Publicidade

Publicidade

06/01/2011 - 12:47

Power Farce

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Como vocês sabem, a pulseira Power Balance fez imenso sucesso no mundo inteiro com suas promessas. Segundo a fabricante, o uso do produto melhora o “fluxo de energia”, a força, a flexibilidade e o equilíbrio. É uma pulseirinha de silicone com um holograma no meio.

Nesta semana, depois de enquadrada por propaganda enganosa na lei do consumidor da Austrália, a Power Balance reconheceu, em comunicado, que não existe nenhuma evidência dos efeitos que eles diziam ser verdadeiros em suas peças publicitárias. “Admitimos que não há provas científicas credíveis que sustentem as nossas afirmações. Se você acha que foi enganado por nossas promoções, queremos pedir desculpas e oferecer um reembolso total.”

Pois. Entrei no site. Cinco atletas dão testemunho da eficiência do produto. Ekolu Kalama, do paddleboard, Shaq O’Neal, do basquete, Scott Kazmir, do beisebol, Teemu Selanne, do hóquei, e…

Rubens Barrichello, creditado como “duas vezes campeão do mundo”.

“No carro, você precisa ser flexível, precisa ser parte do carro, não pode ser somente um robô, precisa ser um só.”

“Quando uso a Power Balance na F1, vou ao limite da minha velocidade.”

“Coincidência ou não, a primeira vez que usei numa corrida, eu ganhei.”

É…

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , ,
31/08/2010 - 16:35

Corinthians e o automobilismo brasileiro, uma relação vitoriosa

Compartilhe: Twitter

FERNANDO SILVA

Um dos clubes mais populares do Brasil comemorará nesta quarta-feira (1), 100 anos de história, conquistas, sofrimento e glórias. Mas você haverá de perguntar. O que o Corinthians tem a ver com automobilismo, nosso tema principal aqui? Muito, meu caro.

Para ficar apenas no campo da F1, dá para elencar pilotos do passado e do presente identificados com o time. Há relatos que Emerson Fittipaldi disputou várias provas nos anos 70 com a camisa do Corinthians por baixo do macacão, justamente na época do jejum de títulos alvinegro, época que teve fim em 1977. Foi o primeiro piloto brasileiro de grande destaque internacional a assumir a paixão pelo clube e inaugurar uma relação vitoriosa.

Ayrton Senna também se declarou torcedor do Timão, mas não roxo, como o próprio piloto confirmou em entrevista ao “Roda Viva” da TV Cultura, em 1986. Entretanto, o sucesso daquele que anos mais tarde seria tricampeão de F1 fez a torcida alvinegra adotá-lo como um dos símbolos do corintiano que deu certo. Até hoje, Senna é retratado em bandeiras e camisetas que também remetem ao Corinthians.

Quem também assumiu a paixão pelo clube alvinegro de Parque S. Jorge foi Rubens Barrichello. O paulistano é visto frequentemente circulando pelo paddock dos autódromos pelo mundo com a camisa do clube. Recentemente, o piloto da Williams, que também comemorou uma marca centenária nesta semana — 300 GPs —, esteve presente à sede do Timão e foi recepcionado por Ronaldo e Roberto Carlos. Ainda sobre os pilotos da atual temporada, Bruno Senna também herdou a preferência futebolística do tio.

Mas a presença do Corinthians não se resume apenas à torcida dos pilotos. Muito pelo contrário até. Embora seja considerada mais uma ação agressiva de marketing do que uma intenção de se firmar no automobilismo, o fato é que 2010 marcou a ascensão do alvinegro nos autódromos do Brasil. Desde a elitistas Stock Car e GT Brasil, até a popular F-Truck, o time se faz presente, com relativo destaque. A presença do clube paulista nas pistas não se resume somente ao Brasil, já que também compõe o grid da F-Superliga [a exemplo do Flamengo] há dois anos.

Se não dá para dizer que a história do Corinthians se confunde com o automobilismo brasileiro em si, é possível concluir que ambos têm uma história semelhante: superação, lutas, suor, lágrimas, derrotas, vitórias, fracassos e muitos títulos. Que venham muitos outros centenários.

Autor: - Categoria(s): Barrichello, F-Superliga, F-Truck, F1, GT Brasil, Sem categoria, Stock Car Tags: , , , , , ,
21/10/2009 - 01:10

Frustração garantida

Compartilhe: Twitter

Está lá, no livro de São Francisco, capítulo 4, versículo 10:

Se tudo correr como esperado, vai ser o quinto ano consecutivo que o campeão será conhecido após as 73 voltas em Interlagos. E, se a situação correr como o previsto, mais uma vez um piloto brasileiro será derrotado na briga pelo título correndo em casa.

Eu poderia ser CHAUVINISTA PRA CARALHO com a grande maioria dos 43 comentários feitos que me xingaram, deturparam o que eu disse, me acusaram até de TORCER para o Button e coisas similares. Mas não: vou ser apenas magnânimo e dizer que isso, como já havia sido EXPLANADO, era normal e esperado.

Button fez o que precisava – aliás, fez até mais do que isso, pois teve uma corrida realmente impecável. Se o sábado do inglês foi de terror, o domingo deve ter gerado uma EXPLOSÃO de alegria poucas vezes vista. Afinal, o cara conseguir chegar em quinto, após largar em 14º, e conquistar o título com o rival largando na pole, é pra CHORAR no cantinho e agradecer, não?

Performance de campeão, sem dúvidas.

Mas aí vamos ao outro ponto da PROFECIA cometida por mim lá no início do mês, pouco depois do GP do Japão:

O histórico do veterano da Brawn na sua prova local é bastante fraco, com apenas quatro finalizações entre os pontos em 16 provas, e um solitário pódio em 2004

Claro que a maioria das pessoas LEU MAL e não entendeu que eu disse que Barrichello andava mal em Interlagos — como, de fato, não anda: ele manja do circuito, como manja de todos na sua maioria, experiente e bom piloto que é. Mas Rubens, de fato, não costuma contar com a sorte na zona sul de São Paulo.

Não que ele fosse ganhar: o safety-car no início arruinou completamente suas pretensões de vitória, e a chuva que não caiu acabou detonando tudo. Mas aquele pneu furado no fim foi muito triste. Ele merecia, pelo ano que teve e a história de filme infantil que protagonizou neste ano, chegar ao menos no pódio. Não deu, o que é uma pena, mas que apenas comprova o que eu já havia dito.

Enfim… o título de Button foi merecido. Ele não é um piloto brilhante? Nunca foi, assim como nunca o foram Damon Hill, Keke Rosberg, Alan Jones e os outros caras comumente citados em listas do gênero. Mas ninguém que vence seis corridas em sete é ruim ou não merece vencer. Foi o seu ano, a sua grande chance, e ele aproveitou. Os méritos estão todos aí.

Resta agora aguardar por 2010. Se tudo se desenhar como EU espero, vai ser um ano do cacete, rivalizando em emoção com 2008, mas com menos BICHICES extra-pista. Ferrari forte, McLaren também, Red Bull e Brawn seguindo um bom momento e Renault em cima… vai ser massa.

Confiem em mim. Já provei que entendo do futuro.

Com a luz da lua,
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , ,
04/10/2009 - 10:00

Frustração anunciada

Compartilhe: Twitter

O GP do Brasil deve, mais uma vez, definir o Mundial de Pilotos. Se tudo correr como esperado, vai ser o quinto ano consecutivo que o campeão será conhecido após as 73 voltas em Interlagos. E, se a situação correr como o previsto, mais uma vez um piloto brasileiro será derrotado na briga pelo título correndo em casa.

O panorama era mais ou menos o mesmo na disputa Hamilton-Massa do ano passado, apesar de o piloto da Ferrari ter uma desvantagem menor do que a existente hoje entre os dois companheiros da Brawn. E Massa, por conta das circunstâncias, conseguiu aquela coisa incrível de ser o virtual campeão por 30 segundos. Mas existia um fator que contribuía para que os seus torcedores acreditassem em um milagre: Felipe é, hoje, o grande especialista de Interlagos no grid.

Não é o caso de Barrichello. O histórico do veterano da Brawn na sua prova local é bastante fraco, com apenas quatro finalizações entre os pontos em 16 provas, e um solitário pódio em 2004. Além disso, mesmo que Rubens consiga manter a briga em aberto após vencer em Interlagos, ainda vai precisar descontar a desvantagem que existir após a corrida em Abu Dhabi, onde ninguém sabe o que pode acontecer.

Por isso, sejamos francos: o título já é de Button. Claro que a F1 é um esporte, e no esporte qualquer coisa pode acontecer – eu comemorei a maior conquista da minha vida com um gol do Adriano Gabiru! Então, que Barrichello mantenha a esperança. Mas que também – como tem feito, aliás – mantenha a serenidade e saiba que, muito provavelmente, o resultado em São Paulo vai significar o fim das suas chances de ser campeão.

A trilha de hoje é apenas uma das maiores músicas da história, e como estou com sono, não quero justificar. Aproveitem:

Abraços,
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , ,
09/06/2009 - 08:36

Mais do mesmo

Compartilhe: Twitter

O comentário a seguir me chamou a atenção:

Tiago S.

Caraca galera, não levem a mal, sou fã do conteúdo do Grande Prêmio e vocês que mantem esse conteúdo top de linha. Quando ví que vocês criaram um blog achei o máximo, porque de fato curto o conteúdo que vocês publicam, estava esperando ótimas histórias por aqui.

Acredito que todos vocês tem seus motivos, mas se for pra se resumir a um blog que é mantido pelo Felipe (que já tem o seu) a post’s a cada 2 ~ 3 dias, francamente não me entusiasma muito vir aqui.

O Tiago tem toda a razão. O problema, ao menos para mim, é que a F1 se tornou uma das coisas mais CHATAS e PEDANTES de toda a civilização ocidental nos últimos dois meses. Se vocês já devem estar ANOJADOS de ler matérias falando basicamente sobre as mesmas coisas — Fota, briga política, FIA, biriri e bororó —, imagina ter que escrever todo dia sobre o mesmo assunto, e ainda tentar encontrar um viés diferente.

Dureza, né? Poizé.

Dentro das pistas, a situação também é maçante, apesar de eu achar genial ver alguém desempenhando ao máximo o seu papel e fazendo as coisas com perfeição. Longe de querer comparar um com o outro, mas eu acordava cedo — ou nem dormia… — para ver Michael Schumacher passear solito e fagueiro em 2004, e hoje sou pago para fazer o mesmo com o Button.

O busílis, aqui, é que tu fica realmente desanimado ao ver o que acontece com o seu companheiro de time. Já dei minha opinião sobre Rubens Barrichello aqui, e a coisa também parece estar parada no mesmo lugar (pun intended).

Mas vamos mudar isso, prometo. Afinal, a gente ainda consegue se divertir nos longos — loooooongos mesmo — períodos de plantão, então dá para tirar algo que se aproveite. Aguardemmmm.

Keep on fighting,
Francisco Luz

P.S.: A música não tem nada a ver, e achei uma merdinha animada, realmente. Mas, quem se importa??

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , ,
Voltar ao topo