Publicidade

Publicidade

12/09/2011 - 15:37

GP3 2011: os outros destaques

Compartilhe: Twitter

FELIPE PARANHOS [@felipeparanhos]

A temporada da GP3 acabou de terminar, e Valtteri Bottas foi o campeão. Até aí, ok. Parabéns ao finlandês, talvez o (teoricamente) melhor apoiado piloto deste campeonato — além de correr na Lotus-ART, é piloto de testes da Williams. O teoricamente porque Bottas deve ser aquele cujo cargo na F1 é mais figurativo, junto com Jan Charouz, um dos mil reservas da Renault.

Mas era barbada apostar em um piloto da Lotus-ART para o título: ano passado, também deu um piloto da equipe verde-amarela, Esteban Gutiérrez. Neste ano, os dois primeiros colocados eram da equipe: Bottas e James Calado. O outro representante do time, o brasileiro Pedro Nunes, teve rendimento muito abaixo do esperado, sem fazer nenhum ponto até a 12ª corrida. Seu substituto, Richie Stanaway, marcou sete pontos em sua primeira corrida, em Spa. Depois, na última, zerou.

Acreditem: ainda não falei o que quero. Vou, aqui, levantar alguns destaques do campeonato, gente que impressionou e merece ser vista com mais atenção. Fico com três nomes, dois repetidos e um novato. Coincidentemente, a ordem de interesse merecido pelo piloto é contrária às suas posições no fim do campeonato.

Nico Müller foi o quarto colocado neste ano, com 36 pontos. Ano passado, já havia sido terceiro, com 53. Levando-se em conta que o recém-terminado campeonato foi muito mais disputado do que o de 2010, o resultado continua bom. E trata-se de algo relevante, uma vez que o suíço, que correu pela Jenzer nos dois anos, tem somente 19 anos. Nico é o mais novo dos seis primeiros pilotos do campeonato, assim como foi o mais jovem dos quatro melhores do ano passado.

Rio Haryanto é outro que fez o seu segundo ano na categoria e, novamente, foi muito bem. Quinto no ano passado, foi sétimo neste. Mas, outra vez devido à alta competitividade do grid deste ano, vê-se que o piloto de somente 18 anos fez mais pontos em 2011 do que em 2010. E o mais legal: Rio é indonésio. Campeão da F-BMW Pacífico em 2009, foi para a Europa e se mostrou no mesmo nível de outros fortes pilotos com carreira na Europa. Chegou a ganhar da Virgin um teste com a F1 por ser o melhor piloto da Manor na GP3 no ano passado — neste ano, a primazia será de Adrian Quaife-Hobbs. Pode não dar em nada, mas Haryanto é um piloto para acompanhar, sem dúvida.

O último é Mitchell Evans. O neozelandês foi o mais novo do grid da GP3 neste ano, com 17 anos. Chegou depois de ser bicampeão da F-Toyota Neozelandesa, primeiro vencendo pilotos mais experientes, como Lucas Foresti (F3 Inglesa), Sten Pentus (World Series) e Earl Bamber (Superliga), depois superando compatriotas e um dos queridinhos da Red Bull, Daniil Kyvat — terceiro colocado na atual temporada da F-Renault Europeia. Mas era uma categoria local, e conhecer os circuitos vale muito.

Quando chegou na GP3, ninguém dava muito por Evans. Mas, em meio a pilotos com muito mais nome e experiência, chegou ao fim da sexta corrida — terceira etapa — na liderança. Na quarta rodada, era o segundo. Na quinta, o terceiro. Somente na sexta das oito etapas, com a ascensão brilhante de Valtteri Bottas, Mitch deixou a disputa pelo título.

Mesmo não marcando pontos na segunda metade do campeonato, em parte por vacilos próprios e em outra parte por azares — como ser jogado para fora da pista por James Calado em Monza —, Mitch impressionou. Foi o segundo entre os três pilotos de sua equipe, mas ficou apenas dois pontos atrás do Lewis Williamson, que é quatro anos mais velho e venceu, em 2010, o prêmio de revelação britânica da revista Autosport, que dá um teste com a McLaren. O outro companheiro, Simon Trummer, cinco anos mais velho, ficou 11 pontos e nove posições atrás. E tem uma coisa importante nisso tudo: Mitch corre pela MW Arden, equipe de Mark Webber e Christian Horner, chefe da Red Bull.

Não custa nada ficar de olho em quem pode ser um astro da F1 no futuro.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags: , , , , ,
12/04/2011 - 15:23

Velozes

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

*** Christian Vietoris não vai correr só na GP2 em 2011. O piloto da Racing Engineering fechou com a Mercedes para disputar a temporada do DTM. Junto com ele, vai estrear também Renger van der Zande, de 25 anos, que correu a GP3 em 2010. O grid da categoria está bem legal este ano: além deles, com a Mercedes com de 2008, haverá Susie Stoddart, David Coulthard e Maro Engel. Na de 2009, Ralf Schumacher, Jamie Green, Gary Paffett e Bruno Spengler. A Audi vem com Oliver Jarvis, Timo Scheider, Mattias Ekström, Mike Rockenfeller, Miguel Molina, Martin Tomczyk e os novatos Rahel Frey, Edoardo Mortara e Filipe Albuquerque.

*** As obras no circuito de Xangai, visando o GP da China: asfalto foi recuperado na entrada das curvas 1, 8, 11 e 14. As reformas também atingiram a borda da curva 5.  A drenagem antes e depois da curva 16 também é um desafio aparentemente cumprido pela organização.

*** Nesta terça rolou o primeiro dos três dias de treino coletivo desta semana da GP3, em Barcelona. Com um tempo marcado pela manhã, Antonio Félix da Costa, jovem revelação portuguesa, com vínculos com a Ocean, equipe da GP2, foi o mais rápido. Pedro Nunes, único brasileiro da categoria, foi o 12º colocado pela manhã e quinto à tarde. Seus companheiros de Lotus ART, Valtteri Bottas e James Calado, foram, respectivamente, quinto e sétimo na sessão matutina, segundo e 11º à tarde. O outro brasileiro, Leonardo Cordeiro, da Carlin, foi 20º pela manhã e 18º à tarde.

Autor: - Categoria(s): DTM, F1, GP3 Tags: , , , , , , ,
16/10/2010 - 18:43

Perdendo terreno

Compartilhe: Twitter

FELIPE GIACOMELLI

Esta semana, entre os dias 11 e 15 de outubro, marcou o primeiro passo da F-Renault Europeia, da World Series e da GP3 rumo à temporada 2011. As categorias realizaram os testes coletivos, quando as equipes têm a possibilidade de testar uma série de pilotos visando à formação do plantel para o próximo ano.

Somando as três divisões, apenas três brasileiros estiveram presentes: André Negrão – que testou pela Draco na World Series – e Adriano Buzaid e Pedro Nunes na GP3, competindo pelos times Addax e ART, respectivamente. O número é baixo se lembrarmos que na última temporada só na GP3 eram quatro os pilotos nascidos em terra verde e amarela.

O Brasil perdeu espaço no automobilismo internacional para países menos tradicionais, como a Suíça, que teve cinco pilotos espalhados pelas categorias, ou como a Nova Zelândia e a Rússia, que também tiveram três. Países que nunca chegaram próximos de um título na F1, como a Colômbia e Filipinas tiveram dois representantes nas sessões. Fora as participações de garotos vindos da Hungria, da Indonésia, de Cingapura, da Romênia e da Malásia.

Para efeito de comparação, cerca de uma dezena de franceses e ingleses participaram das atividades, enquanto Holanda, Espanha e Itália tiveram quatro ou cinco garotos testando. Só que aqui é importante lembrar que a temporada 2010 nesses dois últimos países ainda não acabou.

Com cada vez menos pilotos brasileiros tomando parte dos testes e, por consequência, estando na mira das grandes equipes, não é de se espantar que o Brasil termine o ano com apenas um representante correndo na GP2.

Autor: - Categoria(s): GP2, GP3 Tags: , ,
05/05/2010 - 18:12

Os EUA nas mãos de Rossi

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Não acredito na chegada de nenhum piloto norte-americano na F1 em 2011 ou 2012.  Não os já consolidados, ao menos. Primeiro porque os melhores da Indy são de fora: Franchitti, Dixon, Tony, Helio… Segundo porque não investem direito nas divisões de base. JR Hildebrand, que venceu a Indy Lights com todas as suas corridas ganhas em circuitos mistos, não tem onde correr.

O único cara que pode chegar à F1, ainda que no futuro, estreia neste fim de semana na GP3. É Alexander Rossi, de somente 18 anos, mas com o título da F-BMW Américas e a vitória da final mundial da F-BMW em 2008. Quarto colocado na última temporada da F-Master, correu a GP2 Ásia no início do ano pela Ocean e pela Meritus.

O menino parece bom. Trilha cedo um caminho ousado e estreia na GP3 com uma ótima equipe, a ART, que domina o automobilismo europeu de base. Além disso, foi bem nos treinos coletivos, mostrando rápida adaptação ao novo carro. Já pintou favorito para o campeonato.

Autor: - Categoria(s): F1, GP3 Tags: , , , , ,
Voltar ao topo