Publicidade

Publicidade

18/07/2011 - 20:35

Rasteira

Compartilhe: Twitter

FELIPE PARANHOS [@felipeparanhos]

“Da mt raiva!Ver q pilotos da mesma categoria tendo a cara de pau de mandar email p meu patrocinador pedindo patrocinio e puxando o saco!”

Quem escreveu isso em seu Twitter foi Tuka Rocha, piloto da Vogel na Stock Car, patrocinado pela BMC, a Brasil Máquinas.

O que me interessa nessa história é o seguinte: se naquela que é provavelmente a maior categoria do Brasil há pilotos tentando roubar patrocinador do outro, o que isso significa olhando para o automobilismo brasileiro como um todo?

Autor: - Categoria(s): Stock Car Tags: , , , ,
04/05/2011 - 12:51

Toda sorte

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Volta e meia a gente fala de dinheiro aqui. Piloto X não tem, piloto Y tem demais. Mikhail Aleshin já esteve nas duas situações. O russo foi apoiado pela Red Bull quando era ele a grande promessa do país, não Vitaly Petrov.

E, convenhamos, Mikhail tem mesmo mais talento.

Ele ficou de 2005, na primeira versão do programa de jovens pilotos, até 2009 sob a condução da empresa dos energéticos. Fez duas temporadas completas na World Series, mas não brilhou, ficou ali pelo meio do pelotão, levou uma naba do companheiro Vettel na metade da temporada 2007, aquela coisa. Mas tinha 19 anos só.

Em 2009, último ano sob apoio forte da Red Bull, foi terceiro colocado na F2 — o melhor ano da categoria, aliás. À frente dele ficaram Robert Wickens, hoje líder da World Series, e o campeão Andy Soucek. Voltou à World Series ano passado, sem tomar energético, e ganhou o título.

Depois de flertar com uma vaga na Virgin e andar de Renault no treino para novatos da F1. Finalmente daria o passo seguinte ao chegar à GP2 pela Carlin, equipe com a qual trabalhou na World Series. Correu na GP2 Ásia, curta e mal organizada. Não deu pra fazer nada de bom. Para a fase principal da temporada, faltou dinheiro e o lugar que seria dele ficou vago.

Aleshin chegou a correr na classe Light da F3 Alemã no mês passado, convidado por uma equipe, sem precisar levar nada em dinheiro e patrocínio. Parecia o fim das esperanças. Na última hora, dias antes da viagem a Istambul, Trevor Carlin o convidou para voltar ao time da GP2, mesmo sem o russo ter grana para toda a temporada.

O acordo dura só as duas corridas da Turquia. Aleshin tem só duas chances de impressionar e chamar a atenção de patrocinadores. Toda sorte a ele.

Autor: - Categoria(s): GP2 Tags: , , , , , ,
12/01/2011 - 13:09

Certeira

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Em tempos de escassez de patrocínio, casos como esse chamam a atenção. A Certina, fabricante suíça de relógios, renovou o contrato com a Sauber. A empresa apóia o time de Peter Sauber desde 2005-2006, na entrada da BMW.

Pegou os tempos de sucesso, a primeira pole, a primeira vitória do time. E foi o único patrocinador fixo que ficou na equipe para o período de escassez, com a saída da montadora suíça alemã no fim de 2009. Todo mundo pulou fora, o carro da Sauber ficou totalmente branco, uns Burger Kings da vida apareceram ao longo do ano, mas a Certina ficou — primeiro nos retrovisores, depois nos capacetes.

Agora, a Sauber dá passo importante para se reerguer com a contratação do telefonicamente endinheirado Sergio Pérez. E a Certina continua lá, apoiando uma equipe suíça como ela, angariando simpatia por sua marca.

Caso raro.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , ,
07/10/2010 - 04:58

Questão de bom senso

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Peter Sauber é dono, chefe e principal porta-voz da equipe que leva seu nome na F1.

(Já repararam que quase ninguém mais fala em nome da equipe? O negócio é centralizado)

Suas funções, portanto, requerem que ele esteja ao lado do time em todos os GPs, acompanhando os trabalhos, dando seu ponto de vista — enfim, cuidando decentemente da empresa.

Mas Peter não está em Suzuka para o GP do Japão. Vai a um casamento.

O leitor se pergunta que raio de chefe é esse.

É que o casamento é de Carlos Slim Domit, presidente da Telmex, principal patrocinadora da Sauber em 2011. Domit junta os trapinhos milionários com María Elena Torruco neste fim de semana.

É, Peter, boa escolha. Aproveita e dá uma passada em Acapulco.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , , , , ,
14/06/2010 - 08:55

Tá explicado

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Na sexta-feira: “Chandhok se oferece à Force India para 2011 e exalta seu rendimento na F1”.

No sábado: “Chandhok descumpre acordo com Hispania e pode perder vaga”.

Não que seja muito difícil deduzir, mas ficou ainda mais claro que Karun cava tanto um lugar na Force India porque é esta a melhor (a única?) chance de ele ficar um tempo razoável na F1. Chandhok admitiu que a maioria dos possíveis patrocinadores contatados na Índia fica em cima do muro entre apoiar um piloto indiano e uma equipe indiana. E, convenhamos, ele está em desvantagem nesta disputa.

Adrian Sutil leva patrocinadores para a Force India, como se sabe. E é mais de quatro vezes o que Chandhok prometeu e — segundo o “Hindustan Times” — não cumpriu para a Hispania. Sendo assim, e adicionando a esta questão o fato de que o time de José Ramón Carabante continua precisando de dinheiro, Karun pode ficar sem nada nas mãos.

Já pensou, Christijan Albers de volta à F1? Ainda bem que não há mais reabastecimento…

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , , , ,
Voltar ao topo