Publicidade

Publicidade

30/12/2009 - 02:04

Lendas platinas

Compartilhe: Twitter

IMG_2812
PAVILHÃO celeste

O Uruguai é um país dado a pensamentos sobre a história: pequeno, vivendo eternamente à sombra dos grandes feitos do passado – tanto economica e social quanto desportivamente -, é inevitável ver os majestosos prédios de Montevideo e lamentar o destino daquelas paredes, que hoje estão invariavelmente pichadas e com mendigos de soslaio na soleira das portas.

Mas também é inevitável sentir uma enorme INVEJA dos uruguaios, principalmente dos residentes da capital, pela vida extremamente digna que levam. Há mendigos, há pobreza, há sujeira, sim. Mas você pode andar na rua às 2h da madrugada, em um bairro com dois postes de luz à meia boca em três quadras, e chegar no seu quarto de hotel sem a sensação de que escapou de ser ESTUPRADO.

Uso este paralelo aparentemente NONSENSE TOTAL para falar sobre algo que, felizmente, aconteceu enquanto eu estava desfrutando de tudo que a cidade na beira do Rio de la Plata oferece de bom (abraço, chopes da Pilsen e LA PAMPOÑITA, desde já meu eterno três estrelas do Guia Michelin): o retorno de Michael Schumacher, confirmado para deleite dos meus colegas de trabalho na justa semana do Natal – venci, haha.

Schumacher sempre será o melhor piloto da história da F1 – qualidade, antes que alguém venha com as 50 pedras verde e amarelas nas mãos, é algo mensurável em número; para falar de MAIOR PILOTO é que são outras, cada um com a sua preferência -, pois conseguiu marcas inatingíveis. Já está na história. E, sinceramente, não consigo esperar um grande desempenho seu em 2010.

Mas, por isso mesmo, não posso deixar de louvar seu retorno. Ele é desnecessário para ele, e muito mais importante para a F1 do que para si. Os carros são totalmente diferentes do que aqueles que ele guiou nos últimos dez anos em que correu, contra adversários de inegável talento – Hamilton, Vettel, Massa e Alonso, que o bateu em um confronto direto, bom não esquecer.

A dignidade de aceitar um desafio que poderia servir apenas para deixá-lo com a impressão de que seu tempo passou – como passou o tempo da “Suíça Americana”, da minha querida e gloriosa Celeste Olímpica, dona do pavilhão remendado, que foi utilizado na campanha histórica em Colombes em 1924 -, mas não aceitar algo que o CORROÍA por dentro, como aparenta ser o caso, seria muito pior. E qualquer competição que conta com a presença de campeões do seu quilate – com a Copa de 2010 entrando como exemplo no futebol – é uma competição melhor.

Avante, Schumi. Aguante, Celeste.
IMG_2789
Palco maior do futebol mundial

E, para fechar, a dica musical do dia. Uruguaia, claro:

Orientales, la Patria o la Tumba!!
Libertad o con gloria morir!,
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , ,
21/12/2009 - 18:36

Feliz Natal

Compartilhe: Twitter

Bueno, povo.

Ainda não é dia 24, nem 25, mas já estou de férias. Em algumas horas, vou partir para o Uruguai passar uma semana de alegria e Norteñas, além de tentar pagar a viagem ganhando no Cassino. Torçam por mim.

E que o Natal tenha um símbolo assim para todos:

Ou então…

Ho ho ho,
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): Off-topic Tags: , ,
17/12/2009 - 17:08

Três anos nesta noite

Compartilhe: Twitter

Sim, o título é uma referência a Paulo Francis. E, sim, este é mais um texto falando de futebol em blog sobre automobilismo. Mas é fim de ano, fim de feira e, quando acordei e vi no calendário que hoje é 17 de dezembro, lembrei do Dia de São Gabiru.

Mas que também poderia ser o dia de São PEDRITO Iarley. Ou de São Clemer. Ou São Fernandão, com a taça mais linda jamais feita erguida aos gelados céus japoneses, enquanto eu fritava com os pés rasgados no asfalto de 50ºC em busca de cerveja – que havia acabado em Novo Hamburgo.

Juro que já tentei, de todas as formas, entender o que leva alguém a não gostar de esporte – de não se arrepiar ao ver vídeos como estes, ou dos times das vossas preferências (escolhas piores do que as minhas, já admito), ou de corridas fantásticas, de duelos na pista. Mas, quando eu paro e revejo estas cenas, e lembro dos 20 anos de dor e paixão que o vermelho e o branco, fundidos em COLORADO, me causaram, e lembro ainda mais de uma noite fria de agosto…

Não dá. Esporte é isso aí. Não é preciso entender o que acontece: basta ter vontade de morrer explodindo de alegria ao marcar um gol que tudo se resolve, fica belo e leve e feliz.

Saudações coloradas,
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): Off-topic Tags: , , ,
04/12/2009 - 09:04

Grande notícia

Compartilhe: Twitter


Vamos ver isso mais vezes em 2010. Que tri

Sempre fui um fã de Kimi Raikkonen, desde os seus primeiros dias de Sauber, passando pela McLaren e no período de Ferrari. Comemorei bastante o título de 2007, descontado de maneira sobrenatural com a superação da grande desvantagem que ele tinha para Hamilton. E, por isso, estava achando uma verdadeira merda o fato de que um dos pilotos mais talentosos do grid não teria espaço para correr em 2010.

Mas tudo isso mudou hoje. Com a confirmação de que vai disputar o WRC, podemos ter a certeza de que Kimi vai com o verdadeiro SANGUE NOS OLHOS para a próxima temporada, buscando dar o melhor de si em um ambiente que lhe é natural – sem tanta frescura como na F1, onde o piloto passa a maior parte do tempo em que não está nas pistas como garoto-propaganda dos seus patrocinadores.

(Um adendo: nada contra patrocinadores; na verdade, tudo ao seu favor. Gosto da exposição das marcas e da associação delas com diversos esportes. Mas tem gente que não é feita para trabalhar com propaganda, e este me parece ser o caso de Kimi).

Já havia DETECTADO aqui, há algum tempo, um certo enfado do finlandês com a F1 – se não me engano, na época da crise política entre FIA, Fota e tudo mais. E ele dizia claramente que pensava em não permanecer. Bom, as coisas mudaram, ele não conseguiu o acordo que queria com a McLaren, mas, ainda assim, fez questão de fazer apenas o que deseja. Kimi teria espaço na Mercedes ou em qualquer outro time para 2010, com exceção de Ferrari e McLaren, e decidiu deixar o glamour de lado para correr do que gosta.

Gostem dele ou não, isso é MUITO digno. Respeitei ainda mais.

Nenhum sentido com o post, e nem com a PROPOSTA do que eu vou fazer por lá – ver um SIMPLÓRIO show do AC/DC. Mas Argentina significa tango, e tango quer dizer Gardel. E essa é uma das músicas mais lindas que há.

Por una cabeza,
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): F1, WRC Tags: , ,
10/11/2009 - 00:20

O harakiri que ninguém lamenta

Compartilhe: Twitter

(KNOCK KNOCK)

Fala sério: alguém acha graça nessas piadas de KNOCK KNOCK que sempre aparecem em filmes? Tentei encontrar algum paralelo brasileiro para elas, mas falhei miseravelmente.

Enfim, era a maneira mais engraçadinha que eu encontrei para perder a vergonha e voltar a escrever aqui. Problemas com o meu empresário impediram atualizações mais recentes e, neste meio tempo, o Felipe segurou a barra. Mas sigamos, que a Norteña já está brilhando e as ideias estão fluindo.

Seguinte é este: a Toyota saiu, e grandes merdas que saiu (tomei cevas, vão ler alguns palavrões. Não sejam PUDICOS). Nunca, mas nunca mesmo, vi em toda a minha vida uma equipe de QUALQUER ESPORTE que fosse TÃO, mas TÃO insignificante. O São Caetano era CAMARÕES EM 1990 perto dos nipônicos.

Não sei explicar o por que disso, e nem é o que o eu pretendo. Só quero mesmo é criticar quem comanda e quem aprova uma MERDA que consome um dinheiro que, de boa, o que eles gastaram em uma temporada dava para resolver a minha vida com ALGUMA tranquilidade. Ao menos o sonho de ter os GIPSY KINGS tocando no meu CASÓRIO seria realizado.

A Toyota passou pela F1 com a impressionante marca de ter sido o time mais GASTÃO da história e o que menos produziu resultados. Sou péssimo em matemática, mas o sempre prestativo Forix me informa que tiveram cerca de 34,8 pontos por temporada — e isso inflacionado pelos bons números dos dois últimos anos. De boa: quem gasta 300 MILHAS por ano e não consegue marcar mais de 35 pontos tem mais é que sair mesmo. Não vai fazer falta alguma.

É diferente, por exemplo, se uma Renault da vida decide sair. Pode acontecer, e tudo indica que vai, mesmo. Aí, sim, se lamenta: é um time com história, com SUSTÂNCIA.

Da Toyota, as únicas lembranças vão ser os LAMENTÁVEIS releases com as choradeiras do Trulli e o fato de que todo mundo vai sempre falar bem do Kamui Kobayashi até o fim.

Relevem a lombra.

E ouçam a MAIOR MÚSICA DE TODOS OS TEMPOS, que não está com o seu clipe original porque o youtube é uma PUTARIA quando não permite que façamos um EMBED MAROTO:

TEARS ARE FALLING FOR THE LOSS OF TOYOTA

NOT

Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , ,
15/10/2009 - 15:52

Dois anos

Compartilhe: Twitter

Rubens, zerado, fala em acabar ano por cima
Warm Up
15/10/2007 – 11:15

Rubens Barrichello não vai sentir saudades de 2007. Após um ano difícil correndo pela Honda, o piloto busca na corrida de encerramento da temporada os seus primeiros pontos no campeonato, algo inédito para ele 15 temporadas na F-1.

Esse foi o lead da minha primeira notícia publicada no Grande Prêmio – e, para quem é observador, a data diz algo de importante: faz dois anos que eu comecei a trabalhar no site (para quem tem curiosidade ANTROPOLÓGICA, é só clicar aqui).

Foi um trabalho DO CÃO para conseguir essa BOCA, da qual tenho muito orgulho. Gastei um dinheiro desgraçado que tinha poupado na época para ir a São Paulo – onde, da maneira mais CAIPIRA possível, fiquei deslumbrado por andar de METRÔ -, fiz um teste, uma redação e fiquei no aguardo.

Uma semana depois, o Gomes em pessoa me ligou – ele não estava na redação no dia em que eu fui devido a um encontro de DKWs, se não me engano – para explicar que eu teria uma chance e tudo mais. Quase não acreditei.

E, a partir daí, foi. Nunca havia trabalhado com jornalismo antes, e até então finais de semana eram dias de folga na minha agenda. Tudo mudou: agora, mesmo sendo um FARSANTE, as pessoas me conhecem, conhecem o lugar que eu trabalho e algumas chegam até a me RESPEITAR. Incrível demais.

Mais incrível ainda é saber que eu só fui conhecer realmente algumas das pessoas que trabalham comigo muito tempo depois: o Victor e o Vicaria, que se bandeou para a CONCORRÊNCIA IMUNDA, eu só fui ver em outubro do ano passado. O Terena, nosso RETRATISTA, um pouco antes, na Stock Car em Santa Cruz do Sul. A Evelyn, o Marcus, o Felipe e a Luana eu até hoje não vi, assim como o Gomes – pois é, não conheço pessoalmente o meu chefe. Modernidade é isso aí.

Mas agradeço a todos por trabalhar em um lugar (desculpem a expressão) tão FODA. Já tinha feito diversos serviços diferentes antes, como estágio em indústria química, assessoria de comércio exterior, despacho aduaneiro, pesão de curtume, revisor de couro, account de sapato e vendedor de livraria, entre outras coisas. E nunca tive tanto orgulho de ver meu trabalho como aqui.

Vida que segue. Tomara que, por bastante tempo ainda, no Grande Prêmio.

P.S.: O tal do mundo dá mesmo voltas. Na época, para conseguir passar na primeira fase d’O Grande Estagiário II, vencido pelo Marcus, tive de mandar um texto com o tema “O automobilismo não é tudo”. Desanquei afu o Estadão por conta de uma campanha deles contra blogs, ou algo do gênero. Agora, o Gomes trabalha em uma rádio ligada ao grupo Estado. Sem RESSENTIMENTOS, heh.

731 dias depois,
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): Geral Tags: , ,
04/10/2009 - 10:00

Frustração anunciada

Compartilhe: Twitter

O GP do Brasil deve, mais uma vez, definir o Mundial de Pilotos. Se tudo correr como esperado, vai ser o quinto ano consecutivo que o campeão será conhecido após as 73 voltas em Interlagos. E, se a situação correr como o previsto, mais uma vez um piloto brasileiro será derrotado na briga pelo título correndo em casa.

O panorama era mais ou menos o mesmo na disputa Hamilton-Massa do ano passado, apesar de o piloto da Ferrari ter uma desvantagem menor do que a existente hoje entre os dois companheiros da Brawn. E Massa, por conta das circunstâncias, conseguiu aquela coisa incrível de ser o virtual campeão por 30 segundos. Mas existia um fator que contribuía para que os seus torcedores acreditassem em um milagre: Felipe é, hoje, o grande especialista de Interlagos no grid.

Não é o caso de Barrichello. O histórico do veterano da Brawn na sua prova local é bastante fraco, com apenas quatro finalizações entre os pontos em 16 provas, e um solitário pódio em 2004. Além disso, mesmo que Rubens consiga manter a briga em aberto após vencer em Interlagos, ainda vai precisar descontar a desvantagem que existir após a corrida em Abu Dhabi, onde ninguém sabe o que pode acontecer.

Por isso, sejamos francos: o título já é de Button. Claro que a F1 é um esporte, e no esporte qualquer coisa pode acontecer – eu comemorei a maior conquista da minha vida com um gol do Adriano Gabiru! Então, que Barrichello mantenha a esperança. Mas que também – como tem feito, aliás – mantenha a serenidade e saiba que, muito provavelmente, o resultado em São Paulo vai significar o fim das suas chances de ser campeão.

A trilha de hoje é apenas uma das maiores músicas da história, e como estou com sono, não quero justificar. Aproveitem:

Abraços,
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , ,
30/09/2009 - 11:58

O triunfo alonsista

Compartilhe: Twitter

Getty Images

Como bem definiram os ingleses (acho que foram eles, ao menos foi onde li), a ida de Fernando Alonso para a Ferrari era o segredo mais mal guardado da história da F1. O anúncio oficial, feito no estranho horário das 11h de hoje (quando todo mundo do esporte está no Japão) não pegou verdadeiramente ninguém de surpresa.

E é, na verdade, um caminho que parecia óbvio desde antes mesmo da transferência do espanhol para a McLaren. Ao menos eu achei estranho naquela época que ele não houvesse aguardado para correr diretamente pelos italianos em 2007, mas vai saber. Desde então, toda semana via novas matérias, novas especulações, casas alugadas em Maranello, cursos de italiano e um encontro com a ILARIA D’AMICO para saber como preparar uma pasta de comemoração.

