Publicidade

Publicidade
03/10/2011 - 10:30

Destruir uma corrida e destruir uma carreira

Compartilhe: Twitter

FELIPE PARANHOS [@felipeparanhos]

A notícia do início da semana veio do site oficial da F1. Durante o GP de Cingapura, Rob Smedley, engenheiro de Felipe Massa, pediu via rádio ao seu piloto para que destruísse a corrida de Lewis Hamilton. “Segure o Hamilton o máximo que você puder. Destrua a corrida dele o máximo que você puder. Vai, garoto”, foram as frases proferidas por Rob.

Há duas maneiras de interpretar os dizeres de Smedley. A primeira é a de que Felipe estava instruído a prejudicar Hamilton, a de ver a Ferrari como a eterna vilã que torna o esporte indigno. Para quem pensa assim, a semana será um prato cheio. A imprensa inglesa deve atacar sem dó as palavras do engenheiro do time de Maranello, até porque, no fundo, muitos na ilha esperavam um acontecimento para tentar reabilitar forçosamente Lewis do fracasso em 2011.

A outra forma de entender o que aconteceu é a que prefiro. Não sou um ouvinte atento de todas as comunicações de rádio, mas vejo a instrução do engenheiro como um incentivo. Segura o cara, não dá mole, acaba com a corrida dele! Não tem nada de mais, o que gera discussão inútil é o “destrói” — e, se formos analisar do ponto de vista semântico, destruir e “acabar com” têm o mesmo sentido.

Só que, e sempre tem um “só que”, o vazamento dessa comunicação põe por terra o que foi dito sobre Hamilton naquela corrida. E tira totalmente o sentido da revolta de Massa, que foi tirar satisfações com Lewis enquanto o piloto concedia entrevista ao vivo.

(Aliás, aqui na minha terra, bater no braço do outro, reclamar e em seguida dar as costas não é lá muito coisa de macho. Mas tudo bem, cada um se revolta de um jeito. Fecha parêntese)

Voltando ao que disse e correndo o risco de minha argumentação se perder pela digressão, digo: se Massa estava sendo orientado a pilotar defensivamente e segurar o ímpeto de um muito mais rápido Hamilton, o que ele esperava? Numa pista de rua em que as ultrapassagens são difíceis, ele queria que o rival, mais rápido, ficasse esperando um erro dele para passar?

Ora, se o piloto da frente era instruído para pilotar defensivamente — e era isso que Massa fazia —, ele não pode reclamar do fato de Hamilton ter tentado dar um jeito de ultrapassar e, por isso, acabar quebrando a própria asa e furando o pneu do carro de Felipe. Depois, Massa ajudou a linchar Hamilton, que apanha pelo que fez e pelo que não fez. E não trouxe nada de bom para a sua própria carreira.

Tá ficando feio, xará.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags: , , , , ,

Ver todas as notas

93 comentários para “Destruir uma corrida e destruir uma carreira”

  1. Renato disse:

    Onde tem Ferrari, tem mutreta! Em vez de distribuírem bandeiras, poderiam distribuir narizes de palhaços. Também são vermelhos!
    Quando em sã consciência (e insana também) a escuderia “ferrada” vai jogar limpo. Aliás, no meu dicionário, Ferrari quer dizer jogo sujo, maldade no coração e antiesportividade. Porque destruir é o mesmo que acabar, aniquilar, destroçar. E é isto que esta “equipe” vem fazendo com a Fórmula-1!
    Sr. Felipe Paranhos e o Grande Prêmio poderiam fazer um favor: criar o troféu Óleo de Peroba e “presentear” o cara-de-pau do “engenheiro” Rob Smedley. Aliás, para quem acha que a “ferrada” e o “engenheiro” são santinhos, aqui vão os argumentos:
    – Se não me engano, na Alemanha em 2010, o “engenheiro” estava dando aula do verbo ‘to be’ para o Massa de Tomate. Ele não falou ‘deixe El Fódon Rei das Asturias passar’. Ele falou ‘Alonso is faster than you’. Faltaram ser divulgadas as duas frases anteriores, que são: ‘I am Alonso’s engeener’ (Eu sou o engenheiro do Alonso) e ‘you are our second pilot’ (você é nosso segundo piloto). Viram como não tem mutreta!
    – Em Cingapura 2011, ouvimos um ‘destrua a corrida’. O que quer dizer? O Massa de Tomate iria jogar tachinhas na pista? Iria lançar óleo na pista? Sei lá! Vindo da “ferrada” vale tudo!
    Enquanto esta corja de antidesportistas estiverem lá, a Fórmula-1 (e a Indy também) vão ser corridas “marcadas”: ganha (a corrida) aquele que (ganha mais dinheiro) mandar vencer!
    E depois dizem que essas coisas só acontecem no Brasil!!!

  2. Thiago Azevedo disse:

    Seja qual for o sentido passado pelo engenheiro, não há razão para tanta discussão pelo fato de o Massa ter sido leal na disputa. Foi o Hamilton que errou e ponto final.
    O piloto não tem que atender ordem de equipe se o que é pedido é anti-ético ou qualquer coisa do tipo.

  3. Farad disse:

    Paranhos, parabéns pela paciência de responder aos comentários… não deve ser fácil! Pessoal, todos tem suas opiniões e devemos respeitar. Na F1 não tem santo e na minha opinião, errou o Hamilton neste caso, mas como disseram, acidente de corrida, nada demais. Sobre o Massa, estou desapontado em geral sobre esta temporada.

    • Felipe Paranhos disse:

      Brigado, Farad. Eu penso que isso aqui é um espaço pra discussão, não existe opinião definitiva. Pena que tem gente que não entende isso, sai xingando, dissemina o ódio gratuito. Abraço e obrigado pela audiência.

  4. paulo maia disse:

    massa e hamilton são, hoje, dois pilotos em decadencia.

  5. Antonio Duarte disse:

    Não vejo porque o Hamilton teria legitimada sua posição. O Massa não tem que dar pássagem para ele, assim como o Hamilton não tem que bater em alguém para passar. Assim, infeliz foram as palavras do engenheiro, que serão utilizadas para fazer do Hamilton um coitado, que não é.

  6. Huller Moreno disse:

    O engenheiro não estava ali orientando ninguém, estava apenas incentivando o cara a se defender. Até porque não faria sentido na estrategia da corrida no momento, deixar o Lewis passar(dependendo da ocasião pode até fazer sentido mas não foi o caso), ao contrario. E quando engenheiros esbravejam no radio pro cara passar quem está a menos de 1s a sua frente, tambem é uma orientação? Chega a ser sem sentido esses comandos de rádio das equipes… É uma redundancia do que é lógico o piloto fazer.

  7. emerson57 disse:

    com uma imprensa como essa o massa não precisa de inimigos.

  8. Rodrigo disse:

    Mas o Massa não disse que o furo no pneu lhe tirou a chance de lutar pelo pódio? Como ele lutaria pelo pódio se a ordem era pra andar menos do que quem estava atrás dele? Ah, lá na frente tinha um Alonso, se chega não pode passar, então segura quem está atrás para garantir a posição do espanhol. Certinho, Sr. Felipe, certinho.
    Hamilton é o cara, fosse dada a ele essa ordem, e veriamos Button no muro 10 voltas depois. Isso é corrida de carros, existe somente para o cara que está atrás tentar passar o cara que está na frente.
    A concordancia com o dono do blog é total. Mandou bem demais.

  9. Eduardo disse:

    A tão cobrada isenção jornalistica é quase uma raridade, ha os que são ufanistas , torcem e distorcem em favor dos brasileiros e ha os que na ansiedade de dizer o contrario continuam distorcendo a informação, e o que a gente ve é uma briga entre os puxa sacos e os que e os azedos.

    • Felipe Paranhos disse:

      Isenção é um mito, Eduardo. Não existe. Mas o que há é a procura incessante por ela. É como a felicidade: não existe ninguém essencialmente feliz, mas, se você não buscar a felicidade o tempo todo, a vida perde sentido. (Foi mal o autoajudismo). Isso se tratando de jornalismo noticioso; a opinião, por sua vez, é claramente parcial, e tem de ser assim. Não existe opinião imparcial.

  10. Gabriel Souza disse:

    Sobre o parêntese, não é só na sua terra não… hehehehehe

    Para mim, um lance de corrida. Hamilton não vem bem este ano, isto é claro. Mas não acredito em maldade. Já Massa, bom, vejo o tempo dele na F1 acabando, sinceramente.

    Abraço!

  11. Olegário disse:

    Olha, vou dizer que não entendo por que é tão importante o Massa, o Barrichello, o Senna ou outros em detrimento dos demais… digo, há alguns bons anos, o Sutil e o Trulli se estranharam em duas corridas e numa entrevista coletiva depois, o Webber e o Vettel discutiram por causa de uma asa, o Alguersuari e o Buemi vivem se alfinetando pela sobrevivência… tipo, tem tanta novela legal por aí, por que as que envolvem um piloto de origem brasileira parecem TÃO mais legais?

    Desculpa, nunca achei os três pilotos brasileiros tão “o maior legal” que os demais (só que todos eles são mais legais que o água-de-salsicha-Rosberg, o piloto (indivíduo, não na pista) mais inespressivo do grid)

  12. Joe Black disse:

    Esse Massa é um lixo… O cara é ruim e fica se justificando com o que acontece entre ele e o Hamilton… Vive falando que o cara deve ser punido… A vida dele agora vai ser repetir essa frase… VAI PILOTAR, SEU OTÁRIO!!!!

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo