Publicidade

Publicidade
20/10/2011 - 16:21

Desnecessário

Compartilhe: Twitter


FERNANDO SILVA [@Fernando_Silva7]

de Sumaré

“A equipe decidiu apoiá-lo. Matematicamente tudo é possível, qualquer coisa pode acontecer e vou fazer meu melhor. Meu trabalho será ajudar [a equipe] a conquistar os títulos. Não é a posição dos sonhos para piloto algum.”

Este é Sébastien Ogier, que deu as declarações acima durante entrevista coletiva que antecede o início do Rali da Catalunha, prova que será crucial para a definição do título do WRC em 2011. O piloto da Citroën se referiu a Sébastien Loeb, seu companheiro de equipe e líder da temporada ao lado de Mikko Hirvonen, da Ford. Ambos somam 196 pontos. Seria natural que a equipe francesa beneficiasse seu principal piloto e, em teoria, aquele que tem mais chances de ser campeão mundial.

Até aí, beleza. Só que Ogier, terceiro colocado, está a apenas TRÊS pontos de Loeb e Hirvonen. A Ford também fez uso do jogo de equipe nas últimas etapas do Mundial, já que o colega de Mikko, Jari-Matti Latvala, já não tem mais chances de título e abriu passagem para o compatriota, tanto na Austrália — onde Hirvonen venceu —, como na França. A tática ajudou o finlandês a alcançar Loeb no topo da tabela. A estratégia e o jogo de equipe da montadora do óvalo azul se justificam porque há apenas um piloto com chances reais de título.

Agora, quanto à Citroën, não há razão nenhuma para tal postura. Claro, a cúpula da equipe pode avaliar que é melhor para a marca que Loeb seja octacampeão, já que o piloto é um mito do rali e também acabou de renovar contrato pelo menos até 2013, rechaçando uma proposta tentadora da Volkswagen. Talvez a Citroën dê a preferência a Loeb como forma de gratidão por permanecer na equipe até o fim de sua carreira.

É a velha questão da ética no esporte que aflora mais uma vez. Lembre-se que não faz muito tempo, no ano passado, a Ferrari efetuou jogo de equipe para favorecer Fernando Alonso, único na equipe em condições de conquistar o título, em detrimento de Felipe Massa. No entanto, McLaren e Red Bull deixaram a disputa livre entre seus pilotos, e o resultado foi o vimos nas duas últimas temporadas.

O favorecimento da Citroën em relação a Loeb em fase tão crucial do campeonato é totalmente desnecessário para ele, para a própria equipe e para o Mundial de Rali como um todo. Embora Ogier esteja em melhor forma neste fim de temporada, com duas vitórias em três provas, o heptacampeão não precisa disso nem JAMAIS precisará: é o melhor do mundo no rali e franco favorito para a vitória na Catalunha e em Gales, última etapa do Mundial.

Só há uma grande razão que justificaria tal postura da Citroën: a confirmação dos boatos que dão conta da ida de Ogier para a Ford em 2012, em uma eventual troca com Mikko Hirvonen, que segundo o noticiário aponta, pode ser o novo colega de Loeb na próxima temporada. Seja lá como for, tal postura é ruim para a marca, é ruim para Loeb, Ogier e principalmente para o esporte.

Autor: - Categoria(s): Rali, WRC Tags: , , , , , , ,

Ver todas as notas

8 comentários para “Desnecessário”

  1. Franco disse:

    Penso que a atitude da equipe Citroen se justifica pelo fato de que algumas vezes durante este ano os seus pilotos colocaram muita pressão um sobre o outro que, em alguns casos, resultou em acidentes ou abandonos. E claramente seria muito ruim para a equipe perder o campeonato tendo claramente um conjunto carro/pilotos mais forte que a Ford.

  2. Victor Costa disse:

    Fernando, de fato a decisão da Citröen foi péssima para o campeonato, nos privando de um dos finais mais emocionantes dos últimos anos em razão de uma potencial disputa pelo título entre Loeb e Ogier, porém é em parte compreensível visto que a disputa acirrada entre os dois está levando a quebras do equipamento e abandonos entre eles em razão de um levar o outro a forçar o ritmo.. Eventual liberação da disputa entre eles me lembraria a decisão do mundial de F-1 em 2007, no qual Raikkonen aproveitou a guerra entre Alonso e Hamilton para levar o título por 1 ponto.. Somado a isso a constância de Hirvonnen foi que o possibilitou ainda estar lutando pelo título. A diferença, apenas, é que equilibrio entre Ferrari e Mclaren era bem maior do que o existente entre Citroen e Ford atualmente no WRC 2011. Além disso discordo das motivações da Citroen para privilegiar Ogier: acho que não se relacionam a eventual mudança deste piloto para Ford, mas sim exigência de Loeb para renovação do contrato por mais 2 anos. Por mais que seja ruim para Ogier continuar escoltando o Loeb, a ida para Ford seria uma incógnita, haja vista que nos últimos anos demonstrou não conseguir desenvolver um carro para rivalizar a altura com os Citroen.. Apesar das divergências gostei muito do seu post e espero mais comentários seus sobre o WRC, modalidade que gosto demais e a qual não é dada a devida atenção pela mídia brasileira. Abraços

  3. Erick disse:

    Ah saudade da epoca em que a briga pegava fogo como com senna e prost, isso forçou tanto a mclaren que eles tiveram o melhor carro em 88 e 89,….

  4. Sérgio Senne disse:

    Automobilismo é negócio, portanto foi a escolha mais coerente

  5. Marcelo disse:

    “hilário quando vejo comentário dizendo que, antigamente não existia jogo de equipe na F1, que os pilotos eram de verdade”.

    Jogo de equipe sempre existiu em qualquer categoria do automobilismo, o problema é que muitas vezes passam em branco…casos de Senna e Prost, são raros, porque a Mclaren em 88/89 estava muito a frente das outras, tinham dois pilotos que se equivaliam, isso é raro numa mesma equipe que domina uma época, como não corriam o risco de perder o campeonato, a Mclaren deixou a coisa rolar, mas acabou fora de controle e o clima ficou horrível, quando Prost saiu da equipe, a Mclaren “desabou” tecnicamente, teve que apostar em apenas um piloto, só existia Senna na equipe, os companheiros ou não existiam ou viravam capachos, caso de Berger em 90/91/92. O problema é que, duplas como Prost-Senna e Piquet-Mansell acabam em brigas, algumas vezes até jogam o título fora, caso da Williams em 81 e 86 e Mclaren em 2007. De um ano firme, rumo ao título, tudo acaba em um grande fiasco. Piquet em 81, Prost em 86 e Raikkonen 07 caíram na gargalhada, deram um belo puxão de tapete nas rivais e foram campeões.

    GP de San Marino de 1982 ( FujiTV + Globo Audio )
    http://f-1history.blogspot.com/2010/06/gp-de-san-marino-de-1982-fujitv-globo.html

    Estava revendo esse famoso GP de IMO 82, quando o líder Pironi entrou na volta 54, a equipe mostrou claramente 3 placas, com ORDENS bem nítidas!!!

    1) 1: Gilles,slow
    2) 2: Didi,Slow
    3) Outra placa, marcava 7 voltas para o final da corrida.

    O lider “Didi” com certeza viu as placas e a ordem, nas voltas anteriores Gilles e Pironi se alternavam na liderança, mas a equipe logo percebeu que os pilotos estavam cada vez mais velozes e arrojados, o risco de uma “pixotada” entre os dois eram grandes.

    Então veio as placas de boxe, mas Pironi simplesmente ignorou a ordem de ceder a vitória e venceu a corrida, no mesmo ano no GP da França Arnoux fez o mesmo, Prost seria o favorecido. Um ano antes, no GP Brasil Reutemann fez o mesmo, Jones seria o favorecido.

    Gilles simplesmente ficou revoltado, pois ele também chegou a fazer jogo de equipe para beneficiar Scheckter em Monza 79, e o mais hilário, os torcedores da F1 “massacraram” Pironi depois de IMO, o taxando de traidor!

    Ué, mas Pironi não tinha direito de vencer a corrida, afinal era início de campeonato? Onde estava a ÉTICA esportiva tão cobrada no GP da AUT 02, para defender Reutemann no GP BRA 81, Pironi em IMO 82, Arnoux FRA 82? Então naquela época as equipes podiam ter primeiro e segundo piloto, tudo era lindo e maravilhoso, mas e na época do Schumacher-Alonso eles não podiam ter essa mordomia? Que p…de ética é essa que favoreceu certos pilotos do passado e hoje não pode fazer o mesmo? Ora, essa proibição de jogo de equipe a partir de 2003 só apareceu para criar confusão, e tinha que ser justo com brasileiro no rolo..

    Lembrando que em 78 a Lotus impediu (por contrato) Peterson de disputar o título com Mario Andretti, ué Peterson não tinha o mesmo direito de vencer corridas e disputar o título? E pior, Peterson mostrou NA PISTA, que tinha chances de bater Andretti e ser campeão, muito diferente de Rubens na Ferrari, que RARAMENTE acompanhava o ritmo de Schumacher, o alemão era superior em tudo: treinos, corridas, era constante na tabela, raramente cometia erros na corrida, fazia grandes corridas de recuperação…e o Rubinho, quantas corridas ele jogou fora por erros?

    Como podem ver, primeiro piloto na Formula 1 sempre existiu, isso desde os tempos de Fangio na década de 50. Pra quem acha que o argentino era um “Deus” na pista…nas corridas em duplas, só Fangio recebia carro dos companheiros de equipe, nunca era Fangio quem entregava seu carro, ou seja sempre o argentino era o BENEFICIADO, em toda equipe que pilotou, só dava Fangio como primeiro piloto.

    “Ahhhhhhhhhhhh então eu tinha que parar minha corrida, para ajudar Fangio?”

    Pois é, e vai falar NÃO pra vc ver o que acontecia…na época era comum uma equipe de ponta ter 4,5 pilotos, Fangio tinha então..vários capachos, quando seu carro não estava bom, parava nos boxes e pegava outro carro. Imaginem isso nos anos 2000, Rubinho ou Massa entregando o carro para o companheiro continuar sua corrida, o mundo ia desabar.

    Acompanho Formula 1 desde 1980, e não entendi até hoje, porque fizeram tanto “CARNAVAL” naquele GP da AUT 02. O Senna sempre foi primeiro piloto na Toleman, Lotus, Mclaren (sem Prost), e Williams, tirando os anos de 88/89, seus companheiros simplesmente não existiam na equipe, tudo era feito em cima de Senna, ele podia ter esses privilégios e os pilotos da atual geração não podem? Acho que se um piloto é muito superior ao companheiro, então não vejo problemas de um ser escolhido como primeiro piloto.

    Não sei porque tanta revolta entre Schumacher-Rubens, o alemão como piloto estava anos luz a frente de Rubinho, foi Schumacher que levou a Ferrari ao topo, e não Rubinho, se ele venceu 9 corridas na Ferrari, tudo é graças ao Schumacher que colocou a equipe no áuge entre 96 e 06. Existe até um quadro em Maranello onde esta escrito que toda equipe apostava no alemão para reviver os anos de glória, o quadro era do ano de 1996, todos apostaram em Schumacher muito antes de ocorrer o domínio nos anos 2000.

    Coulthard muito antes desse GP da AUT 02, entregou pelo menos 3 vitórias ao companheiro de equipe, e sequer ficava na choradeira:

    POR-94
    EUR-97
    AUS-98

    Simplesmente, NINGUÉM apareceu para defender o escocês, ninguém apareceu para questionar a ÉTICA e a MORAL esportiva da F1, Coulthard além de vitórias também chegou a ceder posições intermediárias a Mikka, ninguém falava nada!

    Na Formula 1, quem pode mais chora menos, será que nem isso os TELEGUIADOS da Globo não perceberam?

    O que eu acho hilário é alguém dizer, “o Schumacher era primeiro piloto, o Rubinho é o capachão”. Uai, mas sempre foi assim a F1, a diferença é que uns aceitam fazer jogo de equipe, outros não…

    Peterson em 78 e Villeneuve em 79 tinham capacidade de bater os companheiros e serem campeões, mesmo assim aceitaram fazer jogo de equipe.

    Reutemann, Pironi e Arnoux tinham capacidade de bater o companheiro e não aceitaram fazer jogo de equipe, foram lá venceram se lixando para a equipe. Rubinho nunca teve capacidade para vencer o alemão em disputa por título, logo, aceitou colaborar. O que me deixou p…foi ver Rubinho ameaçando lançar livro criticando os tempos de Ferrari.

    Oras, se não estava bão, porque ficou na equipe 6 anos?

    Quando viu que o companheiro era favorecido, o que fez Arnoux? Caiu fora da Renault em 83, Piquet fez o mesmo em 87, Prost também em 89, Alonso foi outro em 07. Porque Rubinho preferiu ficar, será que o altíssimo salário explica? Claro que isso pesou muito na decisão de ficar!Rubinho diz que não, que ficou porque a Ferrari tinha o melhor carro, mas Alonso começou lá debaixo com a Renault em 03 e foi campeão em 05/06, porque Rubinho não mudou de equipe e fez o mesmo? Kimi mudou de equipe e foi campeão em 07, Rubinho foi muito ACOMODADO isso sim…

    Cevert sabia exatamente seu lugar na Tyrrel nos anos 70, era outro caso de piloto que tinha chances de ultrapassar o companheiro nas corridas, mas não o fazia. Stewart ia logo se aposentar, mas quantas vitórias Cevert deixou de vencer para favorecer o escocês?

    Gilles ficou revoltadíssimo com a Ferrari em IMO, mas ela mostrou a placa a Didier para entregar a vitória, se Pironi não acatou as ordens…paciência!

    Essa coisa de jogo de equipe, vai muito de cada piloto, Webber bateu o pé em 2010, foi “osso” como companheiro, e nem por isso foi mandado embora, e continua na equipe: “Não tenho outra opção”…pois é, então não reclame, e ele esta fazendo isso em 2011…admite que Vettel esta pilotando uma barbaridade.

    O que eu acho ridículo é a pachecada só pegar no pé da Ferrari!!!

    Tyrrel, Lotus, Mclaren e Williams sempre fizeram jogo de equipe e ninguém reclamava! Até a Jordan no GP da BEL 98 deu ordens a Ralf Schumacher para não atacar o líder nas voltas finais…Berger em 90/91/92 foi um baita CAPACHÃO do Senna e ninguém no Brasil reclamou, achavam até MARAVILHOSO. Oras, quantas vezes Berger era mais veloz que Senna em determinado momento da corrida, mas não ultrapassava, não fazia isso para não tirar pontos do brasileiro. Isso também caracteriza JOGO DE EQUIPE! Não precisa ceder vitória ou posição, basta não ultrapassar, dá na mesma! Além disso Senna entregou a vitória a Berger no GP JPN 91, fez isso CONTRA vontade, mas o fez porque se lembrou das VÁRIAS ajudinhas de Berger.

    “Ahhhhhhhhhhhhhhh mas até 2002 o jogo de equipe estava liberado, só começou a ser proibido a partir de 2003”

    É verdade, mas se estava liberado em 2002, então o que aconteceu no GP da AUT 02, estava dentro das regras, porque fizeram tanto carnaval. Basta olhar o GP da AUS 98, primeira corrida, Coulthard faz a mesma coisa, cede a liderança na cara dura, só que ninguém disse nada!!!

    Porque então mudaram tudo, só porque um bebê chorão começou a esperniar na AUT? Quando piloto europeu era capacho (como Berger), ninguém apareceu para defender…

    Nas duas vezes que deu “carnaval” teve brasileiro no meio, Webber esse ano foi “orientado” a ficar atrás de Vettel e ninguém disse absolutamente nada.

    Rubens sabia que a Ferrari era toda voltada para o Schumacher, sabia disso desde os tempos de Jordan, mas foi correr ao lado do alemão. E Schumacher não precisava da Ferrari para nada, estava no topo na Benetton em 94/95, só aceitou correr para a Ferrari, por dois motivos, o desafio de fazer a Ferrari voltar a ser campeã, e tendo a promessa de ser sempre o líder na equipe. Se ele saiu da Benetton que era toda voltada pra ele, porque seria diferente na Ferrari? E nessa época Williams e Mclaren apostavam somente em um piloto, Williams em 94/95/96 “apostou” em Hill, em 97 foi a vez Villeneuve.

    Na Mclaren entre 1994 e 2001, tudo era voltado em cima de Hakkinen, e Coulthard sabia disso…Ferrari apostar somente em Schumacher era uma coisa natural. Não tem essa de “direitos iguais”, cada piloto tem que conquistar seu espaço!!!

    O que Rubens tinha a oferecer quando chegou a Ferrari? Vc só pode exigir algo dentro de uma empresa se já tem um belo curriculo:

    O que Schumacher conquistou na F1 antes de Rubens correr pela Ferrari:

    Schumacher(“diplomado”)
    127 corridas
    2 títulos
    35 vitórias
    23 poles
    39 M.Voltas
    71 pódios

    Rubinho(ainda no fundamental)
    113 corridas
    0 títulos
    0 vitórias
    2 poles
    0 M.Voltas
    6 pódios

    Tenha dó, Rubinho querer logo de cara o mesmo tratamento que o alemão na Ferrari, lembra a famosa frase do Romário:

    “O cara acabou de entrar no ônibus do time, e de cara já quer sentar na janela? Tem que mostra serviço primeiro meu filho”.

    Não vi problema nenhum da Ferrari aposta em Schumacher, que logo de cara já mostrou serviço em 96/97/98, depois foi avassalador nos anos 2000, mereceu ser líder na equipe. Cachorrada foi o que a Mclaren fez com Alonso em 07 e Willimas com Piquet e Reutemann em 86/81, a equipe contrata dois bicampeões e depois deixa os caras na mão, visando puro patriotismo…Mansell e Hamilton era ingleses. No caso de Reutemann ele estava muito melhor que Jones na temporada, merecia ter apoio da equipe, mas não teve, justamente porque se recusou a fazer jogo de equipe no GP Brasil. Quer dizer então que Piquet e Alonso só serviam para acertar o carro, todo mundo era esperto, só Piquet e Alonso faziam papel de trouxas. Na Ferrari não houve essa traição, ela sempre foi leal a Schumacher e vice-versa.

    O alemão e a Ferrari fizeram um pacto entre sí, um seria fiel ao ao outro até o fim, e foi o que aconteceu(todo mundo sabia disso), Schumacher nunca ameaçou sair da Ferrari quando o “barco” estava afundando(coisa que Senna fez na Mclaren), depois de 3 anos de frustração(97/98/99) o alemão continuou na equipe, quando a FIA “ferrou” a Ferrari em 03 e 05 mudando radicalmente o regulamento, lá estava Schumacher liderando a equipe, colocando a casa em ordem e brigando para voltar ao topo, e foi o que aconteceu em 03 e 06. Rubinho até 05, só reclamava…

    Essa coisa que Schumacher dependeu de Rubens para conquistar título na Ferrari é papo furado(basta rever acima o que Schumacher conseguiu entre 91 e 99).

    Rubens em 2000 sequer conhecia o carro Ferrari e a equipe, o carro campeão de 2000 já era evolução dos carros de 98/99 nas mãos de Schumacher/Brawn/Byrne, e se Schumacher não quebra a perna em 99 já seria campeão. Outro fato, Schumacher em 06 “ergueu” a Ferrari e disputou o título, não foi campeão, mas venceu 7 corridas deixando a equipe novamente no topo, pronta pra briga em 07, e se Schumacher fica na F1 ele seria o campeão no lugar de Kimi. Se Raikkonen foi campeão em 07 é graças ao trabalho de Schumacher em 06(já sem Rubens na equipe), provando que era o alemão quem fazia a diferença e não Rubinho, o brasileiro foi uma espécie de piloto de teste de luxo na Ferrari, quem fazia todo o trabalho para evoluir o carro era o alemão, Rubinho só dava alguns palpites:

    “A Rubinha, testa essa pecinha para amiga Schumacher por favor”…e lá ia Rubinho feliz com os bolsos cheios…

    Vencer um título é importante, mas “erguer” uma equipe que estava em baixa como Benetton em 92/93 e Ferrari em 96, 03 e 05, tem valor especial, não é qualquer piloto que faz isso na F1, aliás, é coisa bem rara!!!

    Tentando, ajudar Rubinho a ser campeão em 02 e 04, muito complicado…

    Pois bem, inverti TODAS as posições entre Schumacher e Rubens(que chegaram juntos) na duas melhores temporadas de Rubens, 02/04, as outras temporadas foram desastrosas.

    Resumindo, fiz jogo de equipe a FAVOR de Rubens, e nem com ordem de equipe a FAVOR ele conseguiria o título, o que só coloca Rubens como piloto mais mediano que já é…

    Por favor não vem me choramingar, dizendo que a Ferrari “explodia” motores ou tirava cv de propósito para “ferrar” o Rubinho. Acreditar que os italianos fariam isso, sem chance, os italianos são fanáticos pelo carro, jamais sacaneariam o próprio F1, o carro Ferrari representa a Itália nas pista, cada italiano, seria uma traição ao próprio povo. Se a Ferrari “manipulou” alguns GPs, qual o problema, outras no passado também fizeram igual.

    Temporada 2002, 17 Corridas, pontuação da época: 10,6,4,3,2,1

    Ordens de equipe a favor de Rubens,5:
    IMO,AUT,ING,BEL,JPN

    Ordens de equipe a favor de Schumacher, nenhuma!

    Schumacher
    10,4,10,6,10,6,6,10,6,6,10,10,6,6,6,6,6
    Total=130 pontos

    Rubinho
    0,0,0,10,0,10,0,4,10,10,0,3,10,10,10,10,10
    Total=97 pontos

    Rubinho 9 vitórias em 2002.
    Schumacher 6 vitórias em 2002.

    Schumacher Campeão em 2002, mesmo com a Ferrari favorecendo Rubens o ano todo!!!

    Temporada 2004, 18 Corridas, pontuação da época: 10,8,6,5,4,3,2,1.

    Ordens de equipe a favor de Rubens,8:
    AUS,BHR,ESP,EUR,CAN,USA,HUN,BEL

    Ordens de equipe a favor de Schumacher, nenhuma!

    Schumacher
    08,10,08,10,08,0,08,08,08,10,10,10,08,06,08,0,10,02
    Total=132

    Rubinho
    10,05,10,03,10,06,10,10,10,06,06,0,10,08,10,10,0,06
    Total=130

    Rubinho 9 vitórias em 2004.
    Schumacher 6 vitórias em 2004.

    Schumacher Campeão em 2004, mesmo com a Ferrari favorecendo Rubens o ano todo!!!

    Rubinho é tão RUIM, que nem dando ORDENS para Schumacher ficar atrás consegue o título, barbaridade! A prova real da capacidade do Rubinho foi o ano de 2009, perdeu o vice para o novato Vettel que venceu 4 Gps, Rubens venceu apenas 2.

    Perder o título para o Button, tenha dó, o inglês na época era subestimado a pilotinho mediano, me lembro até hoje da pachecada comentar: “Rubinho vai massacrar Button em 2009″…que fiasco, Rubinho apanhou que nem gente grande do inglês…a Ferrari e Schumacher devem ter dado boas risadas. Rubinho como piloto sempre foi um coitado, bom piloto, mas muito longe dos grandes da história da F1.

    Com Relação ao Massa na Ferrari.

    Tudo se começa pelo começo, onde estava o Felipe ao final de 2005? Pois é, desempregado! E quem deu talvez, a última oportunidade ao Massa na F1? Ferrari…

    Entra o ano de 06, e Massa vai muito bem, vencedo duas corridas, uma justo no Brasil onde Rubens nunca venceu, e o melhor não reclama de nada ao lado do alemão.

    Saí Schumacher e entra Raikkonen(Felipe só pegou “osso”, Villeneuve, Schumacher, Raikkonen e Alonso, e nem por isso ficou fazendo confusão na equipe). Entra o ano de 07, Raikkonen vence a primeira corrida, mas depois começa fazer corridas “apagadas”, era o período de adaptação ao carro e a equipe italiana. Felipe mostra grande evolução e dá muito trabalho a Kimi, mas o brasileiro “perde” a mão do carro e Kimi reage vencedo o campeonato, lembrando que Massa ajudou Kimi no GP Brasil 07, mas Felipe fez uma boa temporada.

    Em 08 entre altos e baixos Massa supera Kimi(dessa vez foi o filandês que perdeu a mão do carro) a Ferrari não tem dúvidas, se quer o título é Massa a bola da vez(mesmo Kimi sendo primeiro piloto), mas infelizmenmte o título escapa na última corrida, lembrando que Kimi “devolveu” a ajuda deixando Massa passar no GP da China. Nada muda, ordens de equipe vai sempre favorecer quem esta a frente da tabela e se “entendendo” melhor com o carro, superando as adversidades das corridas. Chances matemáticas de um piloto pode barrar nas probabilidades…

    Em 09, Massa supera Kimi, mas a Ferrari não tem um bom ano, Felipe sofre acidente…adeus 2009.

    Saí Kimi entra Alonso em 2010, um piloto completíssimo, que leva tudo na base da “mão de ferro” como Schumacher, e os grandes campeões no passado, se tiver que jogar pesado(ou sujo) eles o fazem sem medo de críticas…

    Na primeira metade da temporada em 2010 Massa é facilmente superado pelo espanhol, Felipe não se entende com o carro, o culpado são os pneus, a Ferrari esboça reação a partir do GP da ALE, mas tem que eleger um piloto para brigar pelo título. Volta o jogo de equipe na ALE, Felipe dessa vez não gosta, mas não faz barraco…entende que é assim, com ele foi assim contra em 07, e a favor em 08.

    Sabendo que tudo vai ser a favor do espanhol a partir do GP da ALE, Felipe “aparentemente” faz corpo mole(ninguém fica deprimido ganhando 15 milhões por ano), mas pode fazer corpo mole…rs. Montezemollo exige ajuda de Massa nas últimas corridas, mas nada acontece. Alonso chega em Interlagos como o único piloto que pode ser campeão por antecipação…a Ferrari estava certa em fazer jogo de equipe na ALE, Alonso não foi campeão, mas não foi por muito pouco.

