Publicidade

Publicidade

26/10/2011 - 18:51

O novo Zanardi

Compartilhe: Twitter

FELIPE GIACOMELLI [@Daewlz]

Quando Alessandro Zanardi sofreu o grave acidente na etapa de Lausitz da Champ Car, em 2001 – perdendo as duas pernas –, a primeira preocupação, claro, era saber ser o piloto tinha sobrevivido à batida. Passado o risco de morte, a inquietação passou a ser quanto à carreira do italiano, que parecia ter acabado.

Zanardi, no entanto, se recuperou e voltou às pistas em 2005 para competir no WTCC em um carro adaptado. O piloto disputou cinco temporadas, obteve quatro vitórias e conquistou a décima colocação final como melhor resultado.

Aos 19 anos, o americano Michael Johnson começa a trilhar uma carreira semelhante à do bicampeão da Indy. Michael disputava campeonatos regionais de motocross e já havia conquistado cerca de 15 títulos, quando, em 2005, ficou paraplégico ao sofrer um grave acidente em uma corrida.

Antes mesmo de se recuperar das fraturas – quebrou as costas, todas as costelas do lado direito e a bacia –, o garoto disse à família que queria continuar correndo, não importando o que acontecesse.

O início da volta às pistas foi dado em 2007, quando o garoto passou por uma cirurgia experimental de células-tronco, em Portugal. Com resultado satisfatório e uma boa recuperação, ele passou a competir nos karts e, depois, na Skip Barber, onde terminou um dos campeonatos da categoria de 2011 na terceira colocação, conquistando vitória na tradicional pista de Watkins Glen.

Como não tem os movimentos das pernas, para competir, Michael também usa um carro adaptado. Ele controla o acelerador e a embreagem com as mãos, enquanto empurra o volante para frear.

Depois do bom resultado competindo de forma profissional neste ano, o garoto já traça planos para 2012. Ele quer disputar a USF2000, espécie de F-Ford dos Estados Unidos, que faz parte do programa Road to Indy. Um dos sonhos de Michael é disputar uma Indy 500 ou outro, voltar a andar.

Autor: - Categoria(s): F-Indy Tags: , , , ,
14/09/2011 - 17:43

A primeira vitória da carreira de Plamen Kralev

Compartilhe: Twitter

Plamen Kralev

FELIPE GIACOMELLI [@daewlz]

Aos 38 anos de idade, Plamen Kralev é o piloto mais importante da Bulgária na atualidade. Depois de passar por uma série de categorias de turismo e participar da edição de 2009 das 24 Horas de Le Mans, o veterano disputa neste ano pela segunda temporada seguida a F2.

Na última etapa, realizada no final de agosto no Red Bull Ring, Kralev chegou na décima colocação na primeira corrida, marcando o primeiro ponto na temporada 2011 – Mirko Bortolotti, o líder, soma 223. Apesar disso, o rendimento do búlgaro já é igual ao do campeonato passado, quando também terminou com um único ponto.

Mesmo competindo contra garotos que chegam a ter metade da idade, Kralev segue em alta na Bulgária, onde é chamado de ‘embaixador do automobilismo do país’.

Prova desse prestígio é que o corredor foi convidado para participar do evento de comemoração do centenário da aeronáutica da Bulgária, realizado no aeroporto de Plovdiv, no dia 8 de setembro, onde pôde se encontrar pela primeira vez na vida com o primeiro ministro do país, Boiko Borisov.

Plamen KralevNo evento, Kralev conquistou a primeira vitória da carreira. Uma conquista, aliás, que certamente nenhum dos adversários na F2 tem. Pilotando o carro da categoria em uma pista de 600m no aeroporto onde as celebração se desenrolava, o búlgaro venceu uma corrida em linha reta contra um jato MiG-29, pilotado por um dos destaques da força aérea do país, com uma vantagem de cerca de 150m!

Após a corrida, Kralev cumprimentou o adversário, recebeu os parabéns do primeiro ministro e explicou que conquistou a vitória porque mesmo que o carro da F2 não tenha a aceleração de um jato, o equipamento militar é projetado para ter desempenho no ar e não no chão, onde a disputa foi feita. Ainda assim, o piloto lamentou ter escorregado na largada por conta dos pneus frios, caso contrário poderia ter vencido por uma margem ainda maior.

Autor: - Categoria(s): F2 Tags: , , , ,
31/08/2011 - 19:07

Nem a Nascar sabe quem está no Chase

Compartilhe: Twitter

Felipe Giacomelli [@daewlz]

Faltam apenas duas etapas para que a Nascar defina os 12 pilotos classificados para o Chase. Mas você sabe como essa dúzia é escolhida?

Primeiro, os dez primeiros na tabela de pontos após as primeiras 26 provas – a chamada temporada regular – se classificam automaticamente para a fase final. Esses dez pilotos passam a somar 2000 pontos – o que não pode mais ser alcançado por outros adversários –, além de cada vitória que conseguiram até então se torna três pontos de bônus.

Assim, por exemplo, o líder do campeonato Kyle Busch pularia para 2012 pontos. Os 2000 por estar no Chase e três a mais para cada uma das quatro vitórias até agora.

As últimas duas vagas na fase final são definidas entre os pilotos entre o 11º e o 20º lugar que mais triunfos conseguiram durante as 26 primeiras corridas, independente da posição. Atualmente, Brad Keselowski e Denny Hamlin seriam os dois que avançariam por esse critério. O piloto da Penske é o 11º na tabela e acumula três conquistas no ano, enquanto o adversário é o 13º, mas venceu uma vez.

O 12º colocado, Clint Bowyer, é o que está a ver navios no momento. O americano está somente um ponto atrás de Keselowski, mas 25 distante de Tony Stewart. Para entrar no Chase, o piloto da equipe de Richard Childress tem duas opções. Caso não vença mais, tem que ultrapassar Keselowski e Tony Stewart. Do contrário, precisa chegar em primeiro em uma das duas últimas etapas e não ser superado por Denny Hamlin na pontuação. Ou então, com uma vitória, perder a posição para o rival, mas ver Keselowski superando Stewart.

Só que não é apenas Bowyer quem precisa de uma combinação de resultados. Caso Juan Pablo Montoya – o 23º e que ainda não triunfou em 2011 – vença uma das duas últimas etapas, ele precisa apenas ganhar posições de Paul Menard, David Ragan e Marcos Ambrose, além de que Keselowski ultrapasse Stewart. Caso mais ninguém na chamada ‘Bubble’ triunfe, o colombiano está na fase final.

Complicado de entender, não? Pois é, até a Nascar está com dificuldades para analisar quem ainda tem chance de se classificar para o Chase.

Após a corrida de Bristol, realizada no último final de semana, a Nascar entrevistou Kyle Busch, Jimmie Johnson, Carl Edwards e Matt Kenseth que se garantiram matematicamente nos playoffs. A transmissão fez certa festa para eles, que comemoraram bastante a classificação.

Na segunda-feira, os fãs de Kevin Harvick alertaram a categoria que o piloto tinha sido ignorado no sábado, mas ele já estava classificado para o Chase. Embora matematicamente o patrão de Nelsinho Piquet possa cair fora do top-10, ele não tem como perder uma das vagas extras, pois já venceu três vezes no ano.

A Nascar analisou a reclamação e confirmou que o piloto está classificado. Nessa quarta-feira (31), foi a vez dos fãs de Jeff Gordon apontarem um erro da categoria. O tetracampeão está empatado com Harvick na pontuação (ambos com 782 pontos), mas perde no número de vitórias (3 a 2).

Apesar disso, mesmo que Gordon não corra mais até o final da temporada regular, o piloto não pode ser superado por dois adversários no número de pontos e de conquistas, assim, com quase cinco dias de atraso a categoria resolveu a situação de uma vez por todas e afirmou que o piloto da Hendrick também está garantido.

Assim, seis vagas para o Chase 2011 estão definidas e cerca de 20 pilotos disputam as outras seis. É uma situação bem complexa que nem a Nascar sabe quem está dentro quem está fora.

Autor: - Categoria(s): Nascar Tags: , , , , ,
Voltar ao topo