Publicidade

Publicidade
09/06/2011 - 13:32

Histórias do automobilismo

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

As duas histórias aconteceram no fim de semana, mas ainda são válidas de serem contadas aqui:

* Quem se importa? | Marco Barba bateu, destruiu a barreira de pneus, chamou o safety-car. Até aí, tudo bem. Só que, ao invés de entrar na frente do primeiro colocado, o carro-guia entrou na frente do segundo. Assim, Kevin Ceccon, líder, pôde dar uma volta e meia a toda velocidade, sem o comando do SC. A falha da direção de prova resultou numa vantagem final de 50s na vitória de Ceccon.

Numa atitude CBAzística, a direção decidiu punir Ceccon em 60s por não reduzir a velocidade durante o período. Desta forma, o italiano caiu para quinto. Só que a Ombra protestou, na minha opinião com razão, contra a decisão, já que Kevin não pode ser punido por um erro que não foi dele. A primeira vitória do piloto de apenas 17 anos na categoria está sub júdice.

* O fim da tristeza | Tristan Gommendy correu pelo Porto na Superliga durante a temporada 2010. Sua última corrida foi no finzinho de outubro. Vieram novembro, dezembro, janeiro, fevereiro, março, abril e maio. 7 meses sem nada. Nenhuma competição oficial. Nem uma corrida de jerico, nada. Aí foi chegando a temporada 2011 da Superliga, foi batendo o desespero na organização, não tinha piloto pra maioria dos carros… Alguém deve ter batido na mesa: “Pô, chama o Gommendy!” Chamaram. Ele foi a Assen, na Holanda, para a primeira etapa do campeonato. E marcou a pole. Ficou emocionado.

“O acordo foi feito há dois dias. Muito, muito obrigado a Wim [Coekelbergs, dono da Azerti, equipe que comanda o carro do Bordeaux] por me colocar no carro. Ele correu um grande risco. Não estou surpreso por estar na pole, mas as circunstâncias tornaram isso especial”, disse.

Por isso que esse esporte é tão legal.

Autor: - Categoria(s): F-Superliga Tags: , , , , ,

Ver todas as notas

1 comentário para “Histórias do automobilismo”

  1. André disse:

    O negócio do Safety Car, só vendo pra entender. Assim escrito, ainda acho que o piloto tem responsabilidade nesses casos e deveria esperar.
    O Gommendy na corrida se mostrou um grande palhaço haha. O cabo do acelerador quebrou, e ele ficou todo putinho na entrevista. Cara perturbado emocionalmente, um dia tá chorando de alegria e outro de raiva.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo