Publicidade

Publicidade

30/08/2011 - 12:15

Destino traçado

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos [@felipeparanhos]

Saiu hoje no De Telegraaf, maior jornal holandês, que a equipe de empresários de Giedo van der Garde, piloto da GP2, se encontrou no GP da Bélgica com três equipes da F1: Renault, Virgin e Williams. Não por coincidência, três que precisam de dinheiro. Mas aí vem a pergunta: qual não precisa de dinheiro? Esse assunto é mais velho do que andar para frente, então vamos ao verdadeiro tema deste pequeno post: teria Van der Garde estofo para pilotar um carro mediano na F1?

É muito difícil acreditar nisso, uma vez que Giedo prometia muito e não cumpriu o esperado na categoria. O holandês chegou em 2009, depois de vencer a temporada da World Series e aparecer como favorito antes do início do campeonato da GP2. Foi para a iSport, mas os áureos tempos da equipe já pareciam ter ficado para trás. Foi para a Addax, fortíssima e favorita, e foi somente o sétimo colocado. Neste ano, perdeu por muito o título para Romain Grosjean — a diferença é de 34 pontos , faltando uma rodada para o fim — e, depois de fazer só 11 pontos nas últimas três etapas, corre o risco de perder a vice-liderança.

Além disso, já tem 26 anos, aquela que tem sido a idade-limite para ter uma verdadeira oportunidade como titular na F1 vindo da GP2. Di Grassi, Bruno Senna, Pastor Maldonado e — se voltar ano que vem — Romain Grosjean tinham/terão estas idades. Sei que Grosjean correu no lugar do Nelsinho, mas aquilo era um esparro enorme e pra mim não conta.

Não sei, mas Van der Garde me lembra um pouco Jérôme D’Ambrosio, um piloto que teve lampejos na GP2, mas chegou à F1 exclusivamente por conta do dinheiro, já que sua ausência da principal categoria do automobilismo não trazia nenhuma comoção. E não deu outra: segue sem qualquer brilho com as carroças virginianas.

Para mim, se chegar, Giedo entra na F1 com o destino bem traçado.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags: , , , , ,
18/02/2011 - 07:23

Sem audiência especial

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Giedo van der Garde teve um motivo a mais para lamentar o cancelamento da etapa do Bahrein da GP2 Ásia: seu pai havia viajado até o Oriente Médio só para assisti-lo correr.

“Que falta de sorte”, disse o piloto em sua conta no Twitter. “Próxima vez, pai…”, acrescentou. Van der Garde lembrou da chegada planejada da F1 em breve, para os treinos coletivos do Carnaval e a abertura do campeonato, na semana seguinte. “Espero que as coisas se acalmem em algumas semanas”, falou.

Na verdade, escrevi isso para dizer que, se nada for anunciado a respeiro, a temporada da GP2 Ásia deve ficar só com a primeira etapa, de Abu Dhabi. Isso porque os dois outros GPs eram no Bahrein: neste fim de semana e nos dias 12 e 13 de março, como preliminar da F1. Se a corrida for cancelada, Jules Bianchi será decretado campeão após só duas provas.

Mas não creio que isso aconteça. As equipes investem uma grana grande e os pilotos também. De qualquer forma, a organização da categoria tem um desafio para dar um jeito no calendário.

Autor: - Categoria(s): GP2 Tags: , , , , ,
Voltar ao topo