Publicidade

Publicidade
20/08/2011 - 17:17

Pietro strongly supported Fittipaldi

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos [@felipeparanhos]

Tava lendo a Revista ESPN deste mês e tinha uma materinha do Ubiratan Leal sobre o Pietro Fittipaldi, neto do Emerson que tá correndo na Limited Late Model da pista de Hickory, preliminar da Nascar All American Series, conforme o Felipe Giacomelli já explicou em seu blog nerd. Até aí, tudo bem, todos estão fazendo matérias sobre o garoto, muitos sem explicar exatamente que categoria ele corre ao dizer que simplesmente que é Nascar.

Mas o que me surpreendeu foi o número de patrocinadores que o garoto ostenta em seu macacão. São 13. Vamos a eles: Garoto, Players Car Rental, Runner, Sofisa, Marconi Home Art Photography, Polishop, IBEPLog, Travel Ace Assistance, Wynn Las Vegas, Jeronimo da Veiga Empreendimentos e Participações, Baterias Moura, Bringer Corporation e Presença Trading.

É ótimo, quanto mais patrocínios um piloto tiver, melhor. Mas me pergunto quantos pilotos no Brasil têm 13 patrocinadores? Ainda que patrocinar um menino que corre numa microcategoria dos EUA deva ter um baixo custo para as empresas, o fato de um garoto ter 15 anos e tantos apoios surpreende.

É evidente, óbvio ululante, que isso só ocorre por conta de ele ser neto do Emerson. E não há nada de ruim nisso: cada um joga com as cartas que têm, como disse a Maria de Villota em relação a uma possível chegada à F1 por ser mulher (não vai acontecer). Mas, em um momento em que tantos bons pilotos param de correr e interrompem carreiras promissoras por falta de grana, essa discrepância de interesse por parte das empresas chama a atenção. Sim, porque muitos delas têm atuação no Brasil.

Aí abre-se a questão: tanto na ESPN quanto em três matérias de grandes portais que vi sobre Pietro, só consegui ler com clareza o logo da Garoto nas fotos. Ou seja, mesmo para o Brasil, a exposição destas marcas não é assim absurda. Deve ser uma aposta de longo prazo. Então, que o garoto evolua e vá bem na Nascar, seu objetivo: ter tanta empresa dando suporte é coisa para muito poucos e não deve ser desperdiçado.

Autor: - Categoria(s): Nascar Tags: , , , ,

Ver todas as notas

39 comentários para “Pietro strongly supported Fittipaldi”

  1. Yo disse:

    Vcs tem tudo pra ser um dos maiores sites do Brasil, não em automobilismo, mas da internet como um todo. Mas preferem seguir essa linha “Gomes” de meter o pau em quem não é da turminha de vcs como é o caso do Di Grassi e outros afins. Chega a ser engraçado o jornalismo imparcial.

    Beijo.

    • Felipe Paranhos disse:

      Não existe turminha do Grande Prêmio. Aqui não tem proteção a ninguém, a gente faz jornalismo. E dentro dos blogs, cada um tem a sua opinião. O site pode ter defeitos, mas não o de proteger alguém ou atacar outro alguém gratuitamente.

      A propósito, sobre o Di Grassi, aqui mesmo no blog eu já fui acusado do contrário: de levantar demais a bola dele, quando ele estava na GP2, em 2009.

      O que eu acho engraçado é se referir a uma tal “linha Gomes”. Aqui tem aquela tal “linha jornalismo” que é tão incomum no meio automobilístico, cheio de boquinhas e amiguinhos.

  2. samuel hamilton disse:

    Se patrocínio e nome fossem garantia de sucesso. O nelsinho Piquet nunca teria saído da FI, o Nico Rosberg já teria sido campeão e o Bruno Senna, já estaria correndo há pelo menos 02 anos.

  3. veber disse:

    amigos, eu desejo sorte a ele, pelas poucas reportagens que eu vi ele parece muito focado na Nascar, eu acompanho algumas provas e acho a disputa muito acirrada, no meu entendimento de tão fácil a Nascar se torna extremamente difícil, é todo mundo andando no mesmo décimo, Pietro eu vou torcer por vc garoto, apesar de morar e viver nos EUA fala bem portugues e meus sinceros parabens pelos patrocinadores, let s go to sprint cup.

  4. Thiago Izequiel disse:

    Eu ficaria feliz se o Pietro fosse mais um Brasileiro com tantos patrocinadores. Só conheço o garoto pois sou muito, muito interessado (e praticante) do automobilismo. As empresas apostam no que bem entender. Mas é triste ver tanta gente que sonha, luta, batalha, e tem potencial para arrasar em qualquer categoria, encostado em um canto ou saindo pra trabalhar em escritórios de outros negócios, por não ter patrocinador, por não ter nome.

    Eu queria só um patrocinador desse garoto, pra engatar como piloto. Mas eu não sou filho, neto, sobrinho nem afilhado de piloto.

  5. Fabrizio Petecof disse:

    É gente… Lendo tudo isso e até vendo tantos casos recentes e a polemica e debate que o tema dessa coluna criou, fica claro que o fato é um só: Em minha humilde opinião o automobilismo está fadado infelizmente a um único tipo de projeto de marketing, o de relacionamento!

    E não é só no Brasil não. Em quase a totalidade dos casos e com raríssimas exceções as empresas de fato investem pensando de fato na publicidade genuína que o piloto pode proporcionar.

    Parece uma cultura, Sei lá até um certo preconceito com o esporte a motor na mídia!

    Olhem para a mídia TV, Radio, Impressa, On-line, etc. O automobilismo/kartismo em geral quase inexiste exceto a F1. Talvez o problema seja crônico pois um esporte que a “massa” não possa praticar ou ter acesso fica às margens da mídia e vive assim por décadas.

    Desculpe a filosofia mas é que esse lance de patrocínio versus pilotos talentosos parece novela das 8: Passam décadas, mudam os personagens, mas as historias sao as mesmas…

  6. Caique Pereira disse:

    Na America do Norte é COMUM um Carro da NASCAR, em qualquer divisão ter mais de CINQUENTA stickers, idem os macacões dos pilotos…entendi o que se tentou mostrar, mas acho este tópico dispensável e pobre de espírito.

    • Felipe Paranhos disse:

      Ninguém aqui comparou com a Nascar. Eu comparei com os pilotos brasileiros. Se você tá citando isso, é porque não entendeu o que se tentou mostrar.

  7. Carlos Brites disse:

    Para mim, isso pode ser apenas apoio e nao um patrocínio, que quero dizer, basta pagar as Sá atulhas e macacões que leva a marca e assim por diante, como o apelo ainda e pequeno o investimento das marcas tambem, dai a necessidade de ter 13 pequenos apoiadores para fechar a conta. Como faco crosscountry a bons 15 anos, vejo isso de forma bastante clara e repetida, a conta nem sempre fecha e precisamos implorar a alguns amigos….. Mas pode ter certeza que é muito melhor e mais fácil fechar com um só e que pague tudo.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo