Publicidade

Publicidade
22/05/2011 - 10:21

São os Pirelli

Compartilhe: Twitter

FELIPE PARANHOS [@felipeparanhos]
de Salvador

O GP da Espanha acabou com qualquer dúvida que ainda pairasse na mente de quem acompanha a F1: o que deixa as corridas emocionantes é o pneu Pirelli, não o sistema de asa móvel. A solução da questão é simples.

Em circuitos que possibilitam ultrapassagens, caso dos três anteriores a Barcelona, falou-se muito da soma dos fatores pneu e DRS como responsáveis pelo alto número de trocas de posição na pista.

Só que Montmeló é um circuito ruim de ultrapassar, todos sabem. A corrida 1 da GP3, ontem, foi chata. A da GP2, também ontem, tediosa. A segunda da GP2, neste domingo, modorrenta. Nenhuma delas tem o DRS. Assim, se a prova da categoria máxima do automobilismo tivesse emoção, pronto: o DRS teria feito a diferença.

Mas a corrida também foi chata. O desgaste dos pneus foi alto, e quase ninguém se meteu a fazer volta a menos. O que aconteceu, então, é que a degradação não chegou a ser tão intensa na pista, já que as paradas chegavam antes da perda intensa de rendimento. Se a asa móvel fosse mesmo a maior responsável pelo incremento de emoção na F1, supririam isso.

Se você acha que a F1 melhorou em 2011, agradeça à Pirelli, não ao grupo de trabalho técnico da F1.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , , , ,

Ver todas as notas

21 comentários para “São os Pirelli”

  1. Edu disse:

    Circuitos como esse deveriam ser sacados da F1.

    • Maurício disse:

      Concordo PLENAMENTE. Fora circuitos ruins. Tubo bem que teremos um fim de semana com circuito velho, mais esse é história.

  2. Gabriel disse:

    Não acho que ficou boa: ficou superficial!!! Falta à F1 um orçamento nas equipes que as permita ter bons pilotos, mesmo se estes não trouxerem patrocínio. Enterraram a ideia de voltar aos carro asa. Tudo bem, são perigosos e tal, mas o são na forma como eram nos anos 70/80. A Indy usa efeito solo controlado (vejam o vídeo da Simona após a batida, com o carro de cabeça pra baixo!) e permite que os carros andem juntos – o que permitiria ultrapassagens mais reais e, quem sabe, a vitória do Hamilton hoje.

    Abraços!

  3. luisfernando-rj disse:

    a corrida foi de dar sono só melhorou um pouco no final quando hamilton saiu em perseguição ao vettel,o sr galvão bueno precisa entender que o felipe não passa como piloto éum fiasco e que a formúla um não se restringe aos “pilotos”brasileiros,a band news está dando um baile na rgt.o felipe não passa e o ruimzinho barrichello só dão vexame.

  4. Eduardo Azeredo disse:

    Concordo com a constatação mas discordo do argumento utilizado.

    Eu achei a corrida muito boa – melhor que aquele festival desembestado e insano de ultrapassagens na Turquia, por exempo – pelo fato de ter estratégias diferentes sendo usadas e a corrida ficado em aberto até o final.

    O ponto positivo foi justamente a gama de alternativas que os pneus oferecem. E o DRS foi praticamente inefetivo. No pelotão da frente só vi uma ultrapassagem onde ele influiu – Button sobre Webber – em que pese os problemas no KERS da Red Bull.

  5. Lucas disse:

    Quer saber o que eu achei? Eu achei essa corrida de hoje mais legal do que a da Turquia.

    Sei lá, aquela confusão deixa a corrida muito confusa e artificial, as ultrapassagens de hoje foram mais aguerridas.

  6. junio messias disse:

    todo mundo so sabe criticar mas nao falam em nehuma soluçao

    • Felipe Paranhos disse:

      A solução é tirar Barcelona do calendário ou reformar o circuito. De resto, a F1 está ótima. Não?

  7. André disse:

    Concordo com Eduardo e Lucas. Essa corrida ficou bem mais legal de analisar, clássica corrida de F1 com estrategias, ultrapassagens difíceis, e levantando mais os méritos de quem foi bem. Ficou mais nítido ver quem realmente botou o talento na mesa hoje (Vettel, Hamilton, Alonso, Schumacher, Heidfeld).

  8. Paulo disse:

    Não só Barcelona, Felipe, mas tb. MÔNACO, sim, Mônaco, Abu Dhabi, e outros circuitos onde é praticamente impossível ultrapassar. Quanto ao Felipe Massa, eu fico aqui pensando: Será que o Galvão Bueno acredita mesmo, que a falta de rítmo do Massa é estratégia para “poupar equipamento”? E que se a Ferrari for mais rápida nos Pits ele pode brigar pelo pódio?

  9. luisfernando-rj disse:

    hoje é o dia mundial da tartaruga e aniversário do rubinho barrichelo,será que é coincidencia?

  10. Danylo disse:

    Sinceramente, a F1 está uma porcaria. Antes a F1 era sinônimo de desenvolvimento tecnológico; hoje, a “tecnologia” do momento são os pneus que se esfarelam – ridículo! Ultrapassagens artificiais e forçadas pelo desgaste descontrolado dos pneus e pelo arrasto aerodinâmico. Fala-se tanto das “inúmeras” ultrapassagens”, mas desafio a alguém aqui do blog a citar alguma manobra arrojada, nesta última corrida. Um abraço.

    • Felipe Paranhos disse:

      Nessa última corrida não teve “inúmeras ultrapassagens”. Muito pelo contrário. E é o que eu tô dizendo aqui.

  11. Arilton de Oliveira disse:

    Foi a 1a vez desde 1972,qdo começaram transmitir F1,nunca perdi nenhuma,que no meio da corrida desliguei a televisão e fui passear com minha filha de 1 ano!Corrida chata,e a meu ver desonesta com os pilotos,e equipes. A pirelli deveria apresentar no inicio do ano os pneus que fabricaria,e não mudar a receita até o fim do campeonato,cada equipe tentaria entender o seu funcionamento ao logo do ano,e trabalhar o carro para se adequar a ele,e não receber um pneu para cada circuito!E tambem discordo da obrigatoriedade de usar pneu duro,pneu mole ,imposição não!Cada piloto e equipe que avalie as vantadens e riscos de usar um ou outro,isto sim é legal,ser muito rápido no início,ou ter um carro equilibrado a corrida toda!

  12. Paulo disse:

    A corrida sõ não foi mais chata porque o Alonso fez a largada que fez.

    Senão, as RBR tinham sumido na frente e teria sido o mesmo tédio de sempre.

  13. luisfernando-rj disse:

    que diferença do carro do alonso para o do felipe massa,e depois ainda aparece os defensores da teoria da conspiração achando que o felipe é prejudicado.

  14. Welquer Costa disse:

    Não concordo que os pneus façam mais diferença que o DRS. As multi-ultrapassagens nas etapas anteriores ocorriam o tempo todo independente do estado dos pneus. (Claro que quando se soma esse super-desgaste mais DRS fica mais ridículo ainda).
    Nesse circuito da Espanha nem essa absurda diferença entre os pneus + DRS resolve a questão da monotonia.

    • Felipe Paranhos disse:

      Não, Welquer, a maioria das ultrapassagens deste ano ocorre quando um tem pneus novos e o outro, velhos. Como o desgaste é muito grande, uma diferença de 4, 5 voltas de uso faz o pneu ficar “velho”, e o piloto ser ultrapassado.

  15. Thiago disse:

    Bom, a corrida foi chata mesmo, mas a F1 ta melhor que nos ultimos anos, artificial ou não, vai bem melhor.
    Sobre pneu, deveriam fazer 2 tipos de pneu, um mole e um duro, bem mole e bem duro, e só, semana que vem, pneu super mole e mole, devem ser a mesma tranqueira, durar o mesmo tempo e tal…

    Resumindo, 2 penus e acabar com a aerodinamica, deixa omo era antigamente…
    Ai podem criam uma FA (Formula aerodnamica)

    Ou libera as equipes pra fazerem o que bem quiserem, vão achar jeito de o carro fazer a curva junto e conseguirem uma umtrapassagem…

  16. eduardo disse:

    não concordo que a corrida foi chata teve poucas trocas de possições mas os tres melhores pilotos fizerão grandes corridas o Alonso andando de lado com uma Ferrari sem pneus nas voltas finais foi espetacular assim como a lição que deu no Webber com um carro pelo menos dois segundos mais lento alem do mais Barcelona e Silvestone são as pistas mais bonitas de ver uma pilotagem virtuosa

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo