Publicidade

Publicidade

21/09/2011 - 18:04

Villeneuve quer comprar a Red Bull

Compartilhe: Twitter

Red Bull

FELIPE GIACOMELLI [@daewlz]

Villeneuve está preparando mais uma volta ao automobilismo. Ao contrário do que você imaginou quando leu o título deste post, o canadense, que já passou por Indy, F1, Nascar, Top Race, Stock Car, Le Mans Series, V8 Supercars e Speedcar Series, parece ter se voltado novamente ao mercado americano. Mais precisamente, a Nascar.

De acordo com o site Scene Daily, o canadense é um dos interessados em comprar a Red Bull, que já anunciou deixar a categoria ao final da atual temporada.

O empresário de Villeneuve já confirmou o interesse do piloto, mas admitiu que ele precisa reunir os recursos necessários para a negociação. Uma solução apontada para o piloto é comprar a equipe e disputar apenas alguma das etapas da categoria em 2012, com outro piloto – que trouxesse dinheiro – fazendo as demais.

Um rumor apontado pelo próprio site é o ex-piloto de F1 se aliar a Brian Vickers, que atualmente compete pela Red Bull. O americano, que começou a carreira correndo pela equipe do próprio pai antes de se transferir para a Hendrick, afirmou que não deve correr em um time familiar, mas não falou nada quanto a se associar a outro piloto.

Villeneuve participou de três etapas da Nascar desde 2007 – e não conseguiu se classificar para outra – conseguindo a 21ª colocação, justamente na estreia em Talladega, como melhor resultado.

Autor: - Categoria(s): Nascar Tags: , , ,
16/06/2011 - 00:30

Estranhezas

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos [no twitter: @felipeparanhos]

Cada esporte tem sua notícia ou caso estranho. No futebol, por exemplo, tem o “só falta assinar”:”Vandergleyson já acertou com o Flamengo. Só falta a liberação do clube”. Então falta tudo, pô! No vôlei, é a figura do ponteiro-passador. “Rodriguinho joga como ponteiro-passador no Cimed”. Hoje em dia, todo ponteiro é passador. Portanto, redundância sem sentido. Assim como as situações citadas, uma coisa que me intriga é o encontro piloto-dirigente rival. Nesta semana, rolou uma dessa, com o Lewis Hamilton.

A história é a seguinte: durante o GP do Canadá, Lewis Hamilton deu uma saída da garagem da McLaren e foi se encontrar com Christian Horner no motorhome da Red Bull. Passou 15 minutos lá. Como a vaga de Mark Webber é a mais desejada da F1, nada mais lógico do que imaginar o inglês tentando negociar com a equipe dos energéticos. Seria uma dupla fortíssima, com os dois melhores pilotos de sua geração.

Mas aí eu fico pensando: você é o Christian. Chefe de uma equipe top, a melhor de todas, dominando o campeonato. Seu segundo piloto já mostrou que não gosta de ser segundo piloto e está incomodado por sofrer tantos problemas que não acontecem no carro de Vettel. Aí, apesar de ter dito que a renovação desse segundo piloto já é praticamente favas contadas, você inicia conversas com um piloto de outra equipe. Pra 2013.

Pra que vai se encontrar no meio do paddock da F1, com 83 mil jornalistas por lá? Estamos em 2011. Não podia mandar um SMS? Ligar?  “Ei, Luís, entra no MSN ae. Abs. Chris.” Tinha lá a conversa, batia um papo, ligava pro empresário…

Sei lá, acho estranho…

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , ,
24/05/2011 - 16:25

Tudo novo em 2012?

Compartilhe: Twitter

FERNANDO SILVA [@Fernando_Silva7]
de Sumaré

Sergio Pérez na Ferrari? Kamui Kobayashi na Red Bull? Levando em conta o desenrolar da temporada até aqui, esse cenário pode não ser tão impossível assim já para o próximo ano. Fazendo uma breve análise das condições de cada piloto em seu respectivo time atualmente e também da temporada, pensei — isso não é uma informação, mas sim um pensamento que gostaria de compartilhar com os leitores do BloGP, que permite isso — e cheguei a essa configuração, talvez já para 2012, quando praticamente todas as equipes, com exceção da McLaren, poderiam ter mudanças significativas no quadro de pilotos.

Pode até mesmo ser uma VIAGEM daquelas. Mas convenhamos. A F1 mudaria consideravelmente. Já imaginou Kobayashi na Red Bull andando na frente do Vettel? Ou mesmo Pérez impondo dificuldades a Alonso em uma disputa interna na Ferrari? Como seria Massa liderando uma equipe cada vez melhor como a Renault, por exemplo? No mínimo, bem interessante.

Red Bull: Vettel e Kobayashi – Webber se aposentaria, e Kobayashi, que é a imagem da Red Bull (jovem e arrojado), assumiria a vaga;

McLaren: Hamilton e Button – essa dupla é a única que não muda. Em teoria, pilotos e equipe mutuamente satisfeitos;

Ferrari: Alonso e Pérez – Massa deixaria a equipe. Com um ano de experiência, Pérez, que é da Academia de Pilotos da Ferrari, seria alçado ao posto de titular;

Mercedes: Rosberg e Di Resta – outro caso meio claro também. Schumacher se aposentaria, e Di Resta, cria da Mercedes, assumiria seu lugar;

Renault: Massa e Petrov – longe da Ferrari, Massa conseguiria vaga na Renault se Kubica não voltar. Graças a um acordo entre Renault e Williams, a escuderia anglo-francesa emprestaria Bruno Senna para Grove;

Sauber: Bianchi e Gutiérrez – Bianchi manteria o vínculo Sauber-Ferrari e ficaria um tempo na equipe para ganhar experiência. Gutiérrez, que hoje é piloto de testes da Sauber, garantiria os patrocínios mexicanos mesmo com a saída de Pérez;

Force India: Sutil e Hülkenberg – Sutil é incógnita, mas não vejo outro. Hülkenberg entraria no lugar do Di Resta, também com a bênção da Mercedes;

Williams: Bruno Senna e Maldonado – Barrichello encerraria a carreira na equipe de Grove, e Maldonado seguiria graças aos petrodólares da PDVSA de Hugo Chávez. Senna seria emprestado pela Renault à Williams, que pode voltar a receber os motores franceses;

Toro Rosso: Buemi e Ricciardo – o melhorzinho da Toro Rosso junto com o melhor do programa de pilotos da Red Bull, Ricciardo;

Lotus: Kovalainen + 1 da GP2 – Trulli não deve seguir por muito tempo, fato. Kovalainen e mais um, que pode ser um endinheirado da GP2;

Virgin e Hispania: quem pagar mais.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , , , , , , ,
04/05/2011 - 12:51

Toda sorte

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Volta e meia a gente fala de dinheiro aqui. Piloto X não tem, piloto Y tem demais. Mikhail Aleshin já esteve nas duas situações. O russo foi apoiado pela Red Bull quando era ele a grande promessa do país, não Vitaly Petrov.

E, convenhamos, Mikhail tem mesmo mais talento.

Ele ficou de 2005, na primeira versão do programa de jovens pilotos, até 2009 sob a condução da empresa dos energéticos. Fez duas temporadas completas na World Series, mas não brilhou, ficou ali pelo meio do pelotão, levou uma naba do companheiro Vettel na metade da temporada 2007, aquela coisa. Mas tinha 19 anos só.

Em 2009, último ano sob apoio forte da Red Bull, foi terceiro colocado na F2 — o melhor ano da categoria, aliás. À frente dele ficaram Robert Wickens, hoje líder da World Series, e o campeão Andy Soucek. Voltou à World Series ano passado, sem tomar energético, e ganhou o título.

Depois de flertar com uma vaga na Virgin e andar de Renault no treino para novatos da F1. Finalmente daria o passo seguinte ao chegar à GP2 pela Carlin, equipe com a qual trabalhou na World Series. Correu na GP2 Ásia, curta e mal organizada. Não deu pra fazer nada de bom. Para a fase principal da temporada, faltou dinheiro e o lugar que seria dele ficou vago.

Aleshin chegou a correr na classe Light da F3 Alemã no mês passado, convidado por uma equipe, sem precisar levar nada em dinheiro e patrocínio. Parecia o fim das esperanças. Na última hora, dias antes da viagem a Istambul, Trevor Carlin o convidou para voltar ao time da GP2, mesmo sem o russo ter grana para toda a temporada.

O acordo dura só as duas corridas da Turquia. Aleshin tem só duas chances de impressionar e chamar a atenção de patrocinadores. Toda sorte a ele.

Autor: - Categoria(s): GP2 Tags: , , , , , ,
01/04/2011 - 14:05

1º de abril manjado. Mas tem gente que ainda cai

Compartilhe: Twitter


FERNANDO SILVA [
@Fernando_Silva7

SUMARÉ — Insatisfeita com a mudança dos motores de oito para quatro cilindros, a Ferrari deixa a F1 no fim da temporada de 2012 para disputar a temporada da Nascar e será comandada nas pistas por Michael Schumacher.

Os resultados recentes de Felipe Massa fizeram com que a Ferrari decidisse por sua saída imediata da equipe. Bruno Senna e Michael Schumacher são os cotados para assumir sua vaga.

Renault usará peças de ouro no R31 de Nick Heidfeld e Vitaly Petrov tanto nos treinos livres, quanto na disputa da corrida em Sepang, no próximo domingo.

Narain Karthikeyan vem a público dizer que a Hispania é uma equipe SÉRIA e que respeita a regra dos 107%.

Pilotos da Red Bull na Stock Car disputam a 11ª Corrida Nacional de JERICOS motorizados em Alto Paraíso de Rondônia.

Das frases acima, apenas a menção ao piloto indiano é verdadeira — apesar de ter sido publicada no começo da semana, é inverossímil do mesmo jeito —, por incrível que pareça. Todos os anos, nós jornalistas temos de ficar atentos ao 1º de abril, data em que as equipes, pilotos, e principalmente, a imprensa internacional costumam pregar suas peças. No entanto, está cada vez mais difícil dar um olé na rapaziada, cada vez mais esperta e atenta às tais histórias cada vez mais manjadas e estapafúrdias. Mas ainda assim, tem gente que cai, acredite.

O site ‘Paddock Talk’, aglutinador de notícias relacionadas a automobilismo, sediado na Inglaterra, divulgou a primeira notícia, assim como a suposta morte de Bernie Ecclestone — de tanto trabalhar —, cujo cargo de presidente da FOM seria assumido por Muammar Khadafi, com o poder cada vez mais ameaçado na Líbia. Já a saída de Massa da Ferrari foi divulgada no Twitter — maior disseminador de verdades e mentiras da atualidade —, enquanto a Renault entrou no clima e publicou a história das peças de ouro em seu site.

A Red Bull, bem-humorada como sempre, contou a mentira mais travestida de fatos reais vista hoje. A equipe enviou um release com muitas fotos e detalhes da participação de Cacá Bueno e Daniel Serra na corrida de jericos motorizados. Ainda que a notícia fosse suspeita, por conta da data, dois grandes portais e uma agência caíram na brincadeira e publicaram a nota como se fosse verdade. Pouco tempo depois, a assessoria da equipe veio desmentir a notícia, confirmando apenas que era uma nota alusiva à data. Acontece, faz parte, já diria o outro. Quem é que nunca caiu em uma lorota? Eu mesmo já caí em algumas boas, mas isso é história para outro post.

Tantas outras piadas são levadas ao público como se fosse verdade. O que é mesmo aquele botão de chuva idealizado por Ecclestone? E a intenção de se fazer revezamento de pilotos nos carros na última década? E muitas outras que já vimos e ouvimos por aí.

E você, qual foi a maior mentira já lida sobre a F1? Conte aqui.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , , , , ,
26/03/2011 - 12:53

VIPs

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Por pouco a Red Bull não tem um prejuízo bastante grande por causa de uma situação absolutamente curiosa neste sábado (26), em Melbourne.

Meia hora antes do início do treino classificatório, a equipe organizava uma visitação à garagem para os seus convidados VIPs. Os seres humanos dotados de boa condição financeira e contatos andavam pelas instalações energéticas, sempre coordenados por um funcionário do time, como é praxe.

Mas um serelepe rapaz deu um perdido no tio que comandava a excursão. E foi olhar de perto o carro de Mark Webber. E resolveu se apoiar no carro para tirar uma foto. E crec, quebrou a carenagem na região da entrada de ar no topo do RB7, aquela em cima da cabeça do piloto.

Esta entrada de ar não é lá uma coisa que se quebre muito na F1. Por isso, houve um breve sufoco para que fosse colocada uma nova peça no lugar da que o panaca quebrou. Só tinha uma na reserva. E foi ela que entrou na pista para que Webber marcasse a terceira melhor marca do treino que definiu o grid de largada.

Meia hora de semicaos na equipe, pra montar as coisas a tempo de ir à pista no Q1…

Mas deu tudo certo.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , , , , ,
23/03/2011 - 23:11

Pastor Vettel

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Sério, sério: quem teve a ideia de levar o Vettel pra TOSQUIAR uma ovelha há dois dias de um GP?

Essas ações promocionais se superam a cada dia.

Quando eu vejo essas fotos, só me lembro dessa aqui, do Nicola Larini, à época na Osella, em 1989, provavelmente pra uma matéria daquelas falando sobre como o piloto relaxa em casa e tal. Antológica. Faz tempo que tô querendo encaixar aqui no blog. Por que diabos alguém tem uma máquina de caça-níqueis em casa? A lógica não é ganhar dinheiro? Vai levar grana de você mesmo? Vai entender.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , , ,
14/11/2010 - 16:17

Red Bull: título sem mácula

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Valery Rozov, do Base Jump, saltou de um helicóptero, voou em uma roupa especial e parou dentro da cratera de um vulcão. Em atividade. Travis Pastrana, multiesportista, bateu recordes de salto em distância com um carro de rali e chegou a saltar em queda livre, sem paraquedas e tomando um energético.

Terry Adams superou a dislexia para virar um campeão do BMX Flatland. Rebecca Rusch fez história ao comandar uma equipe de homens em uma edição do Eco Challenge. Robbie Maddison saltou de 25 metros de altura e pousou numa réplica do Arco do Triunfo, em Las Vegas.

Sandro Dias, o Mineirinho, foi o primeiro skatista a conseguir o 900º — manobra em que o atleta dá duas voltas e meia no ar — em uma competição oficial. Shaun White, snowboarder, foi o primeiro a conseguir medalhas nos X-Games de verão e inverno, em dois esportes diferentes.

Carolina e Maria Clara, filhas da ex-jogadora Izabel, foi a primeira dupla de irmãs a conseguir uma medalha em uma etapa do Circuito Mundial de Vôlei de Praia. Felix Baumgartner foi o primeiro a cruzar o Canal da Mancha voando em um wingsuit.

Todos estes são patrocinados pela Red Bull. Todos eles têm algo inovador em seus currículos.

O negócio da Red Bull não é vender carro. Por isso, eu duvidava que a marca maculasse sua imagem vitoriosa com um jogo de equipe na F1 — embora fosse absolutamente compreensível e honesto se isso fosse feito. Mas não foi preciso.

O negócio da Red Bull é vender latinhas para o jovem que, por algumas horas, espera se sentir melhor, mais forte — com asas.

O negócio da Red Bull é patrocinar a inovação. E Sebastian Vettel foi o piloto mais jovem da história da F1 a marcar pontos, obter uma pole, vencer uma corrida e conquistar um título mundial.

Um título de Webber seria comemorado, claro, pela visibilidade da marca, pelo número 1 na carenagem do carro de 2011, por recuperar um piloto que parecia semiaposentado.

Mas é Vettel o retrato do carisma, da inovação, da renovação, da Red Bull.

Apostar cedo em Sebastian foi o investimento perfeito, deve pensar um certo Mateschitz na madrugada austríaca.

* P.S.: A curitibana Marília Compagnoni e o Gabriel de Amorim, aqui nos comentários, notou uma coisa interessante nesta foto aí de cima. Cadê o Webber? Hum… Como diria aquele apresentador de TV muso das nossas avós, significa.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , , , , ,
05/10/2010 - 11:45

Seriedade

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

“Somos sérios”, declarou pela milésima vez Tony Fernandes, depois de anunciar o acordo para receber o sistema hidráulico e a caixa de câmbio da Red Bull.

Há um ano Tony diz isso.

Mas não é porque é uma mala. É porque sabe o ambiente hostil que as novatas sofrem na F1.

Busca na cabeça aí: depois da saída do Max Mosley, quem manifestou algum tipo de apoio a Lotus, Virgin ou Hispania? É só porrada.

Me parece  óbvio que a Lotus é esportivamente séria. Tony Fernandes não entra em nada pra perder, já disse isso por aqui. Mas as perspectivas para quem pretende entrar na F1 hoje em dia não são nada animadoras — como se pôde ver no processo seletivo da FIA para a 13ª vaga do Mundial de 2011.

E mesmo se a equipe não tivesse grana, não teria o direito de tentar fazer história na F1 — mesmo que no fundo do grid?

Quanto mais elitizada a F1 for, mais babaca ela vai ser.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , ,
27/05/2010 - 13:08

A serventia de Webber

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Muito se falou nos últimos dias sobre o aumento de moral de Mark Webber agora que é líder do campeonato. Ganhou poder de barganha na negociação de um novo contrato, passou a ser visto com bons olhos por outras equipes…

Mas, convenhamos, todo mundo sabe que Vettel é mais piloto do que ele. A própria Red Bull. Christian Horner falou do alemão para a “La Gazzetta dello Sport”: “Ele está maduro o suficiente para conquistar o Mundial. […] Ele tem três qualidades: velocidade natural, inteligência e uma personalidade forte. E ele brinca. A equipe o adora.”

Sobre Webber, outras loas. Mas suspeito de que a opinião da equipe sobre Mark ficou clara só no fim: “Poucos são tão rápidos quanto ele. A velocidade dele força Vettel a ir ainda mais rápido.”

Pronto. É para isso que serve Webber.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , ,
Voltar ao topo