Publicidade

Publicidade

02/04/2011 - 17:55

Vai bem

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Kevin Abbring (HOL), Paul-Loup Chatin (FRA), Albert Costa (ESP), Alon Day (ISR), Phillip Eng (AUS), Robin Frijns (HOL), Timmy Hansen (SUE), Egon Kaur (EST), Andreas Mikkelsen (NOR), Alexander Rossi (EUA), Richie Stanaway (NZL) e Stoffel Vandoorne (BEL). Prazer.

Savannah Megan Courtenay (ESP), Melissa Calvi (LUX), June Mali Jahnsdatter Blad (NOR),
Lucile Cypriano (FRA), Lubov Andreyeva (CAZ), Hannah Pym (GBR), Kim Oomen (HOL), Bianca Cristina Anton (ROM), Caitlin Wood (AUS), Idil Gökmen (TUR). Prazer.

Vocês estão devidamente apresentados.

Os primeiros, alguns devem imaginar, são os pilotos da Academia de Jovens da FIA, lançada no início de fevereiro. As garotas, por sua vez, foram as escolhidas no último dia 31 para a Academia de Kartistas da entidade.

Perceberam alguma coisa nesses 22 nomes? Nenhum é da América do Sul. São três holandeses, dois rapazes e uma menina, dois franceses, espanhóis e australianos — nestes casos um garoto e uma garota —, pilotos de Israel, Suécia, Estônia, Estados Unidos, Nova Zelândia e Bélgica, e pilotas de Luxemburgo, Cazaquistão, Inglaterra, Romênia e Turquia.

Nenhum brasileiro, argentino, até mesmo da Colômbia ou da Venezuela, países em alta no automobilismo mundial. Nas duas hipóteses possíveis, as nacionalidades incluídas na relação exemplificam uma condição sintomática.

Situação 1 | A América do Sul não produz tantos jovens pilotos quanto antigamente, seja para o rali, para monopostos ou ainda no kartismo. Sendo assim, países que estão em crescimento, caso da Noruega, são agraciados com oportunidades que poderiam ser dos latinos. Não acredito nisso, continuam saindo grandes talentos do Brasil, por exemplo.

Situação 2 | A Codasur — Confederação Esportiva Automobilística Sul-Americana — e suas afiliadas, incluindo a lamentável CBA, têm peso nulo na hora de influenciar este tipo de escolha. Representação zero lá fora. Não à toa, dos 24 conselheiros da FIA, três são da América do Sul — o dominicano Henry Krausz, o paraguaio Hugo Mersan e o italiano Vincenzo Spano, que, apesar de sua nacionalidade, cresceu e é dirigente pela Venezuela. Os três países são minúsculos em termos de força no esporte. É nessa situação que eu acredito.

Autor: - Categoria(s): F1, Kart, Rali Tags: , , , ,
23/06/2010 - 11:25

FIA 1×0 F1

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

A FIA definiu novas regras para a temporada 2011 da F1. Uma delas, para mim a mais marcante, é o retorno da regra dos 107% para a classificação. Falo logo aqui: sou contra. Acho antidesportiva, panaca, coisa de equipe criada por vó.

No texto do documento do Conselho Mundial, entretanto, há uma graciosa exceção. Vamos lá: “Em circunstâncias excepcionais, o que pode incluir uma volta adequada nos treinos livres, os comissários podem permitir que o carro comece a corrida. Caso haja mais de um piloto nesta situação, o grid será definido pelos comissários”.

Fernando Alonso bate na classificação. Não faz tempo. Tá fora da corrida. Opa! Mas tem a regrinha marota da FIA! E, de repente, os comissários anunciam que, no caso do espanhol — ou de Massa ou de Hamilton ou de Button ou de Schumi —, será admitido o tempo do treino livre. Não é legal e justo? A Hispania se mata para conseguir ficar a menos de 107% do tempo do líder, mas se uma Ferrari não conseguir, simplesmente vira-se o lado da regra.

Nessas horas, eu sinto saudade do Max Mosley do fim do mandato, que peitava o chororô de Montezemolo, que dava força às equipes pequenas, que ajudou a impedir que a F1 tivesse um ridículo grid de 18 carros. Acho que esta decisão do Conselho Mundial dá um pouco do tom que terá a gestão Jean Todt, protegendo as grandes e seus valores simbólicos avalizados por auditorias — mais interessadas em quanto vale a marca do que na sua real representação no esporte.

Vale ressaltar que, neste ano, se a regra dos 107% estivesse em prática, chegaríamos ao cúmulo de ter 21 carros no grid no GP da Malásia, em que Bruno Senna, Karun Chandhok e Lucas Di Grassi não se classificariam. A Hispania não correria o GP do Bahrein, Senna não disputaria o GP da Espanha e Chandhok não estaria no grid de Montreal.

Isso é bom para o esporte? Usando um exemplo do excelente Keith Collantine, do F1Fanatic, se nas 24 Horas de Le Mans o último carro a se classificar chega a ser 29% mais lento do que o líder — e La Sarthe é mais estreito do que a maioria dos circuitos da F1, além de que se corre à noite —, não há razão para que os pilotos da F1 chiem tanto ao encontrar pela frente um carro só 7% ou 8% mais lento.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , , , ,
14/09/2009 - 15:26

Eu não, Max

Compartilhe: Twitter

Na última volta do GP da Itália, Hamilton escorregou e bateu nos pneus. De frente. As duas rodas ficaram no carro. Na pancada, a traseira chicoteou e também atingiu a barreira. E a roda traseira esquerda se soltou… Depois do acidente que matou Henry Surtees, alguém acredita nos tais cabos de kevlar Zylon que impediriam que isso acontecesse?

Felipe Paranhos

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , , , ,
25/06/2009 - 11:17

O comentário definitivo sobre a crise entre FIA e Fota

Compartilhe: Twitter

(Antes de ela acabar, obviamente):

Um abraço,
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , ,
24/06/2009 - 09:23

Na troca entre FIA e Fota, Mosley é quem perdeu mais

Compartilhe: Twitter

Habemus paz. FIA e Fota anunciaram que chegaram a um acordo nesta quarta-feira (24). O racha da categoria não durou mais do que uma semana. A F1 continuará como está. E o acerto só foi possível porque Max Mosley e equipes decidiram fazer uma troca simples.

Está claro: a Fota cedeu de um lado, aceitando a redução de gastos, e Mosley cedeu do outro, aceitando sair de cena de vez, não concorrendo à reeleição à presidência da FIA em outubro.

Simples, mesmo. Você faz isso, que eu faço aquilo. Todo mundo ganha e perde. Mas quem perdeu mais?

Minha opinião: depois de 12 rounds, Mosley perdeu por pontos. Foi obrigado a se retirar. E Ferrari, McLaren e demais seguem no jogo.

Atualização: na correria, disse que as equipes aceitaram o teto de £ 40 mi. Interpretei mal os diversos textos que li antes de escrever essa nota. Mas o velho Max disse que as equipes aceitaram reduzir os gastos e devem chegar a um orçamento parecido ao do início dos anos 90 nas próximas temporadas. Ou seja, os times também foram obrigados a engolir um pouco do seu orgulho.

Marcus Lellis

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , , , ,
19/06/2009 - 05:45

It's the end of the world as we know it

Compartilhe: Twitter

Uma quinta-feira de folga. Necessária, depois de uma noite de cabeça inchada por conta disso.

Ir dormir às 5h30, depois de finalmente arrumar um tempo (por conta do maldito jogo, que VAMOS VIRAR NO BEIRA-RIO) para assistir ao dvd do NOFX comprado há duas semanas; acordar ao meio-dia; ir para o outro trabalho; voltar para casa; terminar em 20 minutos um trabalho que vale o semestre na faculdade; ir para a aula; passar na namorada; voltar para casa ver quem terá a responsabilidade de tirar teu rival da Libertadores; acompanhar a repercussão.

E então, só então, ler os emails e voltar à internet. E aí o mundo caiu.

Não há muito o que dizer. A perplexidade é total aqui nas bandas sulinas do Grande Prêmio. E, por isso, vou publicar a única coisa em que pensei quando comecei a ler o comunicado da Fota, ainda no email e sem saber o que ele continha de verdade:

VENCEREMOS (e aqui falo da Copa do Brasil),
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , ,
18/06/2009 - 20:40

Rompeu

Compartilhe: Twitter

Lembra do que eu falei aí embaixo? Como diria Sandra de Sá, joga fora no lixo.

Atualização às 0h12 desta sexta-feira: pensei, pensei, pensei e nada. Não há nada sólido para dizer, por ora. Eu continuo achando que um campeonato de montadoras não vingaria, seria como a Cart, que levou as principais equipes da IRL, mas as viu voltar aos braços de Tony George. A coisa parece séria, mas eu ainda considero o que o A.Nother sugeriu: pode ser um blefe final da Fota.

[Felipe Paranhos]

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , ,
17/06/2009 - 20:06

Por pontos

Compartilhe: Twitter

FIA e Fota vão dando as mãos depois da luta. Não tenho nada mais qualificado pra dizer do que o que o Francisco já escreveu aqui ou o Victor . Mas nos últimos segundos dos último round, a FIA acertou bons golpes e só espera o gongo soar para comemorar sua vitória.

Como num duelo entre pugilistas rivais, a pouco original metáfora da luta de boxe responde algumas perguntas: ao menos na minha opinião, a questão Quem é maior? As Equipes ou a marca F1? deve ser sepultada.

Sempre achei muito estranha a possibilidade de uma nova categoria assim, de um dia pro outro. Ah, então saímos da F1 e vamos fundar a Grand Prix World Championship, diria a Fota. Sim, e vão correr onde? Imagino que um campeonato de montadoras teria de ser grande. 15 datas em 2010 nos grandes circuitos, muitos com seus calendários já comprometidos pelos próximos anos? E que patrocinadores sustentariam uma temporada do tamanho da F1 por um campeonato que poderia definhar no fim do ano?

Ridícula me pareceu também a hipótese de ver a Ferrari disputando a Le Mans Series. Grande troca. Ver a Ferrari nas 24h ou nas 500 Milhas seria ótimo. Mas alguém imaginaria uma marca do tamanho dos italianos competindo regularmente em uma categoria com menos visibilidade?

Falar depois de ver as coisas se materializarem é fácil, evidentemente. Mas, no acordão que se avizinha, com um teto orçamentário maior e algumas das exigências da Fota aceitas, a FIA sai mais forte. E, como alguém aqui falou, a entidade das equipes deve se tornar apenas um representante para negociações financeiras com tio Bernardinho.

[Felipe Paranhos]

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , ,
16/06/2009 - 13:38

Todo poder aos sovietes

Compartilhe: Twitter

Eu sei, vocês não aguentam mais esse assunto, e podem acreditar que eu também não. Mas é que agora estou realmente vislumbrando a nova ordem mundial — e, bem, ela não me parece nada ALVISSAREIRA.

Pois, se não bastasse eu ter que contar com a perspectiva de duas vezes mais trabalho (GRECIN 2000 agradece a ajuda de Mosley e cia.), eu realmente comecei a simpatizar com a causa governista. E me surpreendi com isso.

Mas não consigo ver nada absurdo nas alegações mostradas por Mosley na bíblia escrita nesta manhã pela FIA. A Fota não está disposta a cooperar e, se queria mesmo criar uma nova categoria, que criasse. Essa MUMUNHA toda está realmente enchendo o saco, e estou dando toda a razão do mundo ao Marquês de Sade da Place de la Concórde.

E, se a coisa realmente descambar para aquilo que ninguém quer — a divisão da F1, a criação de uma nova categoria, Ferrari de um lado e a FIA do outro –, começo a achar, e a TORCER, para que os federados ganhem essa parada. Os motivos estão bem claros, e até agora não vi nenhum contraponto que tenha sido tão claro e cristalino quanto este.

Um abraço,
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , ,
12/06/2009 - 17:09

O dia dos namorados, solteiros, FIA, Fota…

Compartilhe: Twitter

Que dia! E eu esperava que fosse histórico, que a Ferrari anunciasse oficialmente que estava fora da F1… mas a novela continuou. Fazer o quê?

Como nem tudo é automobilismo, novela lembra par romântico. Hoje é dia 12 de junho, Dia dos Namorados. Dou duas dicas para a data que já está pela metade quando escrevo essa nota.

A primeira é um blog: www.diariodesolteiro.com.br. Deu para sacar qual é a ideia? Bem legal. Porque é muito bom ser solteiro, apesar de tudo.

A segunda é uma música para celebrar o dia. A melhor banda do mundo: U2. A canção não é With Or Without You, meio lugar-comum (mas que é fantástica sempre). Não se encaixa com o dia. Vamos com aquela que deve ser a canção de amor mais bonita do U2. Até porque é simples e direta: All I Want Is You (não consigo colocar o embed, Chico, me ajuda!). 

Aproveitem. Feliz Dia dos Namorados!

Marcus Lellis

Autor: - Categoria(s): F1, Geral, Música Tags: , , , , , ,
Voltar ao topo