Publicidade

Publicidade
30/08/2011 - 12:15

Destino traçado

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos [@felipeparanhos]

Saiu hoje no De Telegraaf, maior jornal holandês, que a equipe de empresários de Giedo van der Garde, piloto da GP2, se encontrou no GP da Bélgica com três equipes da F1: Renault, Virgin e Williams. Não por coincidência, três que precisam de dinheiro. Mas aí vem a pergunta: qual não precisa de dinheiro? Esse assunto é mais velho do que andar para frente, então vamos ao verdadeiro tema deste pequeno post: teria Van der Garde estofo para pilotar um carro mediano na F1?

É muito difícil acreditar nisso, uma vez que Giedo prometia muito e não cumpriu o esperado na categoria. O holandês chegou em 2009, depois de vencer a temporada da World Series e aparecer como favorito antes do início do campeonato da GP2. Foi para a iSport, mas os áureos tempos da equipe já pareciam ter ficado para trás. Foi para a Addax, fortíssima e favorita, e foi somente o sétimo colocado. Neste ano, perdeu por muito o título para Romain Grosjean — a diferença é de 34 pontos , faltando uma rodada para o fim — e, depois de fazer só 11 pontos nas últimas três etapas, corre o risco de perder a vice-liderança.

Além disso, já tem 26 anos, aquela que tem sido a idade-limite para ter uma verdadeira oportunidade como titular na F1 vindo da GP2. Di Grassi, Bruno Senna, Pastor Maldonado e — se voltar ano que vem — Romain Grosjean tinham/terão estas idades. Sei que Grosjean correu no lugar do Nelsinho, mas aquilo era um esparro enorme e pra mim não conta.

Não sei, mas Van der Garde me lembra um pouco Jérôme D’Ambrosio, um piloto que teve lampejos na GP2, mas chegou à F1 exclusivamente por conta do dinheiro, já que sua ausência da principal categoria do automobilismo não trazia nenhuma comoção. E não deu outra: segue sem qualquer brilho com as carroças virginianas.

Para mim, se chegar, Giedo entra na F1 com o destino bem traçado.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags: , , , , ,

Ver todas as notas

8 comentários para “Destino traçado”

  1. Luiz G disse:

    Williams e Lotus não precisam de dinheiro…
    Precisam, é de um projetista competente que desenhe um carro decente.
    Quem tem um projetista competente, torna-se vencedor….Quem não tem, precisa de dinheiro pra pagar os rombos que o projetista incompetente causa.
    A Red Bull não tem o melhor motor da categoria, mas como tem um projetista competente, não precisa do melhor motor pra vencer e nem de tanto dinheiro quanto Ferrari e McLaren…

  2. Eduardo Azeredo disse:

    Imprensa holandesa, isso me dá arrepio. Conseguem ser piores que o As. Felizmente não tem holandes com tanta relevância para fazerem barulho.

    Se não me engano, além do Giedo perder o titulo pro Grosjean com folga, sequer conseguiu vencer uma corrida na GP2 este ano.

  3. Danillo disse:

    Quem era Kobayashi mesmo na GP2?

    • Felipe Paranhos disse:

      Exceção que confirma a regra. Conhece mais algum que tenha ido mal na GP2 e, depois, tenha arrebentado noutro lugar? Pensando assim rápido, só dois ganharam alguma coisa minimamente relevante depois da GP2: Neel Jani (A1GP) e Mikhail Aleshin (World Series). E a GP2 já teve uns 120 pilotos em 7 temporadas.

  4. Verde disse:

    Piloto superestimado. Ficou três anos na Fórmula 3, dois na World Series e mais três na Fórmula 1. Só dirigiu carros de ponta porque seu padrasto é dono da McGregor.

    O Pic é melhor do que ele.

  5. flavio lima disse:

    falam tanto do desempenho do kobayashi, mas esquecem qua a dams na epoca dele e do nakajima era uma equipe do pelotao meio/fim de grid bancada pela toyota.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo