Publicidade

Publicidade

Arquivo da Categoria Kart

07/04/2011 - 14:39

Kart rocks

Compartilhe: Twitter


FERNANDO SILVA [@Fernando_Silva7]

SUMARÉ — Como sempre acontece quando o Iron Maiden aporta aqui no Brasil, Bruce Dickinson aproveita o intervalo entre um show e outro para fazer seu rolezinho de kart. Um dos maiores nomes do metal é apaixonado por aviões e esportes. O vocalista já representou a Grã-Bretanha no campeonato europeu de esgrima. Mas o assunto aqui hoje não é sobre espada, sabre ou florete.

Antes do último show do Iron em Curitiba, Bruce acelerou um kart em São José dos Pinhais, em companhia de profissionais como Júlio Campos e Ricardo Zonta. Apesar de não ser um profissional da área, o britânico demonstrou muita habilidade e teve seu desempenho bastante elogiado pelos pilotos da Stock Car.

Mas além do rolê do Bruce no kart em si, claro que isso é apenas uma deixa para ter um motivo para postar um vídeo aqui, como já fizeram muito o Chico Luz e o Borgo enquanto estiveram aqui no Grande Prêmio, por exemplo. Não é por nada não, mas esse som do Dickinson é espetacular. Curta até o fim!

Autor: - Categoria(s): Kart, Música, Stock Car Tags: , , , , , , , ,
02/04/2011 - 17:55

Vai bem

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Kevin Abbring (HOL), Paul-Loup Chatin (FRA), Albert Costa (ESP), Alon Day (ISR), Phillip Eng (AUS), Robin Frijns (HOL), Timmy Hansen (SUE), Egon Kaur (EST), Andreas Mikkelsen (NOR), Alexander Rossi (EUA), Richie Stanaway (NZL) e Stoffel Vandoorne (BEL). Prazer.

Savannah Megan Courtenay (ESP), Melissa Calvi (LUX), June Mali Jahnsdatter Blad (NOR),
Lucile Cypriano (FRA), Lubov Andreyeva (CAZ), Hannah Pym (GBR), Kim Oomen (HOL), Bianca Cristina Anton (ROM), Caitlin Wood (AUS), Idil Gökmen (TUR). Prazer.

Vocês estão devidamente apresentados.

Os primeiros, alguns devem imaginar, são os pilotos da Academia de Jovens da FIA, lançada no início de fevereiro. As garotas, por sua vez, foram as escolhidas no último dia 31 para a Academia de Kartistas da entidade.

Perceberam alguma coisa nesses 22 nomes? Nenhum é da América do Sul. São três holandeses, dois rapazes e uma menina, dois franceses, espanhóis e australianos — nestes casos um garoto e uma garota —, pilotos de Israel, Suécia, Estônia, Estados Unidos, Nova Zelândia e Bélgica, e pilotas de Luxemburgo, Cazaquistão, Inglaterra, Romênia e Turquia.

Nenhum brasileiro, argentino, até mesmo da Colômbia ou da Venezuela, países em alta no automobilismo mundial. Nas duas hipóteses possíveis, as nacionalidades incluídas na relação exemplificam uma condição sintomática.

Situação 1 | A América do Sul não produz tantos jovens pilotos quanto antigamente, seja para o rali, para monopostos ou ainda no kartismo. Sendo assim, países que estão em crescimento, caso da Noruega, são agraciados com oportunidades que poderiam ser dos latinos. Não acredito nisso, continuam saindo grandes talentos do Brasil, por exemplo.

Situação 2 | A Codasur — Confederação Esportiva Automobilística Sul-Americana — e suas afiliadas, incluindo a lamentável CBA, têm peso nulo na hora de influenciar este tipo de escolha. Representação zero lá fora. Não à toa, dos 24 conselheiros da FIA, três são da América do Sul — o dominicano Henry Krausz, o paraguaio Hugo Mersan e o italiano Vincenzo Spano, que, apesar de sua nacionalidade, cresceu e é dirigente pela Venezuela. Os três países são minúsculos em termos de força no esporte. É nessa situação que eu acredito.

Autor: - Categoria(s): F1, Kart, Rali Tags: , , , ,
28/01/2011 - 15:17

O fim futuro

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Antes mesmo de ser doado oficialmente à Confederação Brasileira de Judô para a construção do Centro Internacional de Treinamento, o Kartódromo Ayrton Senna, em Lauro de Freitas, já vinha sendo sucateado pelos eventos musicais realizados no local. O último deles, o Reggae Power Festival, com 11 bandas do ritmo, aconteceu no dia 7 de dezembro e deixou marcas profundas no local. Antes disso, no mês anterior, houve o Desafio Internacional de Supermoto.

De acordo com o site “Allkart.net”, os dois eventos deixaram uma conta de energia no valor de R$ 4 mil, além de custos de reconstrução estimados em R$ 10 mil, tudo pago pela Associação Baiana de Kart (ABK).

O pessoal do Allkart (boa, Nei) nos cedeu essas fotos aqui, via ABK. Comento mais abaixo.

Não conheço profundamente a presidenta da Federação de Automobilismo da Bahia, Selma Morais. Somente de entrevistas e tal. O que eu sei é que, ao menos em atitudes públicas, ela dá um duro grande pra fazer o esporte a motor ser respeitado por essas plagas. Quando ela diz que “já é hora de a Bahia ter um autódromo”, está dizendo a verdade.

Pelo que pareceu nos dois anos de Stock aqui — o segundo menos, por uma divulgação mais fraca, ano de eleição e tal — e em corridas outras, como na F-Renault em 2005, há muito público pro automobilismo, gente que paga pra ver. Ótimo que construam um centro de excelência de judô, até por ser algo top, para formar atletas top, mas a terceira maior cidade do país ficar sem kartódromo, sendo que já não tem autódromo, é duro.

Só que vergonha não é simplesmente não ter automobilismo forte na terceira maior cidade do país. É não ter vôlei (joguei voleibol de base, vi de perto que lixo é o vôlei daqui, apesar dos esforços de técnicos e potenciais jogadores), basquete… Enfim. A Bahia é como um monte de lugares no Brasil: vive de duas ou três revelações esporádicas (Luiz Razia, Tony Kanaan), que nascem exclusivamente do suor de suas famílias e/ou da migração rápida para outros lugares.

Essa semana eu tava conversando com o pessoal da redação e falando sobre como existe o risco de, nos próximos anos, não haver brasileiro nenhum na F1, não por conta da falta de talento do pessoal daqui — existe uma infinidade de pilotos que poderiam facilmente chegar lá —, mas porque não vai ter onde revelar, onde começar a correr… Não duvido que os mais ricos saiam daqui cedo pra correr por outra bandeira, como, por exemplo, faz — muito bem — o tenista Christian Lindell.

Parece uma análise (rasa, porque isso merece uma discussão bem maior) catastrofista, mas começo a acreditar que as sucessivas gestões pífias do automobilismo brasileiro vão, sim, destruir o esporte. Veja com um olhar frio: o Brasil só recentemente virou um país médio, o chamado ’em desenvolvimento’ ou um desses nomes que criam e mudam a cada década. Em suma, um país muito pobre por muito tempo, e ainda cheio de miseráveis, apesar dos avanços.

O que explica um país deste ser potência no automobilismo? Entre outros motivos, a tradição. O fato de que, quando fazer esporte-motor era possível com disposição e conhecimento técnico, surgiram Lettrys, Balders, Pereira Buenos, Landis, Fittipaldis, Dias Ribeiros, gente assim. Criou-se uma cultura do esporte. Neste automobilismo de hoje, no qual sem muito dinheiro você não chega a lugar algum, no dia em que o Brasil parar de dar condição a alguns poucos, nunca mais vai se reerguer.

Desculpaí o desabafo.

Autor: - Categoria(s): F1, Geral, Kart, Stock Car Tags: , , , , ,
18/12/2010 - 16:15

Apenas um mal-entendido

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

O Desafio das Estrelas de Kart foi alvo de uma polêmica virtual neste sábado (18). Começou quando Danilo Dirani e Ruben Carrapatoso, dois ótimos pilotos — Ruben foi campeão mundial na categoria Formula A em 1998, com André Nicastro em terceiro —, emendaram uma conversa no Twitter.

Na noite de sexta-feira (17), Carrapatoso fez um comentário ironizando a imprensa automobilística. “Estranho? Final de ano é a unica epoca do ano q os jornalista se lembram de existe o KART !!! #fail”. Em seguida, acrescentou: “PQ SERÁ?”, antes de dar a entender que as “estrelas” do Desafio vieram do kartismo.

Danilo, então, questionou: “E pq sera q n tem kartista la ne man??Medo talvez??haha”. Em clima de brincadeira, aprovou o comentário de um seguidor que perguntou se o não-convite a kartistas era por medo de “tomar passão por fora na TV”.

Piloto da F-Truck, Dirani explicou, logo depois, que não fazia tais afirmações por querer estar em Florianópolis, mas por querer mais atenção para o kart durante o ano, não só quando pilotos de outras categorias fazem a festa de fim de temporada.

O assunto parecia ter acabado quando Tony Kanaan retrucou. “Por essas e outras e que o Kart não e mais o mesmo. O recado ta dado. Mais respeito e bom. Provas como essa e a da Granja só ajudam o kartismo”. Thiago Camilo, piloto da Vogel na Stock Car, concordou com Tony. Em resposta, o baiano endureceu: “Por isso que vão correr de Kart pro resto da vida. Cabeça pequena não vai a lugar nenhum.”

E continuou. “Ninguém tem medo d tomar pau aqui,não e esse o propósito da prova.Quando vcs ganharem um campeonato Mundial em uma categoria principal. Aí quem sabe podem começar a falar tanta besteira. Usem o exemplo Granja e Desafio que se ajudaram e cresceram juntos”. No fim, com personalidade, Tony citou os twitters de Danilo e Ruben.

Explicado o que aconteceu, falo eu. E, sem querer ficar em cima do muro, acho que os dois lados têm razão e perdem um pouco da razão também. A imprensa automobilística dá, sim, muito menos atenção ao kart do que às outras categorias. Primeiro pela noção de que kart é escola para outras categorias, mesmo não sendo só isso. E trata-se de uma noção mundial, não só brasileira. Em segundo lugar porque essa noção é secular, e o tamanho da cobertura jornalística de qualquer lugar mais reflete do que alimenta interesses por algum assunto.

Entendo, porém, que deve ser uma merda se dedicar o ano inteiro ao kartismo e ver, no fim do ano, pilotos de monoposto terem tanto espaço fazendo justamente o que eles fazem por seguidas temporadas. Só que trata-se de um evento privado. Como tal, convida-se quem quiser — e quem seus parceiros quiserem.

O kartismo está representado na prova. Leonardo Nienkötter, representante catarinense, é kartista, conquistou o Brasileiro de Kart e o SKUSA Super Nationals nos Estados Unidos neste ano, em que estreou no Trofeo Linea. Até acho que a família Massa poderia convidar mais gente do meio, mas tem o direito de não fazer. Pode-se falar da presença de um não-piloto, o ator Marcos Pasquim, mas a mim parece claro que a participação dele é uma concessão feita pela organização da prova à TV Globo — conforme já falei em post passado, Pasquim será o protagonista da próxima novela das 7. Concessões são feitas mundo afora, em qualquer negócio/empresa. E, afinal, a Globo transmite as baterias da prova em seus canais aberto e fechado, e isso gera interesse para o kart, tão caro e massacrado por gestões e gestões da Confederação Brasileira de Automobilismo.

É evidente que pilotos consagrados, que demonstram talento e habilidade por anos a fio, não têm medo de enfrentar kartistas profissionais. Achei que a declaração do Danilo sobre o medo foi em tom de brincadeira, mas a linguagem escrita não tem os recursos da falada e às vezes causa um entendimento confuso. Pra mim trata-se de um grande mal-entendido.

Nesta, eu tô com o Allam Khodair, que sempre me pareceu boa gente pacas e segurou a onda da rapaziada no Twitter. Bola pra frente, pessoal.

Autor: - Categoria(s): Kart Tags: , , , , , , , , ,
25/11/2009 - 11:00

Santander – Massa: Desafio e 500 Milhas

Compartilhe: Twitter

Felipe Massa estampará a marca do Santander, que recentemente anunciou acordo com a Ferrari para os próximos anos, nas duas competições de kart mais importantes de fim de ano no Brasil. O piloto terá o patrocínio do banco espanhol tanto no Desafio das Estrelas, que acontece neste final de semana em Florianópolis, quanto nas 500 Milhas da Granja Viana, que serão realizadas no início de dezembro, entre os dias 4 e 5.

A confirmação do apoio do Santander não chega a ser uma surpresa, mas é algo que só deveria acontecer na próxima temporada da F1, quando a Ferrari passar a exibir a marca nos carros e nos macacões dos pilotos.

Autor: - Categoria(s): F1, Kart Tags: , , , ,
19/09/2009 - 18:41

Alain Prost brasileiro

Compartilhe: Twitter
Terena treinando para as 500 Milhas

Terena treinando para as 500 Milhas

Assim como repórteres de futebol se metem a bater uma bola de quando em quando, o pessoal que mexe com corridas também acha que sabe acelerar mais do que a média. Em alguns casos, no entando, é verdade; em outros, nem tanto — Marcus Lellis, por exemplo, conseguiu ser o último colocado em uma prova de kart promocional há pocuso dias, enquanto Felipe Paranhos faz fiasco até nos computadores.

Do lado positivo da face corredora do GP, não posso deixar de citar Bruno Terena. O nosso fotógrafo oficial, considerado pela ala mais animada do automobilismo nacional o homem mais bonito a frequentar os paddocks do Brasil – ao menos, foi o que me disseram – , vem pisando fundo na preparação para as 500 Milhas da Granja Viana.

Mas o grande destaque nem é esse. Fuçando os arquivos do grande Blog do Pandini, descobri que a fama do Terena é tão grande que os caras ESCULPIRAM UM MORRO em sua homenagem. Vejam só:

Homenagem feita enquanto Terena dormia

Homenagem feita enquanto Terena dormia

Parabéns, Terena! E vê se honra o nome do GP nas pistas; alguém tem que fazer isso de uma maneira decente.

Abraços,
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): Kart, Música Tags: ,
30/06/2009 - 10:57

Folga de piloto

Compartilhe: Twitter

Você fica curioso para saber o que os pilotos fazem enquanto estão de folga? Pois veja só:

Imagens cortesia da Hyset, e o piloto que levou a câmera onboard foi o Carlos Almeida (conhecido aqui e alhures como Casé), de 15 anos. Nos links depois do vídeo, há a continuação da corrida, que ele levou. E, sim, aqueles capacetes e macacões são de quem vocês estão imaginando, mesmo.

Abraços,
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): Kart Tags: ,
Voltar ao topo