pneus em Indianápolis equipes de comum acordo não correram…

  10. luisfernando-rj disse:

    sinceramente o que a fia está querendo?um festival de cadaveres!!!!!

    • Diogo disse:

      É porque a F1 está há 17 anos sem mortes. Vai ver eles estão precisano de um novo “mártir”… (ironic)

  11. Eduardo Azeredo disse:

    A prerrogativa de abrir a asa ou não é do piloto.

    Mas alguém chegou a ver o comentário do Domenicali sobre a situação? Extramente em cima do muro, vaselina total.

    Não é nada difícil um chefe de equipe mandar o sujeito abrir a asa e depois dar uma de João sem braço.

    Mas se o piloto tirar o pé pra fazer a reta-curva do túnel eu acredito que a asa feche. O problema mesmo que eu vejo é alguém rodar no meio do túnel e virar alvo fácil de uma batida em T.

    • Felipe Paranhos disse:

      Fecha, é automático. Mas é isso: ali vai ficar sujo, por causa dos pneus. Se alguém puser de lado pra ultrapassar, vai pegar a sujeira, tentar frear no limite e aí já viu. E concordo com você: chefe de equipe nenhum vai admitir algo se der merda.

  12. fernando amaral disse:

    lendo os comentários aqui agora fiquei mesmo curioso pra ver o que acontecerá, se a tese levantada por barrichello se confirmará.
    creio que a grande maioria abrirá a asa logo à saída do túnel, não ainda dentro. então terão uns 200 metros (sei lá se é essa a medida) de trecho reto em descida antes de frearem pra chicane, que é onde deve acontecer os choques entre o da frente mais lento e o de trás vindo ‘chutado’.
    com a quantidade de resíduos deixados pelos pneus atuais, acho muito improvável alguém cometer a asneira de sair do ‘trilho’ limpo, seja no túnel ou em qualquer outro trecho – vai perder tração e tempo. nesse aspecto as condições de aderência dessa corrida serão parecidas com as de chuva, segue-se o trilho.
    aliás, se chover, usa-se asa móvel?

    talvez até a pista fique tão suja que inviabilize a ultrapassagem até mesmo na freada da chicane – o carro mais rápido tem que sair pro lado para ultrapassar.

    pra ser sincero, não ligo a mínima para as consequências das atitudes seja de quem for na F1 hoje em dia, ainda mais em relação a um GP de que só tenho contato por mídia.
    acho curioso o fato de que somente dois pilotos, ambos veteranos e andando entre os últimos, “idosos” para os padrões desse esporte, tenham se manifestado contra o uso da asa em mônaco.

  13. mariano disse:

    E’ corrida de carros quem tiver medo, pede pra sair # 01.
    andar a 300 ou 280 sem asa, se ‘e para se arrebentar vai se arrebentar, por favor, ha anos esperando algima emocao, e agora vem com medinho………..

  14. Antonio disse:

    Sabe de uma coisa.
    O automobilismo de hoje tá mesmo uma porcaria…um lixo.
    Na década de trinta os pilotos de Grand prix, que decerto foram os maiores e mais corajosos de todos os tempos, encaravm corridas matadoras sobre bólidos de mil cavalos, cuja dinâmica de suspensões, freios, chassis e pneus deveria ser algo de outro mundo, de tão precário.
    Eles corriam, faziam espetáculo…eram machos pra caramba. Hoje em dia corrida de automóvel se transformou apenas num show pra uns poucos afortunados ganharem rios de dinheiro e se promoverem…
    Que raiva…estes pilotinhos de F-1 de hoje que vão à merda…

  15. Antonio disse:

    Aliás, que vá à merda todo o automobilismo…

  16. Antonio disse:

    Interessante, né, seu paranhos…
    Minha opinião é particular…mas é minha opinião…e como, acho eu, este é um espaço aberto para seus leitores expressarem seus pontos de vista, não acho muito elegante de sua parte postar uma resposta tão estúpida…
    De qualquer modo, eu não o ridicularizei, nem zombei do senhor em público, certo?
    Então, por favor, peço-lhe, encarecidamente, que caso o senhor não queira aceitar meus comentários no blog, retire-os do ar imediatamente, junto com sua resposta estúpida e ofensiva.
    tudo bem?…é capaz de entender isto?

    • Felipe Paranhos disse:

      Você comentou, deixou a responsabilidade de aprovar ou não para mim. Elegante é mandar coisas à merda, não? Modere seu palavreado.

  17. André Micheloto disse:

    Na saída do túnel tem o problema daquela (necessária) barreira de pneus.

    Como o do Button, parecido com o do Wendlinger:

    http://www.youtube.com/watch?v=w2Z8RjwEJGk&feature=player_embedded#at=263

  18. Winston disse:

    Será que finalmente vai ter batida? Ninguém bate mais. Viva a FIA. Fora Barrica!!!

  19. luisfernando-rj disse:

    esse roman grosjean ainda é dirigido pelo briatore?o cara ainda está na gp2.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo