iG

Publicidade

Publicidade

Arquivo da Categoria 500 Milhas

18/08/2010 - 12:43

Caubói de Indianápolis

Compartilhe: Twitter

 
JOÃO PAULO BORGONOVE

Quando Tony George foi praticamente chutado da Indy, uma lacuna surgiu na categoria. Um dos principais responsáveis pela ruptura da verdadeira e antiga Indy estava sendo deposto de seu trono. Uma incógnita surgiu.

Mas os comandantes de Indianápolis deram o famoso pulo do gato e trouxeram o responsável por vermos, nas antenas parabólicas, aqueles rodeios espetaculosos estadunidenses, que cresceram em mídia e enriqueceram muita gente. Randy Bernard é o nome dele.

O dirigente, após 15 anos no ramo da montaria, assumiu o cargo de diretor-executivo da Indy. Sua missão? Tirar a categoria do buraco após a união da IRL com a saudosa Champ Car. Dar show, trazer audiência e dinheiro.

Bernard, que chegou em março, já dá seus passos. As 500 Milhas desse ano contaram com uma classificação inédita, dando pontos aos qualificados para a prova. Foi um sucesso, creio. Eu gostei. Teve super-pole e tudo mais.

Outra: o número de carros nas pistas cresceu. Temos 24 disputando a temporada toda. Teremos 29 em Chicago. Isso é bom, independente de alguns pé-de-zebras que correm na categoria. Tirando três ou quatro, o nível dos pilotos da Indy subiu. Os 20 primeiros, em mistos, sempre estão separados por apenas 1s. Nos ovais, não chega a isso no grid completo, contando Milka Duno.

Algumas das corridas estão chatas, é verdade. Culpa das pistas, creio. Mid-Ohio dá público, mas é muito chata. Edmonton é horrível. E assim vai. Bernard está cuidando disso. Trouxe Loudon de volta para 2011. Mas faltam outras clássicas, como Cleveland, Laguna Seca, Elkhart Lake, Fontana…

Em 2012 teremos um novo conceito de carros e de competição. Será interessante. É esperar pra ver. Mas, vá lá, melhorou muito, já.

Autor: - Categoria(s): 500 Milhas, F-Indy Tags: , , ,
17/04/2010 - 17:58

A maior vitória

Compartilhe: Twitter

Mas foi em uma sexta-feira. A grande vitória de Helio Castroneves na vida aconteceu há exatamente um ano. Em 17 de abril de 2009, coincidentemente às vésperas da etapa de Long Beach da Indy, quando foi considerado inocente das acusações de evasão fiscal e conspiração fraudulenta nos EUA. O piloto da Penske ouviu o veredito do juiz Donald Graham, em Miami, na tarde daquela sexta com enorme alívio.

Ainda em Miami, o brasileiro recebeu o telefonema de Roger Penske, parabenizando pela conquista e alertando que um avião estava pronto para levá-lo para a Califórnia. O carro 12 do time o esperava.  Helio correu naquele final de semana depois de perder a primeira etapa do ano, disputada em São Petersburgo, por conta do julgamento.

Além de Castroneves, a irmã Katiucia e o advogado Alan Miller também foram inocentados dos seis crimes que respondiam na justiça norte-americana. Os três, se condenados, poderiam pegar até 35 anos de prisão.  Helio ainda terminaria o campeonato na quarta colocação. Mas o que mais impressionou mesmo foi a vitória nas 500 Milhas de Indianápolis, que praticamente sepultou de vez o fantasma do processo na justiça.

A assessoria de imprensa do piloto brasileiro também relembrou o fato. O texto a seguir é assinado por Américo Teixeira Jr, que teve também seu papel no processo de Castroneves.

Foram 47 dias de julgamento e a defesa dos Castroneves teve a condução dos advogados Roy Black e Howard Srebnick. Nesse período, enquanto Promotoria e Defesa se esmeravam para provar suas respectivas teses, diversas testemunhas passaram pelo plenário do júri, dentre eles muitos brasileiros que para Miami se deslocaram para prestar testemunho de idoneidade e correção do piloto e sua irmã.

Lá estiveram o ex-piloto e comentarista Eduardo Homem de Mello, o empresário Raul Seabra, o chefe de equipe Amir Nasr, a empresária Renata Pepe, a secretária Heloisa Azevedo, o perito em segurança José Salles, a advogada Marina Salles, o ex-juiz Dr. José Maria Costa e o jornalista Américo Teixeira Jr.

Ao final daquela tarde, Castroneves seguiu direto do tribunal para o aeroporto. Roger Penske, sem que o piloto tivesse tido tempo ainda de avisá-lo do veredito, já estava informado e ligou para ele já na saída da Corte e disse, após parabenizá-lo pela vitória. “O avião está te esperando aí no aeroporto e seu carro está aqui. Venha, pois estamos lhe esperando”.

E foi no dia 17 de abril de 2009, absolvido e voando para a Califórnia que Helio Castroneves “renasceu” para sua carreira e as ruas de Long Beach, local da prova deste domingo, transformaram-se nesse grande março de um recomeço.

De fato, não há dúvida sobre o recomeço.

Autor: - Categoria(s): 500 Milhas, F-Indy Tags:
25/05/2009 - 14:33

O carro mais feio

Compartilhe: Twitter

Na quinta passada, o Victor entrevistou Thiago Medeiros, campeão da Indy Pro Series (nome da Indy Lights à época) em 2004. Entre outros assuntos, o piloto falou sobre a classificação para as 500 Milhas de Indianápolis pela PDM, usando peças emprestadas de outras equipes, e brincou que aquele foi o carro mais feio que já correu em Indianápolis. Não lembrava do fato e procurei imagens. Para quem também não lembrou ou ficou curioso, aí vai:

É, o Thiago tinha razão. Aí ontem, outro carro me chamou a atenção: era o do Nelson Philippe, também em Indy. Evidentemente, é outro grau de feiúra, mas… O pessoal não poderia pensar numa pintura melhor?

E vocês? Lembrem de carros que acham feios, de hoje ou do passado. Vale qualquer categoria. Se o número e as opções forem interessantes, prometo que faço uma galeria de fotos só com os que vocês sugerirem. 

[Felipe Paranhos]

Autor: - Categoria(s): 500 Milhas, F-Indy, Sem categoria Tags: ,
18/05/2009 - 10:59

Politik

Compartilhe: Twitter

Pois, os nobres comentaristas acertaram a mão na primeira pergunta feita pelo Felipe, sobre o que deveria fazer Alex Tagliani. A Conquest agradeceu Bruno Junqueira pela classificação, prometeu uma carta de recomendação no futuro e deu o carro do brasileiro ao canadense, que vai disputar as 500 Milhas de Indy. Aposto um café com quem quiser que o Tagliani não completa essa bagaça — e mais: um EXU baixou em mim agora e disse que ele vai bater na volta 28. Melhor não duvidar.

Do outro lado do Atlântico, Max Mosley diz que os times que não enviarem suas inscrições a tempo podem fazer isso depois, mas pagando multa e só com espaço disponível. Mas, pouco a pouco, começa a baixar o tom.

Se bem que essa versão atacada do Mosley parece dar sempre um tiro e um afago. Em um dia, detona a Ferrari; no outro, avalia a possibilidade de os times participarem. Assim, mantenho minha outra aposta: logo essa bobagem toda vai ser contornada, e a F1 segue como dantes em 2010.

Ainda bem que ninguém aposta comigo, senão corria o sério risco de ficar (ainda mais) pobre. Mas, seguimos.

Ah, sim, o título do post rende uma homenagem a uma das grandes bandas da atualidade.

Abraços,
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): 500 Milhas, F-Indy, F1, Regulamento de 2010 Tags: , , ,
Voltar ao topo