Publicidade

Publicidade

11/12/2009 - 11:20

Ayrton Senna, o jogo

Compartilhe: Twitter

SuperMonacoGPII

Felipe Paranhos

Em tempos de falta de assunto e de saco, prefiro falar de assuntos acessórios à F1. Portanto, a eleição da Autosport que escolheu Ayrton Senna como melhor piloto da história da categoria será só o gancho de algo MUITO MAIS importante: videogame =)

Ayrton Senna’s Super Monaco GP II foi, como se pode depreender, uma continuação. O primeiro jogo, porém, não tinha a chancela do piloto brasileiro. Numa época em que as categorias ainda não haviam notado as vantagens de investir em jogos oficiais, ter o nome de um campeão atrelado a um game era, sem dúvida, um atrativo.

A série provavelmente inaugurou algo que hoje é praxe nos jogos de automobilismo: o modo carreira. No Super Monaco GP I, você começa na Minarae, obviamente inspirada na Minardi. Ao longo da temporada, ganhando corridas, você entra em outras equipes. Depois de conquistar seu primeiro título, você é contratado pela Madonna — a McLaren — e desafiado pelo seu arquirrival, G. Ceara. É Senna.

O segundo jogo tem o mesmo princípio, mas você escolhe os pilotos a desafiar. Se terminar à frente do rival em corridas seguidas, troca de lugar com o adversário. Ayrton é o único nome real no game. Ontem, brinquei um pouco: depois de vencer a primeira corrida, superando I. Germi — Ivan Capelli — e M. Blume — Michael Schumacher —, parei. No auge.

Como talvez já tenha dito por aqui, comecei a gostar de automobilismo ao ver um cara zerar o jogo com o controle ao contrário — o que, na verdade, não é merda nenhuma. O realismo é zero, a ponto de você contornar a Junção de Interlagos a 250 km/h, mas, ainda assim, o game foi fundamental para tudo o que se vê hoje no automobilismo virtual.

Autor: - Categoria(s): F1, Virtual Tags: , ,
Voltar ao topo