Publicidade

Publicidade

Arquivo da Categoria GT Brasil

31/08/2010 - 16:35

Corinthians e o automobilismo brasileiro, uma relação vitoriosa

Compartilhe: Twitter

FERNANDO SILVA

Um dos clubes mais populares do Brasil comemorará nesta quarta-feira (1), 100 anos de história, conquistas, sofrimento e glórias. Mas você haverá de perguntar. O que o Corinthians tem a ver com automobilismo, nosso tema principal aqui? Muito, meu caro.

Para ficar apenas no campo da F1, dá para elencar pilotos do passado e do presente identificados com o time. Há relatos que Emerson Fittipaldi disputou várias provas nos anos 70 com a camisa do Corinthians por baixo do macacão, justamente na época do jejum de títulos alvinegro, época que teve fim em 1977. Foi o primeiro piloto brasileiro de grande destaque internacional a assumir a paixão pelo clube e inaugurar uma relação vitoriosa.

Ayrton Senna também se declarou torcedor do Timão, mas não roxo, como o próprio piloto confirmou em entrevista ao “Roda Viva” da TV Cultura, em 1986. Entretanto, o sucesso daquele que anos mais tarde seria tricampeão de F1 fez a torcida alvinegra adotá-lo como um dos símbolos do corintiano que deu certo. Até hoje, Senna é retratado em bandeiras e camisetas que também remetem ao Corinthians.

Quem também assumiu a paixão pelo clube alvinegro de Parque S. Jorge foi Rubens Barrichello. O paulistano é visto frequentemente circulando pelo paddock dos autódromos pelo mundo com a camisa do clube. Recentemente, o piloto da Williams, que também comemorou uma marca centenária nesta semana — 300 GPs —, esteve presente à sede do Timão e foi recepcionado por Ronaldo e Roberto Carlos. Ainda sobre os pilotos da atual temporada, Bruno Senna também herdou a preferência futebolística do tio.

Mas a presença do Corinthians não se resume apenas à torcida dos pilotos. Muito pelo contrário até. Embora seja considerada mais uma ação agressiva de marketing do que uma intenção de se firmar no automobilismo, o fato é que 2010 marcou a ascensão do alvinegro nos autódromos do Brasil. Desde a elitistas Stock Car e GT Brasil, até a popular F-Truck, o time se faz presente, com relativo destaque. A presença do clube paulista nas pistas não se resume somente ao Brasil, já que também compõe o grid da F-Superliga [a exemplo do Flamengo] há dois anos.

Se não dá para dizer que a história do Corinthians se confunde com o automobilismo brasileiro em si, é possível concluir que ambos têm uma história semelhante: superação, lutas, suor, lágrimas, derrotas, vitórias, fracassos e muitos títulos. Que venham muitos outros centenários.

Autor: - Categoria(s): Barrichello, F-Superliga, F-Truck, F1, GT Brasil, Sem categoria, Stock Car Tags: , , , , , ,
26/04/2010 - 12:23

GT Brasil, menos para Santos, Campinas e RS

Compartilhe: Twitter

A expectativa foi criada para a estreia do GT Brasil na tela da RedeTV!. Enfim, a categoria nacional teria um espaço na TV aberta, a grande oportunidade de ser difundida nacionalmente. Eu, em Santos, estava preparado para ver a etapa de Curitiba. Quando deu 13h e coloquei na RedeTV!, tenho uma surpresa: nada de GT Brasil. A afiliada da Baixada Santista e Campinas, a Rede VTV, preferiu exibir um programa de produção independente, horário locado.

A mesma coisa aconteceu no Rio Grande do Sul, com a TV Pampa, afiliada da RedeTV! em terras gaúchas. O que é uma prática comum por lá. Segundo relato de Eduardo César, que cuida do site “Papo de Bola”, a TV Pampa não passa quase nenhum evento esportivo da RedeTV! – Série B do Brasileiro, Liga Europa, GT Brasil, Copa Montana, entre outros.

Pelas informações dos internautas pelo Brasil afora, via Twitter, Baixada Santista, Campinas e Rio Grande do Sul foram as únicas regiões a perderem a corrida sob chuva vencida pela dupla formada por Daniel Serra e Chico Longo. Mas é possível que isso também tenha acontecido em outras cidades.

O acordo do GT Brasil com a RedeTV! é algo para ser muito celebrado porque já é um grande avanço para o automobilismo nacional, tão castigado nos últimos anos. Qualquer esporte precisa de divulgação. Uma transmissão em canal aberto é peça fundamental para que uma modalidade faça sucesso e seja popular.

Só que é aquela coisa: tem de ser difundido para todo o Brasil. Não adianta fazer de um jeito em alguns pontos do país e de uma maneira diferente em outros. O GT Brasil vai passar pelo Rio Grande do Sul, no Velopark. E não é exibido pela afiliada gaúcha da RedeTV!. Há cabimento nisso?

As afiliadas precisam seguir as regras da rede nacional. É o que acontece, por exemplo, na Globo. As TVs locais têm seus horários para produzir programas próprios. Mas se há um evento de apelo nacional, a Globo exige a exibição do evento, e as afiliadas que arrumem um jeito de se adaptar à programação para todo o Brasil.

Pelo o que pude apurar, isso não acontece na RedeTV!. Ao ponto de a TV Pampa ter quase uma programação própria, à parte do canal nacional. Desse jeito, fica difícil saber se realmente se trata de afiliada. Mas isso é um problema que cabe à RedeTV!.

Agora, o GT Brasil não pode ser refém desse esquema de trabalho. Ao fazer o acordo com o canal, a ideia era mostrar a categoria para todo o país. Depois desse domingo, acredito que os promotores da categoria devem se sentar com os diretores da emissora e exigir a exibição das provas para todo o Brasil.

Afinal de contas, é o GT BRASIL. Não é o GT Brasil, menos as cidades de Santos, Campinas e Porto Alegre, que ficam com um programa qualquer.

Marcus Lellis – @marcuslellis / Lellisblog

Autor: - Categoria(s): GT Brasil Tags: , , , , , , ,
Voltar ao topo