    Entra o ano de 2011, novo carro, novos pneus e Felipe faz uma temporada muito ruim(até pior que 2010), novamente não se entende com o carro, a culpa é novamente dos pneus(mas será que a molada não tem algo a ver com isso?). Se tudo parecia ruim, Felipe também sofre com o azar, a Ferrari não começa bem o ano, mas Alonso consegue tirar tudo do carro. Quando Felipe esboça reação se vê envolvido em vários acidentes onde sequer tem culpa, Mônaco com Hamilton, Itália com Webber, Cingapura novamente com Hamilton, fora problemas de quebras e erros dos boxes, mas isso acontecia também quando ele já estava atrás de Alonso. Felipe teve dois anos ruins em 2010 e 2011, e o maior problema não foi ordem de equipe, Felipe não se “achou” no carro…

    Mudar de equipe não vai melhorar muito, na RBR tem Vettel, na Mclaren tem Hamilton e Button em grande fase! Se Felipe continuar na Ferrari em 2012, já vai estar no lucro duas vezes, em equipe de ponta e ganhando muito bem.

    Dessa vez é a Ferrari quem esta fazendo um grande favor a Felipe, por desempenho já seria demitido se tivesse em outra equipe. Essa é a grande pergunta, quem vai querer Felipe rendendo pouco?

    Como podem ver, é muito complexo correr em uma equipe de ponta, quem quer ser campeão tem que mostrar que é fera logo de cara, se impor na equipe e botar pressão no companheiro, quando não consegue tirar tudo do carro, não resta muito o que fazer, caso do Webber e Felipe em 2011.

    • Marques disse:

      Ao Marcelo: Schumacher é melhor que Rubens, ponto. Pode escrever 129 páginas tentando defender o jogo de equipe de 2002, mas aquilo foi desnecessário e idiota, para dizer o mínimo. E apenas por um único motivo: o público dos anos 80 não é o mesmo dos anos 2000. As pessoas podem até ser as mesmas, mas as ideias são outras. Antes se achava normal os jogo de equipe, hoje o público acha rídiculo um piloto deixar o outro ganhar, a não ser que realmente o que deixa não tenha como competir e vencer o campeonato. Não tem nada a ver com ética , e sim, com o que o público gosta de assistir.

  6. cbar disse:

    Fernando, como de costume, seus comentários são claros e o raciocínio é lógico, mas gostaria de contribuir vendo este assunto por um outro ângulo, usando um pouco do que os blogueiros já citaram aqui: na ética pura do esporte, isto é a pior decisão possível sim, porém quem começou foi a Ford, tanto que a disputa está acirrada desta maneira por conta do uso de jogo da equipe.
    Então, se uma equipe faz, por quê a outra não pode fazer? Ok, ambos os pilotos da Citroën possuem grandes chances, mas já vimos a McLaren perder um título de pilotos para a Ferrari por deixar a disputa de seus pilotos totalmente franca.
    Será que a Citroën quer correr este risco? Eu não correria, pois o prejuízo (e inclui nesta conta o financeiro) seria grande e, aqui, temos que considerar que o esporte puro como víamos nas décadas de 1970 e 80 faze parte de um passado cada vez mais surrealista por conta das quantias envolvidas em um esporte caro como o automobilismo e, além disso, o triunfo de toda uma equipe deve ser mais importante que correr o risco de ver dois de seus pilotos perderem um campeonato por deixá-los um tirar ponto do outro.
    Digo tudo isso para poder discordar do título deste texto e dizer que, sim, um certo controle da situação faz-se necessário.
    Grade abraço!

  7. Diogo disse:

    E, mais uma vez, a Citroen “queima”um jovem talento para favorecer Loeb. Loeb é um piloto excepcional, mas não precisa de jogo de equipe para conquistar seus títulos. Deixando que o companheiro batalhe, a equipe pode desenvolver um novo piloto.

    Isso faz lembrar a Ferrari em 1999. Nunca valorizou nem desenvolveu Irvine, mas, quando Schumacher se machucou, a equipe depositou suas esperanças no irlandês, sem sucesso.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo