Publicidade

Publicidade
14/06/2011 - 15:34

Arrogância programada

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Luca di Montezemolo arrotou mais uma vez sua arrogância. Desta vez, em relação às equipes pequenas da F1. Em entrevista ao canal Sky Sports, o italianão comentou o acidente de Felipe Massa no GP do Canadá, no último domingo (12).  “Este é o problema dos carros lentos e de pilotos inexperientes”, disse.

Ora, velho Monte, todos os primeiros colocados têm de passar por retardatários. Karthikeyan não foi lá muito gentil? De fato. Mas isso acontece a todo momento, deve ser bem difícil dirigir uma Hispania, apertar trocentos botões e, praticamente a cada volta, ter de dar passagem a alguém. Além disso, as condições da pista exigiam cuidado de quem jogou o carro para a parte molhada, não? Acho que outros pilotos além de Massa enfrentaram situação parecida. Felipe errou e pronto.

A verdade é que, assim como Ecclestone procura motivo para cobrar mais dinheiro dos organizadores de GP, Montezemolo inventa razões para pregar num momento pouco adequado, como quando religiosos te acordam às 7h do sábado, as benesses da instituição do terceiro carro para os grandes times e da extinção das pequenas equipes da F1. Monte tenta tirar a atenção da falta de resultados da Ferrari falando de outro assunto, criticando outras equipes.

Não cola. Nunca cola. Ainda bem.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , , , , ,

Ver todas as notas

44 comentários para “Arrogância programada”

  1. tom disse:

    Felipe, Toyota, Honda e BMW andavam no meio do grid e hoje a Force India e a Toro Rosso de pequenas ja ta bom. Foi um prazer debater com vc.

    • Felipe Paranhos disse:

      Toyota e Honda gastavam bilhões, Tom. BILHÕES. Alguns orçamentos da Toyota passaram de 1 bi por ano. Isso é um absurdo inviável, é impossível manter um esporte, qualquer que seja ele, com estes custos. Uma hora quebra.

  2. tom disse:

    Mauricio, o Alonso nao esta em pauta. Vamos nos ater ao assunto das equipes e nesse caso todas sao arrogantes e defendem seus pontos de vista com unhas e dentes. Olha vc por exemplo, deve ser torcedor do Massa e por isso critica o Alonso, a pontuacao do ano passado e a deste ano mostram bem a diferenca entre os dois e afinal, o Massa ultrapassou quem ano passado? Vc dormiu por isso nao viu. Ano passado com raras execoes ninguem passava ninguem. Tavez por isso este ano exista a asa movel e novamente o kers. Falei.

  3. tom disse:

    Verde, quer ver corrida com 30 carros, entao va assistir a indy. So que la os caras nao tomam 5, 6 ou ate 8 segundos.

    • Verde disse:

      Não tomam porque todos os carros são iguais, oras. E porque Milka Duno e Francesco Dracone não estão no grid.
      No mais, vejo a Indy, sim. E ando achando uma categoria muito mais legal do que essa Fórmula 1 de lolitas.

      Mas, porém, no entanto, todavia, neverthless, eu poderia dizer a quem quer a Fórmula 1 um puleiro de 15 carros de ponta para ver a superempolgante DTM.

      Que é, na verdade, uma categoria chata pra cacete.

  4. Marcelo disse:

    Avisa o Montezemollo que carro mais lento na pista não é desculpa, muitos reclamam dos retardatários, mas olhem a diferença abaixo no grid da Inglaterra em 1986!

    Chega ser GRITANTE, quase 12 segundos o carro mais lento do grid, uma Osella que o pole Williams! E não foi um caso isolado, em várias classificações era comum o pole ser 10, 12, 15 segundos mais rápido que o último carro do grid. Hispania é ruim, mas já teve carro muito pior no passado, Felipe Massa cometeu um pequeno erro, que custou caro, paciência…não vi culpa nenhuma no indiano.

    http://www.statsf1.com/pt/1986/grande-bretagne/grille.aspx

    1. N.PIQUET(pole)
    Williams Honda
    1’06”961

    26. A.BERG(último colocado)
    Osella Alfa Romeo
    1’18”319

  5. Eduardo Azeredo disse:

    “O q vale mais: Uma equipe mendiga sem patrocinio ou o terceiro carro de uma Red Bull ou McLaren?”

    Perguntinha – E se fosse o terceiro carro da Red Bull lá em 2005 quando ainda era apenas a continuação da Jaguar com, dando a chance de gente do calibre de Liuzzi e Klien poderem correr sempre sem precisar alternar o carro 2 da equipe? Seria tão “valioso” assim?

    A possibilidade de uma equipe estar ali dentro e com trabalho e organização crescer é importantíssimo! A Hispania que não tinha condições de correr na Austrália hoje briga com a Virgin enquanto a Lotus briga pra colar no pelotão intermediário.

    A Ferrari devia lembrar que se voltar a ter foguetes como o modelo de 1980, uma F1 mais restrita a deixaria com a última posição do grid.

    Ninguém entra na Fórmula 1 com uma estrutura 100% nova e já na primeira temporada acompanha o ritmo de equipes já calejadas. Justamente por causa da excelência das equipes ali presentes. E é exatamente o que acontece com as equipes que entraram em 2010.

  6. Sejamos sinceros. Ter tempo no automobilismo não significa ser um bom piloto. Vide Riccardo Patrese. Para estar no automobilismo basta ter dinheiro. Não venha com este papo de que ninguém corre na F1 se não for um bom piloto. Lembra do Yuji Ide? Pois é, grana compra qualquer vaga. E sou contra encher o grid sem qualidade. Tamto de carros quanto de pilotos.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo