iG

Publicidade

Publicidade

07/04/2011 - 14:39

Kart rocks

Compartilhe: Twitter


FERNANDO SILVA [@Fernando_Silva7]

SUMARÉ — Como sempre acontece quando o Iron Maiden aporta aqui no Brasil, Bruce Dickinson aproveita o intervalo entre um show e outro para fazer seu rolezinho de kart. Um dos maiores nomes do metal é apaixonado por aviões e esportes. O vocalista já representou a Grã-Bretanha no campeonato europeu de esgrima. Mas o assunto aqui hoje não é sobre espada, sabre ou florete.

Antes do último show do Iron em Curitiba, Bruce acelerou um kart em São José dos Pinhais, em companhia de profissionais como Júlio Campos e Ricardo Zonta. Apesar de não ser um profissional da área, o britânico demonstrou muita habilidade e teve seu desempenho bastante elogiado pelos pilotos da Stock Car.

Mas além do rolê do Bruce no kart em si, claro que isso é apenas uma deixa para ter um motivo para postar um vídeo aqui, como já fizeram muito o Chico Luz e o Borgo enquanto estiveram aqui no Grande Prêmio, por exemplo. Não é por nada não, mas esse som do Dickinson é espetacular. Curta até o fim!

Autor: - Categoria(s): Kart, Música, Stock Car Tags: , , , , , , , ,
03/03/2010 - 11:35

Quilmes: o time do Pato Donald

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

O gaudério Francisco Luz, que se ausentou destas plagas quando no mês passado, não foi embora definitivamente. Ele mandou este texto de autoria de Luís Felipe dos Santos, que, junto com Douglas Ceconello, faz o ótimo Impedimento.

Leiam. Vocês vão entender.

Grande alvoroço se instalou no bairro de Jacarepaguá com a notícia divulgada no final de 2012. Não, a Fifa não desistiu da Copa do Mundo, nem o governo resolveu acabar com a renovação automática das concessões. A questão é que o Quilmes, clube mais antigo da Argentina, derrotou o Vélez Sarsfield e tornou-se o quarto classificado argentino para a competição, disputando uma vaga na Pré-Libertadores.

Não era exatamente uma novidade, pois o Quilmes disputara uma Libertadores antes, protagonizando o lamentável episódio Desábato. O problema previsto por um executivo mais atento era o nome que os jornalistas da empresa global deveriam dar ao clube. Vigorava desde 2007 a ordem de que clubes com nomes de empresas deveriam ser chamados apenas pelo nome das suas cidades. Malwee virou Jaraguá, Cimed virou Florianópolis, Ulbra virou Canoas. Ninguém entendeu lhufas, protestos aconteceram aos montes, mas a empresa seguiu irredutível na sua cruzada contra o merchandising.

Só que em 2013, a cerveja Quilmes era uma marca bastante conhecida entre as bebidas importadas e nacionais. O mercado das cervejas de litro estava se expandindo e a Quilmes era uma das opções mais aceitas. Um dos executivos achou que, por ser a empresa argentina, nada demais aconteceria.

Qual o quê. O departamento de marketing da emissora foi informado pelos espiões de sempre. Quilmes não era um nome aceitável. E o contrato milionário com a outra distribuidora, como ficava? O departamento reuniu-se com o jornalismo para decidir renomear o clube.

– Pois bem, ficamos sabendo que o Quilmes jogará a Libertadores. A partir de agora, o clube será chamado pelo nome da sua cidade.
– Buenos Aires?
– Isso.

Correram os jornalistas para atualizar suas pautas. No dia seguinte, choveram emails para a empresa. Ora, não havia um clube chamado Buenos Aires. Ora, o clube que era denominado Buenos Aires era o Quilmes. Ora, o Quilmes NÃO FICAVA em Buenos Aires!

– Como assim? – perguntou o big boss.
– Chefe, o Quilmes é da província de Buenos Aires, apenas. Fica na cidade de Quilmes.
– Droga! Eles já se classificaram para a fase de grupos?
– Ainda não, precisam ganhar do Estudiantes de Mérida em casa.
– Hm. Então ignorem esse jogo. Vamos esperar o resultado.

Assim cumpriram os jornalistas. Não se viu na TV ou na internet qualquer referência ao jogo, que acabou com vitória de 5×1 do Quilmes em casa. Saiu o sorteio da segunda fase e cumpriu-se o horror: O Quilmes, por ser o pior argentino no ranking da Conmebol, não foi cabeça de chave. Acabou caindo no mesmo grupo do Flamengo. DO FLAMENGO!
Convocada reunião urgente.

Querem ler o resto? Vale a pena. Aqui: http://impedimento.wordpress.com/2009/02/28/o-dia-em-que-o-quilmes-virou-o-time-do-pato-donald/

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , ,
31/01/2010 - 14:00

O fim, agora de verdade

Compartilhe: Twitter

Já havia feito uma breve despedida quando confirmei que deixaria o Grande Prêmio, mas agora chegou o momento. E, bueno, foi ótimo demais. Não poderia ter começado a minha carreira no jornalismo em um lugar melhor, que fosse ao mesmo tempo tão exigente mas tão generoso em aceitar alguém para ensinar praticamente tudo sobre jornalismo. A excelência do trabalho dos meus colegas e companheiros de guerra neste período jamais vai ser esquecida, e fica aqui um abraço e um beijo a quem de direito – abraço para os caras, beijo para as gurias, que fique claro:

– Flavio Gomes
– Victor Martins
– Evelyn Guimarães
– Luana Marino
– Marcus Lellis
– Felipe Paranhos
– Marcelo Ferronato
– Bruno Terena
– Bruno Vicaria
– Paulo Lava
– Bruno Nakata
– Ivan Capelli
– Bruno Mantovani
– Marcel Marchesi

Além de tantos outros nomes. Cada um destes foi amigo, parceiro e chapa nas horas necessárias, e vou sentir (incrível, mas real) muita falta de acordar às 3h da manhã de uma sexta-feira para começar a cobrir os treinos coletivos na Turquia e falar merda com todo esse povo.

Mas vamos lá. Vida que segue.

Abraços,
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): Off-topic Tags: , ,
29/01/2010 - 11:38

La Rossa e The (old) Silver Arrow

Compartilhe: Twitter


Eis aí acima os dois primeiros carros da temporada 2010. Para quem não sabe, o vermelho é a Ferrari F10, e o prateado é o MP4-25 da McLaren.

Ainda não tenho uma opinião formada sobre o desenho dos carros – que é, por enquanto, tudo que pode ser analisado. Sou favorável à proibição do reabastecimento, mas ainda estou achando tudo muito ABRUTALHADO, como os radiadores e a traseira, que contam com o espaço maior dos tanques de combustível.

Claro que o grande destaque é o SHARK FIN ou BIGORNA da McLaren. Parece bem maior do que os utilizados até hoje, e ele efetivamente é ligado à asa traseira – no geral, o final deste APÊNDICE era no AR, sem tocar no aerofólio. Vamos ver o que vai dar.

Nenhum dos dois carros me agradou muito. A Ferrari assim branca até é legalzinha, mas sei lá, sou fã do vermelhão total. A McLaren não mudou nada. E, perto da Mercedes, as duas EMPALIDECEM.

Opinem.

E curtam um RATT bem PEGADO:

Abraços,
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , ,
25/01/2010 - 11:24

Shades of grey

Compartilhe: Twitter


E um pouquinho de verde, também

Aí está o novo desenho da Mercedes, ainda em cima do BGP 001 do ano passado – não se esqueçam, o carro de 2010 só vai ser mostrado em Valência e deve ter tanques de combustível maiores.

Gostei bastante das cores. O prateado ficou muito bonito, os detalhes pretos da Mercedes também se destacaram e as linhas verdes da Petronas não “pesaram” no layout.

Mas, para mim, os grandes destaques foram mesmo as referências ao passado. O número vermelho dentro de um círculo branco e o xadrez no cockpit remetem às flechas de prata de 1954 e 55. Confiram comigo no replay:

E aí, o que acharam?

Abraços,
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , ,
17/01/2010 - 12:16

Los nuevos viejos colores

Compartilhe: Twitter

Ainda não me acostumei a ver Fernando Alonso com as cores da Ferrari. Mas fiquei positivamente surpreso com a escolha dele pelo seu ex-capacete, igual ao utilizado em 2006 e 2008 pela Renault.

Aliás, me parece que a Ferrari é uma das poucas equipes que libera totalmente o uso de qualquer cor para os cascos dos seus pilotos. Não sei se as mudanças são impostas por patrocinadores dos times ou algo do gênero, mas sei que elas existem – Alonso na McLaren, Kovalainen na Renault e na McLaren, e por aí afora.

Acho isso uma grande bobagem, mas fazer o que. Bom ver que ao menos agora o Príncipe das Asturias está de volta.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , ,
11/01/2010 - 11:49

Fim de duas eras

Compartilhe: Twitter

Foi pouco depois do GP do Brasil de 2007 que Lewis Hamilton – então recém coroado vice-campeão após perder de forma incrível o campeonato – começou a namorar com Nicole Scherzinger. E foi naquela corrida mesmo que eu comecei a trabalhar para o Grande Prêmio.

Pois nesta segunda-feira o duo anunciou o fim do seu relacionamento. E, como precisava de algum GANCHO para isso, aproveito para avisar a todos que também estou no fim do meu ciclo aqui na casa. Fico até o dia 31 de janeiro, para depois assumir um papel bem legal no Jornal NH.

Por isso, já quero antecipadamente agradecer a todos os leitores que prestigiaram o meu trabalho nos últimos dois anos e meio, quase, e dizer que este foi um período sensacional. Comecei aqui como um guri perdido na vida e saio com uma baita cancha, uma puta experiência e um conhecimento de trabalho que jamais esperava ter em tão pouco tempo.

Tive colegas sensacionais e grandes amigos nas pessoas de Victor Martins, Marcus Lellis, Evelyn Guimarães, Felipe Paranhos, Bruno Terena (tinha me esquecido do narigudo), Bruno Vicaria e Marcelo Ferronato. Tive um grande contato e uma ajuda sem precedentes de Marcel Marchesi. O apoio também muito grande de vários assessores de imprensa, e seria muita chinelagem lembrar só de alguns nomes. Também tenho que agradecer demais ao Flavio Gomes, que apostou em um guri saído do cu do mundo do RS para escrever no seu site sem experiência alguma.

Foram anos de acordar de madrugada, trabalhar duzentas horas diárias e tudo mais. Mas valeu a pena. No fim, todo dia passou como se fosse um grande SABADÃO SERTANEJO:

Abraços e até mais. Não comemorem minha saída antes do dia 31,
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): Off-topic Tags: , ,
05/01/2010 - 22:27

Um grande cara

Compartilhe: Twitter

Conheço muita gente que, baseada nos dois últimos anos de F1, acha que Kimi Raikkonen era totalmente dispensável da categoria e, por isso, não vai fazer muita falta. Discordo, e discordo muito. Não apenas pelo baita piloto que o cara é, mas por ser extremamente genial quando decide se manifestar.

Sem ficar de gracinhas ou falando sempre o mesmo discurso pasteurizado – quando não está a fim, simplesmente não fala, ou MURMURA qualquer coisa para o que o deixem em paz -, Kimi é diferente dos demais quando tem vontade de se manifestar. E foi o caso na entrevista que deu ao Red Bulletin: sincero e honesto, ele mostrou muita personalidade.

Não se negou, por exemplo, a falar sobre as dificuldades que acredita que terá no WRC em 2010, nem sobre o acidente sofrido no Rali da Finlândia do ano passado e as expectativas que determinou para este ano. Também foi franco ao falar sobre o seu tempo de F1, dizendo que “todas as voltas são iguais” e que preferiu o carro deste ano da Ferrari ao do ano passado – e também sobre a relação do piloto com outras pessoas quando precisa falar sobre algo de um carro.

Enfim: vale a pena ler. O link está ali em cima.

A dica musical de hoje é de uma banda também escandinava e que leva no nome o sentimento que Kimi demonstrou do atual ambiente da F1:

Hellyyttä!
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): F1, WRC Tags: ,
03/01/2010 - 10:37

O Dacar

Compartilhe: Twitter


Roma vence a primeira etapa: começo surpreendente

Sempre fui um fã do Rali Dacar. Desde pequeno, a mística de uma prova que cobria o deserto do Saara — que vivia povoando a minha então juvenil MENTE desde que minha tia me deu um ALMANAQUE ABRIL 1983 em 1993 (exatamente) — sempre foi arrebatadora. E adorava ver as na época incipientes informações que surgiam sobre o rali, e não deixava de alugar o HAVOC para conferir os acidentes mais trash assim que eles chegavam na saudosa VIDEOSUL, aqui na esquina de casa, meses depois.

O tempo foi passando, a tv a cabo foi chegando e eu pude acompanhar cada vez mais de perto o evento. E claro que, com a chegada ao Grande Prêmio, fiquei ainda mais envolvido com Dacar. Até dei azar no meu primeiro ano, já que cancelaram a edição de 2008, e em 2009 eu tive férias nas primeiras semanas do ano. Mas neste ano estou por dentro de tudo, e fico realmente animado de poder acompanhar.

Porém, trabalhar com o Dacar é algo complicado. Claro que começo CORROÍDO de inveja pelo fato de UM CERTO EX-COLEGA de GP estar lá, mas também por diversos outros fatores. As informações são bastante precárias, e o fato de o rali acontecer na Argentina e no Chile, com horários que não nos favorecem, também complica a vida.

Isso ficou comprovado com o acidente de ontem. O Vicaria me avisou que havia acontecido um acidente, via msn, no exato momento em que tanto a Luana quanto eu já tínhamos encerrado as atividades do dia — eu estava desligando o computador… Mas fui atrás da informação, obviamente, e vi em sites argentinos que uma das pessoas atingidas havia falecido. Algo que não aparece até agora no site do Dacar, e só foi tratado pela organização neste domingo.

Enfim: um pouco de historinha de bastidores para vocês. E fica a torcida para que o rali proporcione apenas belas disputas e fotos fodonas, mas nenhum outro acidente grave.

Abraços,
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): Rali Tags: ,
12/12/2009 - 18:21

Pontos sobre os pontos

Compartilhe: Twitter

A mudança confirmada pela FIA do sistema de pontuação do Mundial de 2010 não é do meu agrado. Entendo a PREMISSA de que, com 26 carros, mais gente esteja disputando um lugar entre os pontuadores e, por isso, os dez primeiros mereçam conquistar algo. Mas sou um VELHO: não vou esquecer nunca daqueles dias, até 2002, em que mais carros disputavam as provas do que no último campeonato e menos gente conseguia chegar entre os então seis primeiros, tornando sempre renhida a luta para levar algo para casa.

Mas, tirando a parte saudosista, a mudança também continua com uma distorção provocada pelos “dias Schumacher”: a pouca valorização da vitória. Se agora vale bem mais a pena chegar em terceiro do que em quarto, não muda muito – em longo prazo – trocar de posição entre os três primeiros. A proporção entre o vencedor e o segundo colocado, por exemplo, segue a mesma: 80% – antes, 10 e 8, e agora 25 e 20. Portanto, se a justificativa era tornar as vitórias mais atrativas, não parece que será o caso. E, como muita gente já comentou, o resultado dos últimos campeonatos não teria muitas alterações.

Outro fator que também não me agradou na alteração é a distorção que vai causar nas estatísticas. Apenas sete pilotos passaram dos 500 pontos até hoje na história da F-1, e este número deve ser bastante ampliado com as carreiras duradouras de corredores de sucesso que vem por aí, entre outros quesitos.

Mas não se pode ser ranzinza com tudo. A briga no meio do pelotão promete ficar mais acirrada e, com vários pilotos e equipes novas, isso é sinal de diversão. Ou, ao menos, é o que esperamos.

—-

Numa VIRADA TOTAL digna de off-topic, quero PROVOCAR A INVEJA SUPREMA de todos vocês.

Chorem:

Pois é, fui para BUENOS AIRES e só CHARLEI lá no showzinho do AC/DC. A vida de jornalista te fode, mas as vezes permite umas coisas foda, também.

BACK IN BLACK,
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , ,
Voltar ao topo