Ilaria D'Amico
Ilaria gostou da notícia

Marcus Lellis bem lembrou, enquanto ficamos na loucura inicial de colocar a notícia no ar, dividir quem faria o que: Alonso na Ferrari é uma situação quase igual à que viveu Senna em 1993, quando foi para a Williams. Ele queria, o time queria, todo mundo achava legal, mas não se podia falar no assunto.

Agora, podemos. Finalmente. E que bom. Uma F1 em que Alonso e Massa dividem a Ferrari e Lewis Hamilton e Kimi Raikkonen, provavelmente, vão atuar na McLaren, é uma ótima F1. 2009 está sendo um ano ótimo em termos de competitividade, mas 2010 promete muito. Torcemos.

A música não tem muito a ver, mas vale a pena curtir a backing vocal Vivi.

Abraços,
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , ,
25/09/2009 - 08:12

No le dijo nada

Compartilhe: Twitter

“Não é nosso papel falar sobre isso. Nosso foco está nas corridas.”

“Não foi com o nosso time…”

Foram desse JAEZ as respostas dos pilotos indagados em Cingapura sobre tudo que aconteceu no ano passado na mesma praça, no mesmo banco, com Nelsinho Piquet, Flavio Briatore e Pat Symonds. Os repórteres, a torcida e sei lá mais quem interessados em saber o que passa na cabeça de quem convive com gente que pode, daqui a pouco, pedir para um piloto sofrer um acidente de propósito, e as respostas não vão muito além disso — claro, com as orquestradas “isso não é bom para o esporte, mas no mundo todo esse tipo de coisa acontece etc.”

É duro.

Muita gente fala que esportistas em geral são alienados do mundo, e vemos muitos exemplos disso com o futebol. Raros são os jogadores que conhecem a história do clube que atuam ou da seleção nacional, fatos que são conhecidos por muitos torcedores. Todo mundo desce o pau nos pobres matungos por causa disso.

Aí chegam pilotos, geralmente com bom nível de educação, vindos de famílias sólidas e com boas condições — afinal, automobilismo é um negócio caro no mundo inteiro —, e ficam nessa mumunha ao falar sobre um assunto que só tem uma resposta possível. É complicado aceitar esse tipo de coisa.

A praga do politicamente correto pode ser lamentada por muita gente que tem opinião. Mas, pelo jeito, a F1 comemora isso: ninguém se compromete a falar nada muito pesado de outra pessoa, mesmo que a ética, a MORAL e os BONS COSTUMES tenham passado longe.

Não sei por que, mas só consegui pensar em uma coisa ao ler a transcrição da entrevista coletiva:

ACARICIANDO DESPACITO o teclado,
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , ,
19/09/2009 - 18:41

Alain Prost brasileiro

Compartilhe: Twitter
Terena treinando para as 500 Milhas

Terena treinando para as 500 Milhas

Assim como repórteres de futebol se metem a bater uma bola de quando em quando, o pessoal que mexe com corridas também acha que sabe acelerar mais do que a média. Em alguns casos, no entando, é verdade; em outros, nem tanto — Marcus Lellis, por exemplo, conseguiu ser o último colocado em uma prova de kart promocional há pocuso dias, enquanto Felipe Paranhos faz fiasco até nos computadores.

Do lado positivo da face corredora do GP, não posso deixar de citar Bruno Terena. O nosso fotógrafo oficial, considerado pela ala mais animada do automobilismo nacional o homem mais bonito a frequentar os paddocks do Brasil – ao menos, foi o que me disseram – , vem pisando fundo na preparação para as 500 Milhas da Granja Viana.

Mas o grande destaque nem é esse. Fuçando os arquivos do grande Blog do Pandini, descobri que a fama do Terena é tão grande que os caras ESCULPIRAM UM MORRO em sua homenagem. Vejam só:

Homenagem feita enquanto Terena dormia

Homenagem feita enquanto Terena dormia

Parabéns, Terena! E vê se honra o nome do GP nas pistas; alguém tem que fazer isso de uma maneira decente.

Abraços,
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): Kart, Música Tags: ,
Voltar ao topo