iG

Publicidade

Publicidade

11/10/2010 - 13:42

Invasão espanhola

Compartilhe: Twitter

Luana Marino

A Espanha não é nenhuma novata no rol dos campeões mundiais de motovelocidade, embora o único título do país na categoria principal fosse, até domingo, de Alex Crivillé em 1999, quando as motos ainda eram de 500cc. Nas 125cc, a prova da força ibérica é traduzida por Angel Nieto, pentacampeão da classe nas décadas de 70 e 80, uma das lendas do motociclismo.

O que faltava, na verdade, era essa mesma força na elite das duas rodas, mas a disputa deste ano restrita entre Jorge Lorenzo e Daniel Pedrosa na MotoGP depois do acidente de Valentino Rossi mostrou que a vez é dos espanhóis. Além disso, o domínio do país nas 250cc e nas 125cc é surpreendente.

Para se ter uma ideia, o Mundial deste ano das 125cc já viu nada menos do que oito pódios totalmente espanhóis. Ano passado, isso aconteceu apenas uma vez, no GP da Alemanha. O último foi neste domingo, inclusive, com vitória de Marc Márquez. O piloto, de quebra, ainda assumiu a liderança da competição, que tem, até o momento, Nicolas Terol em segundo e Pol Espargaró em terceiro – todos espanhóis.

Ou seja, provavelmente teremos mais um campeão do país ibérico em 2010 na moto, e se levarmos em conta que Toni Elías já garantiu o título na Moto2, a Espanha está prestes a entrar para um seleto grupo que conta apenas com Itália e Grã-Bretanha até o momento: dominar três categorias da motovelocidade no mesmo ano. A Itália de Valentino conseguiu o feito três vezes, em 1950, 1975 e 1976. Já os britânicos foram superiores em 1967.

Lembrando que, naquela época, os mundiais contavam ainda com 350cc e 50cc. Então, se olharmos por este lado, a Espanha pode alcançar um feito inédito, já que o Mundial deste ano conta com três classes apenas. Seria um domínio total, com uma safra de pilotos que promete muito para as próximas temporadas.

Claro que Rossi ainda tem lenha para queimar na Ducati e totais condições de ser campeão novamente, mas o italiano vai se aposentar daqui a uns poucos anos. E ele sabe que a concorrência nos últimos Mundiais se acirrou. Vai ser mais um desafio para o ‘Doutor’ superar a espanholada abusada que vem por aí.

Autor: - Categoria(s): MotoGP Tags: , , , , , , , ,
24/06/2010 - 18:39

Todos pela Espanha na Copa

Compartilhe: Twitter

Valência recebe a F1 neste fim de semana para a disputa do GP da Europa, com a realização dos primeiros treinos livres nesta sexta-feira (24). Porém, todas as atenções da Espanha estarão concentradas para um evento que será realizado horas depois: a partida da seleção espanhola contra o Chile na Copa do Mundo. A torcida da Fúria terá três fãs especiais: Fernando Alonso, Jaime Alguersuari e Pedro de la Rosa.

Durante a entrevista coletiva da FIA feita nesta quinta-feira (23), os pilotos espanhóis da F1 foram questionados sobre a Copa e sobre a torcida deles. Os três se mostraram muito confiantes na vitória da equipe ibérica.

“Vamos vencer”, disse Alguersuari. Alonso se mostrou ainda mais otimista. “Fácil, fácil, fácil. Vamos vencer, com certeza”, afirmou.

Logo após essa declaração, De la Rosa perguntou ao seu antigo colega de McLaren se estava se referindo ao jogo contra o Chile ou à final. Foi aí que surgiu o Alonso corneteiro, bastante exigente com a seleção de seu país. “Chile [respondendo a Pedro]. Se não vencermos, não merecemos…”, falou Fernando, referindo-se ao favoritismo da Espanha.

O piloto da BMW Sauber também demonstrou confiança no futebol de seu país. “Acredito que será um grande ano para nós na Copa do Mundo. Vamos fazer bonito. Eu realmente torço muito para a Espanha. Gosto da atitude deles e como os jogadores estão desempenhando isso.”

A Fúria é a atual campeã europeia, sendo apontadas como uma das grandes candidatas ao título na África do Sul. Porém, o time começou mal, perdendo para a Suíça por 1 a 0. Na segunda rodada, se recuperou, ganhando de Honduras por 2 a 0. Para evitar uma eliminação prematura e surpreendente, precisa superar os chilenos. Caso empatem ou percam o jogo, precisarão de uma combinação de resultados para passar às oitavas.

Um italiano eliminado e um metade russo, metade espanhol

Os espanhóis não eram os únicos na coletiva. Vitantonio Liuzzi e Vitaly Petrov também foram perguntados se estavam acompanhando a Copa. A entrevista aconteceu antes da partida da Itália, e, por isso, o piloto da Force India respondeu que dependia do que aconteceria dentro de algumas horas para saber se continuaria vendo a competição.

A Itália, campeã mundial em 2006, perdeu para a Eslováquia por 3 a 2 e foi eliminada da Copa ainda na primeira fase, em um dos maiores vexames da história do futebol italiano. Ficou a dúvida se Liuzzi continuará assistindo ao torneio.

Já Petrov não teria para quem torcer, já que a Rússia foi eliminada ainda nas eliminatórias e nem foi para a África. Mesmo assim, o representante da Renault encontrou uma seleção para apoiar. “Gosto de ver a Espanha jogando. E eu também moro aqui, então eu também vou torcer para a Espanha amanhã.”

O comentário do russo rendeu uma declaração descontraída de Alonso: “Bom…”

Marcus Lellis – @marcuslellis / Lellisblog

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , , , ,
Voltar ao topo