Publicidade

Publicidade

18/12/2010 - 16:15

Apenas um mal-entendido

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

O Desafio das Estrelas de Kart foi alvo de uma polêmica virtual neste sábado (18). Começou quando Danilo Dirani e Ruben Carrapatoso, dois ótimos pilotos — Ruben foi campeão mundial na categoria Formula A em 1998, com André Nicastro em terceiro —, emendaram uma conversa no Twitter.

Na noite de sexta-feira (17), Carrapatoso fez um comentário ironizando a imprensa automobilística. “Estranho? Final de ano é a unica epoca do ano q os jornalista se lembram de existe o KART !!! #fail”. Em seguida, acrescentou: “PQ SERÁ?”, antes de dar a entender que as “estrelas” do Desafio vieram do kartismo.

Danilo, então, questionou: “E pq sera q n tem kartista la ne man??Medo talvez??haha”. Em clima de brincadeira, aprovou o comentário de um seguidor que perguntou se o não-convite a kartistas era por medo de “tomar passão por fora na TV”.

Piloto da F-Truck, Dirani explicou, logo depois, que não fazia tais afirmações por querer estar em Florianópolis, mas por querer mais atenção para o kart durante o ano, não só quando pilotos de outras categorias fazem a festa de fim de temporada.

O assunto parecia ter acabado quando Tony Kanaan retrucou. “Por essas e outras e que o Kart não e mais o mesmo. O recado ta dado. Mais respeito e bom. Provas como essa e a da Granja só ajudam o kartismo”. Thiago Camilo, piloto da Vogel na Stock Car, concordou com Tony. Em resposta, o baiano endureceu: “Por isso que vão correr de Kart pro resto da vida. Cabeça pequena não vai a lugar nenhum.”

E continuou. “Ninguém tem medo d tomar pau aqui,não e esse o propósito da prova.Quando vcs ganharem um campeonato Mundial em uma categoria principal. Aí quem sabe podem começar a falar tanta besteira. Usem o exemplo Granja e Desafio que se ajudaram e cresceram juntos”. No fim, com personalidade, Tony citou os twitters de Danilo e Ruben.

Explicado o que aconteceu, falo eu. E, sem querer ficar em cima do muro, acho que os dois lados têm razão e perdem um pouco da razão também. A imprensa automobilística dá, sim, muito menos atenção ao kart do que às outras categorias. Primeiro pela noção de que kart é escola para outras categorias, mesmo não sendo só isso. E trata-se de uma noção mundial, não só brasileira. Em segundo lugar porque essa noção é secular, e o tamanho da cobertura jornalística de qualquer lugar mais reflete do que alimenta interesses por algum assunto.

Entendo, porém, que deve ser uma merda se dedicar o ano inteiro ao kartismo e ver, no fim do ano, pilotos de monoposto terem tanto espaço fazendo justamente o que eles fazem por seguidas temporadas. Só que trata-se de um evento privado. Como tal, convida-se quem quiser — e quem seus parceiros quiserem.

O kartismo está representado na prova. Leonardo Nienkötter, representante catarinense, é kartista, conquistou o Brasileiro de Kart e o SKUSA Super Nationals nos Estados Unidos neste ano, em que estreou no Trofeo Linea. Até acho que a família Massa poderia convidar mais gente do meio, mas tem o direito de não fazer. Pode-se falar da presença de um não-piloto, o ator Marcos Pasquim, mas a mim parece claro que a participação dele é uma concessão feita pela organização da prova à TV Globo — conforme já falei em post passado, Pasquim será o protagonista da próxima novela das 7. Concessões são feitas mundo afora, em qualquer negócio/empresa. E, afinal, a Globo transmite as baterias da prova em seus canais aberto e fechado, e isso gera interesse para o kart, tão caro e massacrado por gestões e gestões da Confederação Brasileira de Automobilismo.

É evidente que pilotos consagrados, que demonstram talento e habilidade por anos a fio, não têm medo de enfrentar kartistas profissionais. Achei que a declaração do Danilo sobre o medo foi em tom de brincadeira, mas a linguagem escrita não tem os recursos da falada e às vezes causa um entendimento confuso. Pra mim trata-se de um grande mal-entendido.

Nesta, eu tô com o Allam Khodair, que sempre me pareceu boa gente pacas e segurou a onda da rapaziada no Twitter. Bola pra frente, pessoal.

Autor: - Categoria(s): Kart Tags: , , , , , , , , ,
04/12/2010 - 19:20

Notas, notas

Compartilhe: Twitter

CURITIBA |  A Stock Car encerra a temporada em Curitiba neste final de semana ainda em meio a uma decisão de título que envolve quatro pilotos. Apesar de toda a expectativa para a definição do campeão, a categoria também vive os rumores das tradicionais mudanças nas duplas de pilotos das equipes. As duas grandes estão definidas: Red Bull permanece com Cacá Bueno e Daniel Serra, assim como a RC, que vai de Ricardo Maurício e Max Wilson em 2011.

A outra equipe de Andreas Mattheis também já está fechada, mesmo com a perda do patrocínio de anos da Medley. Alceu Feldmann e Popó Bueno serão os pilotos do time, que terá um forte patrocinador nos dois carros.  A Full Time, para onde foi a gigante farmacêutica, já oficializou Xandinho Negrão e Marcos Gomes. Quem sobrou foi Allam Khodair, que ainda não definiu o futuro, apesar do apoio de tempos da Blausiegel. Outro que ainda não fechou contrato para 2011 é Thiago Camilo.

O pole da etapa de Curitiba ainda não sabe se continua na Vogel, equipe que defende há sete temporadas. Thiago ficou fora do playoff neste ano e já estuda proposta de outras escuderia.  A própria equipe, nas palavras de Camilo, também mantém conversas com outros pilotos. Ainda entre as equipes de ponta, Átila Abreu parece garantido na AMG.

Outra notícia do fim de semana é de Ricardo Zonta. Mesmo sem a definição do recurso que impôs da punição em Campo Grande, assegurou participação na temporada do ano que vem. O julgamento do recurso acontece no dia 20 de dezembro. Mas há vagas interessantes em aberto. Na RCM, o outro time de Rosinei Campos, existe o lugar deixado por Feldmann. Amanhã tem mais!

Autor: - Categoria(s): Stock Car Tags: , ,
05/12/2009 - 17:19

Camilo mostra por que 500 Milhas não é brincadeira

Compartilhe: Twitter

É comum dizer que as 500 Milhas de Kart da Granja Viana é mais uma brincadeira de fim de ano, para os pilotos relaxarem, que é uma “pelada”, em comparação ao futebol. Mas cada vez está provado que os pilotos entram para valer nessa prova, que não se permitem errar e que o estresse pode ir ao extremo. Se fosse mesmo uma reunião para brincar, não haveria discussões como no box da Dolly, em que Thiago Camilo – que corre mesmo com um ferimento na mão direita – e um mecânico tiveram uma séria discussão, muito por conta pela enorme vontade de vencer de ambos.

Tudo começou na troca de pilotos. Camilo deu lugar a Sérgio Jimenez e houve alguns problemas nessa mudança. Tudo resolvido, Jimenez foi liberado, e o kart, de volta para a pista. Só que Thiago e o mecânico começaram a discutir por causa de alguma coisa que deu errado.

A discussão ficou mais acalorada, o piloto da Stock Car foi puxado para dentro do lugar reservado do box, e o mecânico ainda continuou explicando, de forma agitada, suas razões para o que não deu certo na troca de pilotos.

Os ânimos ficaram exaltados, mas a situação estava longe de descambar para uma briga física, tudo ficou sob controle. Minutos depois, Camilo voltou, cumprimentou o mecânico e tudo ficou acertado.

Isso é absolutamente normal em um prova competitiva. Todos sempre estão à beira de um ataque de nervos porque querem que tudo dê certo. Um erro pode significar uma derrota.

Isso é só para provar que não existe essa história de confraternização de fim de ano. Cenas como a que foi descrita mostram que quando piloto está na pista, não há brincadeiras.

Marcus Lellis [@marcuslellis]

Autor: - Categoria(s): 500 Milhas de Kart Tags: , , , , , ,
05/12/2009 - 15:45

Camilo e sua fome pela velocidade

Compartilhe: Twitter

Thiago Camilo está com fome de correr. Na sexta-feira (4), o piloto sofreu um forte acidente em Interlagos, cortou a mão e quase não participou do treino de classificação para a etapa final do ano da Stock Car, em São Paulo. Passado o susto, Camilo foi para o treino e conquistou a pole.

Depois disso, momentos de descanso seriam ideais. Nada disso. Thiago está aqui na Granja Viana e já pilotando um kart nas 500 Milhas, mesmo com a mão enfaixada, mesmo com uma prova a disputar amanhã.

É a fome por velocidade! Para matar, só correndo.

Marcus Lellis [@marcuslellis]

Autor: - Categoria(s): 500 Milhas de Kart, Stock Car Tags: , , , , , ,
Voltar ao topo