Publicidade

Publicidade

29/07/2009 - 09:22

E Mosley tinha razão

Compartilhe: Twitter

Muita gente tem, desde a mais TENRA idade, aquele sentimento rebelde de sempre ser “contra tudo e contra todos”. Obviamente, eu também passei por essa fase, e resquícios dela ainda continuam a permear esta avantajada cabeçorra com relação a alguns assuntos. Um deles trata de dirigentes políticos: para mim, eles estão invariavelmente errados — a não ser que seus adversários de momento consigam a proeza de errar ainda mais.

Pois Max Mosley, para mim, era um exemplo claro do dirigente que sempre erra. Desde as mudanças de 1997, que tornaram a F1 um esporte quase sacal de assistir — e eu me lembro de ler críticas às alterações desde essa época —, sempre vi no inglês o típico cara que faz de tudo para chamar mais atenção para si do que para o esporte que comanda.

Mas reconhecer que está errado, dizem, é uma benção (como não sou muito chegado a ESOTERIMOS, acho apenas uma merda saber que errei). E este é o caso: Mosley, no fim das contas, tinha razão de tudo que fez na F1, principalmente nos últimos dois anos. A decisão da BMW de deixar a F1, anunciada nesta quarta-feira, é das coisas mais patéticas e lamentáveis que eu já vi.

Como que um fabricante que trabalha focado no desempenho — e, caramba, trabalha tão bem — consegue tomar uma decisão estapafúrdia dessas? Uma empresa que lida com a imagem conseguir incinerar a sua tão facilmente é algo que me deixa meio bobo (e isso que eu já sou quase um bobo completo).

Sempre fui fã dos carros da BMW. Nunca tive um, obviamente, porque eles valem umas quatro vidas das boas, como diria O Homem sem Nome n’O Terceiro Tira, mas são carros que eu admiro desde pequeno. Mais do que Ferrari, Mercedes, Audi, pau a pau com Porsche. E aí os caras fazem isso… incompreensível.

Mas, é como o chefe não cansa de dizer: o balancete reina sozinho, e foda-se a história e o envolvimento com o esporte. O nosso trabalho — e aqui falo do trabalho que fazemos no GP — é sobre algo supérfluo para o mundo, o que nos torna também supérfluos. É dose constatar isso quando se começa a trabalhar às 5h da matina.

Para aliviar a raiva, um pouco de ROXETTE para todos:

Abraços,
Francisco Luz

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , ,
Voltar ao topo