Publicidade

Publicidade

15/09/2010 - 17:16

Corrida norte-americana, patrocínio brasileiro

Compartilhe: Twitter

FERNANDO SILVA

Além dos pilotos brasileiros presentes ao encerramento da temporada da Indy em Miami no circuito oval de Homestead, quem também fará parte da prova, mas fora das pistas, é a indústria cafeteira nacional, através da associação Cafés do Brasil. O patrocínio será no modelo ‘naming-rights’, e assim, a corrida de 200 voltas se chamará ‘Cafés do Brasil Indy 300’.

A intenção da associação é concorrer diretamente com o café da Colômbia no mercado norte-americano. “Nós nunca promovemos este logo, e buscamos inserir seu nome lá fora”, afirmou Silvia Pierson, gerente de operações nos Estados Unidos da Apex-Brasil, agência que assinou o acordo em nome dos produtores de café do Brasil.

O acordo assinado entre a Cafés do Brasil e a Indy foi mais um firmado pela agência financiada pelo Governo Federal. A Apex também foi a responsável por articular um acordo que resultou no fornecimento de etanol à categoria, também como forma de divulgar o combustível nacional, derivado da cana-de-açúcar.

Em contrapartida, vale lembrar que vários pilotos brasileiros não puderam permanecer na categoria neste ano justamente por falta de patrocínio. Mário Romancini deixou a Conquest no meio da temporada para dar lugar ao obscuro Francesco Dracone, enquanto Bia Figueiredo disputou somente três provas na Dreyer & Reinbold, justamente por não conseguir o combustível financeiro para completar toda a temporada.

O que vale mais? Patrocinar pilotos com potencial para trazer retorno à uma marca no ano inteiro ou apenas investir em um evento isolado, sem proporcionar qualquer tipo de crescimento para o automobilismo do Brasil? Vale a reflexão.

Autor: - Categoria(s): F-Indy Tags: , , ,
30/08/2010 - 16:51

Ladies first

Compartilhe: Twitter



JOÃO PAULO BORGONOVE

A etapa de Chicago da Indy teve cinco mulheres dentro dos velhos Dallara, todas no grande círculo da cidade de Joliet. Danica Patrick, Milka Duno, Simona de Silvestro, Sarah Fisher e Bia Figueiredo enfim correram todas juntas na categoria. E isso é bom. Bom mesmo.

Essa característica da Indy, de trazer pilotos pelo marketing, proporciona muito esse tipo de coisa. Mas, cá entre nós, das cinco, somente Milka não tem habilidades. A venezuelana, coitada, sofre nos mistos e faz ‘menos feio’ nos ovais. Mas é fraca.

As outras, não. Danica, ao contrário do que muitos dizem, não é uma pilota ruim. Longe disso. A norte-americana tem lá seu marketing, mas evoluiu muito nos circuitos mistos, principalmente nas corridas. E nos ovais é sempre forte. E não dá pra falar mal dela. Eu a vejo com pilotagem mais avançada que Dan Wheldon, por exemplo, que já foi campeão da categoria – quando os ovais predominavam. (A Bruninha, do DanicaMania, também tem essa teoria) E esse não vai bem nos mistos, mesmo.

Sarah é da velha escola e, quando pode, manda bem. É dona da equipe que corre e, convenhamos, é o pior time desse ano. Mas mesmo assim tem conseguido bons resultados.

Simona é a surpresa agradável. Vinda da Atlantic, que só corria em mistos, a suíça surpreendeu o mundo da Indy nesse tipo de pista, principalmente nas classificações. Tem futuro, a moça.

Bia, coitada, penou, mas conseguiu participar de três corridas, todas pela Dreyer & Reinbold. Foi bem e deixou sua marca. Busca disputar a próxima temporada completa. Torço por isso. Mais empresas brasileiras poderiam investir nela.

E assim segue a Indy, sempre com mulheres no grid. Só não me venham com essa balela de criar um campeonato paralelo para as ladies. Elas estão ai pra disputar com os marmanjos de igual para igual.

Autor: - Categoria(s): F-Indy Tags: , , , , , ,
18/05/2010 - 11:07

Bia 500

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Bia Figueiredo visitou o Museu do Hall da Fama do circuito de Indianápolis, que tem um acervo bastante extenso da história do oval mais famoso do mundo.

“O acervo tem cerca de 75 carros e mais uns 100 carros no porão, onde são conservados. Tem exemplares de tudo o que já correu lá, como carros da F1, da Nascar, da Indy e motos. Além de troféus, fotos e veículos, tem um cinema exibindo filmes sobre a história do circuito”, disse Bia, que vai disputar a prova pela Dreyer & Reinbold, com patrocínio da Ipiranga — mesma empresa que a apoiou na etapa de abertura da temporada, em São Paulo.

Bia ainda tirou uma foto ao lado do carro de Janeth Guthrie, primeira mulher a participar das 500 Milhas. Boa sorte para a paulistana.

Autor: - Categoria(s): F-Indy Tags: , , ,
10/03/2010 - 10:38

Monange e Bia

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

A Monange, fabricante de hidratantes, vai patrocinar Bia Figueiredo na etapa de São Paulo da Indy, neste fim de semana. Legal que a pilota esteja conseguindo atrair apoios pelo fato de ser mulher. Negócio é negócio, e aos poucos marcas brasileiras vão se interessando por Bia.

Que seja assim também no resto da temporada.

Autor: - Categoria(s): F-Indy Tags: , , ,
04/03/2010 - 14:34

O espetáculo e o perigo

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

95082_118279_indybia05nAlgum tempo atrás, prometi fazer a série Canastras aqui, só com as coisas que pilotos se submetem por patrocinadores. Tipo cozinhar paella na Espanha, como fizeram Hamilton e De la Rosa ano passado. Nem todas são legais.

As ações de divulgação que incluem o carro na pista, porém, costumam ser interessantes. Foi o caso do passeio a 150 km/h de Bia Figueiredo no carro de dois lugares da Indy. É inusitado, chama a atenção e deixa a cidade no clima do evento em questão. Sobretudo por ser no fim da madrugada, não atrapalhando o trânsito.

Mas uma coisa me deixou encucado na declaração de Bia ao jornalista Gustavo Antonio, do Terra [Não sei se foi dito a outros jornalistas também. Se sim, desculpem].  “Não dava para correr muito, porque em certos lugares pessoas atravessavam. Quase peguei uma mulher com um cachorro”, disse a pilota.

Opa. Pessoas atravessavam? Que espécie de esquema especial foi esse feito pela prefeitura, com o auxílio da Companhia de Engenharia de Tráfego local?

Ainda bem que a Bia teve a honestidade de contar isso, “achando curiosa a reação de estranheza de muitos espectadores que não sabiam do evento”, de acordo com o repórter do portal. E ainda bem que nada aconteceu, pela integridade de todos, inclusive da Bia, que nada teria a ver com um eventual acidente.

Mas determinadas coisas no Brasil me fazem acreditar que desastres não acontecem por pura sorte…

P.S.¹: Ah, o Canastras vai sair.

P.S.²: O clique é de Miguel Costa Jr.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , ,
27/11/2009 - 17:14

Confiança

Compartilhe: Twitter

Entrevistei há pouco Bia Figueiredo. E a coisa que mais impressionou foi a confiança que ela demonstrou com relação à chance de correr na Indy 2010. Sem hesitar, a brasileira afirmou categoricamente que acredita 100% que estará na categoria no ano que vem.

De fato, a possibilidade é realmente grande. Bia estampa bons patrocínios e, apesar da temporada difícil neste ano, já provou que tem talento suficiente para correr na divisão principal. Mais que isso, na Indy, a chegada de mais uma mulher é sempre bem vista. A categoria sabe explorar o carisma das pilotos e é inegável que atrai público. Vide o sucesso de Danica Patrick.

Bia falou que negocia com quase todas as equipes, exceto a Andretti Green, agora Andretti Autosport. Ela mesma vê dificuldade uma vaga na equipe de Michael Andretti, exatamente por conta de outra mulher.

Mas é bem verdade que outros times procuram exatamente esse tipo de atrativo, até para alavancar patrocínios. Vale lembrar que neste ano a Bia venceu o prêmio de piloto mais popular da Indy Lights.

Autor: - Categoria(s): F-Indy Tags: , , ,
Voltar ao topo