Publicidade

Publicidade

02/02/2010 - 11:56

Who?-quem?-berg

Compartilhe: Twitter

Eu já trabalhei com futebol e sei muito bem como é difícil trabalhar com esses jovens jogadores que se acham a última bolacha do pacote. Começam a despontar no esporte, fazem um gol em um jogo importante e, pronto, se tornam um poço de arrogância, isso sem ao menos construir uma carreira de respeito.

Agora, transportem esse cenário para a F1. A situação piora, já que se trata de um esporte de salários milionários e egos na estratosfera.

Pergunto aos internautas e leitores do BloGP: quem é Nico Hülkenberg? Um piloto que está despontando, ganhou o campeonato da GP2 e agora tem a sua grande chance na F1, como companheiro de Rubens Barrichello na Williams. Bom currículo, mas nada para alguém se sentir um gênio da raça.

Nosso repórter em Valência, Marcelo Ferronato, encontrou Hülkenberg no circuito Ricardo Tormo. Primeiro, observou o tratamento que o piloto dá para os fãs da categoria. Um torcedor espanhol pediu para tirar uma foto com o alemão, que, pelo menos, o atendeu. Após registrar a imagem, o fã, muito feliz de estar com um piloto da F1, estendeu a mão para cumprimentar o que poderia ser um novo ídolo. Ficou no vácuo.

Marcelo foi cumprir sua função de jornalista para falar com Nico, mas sua assessora foi, no início, intransigente. Outra coisa estúpida na F1, por que um piloto não pode falar, tem de ser tudo conforme um roteiro? Mas, nesse ponto, somos chatos e não desistimos.

O repórter do GP pediu só uma pergunta, e a assessora cedeu. Hülkenberg respondeu. De forma seca, mas respondeu. Sem muito material, Ferronato tentou ao menos mais um comentário do germânico, que lançou: “Não era só uma pergunta? Era só uma pergunta”. Ele se virou e foi embora.

Já vi grandes gênios do esporte serem humildes ao extremo e pararem tudo só para atender um jornalista ou fã. Depois de passarem por muitas histórias, ganharem muitos títulos, essas figuras ilustres têm a dimensão da importância de suas palavras e atos. Por isso, são ainda mais gigantes.

Se uma estrela fizesse o que o piloto da Williams fez, poderia relevar, mesmo sem continuar concordando. Mas volto a questionar: quem é Nico Hülkenberg no universo da F1? O que ele já fez no esporte para se colocar em um pedestal inatingível?

Por essas e outras que a F1 está cada vez mais distante de seus fãs.

Marcus Lellis – @marcuslellis

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , , ,
31/01/2010 - 19:11

GP2-F1 deve ser uma passagem inevitável?

Compartilhe: Twitter

GP2

Felipe Paranhos

A temporada da F1 já começou, amigos. Agora são quatro os carros apresentados e algumas as novidades. Pagante ou não — ele nega —, acho legal ter o Vitaly Petrov na F1. Até porque sua contratação é parte de algo bastante interessante: é a primeira vez que os três primeiros colocados da GP2 ganham uma vaga no grid do ano seguinte na F1.

Nico Hülkenberg, Petrov e Lucas Di Grassi chegam à categoria, inclusive, cada um numa equipe de qualidade proporcional à posição que terminaram a temporada 2009: Hülk, campeão, foi promovido na Williams; Petrov, vice, arranjou lugar na Renault; e Lucas, terceiro, conseguiu um posto na estreante e misteriosa Virgin.

A vantagem disso é o fato de que — provavelmente — não teremos ruínas como Pastor Maldonado na F1. Muito menos Maria de Villota, que é terrível. A desvantagem é o risco de que a GP2 se consolide como a única passagem para a F1.

A categoria de Bruno Michel tem sérios problemas de organização, não é vista em todo lugar e tem defeitos sérios na estrutura de seus finais de semana. Os treinos de 30 minutos com 26 carros na pista fazem com que a sorte seja algo absurdamente decisivo. Bandeiras vermelhas são muito comuns, até pelo número de pilotos e pelo pouco tempo disponível, o que resulta em coincidências estranhas e pilotos queimados no momento mais importante de suas carreiras.

Ainda assim, passaram os melhores, pelo menos desta vez. E aí? Vale a pena fazer da GP2 a única categoria-escola para a F1?

Autor: - Categoria(s): F1, GP2 Tags: , , , , ,
28/01/2010 - 11:21

Passado e futuro

Compartilhe: Twitter

LulinhaNico

Felipe Paranhos

Foi assim: o garoto arrebentava nas divisões de base, aí seu empresário, que adora aparecer, começou a dizer que ele tinha propostas do Tottenham, do Chelsea e do Barcelona, que iria para a Seleção em breve, que cedo ou tarde estaria na Europa… Arrancou aumentos de salário. Fez surgir uma multa rescisória de R$ 97 milhões. E o menino, cercado de pressão e marra, cercado de críticas pelo insucesso depois de tanta expectativa, foi parar no Estoril.

Da Segunda Divisão de Portugal. É Lulinha, revelado pelo Corinthians.

Nico Hülkenberg vem de dois títulos fortes em dois anos: F3 Europeia e GP2. Hoje, Willi Weber declarou que estará, “dentro de três anos”, na Ferrari. Fez um 2009 primoroso, quando já era piloto de testes da Williams. Foi promovido. Mas ainda nem estreou e já vê seu nome ligado à Ferrari. Aliás, do mesmo jeito de quando  Felipe Massa se lesionou no GP da Hungria — e a entrada do germânico seria um erro gigantesco.

Hulk tem tudo para se tornar um dos pontas-de-lança do automobilismo mundial. Mas elevá-lo à condição de futuro piloto da Ferrari é pirotecnia. Nome, passado e declarações pomposas não garantem grandes lugares na F1. Até porque, jovem por jovem, a Scuderia já tem Jules Bianchi, outro nome forte na base.

A busca por um novo Schumacher pode fazer de Nico o mesmo que Lulinha virou nas mãos de Wagner Ribeiro.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , ,
08/10/2009 - 13:31

Uma análise (tardia) da GP2 | Parte 1

Compartilhe: Twitter

_H0Y8849

Felipe Paranhos

Logo nos primeiros posts do BloGP, alguém perguntou se falaríamos da GP2. Falei pouco até agora daquela que acho, junto com a Indy, a categoria mais legal do automobilismo.

Acho, sim, que o fim da temporada vale uma análise. Eis minhas opiniões,  quero saber também a de vocês. Sejam todos educados, somos todos inteligentes e xingar o coitado do jornalista não vai dar em nada.

Avaliar a base é pedir para se enganar. Como vocês sabem, o primeiro campeão de uma categoria imediatamente inferior à F1 a ganhar também uma temporada da elite do automobilismo foi Lewis Hamilton. E, para isso, passaram-se décadas e décadas de história…

Addax
Vitaly Petrov | Fez boa temporada. O carro da Addax era muito bom, aparentemente muito melhor do que os outros, por exemplo, no desgaste de pneus. Cheio de dinheiro, deve saltar para a F1 em breve.
Romain Grosjean | Foi bem enquanto lá esteve, apesar de uma bobagem aqui e ali. O lado ruim é que tomou a ultrapassagem mais bonita da temporada e foi estúpido com seu “Quem é você?” a Franck Perera na Hungria.
Davide Valsecchi | O rapaz é meio irregular. Se continuar na equipe pra 2010, podemos avaliar melhor. Durango não dá.

iSport
Giedo van der Garde | Foi o melhor estreante do campeonato. Três vitórias com a decadente iSport.
Diego Nunes | Não conseguiu repetir o destaque que teve na fraca DPR. Fez oito pontos, contra três no ano passado.

Piquet GP
Roldán Rodríguez | Aquilo de sempre. Não o vejo subindo à F1.
Alberto Valerio | Mostrou que a Durango faz qualquer um avaliar mal um piloto. Venceu uma prova, embora tenha ficado atrás do experiente companheiro. Um novo ano na categoria deve lhe dar cancha para não vacilar como em Monza, quando saiu com viseira de sol numa chuva desgraçada.

Racing Engineering
Lucas Di Grassi | Não concorreu ao título, como esperado. Mas é quase unânime que o carro também não era bom como esperado. Continuo achando Lucas o mais qualificado piloto brasileiro de sua geração. Tomara que o vejamos na F1 — ou na Indy, quem sabe? — em 2010.
Dani Clos | Só fez os últimos 4 dos 67 pontos da equipe, fez muita besteira… Mas tem só 20 anos. Vamos ver ano que vem.

ART
Nico Hülkenberg | Ao vencer cinco corridas, repetiu os feitos de Lewis Hamilton [, Nico Rosberg]* e Timo Glock, que são, afinal, os pilotos de maior sucesso depois de conquistar um título da GP2.
Pastor Maldonado | Fez menos besteiras do que o normal, mas deixou sua marca — que o diga Diego Nunes em Nürburgring. Continua estabanado.

Arden

Sergio Pérez | Taí alguém que não me arrependi de apostar no início da temporada. Foi muito bem pra quem tem só 19 anos, com 22 pontos em uma equipe hoje mediana. Patrocinado pela Telmex, é outro que não deve ficar muitos anos na categoria.
Edoardo Mortara
| Outro que foi bem e parece ter futuro. Passou por um dos momentos mais curiosos da temporada.

Na parte 2, Super Nova, Dams, Trident, FMS/Coloni, Durango, Ocean e DPR.

* Bem lembrado pelo leitor Diogo Coelho.

Autor: - Categoria(s): GP2 Tags: , , , ,
Voltar ao topo