Publicidade

Publicidade
17/08/2011 - 12:05

História diferente

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos [@felipeparanhos]

Época de férias da F1 é aquele deserto de notícias. Nem especulação tem, como acontece no período intertemporadas. Procurando algo que pudesse fazer, achei uma entrevista da Oksana Kossatchenko, empresária do Vitaly Petrov, ao GPUpdate. Muito interessante. E mais legal ainda é a história de como Petrov e ela se conheceram e decidiram trabalhar juntos.

Ela conta que está envolvida no automobilismo desde 1998, quando trabalhava como apresentadora de TV. Ela, que ainda trabalha como correspondente russa da emissora Eurosport, estava coordenando um evento automotivo quando notou que Petrov estava vencendo todos os ralis que disputava no norte da Rússia. “Ele decidiu que provavelmente seria piloto, mas não tinha ideia sobre a F1.”

Ao se conhecerem, Oksana recebeu Petrov, que queria conversar, e decidiu dar conselhos ao piloto. Assim, levou-o à Itália, para que conhecesse Vincenzo Sospiri, ex-piloto de F1, e Giancarlo Minardi, o fundador da tradicional equipe. Também sem muito conhecimento sobre os caminhos que um piloto poderia traçar na Europa, ouviu recomendações de Minardi, além de um alerta em relação à altura de Vitaly, talvez demasiada — ele tem 1,85 m.

Oksana disse que somente quando Vitaly foi morar na Itália é que ela percebeu que, sem falar nenhuma outra língua que não o russo — isso acontece com pilotos brasileiros também —, não haveria como se adaptar. “Ele não entendia a realidade”, falou. Aí, então, ela decidiu acompanhá-lo nas corridas e ajudá-lo com traduções. Esta atuação garantiu que eles firmassem uma parceria de trabalho.

Foi Oksana quem conseguiu os primeiros patrocinadores de Vitaly, tirando do Petrov-pai a única responsabilidade de apoiá-lo economicamente. Depois disso, os dois só pensavam na F1. Em 2004 e 2005, Vitaly correu na F-Renault; em 2006, levou um patrocínio para a DPR e disputou as quatro últimas etapas da GP2. Foi só aí, em Hockenheim, que Petrov viu um carro de F1 pela primeira vez. Quatro anos depois…

Claro que a F1 não é o lugar onde se encontram os 24 melhores pilotos do mundo. Claro que muita gente boa fica de fora, não tem vaga, não tem grana. Mas é interessante saber como alguns caras saem do nada até chegar lá.

Autor: - Categoria(s): F1, GP2 Tags: , , , ,

Ver todas as notas

9 comentários para “História diferente”

  1. José Adauto Costa Silva disse:

    Um dia, um senhor chamado Galvão Bueno falou que ela era mãe dele, se não estou enganado.

    • Felipe Paranhos disse:

      hahaha, sim! No SporTV também já vi um cara dizer isso.

  2. André disse:

    Não se encontram os 24 melhores, mas se encontram no mínimo 12 destes 24 melhores pilotos do mundo.

  3. Paulo disse:

    Se algum outro fosse melhor e tivesse vontade, mostraria seu trabalho e seria valorizado. São os 24 melhores sim, pelo simples fato de estarem lá. É como um vestibular. Não mede inteligência, mas mostra de fato quem é melhor naquilo que é cobrado. Ser o melhor piloto não é exatamente medir quem dirige melhor. E esse é o requinte do esporte verdadeiro, há muito mais cérebro em jogo.

    • Felipe Paranhos disse:

      Paulo, a F1 é dinheiro. Automobilismo é dinheiro, não é cérebro, nem ser melhor, nem ter vontade. Ser o melhor piloto é ter mais dinheiro? Um exemplo claro, o primeiro que me veio à cabeça. Jérôme D’Ambrosio é titular da Virgin e não é mais piloto do que o Álvaro Parente, que chegou a ser anunciado como reserva da equipe ano passado, mas o patrocinador deu calote. Parente é um cara que pega pela segunda vez o novo carro da GP2 e arranca um segundo lugar em Mônaco, melhor colocação de um piloto da sua equipe na temporada. Mas não tem grana pra correr na F1. É a vida, acontece. Mas estar na F1 não quer dizer que você está no rol dos 24 melhores pilotos do mundo.

  4. LUIZ CARLOS LUCAS disse:

    é verdade o galvão bueno deu esse furo AI ESTA A MÃE DO PETROV ele só pisa na bola!

  5. Marcelo disse:

    Alguém dizer que o Alex Yoong esteve entre os melhores do mundo é meio forte…E o “nosso” Pedro Paulo Pão de açúcar Diniz?

  6. Anônimo disse:

    […] […]

  7. Clenio Azevedo Vilela disse:

    A matéria é sobre o Petrov! Amigos, o cara é bom sim. Deu demonstrações de que é bom. Bateu Nick, baterá Senna e tambem Gosjean. Se veio com grana, melhor ainda.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo